sexta-feira, 22 de abril de 2022

Desista de tudo aquilo que já desistiu de você…


É preciso deixar de manter junto gente dispensável, buscar novos empreendimentos e empregos que nos tornem pessoas realizadas, dar um basta nas relações recheadas de lágrimas, arrependimentos e súplicas vazias. Mas também é imprescindível olhar para dentro de nós, percebendo a nossa parcela de responsabilidade sobre todo o mal que nos aflige.


Talvez uma das maiores dúvidas que temos seja percebermos quando é chegada a hora de promovermos mudanças nos vários setores de nossas vidas. Isso porque a comodidade da zona de conforto em que nos sentimos confortáveis acaba por nos tolher a iniciativa de operarmos a quebra do que aparentemente se encontra instalado em nós. Mudar assusta e requer coragem, mas é vital e necessário.


Temos uma forte tendência a querer que os dias corram sempre na mesma sintonia, no mesmo tom, pois ansiamos, sobretudo, por calmaria e equilíbrio. No entanto, mesmo que aparentemente as coisas possam nos parecer já estabilizadas, nada é imutável, nada deixa de se transformar ao longo do tempo – é assim com as pessoas, é assim com tudo o mais.


As experiências acumuladas, as mudanças de perspectivas, as diferentes direções dos sonhos, as ressignificações de mundo, tudo serve para promover a ampliação de perspectivas. Nesse sentido, as ideias mudam, o mundo se transforma, ou seja, não permanecemos os mesmos, pois vamos também nos transformando ao compasso das mudanças que se descortinam ao nosso redor.


Por isso é que certas coisas vão perdendo o significado e a importância que possuíam para nós, à medida que avançamos no tempo e amadurecemos os nossos pensamentos. A vida corre e, aqui dentro da gente, os sentidos clamam pelo seguir sempre em frente. E prosseguir muitas vezes significa ter que deixar para trás parte daquilo que já tínhamos como certo em nossas vidas.


Não é fácil nem agradável nos libertarmos do que pensamos ser imprescindível em nossas vidas, pois temos a impressão de que não conseguiremos sobreviver sem aquilo tudo. Quer saber? Sobrevivemos, sim, pois fomos feitos para durar, a despeito de toda dificuldade, toda dor e toda desesperança que teimará em ferir os nossos sonhos. Uma vida digna é o que devemos priorizar, longe de coisas, de pessoas e de situações que só servem para nos distanciar de nossas verdades.


É preciso deixar de manter junto gente dispensável, que não faz a menor questão de nos fazer ou de nos ver felizes. É necessário buscar novos empreendimentos e empregos, caso o trabalho seja a pior parte de nosso dia. É urgente a necessidade de darmos um basta na relação, quando nos vemos mergulhados em lágrimas, arrependimentos e súplicas vazias. Mas também é imprescindível olhar para dentro de nós, percebendo a nossa parcela de responsabilidade sobre todo o mal que nos aflige.


Todos os dias, a vida nos dá várias oportunidades para repensarmos o que fizemos de nossas vidas, para que tenhamos a chance de agir em favor de nossa felicidade. Felizmente, embora muitos não pensem assim, nunca é nem será tarde demais para reiniciarmos a busca pela realização de nossos sonhos. Sejamos, assim, a mudança que queremos para nossas vidas, de mãos dadas com quem nos ama sinceramente, com quem chegou para ficar, com disposição e com verdade.


*Marcel Camargo 

Não é que eu seja indiferente. É que cuidar da minha vida já dá um trabalhão danado.

Confesso. Eu não estou nem aí para certas coisas. Respeito quem acredita que “o desprezo é o contrário do amor” e outras teses. Mas eu disco...