quarta-feira, 31 de maio de 2017

Sempre haverá aquela pessoa que você nunca deixará de amar…

Se você realmente amou uma  pessoa, esse amor nunca morrerá ou desaparecerá.
Porque o fato de o relacionamento ter terminado, não significa que você deixará automaticamente de amá-la. Na verdade, se esse amor era real, você vai amar a pessoa até o fim dos tempos.

O amor não diminui tão facilmente. Não desaparece de repente.

Não importa quantos anos você tinha quando se apaixonou pela primeira vez. Não importa quanto tempo você namorou ou se estava mesmo em um relacionamento exclusivo.

Se o amor era amor, estará sempre dentro de você. Sempre estarão vivas as partes de vocês dois.
Não importa quanto tempo faz que não vê essa pessoa. Esse amor mágico e belo ainda viverá.

Se o amor fosse tão fácil de esquecer, não seríamos tão viciados nele, não é?

Você nunca vai esquecer essa pessoa. E assim como você não vai esquecê-la, nunca vai parar de amá-la. No começo, você estará em um estado de negação. Você tentará tudo para consertar as coisas. Vai beber muita cerveja barata, festejará demais ou só ficará deitado em sua cama. Vai pensar que se tentar forte o suficiente, a parte do seu coração que está vazia será preenchida.

Mas nenhum vício vai preencher esse espaço.

E sabe, depois de algum tempo não vai doer tanto. Esse espaço que uma vez foi um buraco em seu coração, gerará as flores mais bonitas. Ainda será uma ferida, mas você não chorará mais.

Você nunca vai deixar de amar a pessoa. Ainda irá  adorar o seu sorriso e a forma como sussurrava o seu nome. Você irá adorar a maneira como essa pessoa costumava rir de suas piadas que não eram nem remotamente engraçadas. Você ainda irá  adorar o seu cheiro e a forma como ela sempre roubava a coberta no meio da noite.

Você vai amar as coisas sobre ela que costumavam te deixar louco.

Ainda sonhará com ela e pensará nela com frequência. Você vai se perguntar o que ela está fazendo agora,  se ainda pensa em você da mesma forma. Se ainda te ama como você a ama.

Você estará preso em um estado de saudade e amor, e vai doer. Confie em mim, o amor não é um mar de rosas. Vai doer continuar amando-a muito depois de ela ter te deixado.

Mas um dia, você vai perceber que isso é uma bênção. Ter vivido um grande amor. Ter dado a alguém um pedaço do seu coração. Você vai perceber o quão especial era amar e ser amado de volta.
Um dia você vai perceber que  seu amor nunca vai embora, mas em vez de permitir que isso te despedace, você vai viver o momento. Você apenas vai deixar ser, florescendo e vivendo sua vida,  mesmo sem essa pessoa.

*Luiza Fletcher

terça-feira, 30 de maio de 2017

Corrigir é diferente de humilhar… algumas pessoas precisam entender isso.

Acredito que todas as pessoas já tenham tido a experiência embaraçosa de serem corrigidas na frente de outras pessoas, sentindo-se profundamente humilhadas por isso.

Sabemos que ser corrigida faz parte da vida de qualquer pessoa, nascemos sob os cuidados de outras pessoas, no geral, os nossos pais e nossa família nuclear.
Então, desde os nossos primeiros dias de vida, somos submetidos aos ensinamentos dos nossos cuidadores. Esse processo requer muita paciência e repetição, erros e acertos, obviamente, somos quase o tempo todo corrigidos, até que estejamos aptos naquilo que nos é ensinado.

Até aí, nenhuma novidade. A vida segue e somos inseridos em outros grupos de convivência, por exemplo, a escola, lá também seremos expostos às experiências de aprender, errar e ser corrigidos pela professora. Enfim, esse processo nos acompanhará por toda a nossa vida, afinal, sempre estaremos aprendendo algo novo, logo,  sempre teremos alguém nos ensinando algo e o corrigir vem no pacote da aprendizagem, uma vez que errar faz parte do processo.

O que quero tratar neste texto não é o corrigir em si, e sim, a intenção que antecede a correção.
Há uma linha muito tênue entre o corrigir e o humilhar ou constranger.

Por vezes, precisamos ter muito cuidado para não cometermos uma injustiça com alguém, julgando-o como inconveniente ou maldoso, de igual modo, precisamos estar atentos para não confundirmos pessoas que nos humilham com pessoas que nos corrigem eticamente. Há muita maldade maquiada de gentileza e solidariedade, sabemos disso.

Entretanto, há casos em que, a pessoa que corrige a outra  está tão mal intencionada que essa peçonha salta aos olhos, pelo menos da pessoa corrigida. Aquela coisa: a pessoa pode até fingir, mas a sua energia sempre entrega a intenção real dela. Não é questão de falta de humildade em ser corrigido por alguém, a questão é que determinadas pessoas nunca perdem a oportunidade de ensinar ou corrigir outra pessoa sem expô-la ao ridículo e fazendo-a sentir-se diminuída, especialmente perante outras pessoas.

Há casos, inclusive, em que o erro do outro não traria prejuízo para ninguém, e poderia perfeitamente passar desapercebido, mas há sempre um infeliz para jogá-lo ao vento e causar aquele constrangimento.

As pessoas com esse perfil opressor  percebem na falha do outro uma oportunidade de autopromoção.  Ela poderia, perfeitamente, ao identificar um erro de outra pessoa (e que seja necessário corrigir), apontar-lhe o erro de modo gentil e empático, e tentar ajudá-la, porém, ela aproveita essa oportunidade para humilhar a outra e mostrar-se  superior.

Ah, não pensem que essas pessoas usam sempre uma postura arrogante nesses momentos, pelo contrário, algumas são super sutis, usam um tom de voz suave e fingem uma educação impecável. Entretanto, a pessoa corrigida consegue discernir a intenção da dela, ela sente que foi exposta e humilhada. Independente do nível intelectual da vítima, ela perceberá e interpretará tudo, é algo energético, sabe?

Ninguém precisa ser “letrado” para identificar o sentimento de sentir-se ofendido, isso é inato, está no DNA humano. Porém, algumas pessoas pensam que enganam com suas atitudes, com seus “tapas com luvas de pelica”.

É certo que existem muitas pessoas com sérios bloqueios de aprendizagem oriundos de situações de humilhação. Conheço caso de pessoas que desistiram de estudar por vergonha de interagir nas aulas, pois nas poucas vezes em que fizeram perguntas ao professor, este as humilharam.

Se todas as correções fossem, de fato, motivadas pelo amor ou pela ética, muitos dos traumas que as pessoas carregam teriam sido evitados.

* Ivonete Rosa 

segunda-feira, 29 de maio de 2017

Tudo acontece porque é assim que tem que ser.

Nenhum amor, amizade ou qualquer outro tipo de interação acontece somente por acontecer.
A melhor parte de ser cada dia mais quem eu quero ser, é que já não me importo com o que pensam ou deixam de pensar sobre mim, sobre meu estilo de vida, eu, simplesmente, sou.

Eu não faço esforço para agradar, tampouco contrariar quem, porventura, não gostar, não me entender e amar.

Veja-me como quiser. Porque a opinião que conta mais é a minha, o reflexo que vejo todos os dias no espelho e a verdade que existe em cada batida do meu coração, a essência que corre solta no meu sangue, essa é a única realidade que importa sobre mim.

Não tenho, nem nunca tive, a intenção de machucar ninguém, porque sou feita por  e de amor, e por isso mesmo, eu me amo mais do que a você, do que a qualquer um.

Então, não aceito mais nada que não me faça bem, simplesmente, não aceito não ser feliz e ponto.

Alguns chamam de egoísmo, eu chamo de amor próprio e gratidão ao meu livre arbítrio.

Se a gente puder amar a si mesmo,  completar-se e nos fazer felizes, seremos capazes de mover montanhas, mostrar o céu, e  levar para o paraíso.

Mas se os nossos santos não baterem, tudo bem, eu retomo o meu caminho e vou embora, sem olhar para trás, sem nada a declarar. Você se cuida, eu me cuido e, se for só um arranhão, eu não vou nem chorar.

A gente gosta de complicar o simples.

Amigos, amores, dores, traumas, felicidade, são ingredientes de uma poção super mágica que se chama vida.

Uns vem, outros vão, alguns ficam, e você precisa entender que o que é seu, virá… já está vindo. Não tenha pressa, aprecie a jornada que te foi presenteada, ela é única, ela é sua e você pode ir aonde quiser, com quem quiser… e simplesmente viver.

Verdadeiro é tudo aquilo que toca sua alma e não somente o seu corpo; passageiro, é tudo aquilo que precisa te ensinar lições ou que precisa aprender alguma coisa com você.

Nenhum amor, amizade ou qualquer outro tipo de interação acontece somente por acontecer.

Tudo acontece porque é assim que tem que ser.

*Wandy Luz

sexta-feira, 26 de maio de 2017

O tempo ensina, mas só aprende quem decide não ser mais a vítima e passa a ser o seu próprio herói.

Às vezes sol, às vezes tempestade, é assim que as flores crescem e graças a todas as tempestades, eu cresci. Graças ao sol, eu flori.
Os meus trinta e poucos anos ensinaram-me que a melhor fase da vida começa quando você decide que vai se fazer feliz, em primeiro lugar.

Isso exige um certo egoísmo, porque seu compromisso maior é ser feliz, para então poder fazer outras pessoas felizes. Você precisa salvar-se para poder, então, salvar alguém. Você precisa ajudar-se, antes de ajudar a quem precisa.

A maturidade nos ensina, que não, não somos obrigados a absolutamente nada.

Hoje eu sei, o que quero, o que não quero, e o mais importante, não tenho medo de dizer a ninguém, que não! Simplesmente, não, hoje não. Experimente e descubra como é libertador, tomar as rédeas do seu destino e fazer acontecer.

Existe dentro de cada um de nós, uma força maior, uma resiliência indescritível e Deus fez-nos assim com um único propósito, que aprendamos a nos fazer felizes, em primeiro lugar.

Então aprenda, por favor, faça-se feliz e todo o resto se ajeita, as coisas fluem, o destino cumpre seu curso, o Universo conspira, e até os ventos contrários nos empurram na direção certa.

E lembre-se: a direção certa é aquela que faz seu coração bater acelerado, que faz seus olhos brilharem e que dá sentido à vida.

O tempo ensina, mas só aprende quem decide não ser mais a vítima e passa a ser o seu próprio herói.
Os meus trinta e poucos anos, ensinaram-me que aceitar-me como sou, é descobrir um dos maiores amores do mundo, o amor-próprio.

Mal posso esperar pelos próximos trinta anos e, com o coração cheio de amor, eu vou vivendo com muita gratidão e um único desejo: que nada nesse mundo consiga tirar a minha paz. E que a luz que um dia me tirou da escuridão, nunca deixe de brilhar.

*Wandy Luz

quinta-feira, 25 de maio de 2017

“Semelhante atrai semelhante…” – A gente sempre recebe sinais…

A gente sempre recebe sinais. Mas, por despreparo ou por desconfiar do próprio sexto sentido, muitas vezes deixamos de lado e não enxergamos (ou fingimos que não).

“Semelhante atrai semelhante…”
Por exemplo: conheci uma pessoa, que se tornou muito próxima. Seu assunto principal era: dinheiro, ter amigos financeiramente ricos para parecer rico também, os móveis e utensílios de luxo que tinha na casa dessas pessoas…

Não preciso dizer que quando passei por uma crise financeira essa pessoa e outra, que agia da mesma forma, simplesmente desapareceram.

O universo estava me alertando todo o tempo de que essas pessoas eram materialistas e não eram minhas amigas de verdade. Mas… eu simplesmente achava que, o fato de eu gostar deles e respeitar nossas diferenças, fazia com que eles fossem como eu e, claramente, meus amigos.

Entende? Sinais claros para ouvidos tampados. Quantas vezes já nos surpreendemos por saber que alguém falou mal de nós? Mas não era pra ser surpresa, já que várias vezes esta mesma pessoa falou mal de outra pessoa conosco ou próximo a nós. E, como diz o velho ditado, “quem leva, traz”.

Quando nos apaixonamos também é assim. Simplesmente nos negamos a ver os “defeitos” do outro. Idealizamos a pessoa e fechamos os olhos para o fato de que o outro também é humano, pode cometer falhas e não é perfeito.

Quando os atritos começam, imediatamente tentamos nos enganar dizendo que o outro não era assim, que mudou de repente… em seguida começa a se lembrar de fatos que sinalizaram aquele situação no passado e não demos ouvidos.

Alguns se culpam, outros transformam a decepção em ódio, muitos adoecem. Mas há aqueles que resolvem aprender algo com aquilo e não repetir os mesmos “erros”.

Você não precisa deixar de ter amigos, entrar em paranoia achando que todas as pessoas são iguais e que toda relação vai terminar do mesmo jeito, julgar a todos como não confiáveis. Não funciona assim.

Mas, se você se abrir para conhecer a si mesmo, corrigir atos que vem cometendo repetidamente, observar melhor o tempo que tem sozinho e como se porta sozinho, observar as pessoas que te cercam, ouvir mais que falar, ter mais autoconfiança, vai perceber que, se você for realmente feliz, se estiver realmente satisfeito com a sua própria presença, se praticar atos de amor sem esperar nada em troca, vai começar a atrair para a sua vida pessoas cujas vibrações energéticas são iguais as suas.

Aí sim você vai se sentir mais confiante e confortável em todas as relações que tiver. Como dizia sempre uma grande amiga: “semelhante atrai semelhante”.
Não precisa se fechar para o mundo. Ficar de cara amarrada só te afasta do mundo e das pessoas maravilhosas que você pode conhecer.

Abra-se para conhecer o seu Eu verdadeiro e vai ficar muito mais atenta aos sinais e quebrar ciclos de uma vida inteira. Não é da noite para o dia. Mas vale muito a pena.

Até a próxima!

Namastê!

*Kassia Luana 

quarta-feira, 24 de maio de 2017

Não derrame uma lágrima por quem não corresponde ao seu amor!

Não sofra por ninguém que com mentiras te faltou com respeito e não soube te amar.

Não entre em prantos por alguém que não soube cuidar do seu coração, cuja chave você entregou na ingenuidade e pureza do amor.
Há outras pessoas para conhecer, outros sorrisos para conquistar e abraços para experimentar. Pense na possibilidade de dias melhores, na múltipla escolha que o mundo tem a oferecer.

Compare a vida a uma caixa de bombons, pois nela contém unidades sortidas para cada gosto.

Acontece que ao abrir a embalagem, você pegou logo de primeira o sabor amargo, provou e não gostou. Mas por causa disso você jogaria fora a caixa de chocolates? Claro que não, pois escolhemos outro bombom e nos deliciamos com ele.

Assim acontece na vida, as vezes provamos uma situação amarga, mas nem por isso, devemos desistir de viver, porque haverá momentos doces em vista.

É preciso saber que você tem duas possibilidades : A primeira é permanecer na obscuridade, definhar e amargar a ingratidão da desilusão de um amor ferido não correspondido.
Já a segunda é saber seguir em frente, passar uma borracha no que te dói, ignorar quem te fez sofrer, olhar para si mesmo e se dar uma nova chance de viver feliz.

Busque conhecer o perfume de outras flores, não se apegue ou guarde rancor a que já murchou, pois essa você deve esquecer.

Cuide do seu jardim, regue sua vida com coisas boas, abra o coração para conhecer gente nova, passeie, divirta-se, mude o visual, compre roupas novas, capriche no seu sorriso, pratique exercícios, invista na sua felicidade !

Mostre ao mundo o quanto você se ama, que está feliz, e deu a volta por cima. Faça crescer a luz que há dentro de você, então encadeie e decepcione quem quer te ver pelas costas, com semblante apagado, e já espera te avistar pelos cantos e aflito. Pense na frustração que você causará mostrando o quanto apostou e investiu em si mesmo.

Mentalize positivo, no amanhecer de um novo dia, seja mais você, pois o amor-próprio é a melhor e mais completa forma de amar.

*Alfreda Veríssimo

terça-feira, 23 de maio de 2017

Arranca da pele quem te arranha a alma.

Há pessoas que nos fazem infelizes todos os dias. E cada dia é único na vida de cada um de nós. E tu só tens uma vida: a tua.

Se te faz doer, afasta-te, afasta-as.

Não te arrependas de as teres mandado embora. Tu tens direito de ser feliz e elas não vão mudar.

As pessoas não mudam. As situações repetem-se e, quando deres conta, tens a alma chicoteada.

Se precisas recomeçar para ser feliz, é a melhor aposta que fazes na tua vida.

Ela recomenda-te que guardes as pessoas que te fazem bem. E há tanta gente no mundo que quer o mesmo que tu: ser mimada, embalada, beijada.

Guarda perto de ti quem te respeite, quem te ouça. Aqueles que estão em sintonia contigo, aqueles que seguem pelo mesmo caminho, ao teu lado, aqueles que nunca te empurram.

Há pessoas que esperam que os milagres aconteçam e não fazem nada.

A vida passa. É um sopro de vento.

Quando deres conta, tens a alma arranhada por uma pessoa que deixaste que se colasse a tua pele e que te roubou a paisagem dos lugares por onde passastes.

Dá o primeiro passo. Admite.

Sabes? Não ficas a perder. Ganhas a possibilidade de poder descobrir que há pessoas fantásticas. Ganhas a coragem de gostares mais de ti: do teu corpo e da tua alma. Ganhas tudo a que tens direito, porque, dás muito a si, tens direito a receber tanto quanto a outra pessoa te poder dar. Porque se amas muito, tens direito a ser amado na mesma proporção.

O amor é um bailado a dois, uma orquestra de sentidos que nos faz levitar.

Tudo isso está ao teu alcance: se olhares para a tua vida de frente, se não te esconderes no inevitável dia-a-dia. Se não te deixares sugar pelo outro que te suga o sangue da alma, cada vez que te arranha o coração, se abrires a janela do teu peito e inspirares a vida, a tua, a que Deus te deu.

E recomeça! Abre a luz do teu olhar. Enterra o coração nos sentidos e ouve o que te diz a tua alma. Ela ditar-te-á o caminho.

Só precisas sentir o toque da vida na pele, para que a tua alma consiga respirar fundo. Para que tu consigas ressuscitar.

Nesse dia saberás que, para se viver, temos de abraçar o nosso coração, protegê-lo.

Um dia, alguém cuidará dele junto a ti, como tu mereces, num bailado a dois que te fará levitar!


*Lúcia Vaz Pedro

segunda-feira, 22 de maio de 2017

Cada um de nós tem um destino para encontrar. Diante do olhar atencioso de Deus, somos todos iguais.

Cada um possui sua estrela, sua luz própria. Há quem não consiga demonstrar essa força e luz interior porque prefere viver na sombra e prejudicar a vida alheia.

Eu acredito que cada um tenha uma vida pra viver um destino pra encontrar.

Diante do olhar atencioso de Deus, somos todos iguais. A proteção é indistinta.
Eu nunca duvidei disso. 

Por isso eu acho que a cada um, suas obras. Se alguém se destaca mais se alguém se sobrepõe com carisma inteligência e força espiritual é porque veio com essa missão.

Tem gente que já vem dotado de luz, proximidade e sua aura é sempre mais limpa e bonita.

Quem não consegue perceber é porque não quer ver, não quer sentir e quer dar espaço para coisas menos alegres e sentimentos menos convincentes.

Muitos não conseguem conviver com a felicidade de outra pessoa.  Muitos passam a querer puxar o tapete, ao invés de tentar melhorar e buscar ser melhor espiritualmente e em atitudes que conquistem não aplausos, mas que as façam tornarem-se pessoas mais humanas e mais dignas.

Eu acho que cada um vem com uma missão. Cada um vem dotado de uma força maior que inspira e mostra o verdadeiro dom de cada um. Por isso estamos exatamente onde devemos. 

Às vezes parece que tudo vai a passo de formiguinha. Às vezes parece que nada sai do lugar.

O que eu sei é que atropelar e tentar chegar à frente passando por cima de todo mundo é como solicitar que Deus vá lá e faça com que o tombo seja maior do que o ápice daquilo que se imaginou chegar sem humildade nenhuma.

Deus eleva, quando há amor, entrega, conquista com honestidade. Caso contrário o tombo pode ser ainda maior.
Por isso evitemos a fofoca, a intriga, não conspiremos, não culpemos outras pessoas por aquilo que não conseguimos produzir.

É preciso respeitar o limite de cada um e saber aceitar as próprias limitações.

Vamos trabalhar aquilo que temos de melhor e alimentar com amor aquilo que precisa de mais cuidado.

Quem muito se envaidece acaba caindo do pedestal antes mesmo de conseguir chegar lá.

Vamos usá-lo para orar, agradecer e não para pedir tantas coisas.

Ele sabe o que cada um precisa. 

Mas se com a força da fé e com o coração mais humano oferecermos nosso amém com respeito tudo surtirá efeito.

A vida é uma grande escola e nós somos aprendizes constantes.

Cada um brilha como pode e o que podemos fazer por nós mesmos é tentar melhorar e não interferir nas coisas que Deus escolheu e capacitou.
Ninguém tem esse poder. A força Dele sempre será maior e superior.

*Sil Guidorizzi

sexta-feira, 19 de maio de 2017

Algumas pessoas irão gostar de nós somente enquanto puderem nos usar…

Infelizmente, para muitos, vale muito mais uma companhia que possua carro zero, que frequente locais descolados, que conheça a nata da sociedade, do que alguém que ofereça amizade sincera e afetividade incondicional.

Algumas pessoas irão gostar de nós somente enquanto puderem nos usar…
Quanto mais os dias passam, mais teremos que nos fortalecer para poder enfrentar o tanto de dissabores que se acumularão, por conta do que não dará certo, assim como em razão de gente que trará decepção. Não poderemos ter a certeza de que o outro estará ao nosso lado com verdade, porque, infelizmente, uma ou outra hora, alguém que muito amamos irá nos desapontar – e isso dói.

Hoje, valoriza-se excessivamente o tanto que se compra e se gasta, o quanto se é popular e conhecido, ou seja, quais benefícios o outro tem a oferecer. Vale muito mais uma companhia que possua carro zero, que frequente locais descolados, que conheça a nata da sociedade, do que alguém que ofereça amizade sincera e afetividade incondicional. Nesse contexto, em sua grande maioria, a lealdade caminha até onde os benefícios materiais possam alcançar.

Por isso é que se tornaram comuns casamentos por conveniência, amizades interesseiras, favores escusos, rareando, pouco a pouco, relacionamentos duradouros e fortalecidos em amor real e recíproco. A muitos, não há razão alguma em manter por perto pessoas que nada oferecem em termos materiais, que não são conhecidas, que nada mais são do que aquilo que possuem dentro de si. Simplesmente porque pessoas fúteis não conseguem enxergar nada além das aparências.

Infelizmente, demoramos a perceber quem se aproxima por mero interesse, visando tão somente a se aproveitar do que possamos ofertar – nossa carona, algumas roupas emprestadas, um lugar confortável onde passar algumas horas -, nem se importando com o que temos para ensinar, com o que temos para doar em termos afetivos.

E serão essas pessoas que nos deixarão na mão quando mais precisarmos, indo embora assim que as benesses terminarem.
Na verdade, não deveremos nos importar demais com as decepções que teremos com essas pessoas, sabendo que não estaremos perdendo nada quando nos virmos sem a companhia delas. É como se a vida se encarregasse, por si mesma, a nos livrar de quem se encostou sem verdade. Estarmos tranquilos com nossa consciência, enquanto oferecemos muito além de itens compráveis a quem chega junto, acabará por nos tornar a cada dia mais felizes, pois somente ficará conosco quem vem para somar, compartilhar, dividir e amar sem falsidade.

*Marcel Camargo

quinta-feira, 18 de maio de 2017

Todo diamante é valoroso, mesmo que cercado por lama!

Um diamante terá menos valor só por estar coberto de lama? Deus vê a beleza imutável da sua alma. Ele sabe que nós não somos os nossos erros”.
“Há um tempo em que é preciso abandonar as roupas usadas, que já tem a forma do nosso corpo, e esquecer os nossos caminhos, que nos levam sempre aos mesmos lugares. É o tempo da travessia: e, se não ousarmos fazê-la, teremos ficado, para sempre, à margem de nós mesmos”. – Fernando Teixeira Andrade.

Em alguns momentos, simplesmente sabemos, bem no íntimo, que precisamos mudar. As velhas roupas que nos vestem a alma já não nos servem mais. Estão amareladas, desbotadas, cheirando a mofo. É como não saber para onde ir, tendo a certeza de que é necessário partir. Faz-se vital lançarmo-nos ao sol. Mesmo que ele esteja ofuscado por entre nuvens.

É difícil e por vezes, acreditamos que não somos capazes, que não daremos conta do recado. Desacreditamos da nossa força interior. Acreditamos, que somos frágeis em demasia para alcançar o que trilhamos ou naquilo em que precisamos nos jogar de cabeça, simplesmente por ser a melhor entre as poucas opções que se apresentam.

A mudança pode começar por fora, mas é o interior que precisa mudar. Imutável é, somente a nossa essência, o que realmente somos, a nossa alma. Paramahansa Yogananda explica ao questionar-nos: Um diamante terá menos valor só por estar coberto de lama? Deus vê a beleza imutável da sua alma. Ele sabe que nós não somos os nossos erros”.

Algumas pessoas falam ao vento quem pregam o perdão e não perdoam nem mesmo a si. Apontam dedos que não gostariam de ter virados em sua direção. Os atos que não condizem com a teoria são como um violão sem corda, como um falso moralismo que destoa daquilo que se diz acreditar. Ser perfeito é ser chato. Não tem graça nenhuma a perfeição. Quer coisa mais imperfeita que sentimento? Há mais razão na loucura do que na normalidade. Tem problemas que criamos e que quando os alimentamos tornam-se monstros, que se descuidarmos nos engolem por inteiro.

É como ter medo do escuro e se recusar a levantar da cama para ascender à luz. Tem gente que se sabota, elabora um novo plano quando a felicidade parece não lhe cair tão bem como outrora. Desistir é mais fácil, mas pode não ser a melhor escolha. Nobre é persistir, não no erro, mas na tentativa incansável do acertar. Viver em paz é tão simples, do que adianta complicar? Desperte o leão que mora dentro de você quando necessário, caso contrário, seja leve como uma pluma, como uma “bolha que flutua por aí”.

E quem melhor que Martha Medeiros para nos estimular com suas palavras ao profetizar?: “Desaprender para aprender. Deletar para escrever em cima. Houve um tempo em que eu pensava que, para isso, seria preciso nascer de novo, mas hoje sei que dá para renascer várias vezes nesta mesma vida. Basta desaprender o receio de mudar”.

* Karol Pinto

quarta-feira, 17 de maio de 2017

Algumas Pessoas Só Vão Te Amar Quando Você Parar De Amá-Las.

Algumas pessoas não vão te valorizar até você partir. Quando você já não proporcionar-lhes o apoio que tinham como certo, quando você já não enviar mais as mensagens doces que ignoravam, quando você já não recebê-los de braços abertos a cada vez que baterem em sua porta no meio da noite e quando você não esperar suas ligações ao lado do telefone.

Algumas pessoas não vão perceber o quanto você as amou até não encontrarem mais ninguém que possa amá-las tanto. Quando elas não conseguirem encontrar alguém que ama tudo o que as vergonha, que olhe para elas como se fossem a única coisa que desejam ou alguém que as faz sentir como se estivessem em casa – seguros e protegidas de todos o caos e barulho do mundo.

Algumas pessoas só vão tentar ter a sua atenção uma vez que você parar de dar-lhes. Quando você parar de ser seu maior fã, quando você parar de gostar de todos os seus postos, quando você parar de liga-las no meio do dia para dizer o quanto você as ama, quando você parar de comprar-lhes coisas que elas mencionaram que queriam em uma conversa aleatória e quando você parar de desistir de tudo para estar lá para quando precisarem de você.

Algumas pessoas só vão tentar ganhá-lo de volta depois de perdê-lo. Quando elas se lembrarem que você tem opções, quando se lembrarem de que alguém lá fora que vai tratá-lo melhor, quando elas se lembrarem que você não vai aceitar ser uma opção para sempre, quando se lembrarem de quão egoístas foram o tempo todo e como nunca fizeram você sentir que era importante.

Algumas pessoas só vão sentir a sua falta quando você as esquecer. Quando você esquecer de liga-las em seu aniversário, quando você esquecer a sua música favorita, quando você se esquecer de seus segredos e jogar fora suas memórias. Quando você esquecer a forma como elas fizeram você se sentir.

Algumas pessoas só irão respeitá-lo quando você se afastar. Quando perceberem que você comprometeu-se para com elas, quando elas se lembrarem do número de vezes em que você saiu do seu caminho para agradá-las, quando reconhecerem as vezes que você já as perdoou, e quando você foi embora porque já era o suficiente – porque confundiram sua paciência e compreensão com fraqueza, e confundiram sua vulnerabilidade com passividade.

Algumas pessoas só vão te amar quando você parar de amá-las. Quando você não sentir mais falta do toque de sua mão ou do som de sua voz. Quando puderem ver que você mudou e não olha para elas da mesma maneira que costumava fazer. Quando você não pensar mais nelas antes de dormir ou ir de carro até casa para se certificar de que estão bem. Quando finalmente estiverem prontas para abrir seus corações para você depois de ter feito o seu em pedaços. Algumas pessoas nunca vão ter a chance de te amar de novo, porque o seu coração pertence a quem não precisa perdê-lo para aprender a mantê-lo.

*Luiza Fletcher

terça-feira, 16 de maio de 2017

A fofoca é irmã da inveja!

O que faz um indivíduo tomar gosto de falar da vida alheia? Certamente a inveja!
Ninguém atira pedras em árvores sem frutos. Ou seja, se você é invejado, criticado e alvo fácil de constantes fofocas, isso se deve ao fato de que você importuna, por viver plenamente e com a dignidade de não precisar denegrir o próximo para desmerecê-lo e se sentir superior.

Pense na possibilidade de que você é um incômodo, pois seu brilho ofusca quem habita nas sombras. E que suas asas constrangem os rastejos das cobras.

Há um lado bom quando somos invejados, pois é a confirmação de nossos inimigos, de que somos algo relevante e por isso lhes causa desconforto.
Ninguém calunia quem está invisível, sem nenhum tipo de notoriedade e qualidades. Logo, não dê prioridade ao aborrecimento, sinta-se superior, porque há inferiores perdendo tempo e gastando energia para falar de você. Pois, quem se empolga falando de fracassados?

Perdedores odeiam vitoriosos e essa amargura é típica deles.

E não se deixe enganar pelos falsos, os que têm mil faces, e meia dúzia de sorrisos. Afaste-se do “disse, me disse” os famosos ” leva e traz”. A mediocridade dessas pessoas chega a ser surreal, suas palavras tóxicas e conversas dissimuladas, são cheias de intuito para te magoar e, ao adquirirem sua dor, irão espalhá-la ao vento, com uma mórbida satisfação de pessoas infelizes.

E para encerrar, não concordo de forma alguma com a frase ” Quem fala de mim na minha ausência, é porque respeita minha presença”. Isso é contraditório, pois quem fala pelas costas é covarde. E covardia combina com desrespeito. É propício ao difamador espalhar suas calúnias longe do caluniado.

O veneno da língua infame só tem astúcia com a distância da verdade, de quem está ausente e incapacitado de se defender.

*Alfreda Veríssimo

segunda-feira, 15 de maio de 2017

O ministério dos relacionamentos adverte: antes de buscar o amor de outra pessoa, experimente o amor próprio.

Falo com propriedade sobre isso: não pense que encontrará um novo amor, quero dizer, um amor que valha a pena, com esse coração machucado. Espera mesmo que um sentimento tão nobre seria atraído por um coração cheio de ressentimentos?

Desculpe desapontá-lo(a), mas o amor é como o mel que azedaria num recipiente com vinagre. Purifique primeiro o seu coração, para que ele se torne um recipiente digno para acondicionar esse mel.

O amor não cede à ansiedade de quem quer que seja, ele é fã dos distraídos.
O amor entende que, quando estamos magoados, não estamos aptos a amar, estamos apenas procurando uma “bengala” para nos apoiarmos.

O amor tem discernimento suficiente para perceber a diferença entre querer um amor e querer  vingar-se de um(a) ex, e vingança nunca foi e nunca será a “praia” dele. O amor compreende perfeitamente que, uma pessoa machucada por uma ruptura de um relacionamento não precisa de um novo relacionamento, e, sim,  de  recolher-se e curar os seus ferimentos.

O amor  recusa-se  a fazer parte de joguinhos e manipulações, ele é sensato e nobre demais para isso. Ele  sabe exatamente em que terreno deve pisar,  não se expondo aos  terrenos áridos nos quais não terá chance de germinar, tampouco de florescer.

O amor prefere  surpreender aos corações distraídos e desprovidos de ansiedade, aqueles corações que já passaram pelos estágios da dor, do desespero e da desesperança e que, por fim, redescobriram a vida em outros interesses.

Sim, o amor entende, como ninguém, que ele só será próspero em corações e mentes que possam compreendê-lo como aliado da liberdade.
O amor só germina, floresce e frutifica em corações inteligentes e em almas maduras. Pessoas desesperadas por encontrar um amor, acabam por afugentar possíveis pretendentes interessantes, isso porque elas acabam emitindo  sinais  de que o objetivo central da vida delas é ter alguém  e isso as torna completamente desinteressantes.

O fato é que  uma pessoa que se sente diminuída por não ter um parceiro, dificilmente será um parceiro interessante. Ela, provavelmente, não terá maturidade suficiente para viver um relacionamento de forma harmoniosa, ela sempre  verá, no parceiro, uma posse dela.

Enquanto o parâmetro para uma possa avaliar-se como interessante for o status de relacionamento, ela estará sempre à mercê de relacionamentos desastrosos.

O amor é apaixonado por pessoas que tenham consciência do próprio valor. 
O amor sente-se constrangido nos contextos em que ele é mendigado. O amor não suporta ser confundido como migalhas, pois ele é um banquete. O amor sente-se ferido quando o confundem com forca, pois ele é laço.

Por fim, o ministério dos relacionamentos adverte: antes de buscar o amor de outra pessoa, certifique-se de que esteja experimentando o amor próprio.

*Ivonete Rosa

sexta-feira, 12 de maio de 2017

Eu amo a minha mãe MAS…

Dia das mães chegando e com ele todas as citações maravilhosas que demonstram a importância daquela que é sinônimo de amor, de afeto, de tudo que há de melhor, a nossa progenitora.

Mas será que ela é mesmo tudo isso? E se você teve a sorte de vir ao mundo com uma que é tudo isso, será que ela foi assim o tempo todo?

Não sei se existe um relacionamento tão delicado quanto esse, de mãe e filho. Ser mãe é uma tarefa árdua, uma das mais difíceis que uma mulher possa assumir. Ser filho é também enfrentar momentos de tumulto e desafios, porque aquele cordão umbilical pode influenciar mesmo depois muitos anos que foi cortado.

Somos totalmente amigos e apaixonados pelas nossas mães, ou somos inimigos delas. Aqui não tem mais ou menos, nesse relacionamento que começou antes mesmo do primeiro respiro é 8 ou 80, é amor e ódio.

Fomos educados para amar a mãe e chega a ser um pecado dizer o contrário. Deus me livre! Porém, tem uma riqueza de sentimentos na conexão mãe e filho que precisa ser levado em conta. Não é só amor, paz e risadas.

Entre os abraços, beijo e elogios existem aqueles comentários e olhares que matam qualquer filho. Entre um “eu te avisei” e um “eu sabia”, tem aquele controle matriarcal que nos arrepia mesmo quando elas não estão perto.

Eu amo a minha mãe, mas em muitos momentos ela é bem diferente do que eu sonho.

Eu amo a minha mãe, mas tive que desaprender várias lições que ela me ensinou.

Eu amo a minha mãe, mas não quero viver o que ela espera de mim porque venho para essa vida por ela, mas para ser eu mesma.

E você, sabe o quanto carrega da sua mãe em suas decisões diárias? Sim, ela te ajudou a acreditar na vida que hoje você enxerga.

Vamos amar as nossas mães, com todas as nossas forças. E que esse amor seja dobrado quando se torna amor próprio, porque queremos amá-las do jeito que são e queremos viver sem a necessidade extrema de aceitação.

Mãe é sinônimo de amor e vamos assumir que também é sinônimo de perdão. Aliás, ser mãe é saber perdoar e principalmente saber SE perdoar. Eu mesma percebo o quanto preciso me perdoar por não ser a mãe do jeito que poderia, ou por ver que meus filhos são as vezes diferentes do que sonhei….ugh.

Gosto de pensar que independente dos conflitos que recheiam essa relação, existe sempre aquela energia divina que conecta dois seres humanos.

Vamos aproveitar o dia das mães para refletir e crescer. Se puder, olhe para sua mãe e busque algo diferente, veja essa mulher com compaixão e interesse. Presentei sua mãe com uma presença verdadeira. Se você não tiver sua mãe por perto, assim como eu, aproveite alguns momentos do dia para cantar, dançar, pintar, ou qualquer coisa que você possa fazer por ela.

O maior presente que você pode se dar é um relacionamento positivo com sua mãe, mesmo que esse seja somente em sua imaginação. Ame-se do jeito que a melhor mãe do mundo faria com você e ame a sua mãe como o melhor filho do mundo faria!

*Jader Menezes

‘Toda a mulher acaba por ficar igual à sua própria mãe. Essa é a sua tragédia. Nenhum homem fica igual à sua própria mãe. Essa é a sua tragédia.’ Oscar Wilde

quinta-feira, 11 de maio de 2017

A falta de diálogo transforma pessoas próximas em meros desconhecidos…

Dessa forma, amigos e parceiros vão, pouco e pouco, tornando-se meros estranhos que mal se olham, mal se veem, mal se amam. Mal se conhecem mais.

A falta de diálogo transforma pessoas próximas em meros desconhecidos…
É muito difícil, com a correria do cotidiano e as variadas atribulações que se acumulam em nossos dias, arranjarmos tempo para desfrutarmos de momentos triviais junto a quem amamos. Amigos, familiares, parceiros, qualquer um que não estiver marcado nos compromissos de nossa agenda trabalhista, será quase que automaticamente relegado a segundos e terceiros planos.

Vivemos comprometidos com pessoas que fazem parte de nosso mundo dos escritórios, bancos e clientelas, ao passo que desmarcamos os compromissos com pessoas que não fazem parte de nosso dia-a-dia profissional. E, assim, vamos alimentando nossas necessidades materiais, enquanto nos esquecemos de alimentar a nossa essência humana. Vamos comprando tudo o que não levaremos conosco, tudo o que enche os nossos olhos, mas não completam nossas carências afetivas e emocionais.

E é dessa forma que acabamos nos distanciando de pessoas e de momentos únicos e especiais, chegando em casa cansados e extenuados, passando por quem anda conosco verdadeiramente, atravessando-os, como se fossem invisíveis. Passamos reto por nosso parceiro, por nossos filhos, pelos amigos sinceros, porque queremos mais é sentar e olhar para a televisão ou para o tablet, em busca de descanso.


Ao invés de acalmarmos os nossos passos junto ao amor reconfortante de quem torce e espera por nós, optamos por nos isolarmos de tudo e de todos nestes poucos momentos longe do trabalho, confundindo distanciamento com descanso, fuga com silêncio, desinteresse com cansaço. E desprezamos justamente quem está ali, pronto para nos receber, ouvindo nossas vidas, sentindo nossas lutas, acreditando em nosso melhor e aceitando o nosso pior.

E as pessoas então se cansam, cansam de aguardar por nada, de esperar por ninguém, de falar para o vazio de quem não demonstra um mínimo de consideração, de quem nem se lembra do quanto já lutaram, do quanto já caminharam até chegarem ali. Dessa forma, amigos e parceiros vão, a pouco e pouco, tornando-se meros estranhos que mal se olham, mal se veem, mal se amam. Mal se conhecem mais.

Lutar por um relacionamento é preciso, sempre que necessário, porém, lutar sozinho, numa batalha que já se perdeu, é por demais degradante – ninguém há de se humilhar a esse ponto. Regar diariamente sempre será mais inteligente do que tentar trazer de volta à vida folhas secas amontoadas pelo chão. Porque há perdas que não voltam mais, por mais que se arrependa. Por mais que doa. Lidar com as lembranças então será o que resta.

*Marcel Camargo

quarta-feira, 10 de maio de 2017

Eu ainda acredito em nós

Peguei a estrada, viajava com o pôr-do-sol no retrovisor e a alma leve, então tocou uma música da nossa banda favorita, aquela animadinha, que você balança a cabeça enquanto canta. É estranho como encontramos as respostas nos momentos mais inesperados… Me deu uma saudade danada do seu sorriso.

Então percebi, não podemos desistir. Não agora, pelo menos. Fiquei refletindo o quanto já fomos felizes e o quanto o carro fica vazio sem a minha parceira musical, mesmo que você adore repetir a mesma canção mil vezes. A liberdade de poder trocar de música a hora que eu quiser não compensa.

Eu não tenho certeza de que desta vez vai dar certo, mas eu tenho certeza que não quero desistir, porque eu acho que ainda há muitas coisas por viver juntos, quem vai ser o nosso silêncio caloroso quando precisemos um do outro?

Há tantas palavras dentro de mim que ainda não te disse e tantos lugares que ainda não te levei para conhecer. Há muita felicidade prometida que eu ainda não consegui cumprir e uma folha riscada cheia de planos para o futuro que escrevemos juntos.

Se o coração ainda sente e continuamos sendo importantes um para o outro, devemos acreditar. Comecemos de novo, sem culpados ou inocentes, porque sabemos que só o perdão faz o amor sobreviver. Pois talvez já tenhamos cometido todos os erros possíveis para errar novamente.

Eu quero que todas as pesquisas que limos na internet e todas as opiniões alheias se explodam, quero que a gente dê certo, se você ainda quiser. Fracassar não é tentar de novo, mas desistir de algo que queremos. Quero encontrar o caminho que nos faz seguir viagem, e que aprendamos finalmente que dialogando podemos ainda ir mais além. Eu segurarei a sua mão firme, enquanto você quiser segurar a minha.

Eu quero acreditar que ainda podemos ser nós dois, que a nossa história ainda não teve um ponto final e que ela não precisa acabar. Eu quero acreditar que nós dois somos diferentes de tantas histórias de amor que ficaram pelo caminho.

Vamos dar uma chance ao destino de ainda estarmos aqui, de ter deixado inconscientemente alguns laços para que não nos afastássemos totalmente, como a custódia do gato, os aniversários dos afilhados e os livros emprestados. Eu confio que a vida sempre nos dá alguns sinais sobre quem deve ficar nas nossas vidas.

Vem que o seu lugar de co-pilota ainda está aqui, vem para te ver novamente cantando aquela música do Paralamas, enquanto vemos o pôr-do-sol aparecendo no lado esquerdo da sua janela, no carro. E deixemos tocar aquela canção… One more time, ime, ime. 

*Francisco Galarreta

terça-feira, 9 de maio de 2017

Aprenda a se colocar no lugar do outro. O Universo te devolverá tudo em dobro!

Então, aprenda a se colocar no lugar do outro… e tente ser amor, sempre que puder.
Até pouco tempo eu concordava cem por cento com a citação “Sou responsável pelo que digo e não pelo que você entende”.

Refleti muito sobre toda a verdade que essa simples sentença carrega.

E cheguei à conclusão de que a frase é egoísta e cruel.

Nós, ou muitos de nós, gostamos de não nos responsabilizar por quase nada.

Porque o sentimento de culpa pesa, sufoca, e acharmos que somos ou fomos culpados por alguma coisa, é assustador.

Com frequência ouvimos frases como, ‘a culpa é sua, você quis assim, eu não fiz nada para você’.

Eu acredito firmemente, que não existam culpas, existem consequências, então, para tudo o que você fizer ou disser, existe uma consequência. É aí que entra nossa responsabilidade.

Sim eu disse nossa, minha, sua, todos nós deveríamos nos preocupar com o que acontece a nossa volta, deveríamos sim prestar atenção ao que acontece com as pessoas, porque um sorriso, um abraço, um simples conta comigo, pode mudar uma história.

Acha que é exagero?

Então pare para pensar com cuidado, e talvez você encontre algum momento em sua vida, no qual alguém salvou o seu dia com um gesto simples, uma palavra que conforta ou um simples ombro amigo.

Se alguém salva um dia, ele(a) pode estar salvando uma vida, porque vidas podem começar e terminar em apenas alguns minutos, quem sabe até segundos.

A falta de empatia está deixando o mundo mais frio e triste. Quando nos deparamos com pessoas que moram na rua, com aqueles que, por um motivo ou outro estão ou são menos favorecidos, sentimos pena sim, mas pensamos primeiro que é um problema social, que a culpa é do governo, lamentamos, mas não fazemos nada, certo?

Você deve estar se perguntando: e por que deveríamos fazer alguma coisa,se a culpa não é nossa?

Mas a verdadeira pergunta é: por que não fazer qualquer coisa que seja para ajudar, mudar ou melhorar a situação de alguém, nem que seja por alguns minutos?





Sem mais rodeios, onde eu quero chegar é: cada pessoa que você encontra, está lutando batalhas que talvez ninguém saiba, então, seja mais gentil, pense antes de falar e não se preocupe só com você, não faça o mundo girar somente ao seu redor, seja humano e se sinta, sim, responsável pelo que diz, porque você tem o poder de salvar o dia de alguém, ou de acabar com ele.

A maioria das pessoas é emocionalmente fraca, carente e isso não as tornam inferiores; são apenas humanos imperfeitos, como eu e você, e ajudaria muito se cada um de nós fizesse a nossa parte.

Já ouvi pessoas dizendo que não podem ajudar aos outros porque mal conseguem ajudar a si próprios, e isso eu chamo de egoísmo, de olhar somente para o próprio umbigo, porque viver só para si é se entregar a uma existência miserável e sem sentido, sem propósito.

Se puder ajudar com dinheiro, ajude, se puder ajudar somente com palavras de motivação, assim o faça, se achar que não tem nada a oferecer, então, pelo menos, responsabilize-se sim, por tudo o que diz e tudo o que faz, porque isso, com certeza, pode e vai influenciar ou mudar o dia e quem sabe a vida de alguém.

Se estiver irritado, respire fundo e lembre-se de que ninguém precisa pagar o preço da raiva ou frustração que você sente, mas quem sabe a tranquilidade ou conforto que você precisa, virá de um gesto, quem sabe até de um estranho.

Afinal, estamos nessa caminhada juntos. Todas as pessoas que encontramos na rua, no parque, no supermercado, todos eles respiram o mesmo ar, todos têm um coração batendo forte no peito e sangue correndo nas veias, todos nós somos iguais, independente da posição social, cor da pele, nacionalidade, gênero, ou qualquer outra mera particularidade.

Nada disso faz diferença quando o coração para de bater, até porque quase todos os caixões possuem tamanhos iguais, queimados ou enterrados, a única que sobra é nossa alma, nossa essência e nosso espírito.

O ser humano não sobrevive sozinho, todos nós necessitamos das interações sociais, todos nós sem exceção, precisamos uns dos outros.
Então, aprenda a se colocar no lugar do outro, e tente ser amor, sempre que puder. O Universo te devolverá em dobro, quando você mais precisar.

Vidas serão melhores e, quem sabe, o mundo se torne um lugar mais feliz.

*Wandy Luz

segunda-feira, 8 de maio de 2017

No amor e na vida… lembre- se sempre: o que você permite é o que irá acontecer!

Eu te amo sim e dai? – Quantas vezes você já disse “Eu te amo” e depois se arrependeu?
Quantas vezes você se sentiu pequena ao verbalizar essas três palavras e não ouviu pelo menos um: também?

Você já parou para analisar que durante seu dia você fala que ama coisas, atividades, atitudes e, por fim, utiliza o verbo amar em diferentes momentos e em nenhuma dessas situações você se sentiu desprezado ou desmerecido.

Será que a busca do ser humano pela definição de um sentimento que aperta o peito e causa frio na barriga não é para ser utilizado entre seres da sua mesma espécie?

Ou será que estamos fazendo pouco contato com nosso EU interior e aceitando quaisquer sentimentos disparados em nossa direção, supervalorizando o que recebemos em uma tentativa desesperada de achar “a outra metade da laranja”?

Você já deve ter lido ou escutado a frase “Se faz sentir, faz sentido”.

Se já estou sentindo todo o amor dentro de mim porque esperamos desesperadamente a confirmação do amor através do “eu também” do outro?

Será que aceitamos um conceito que a sociedade criou onde o amor é o último biscoito do pacote e só se pode sair do casulo seguro quando encontramos alguém muito especial?
E o eu te amo? Será que ao ser verbalizado várias vezes ao longo da minha vida ele perde o encanto da primeira vez ou é um sentimento que em cada encontro renasce ganhando um novo significado?





Diante da gigantesca transformação social que vivemos onde o amor passou a ser vivido cada vez mais cedo, faz sentido criamos proteções para evitar a decepção de se amar sozinho?

Será que aprendemos a ter medo do próprio sentir ou escolhemos a opção de nos esconder atrás de frias capas que possibilita confundir fragilidade com fraqueza?

Quantas vezes você aceitou alguém em sua vida que te daria apenas metade do que você merecia?

Quantas vezes o nada te bastou e mesmo assim você seguiu com ele ao se lado?

E por quantos momentos negou para si mesmo a realidade que se apresentou porque era mais fácil ficar do que ir?

Será que o problema está no amor ou nas escolhas que aceitamos fazer?

Já dizia o escritor  Matheus Jacob “Somos livres para amar, mas também somos livres para (nos) Iludir.”-

Escolher o caminho do autoamor e ter coragem de se olhar e perguntar “  o que estou escolhendo por trás desse medo”?
Lembre- se: o que você permite é o que irá acontecer.

*Juliana Casado

sexta-feira, 5 de maio de 2017

O poder das boas escolhas…

Os problemas que surgem talvez você não escolha, mas pode escolher a maneira como os irá enfrentar.
Precisamos parar alguns momentos para refletir no que realmente é valioso para as nossas vidas. A essência do ser humano é ou deveria ser a capacidade de dirigir a sua própria vida. Nossa capacidade de escolher o rumo de nossas vidas permite mudar o nosso presente e construir um belo futuro.

Mas para isso é necessário ter mais consciência de nossos comportamentos, saindo do piloto automático, pois agimos muitas vezes de maneira tão inconsciente que não percebemos o quanto nossos comportamentos afetam os outros e a nós mesmos.

Muitos costumam se desculpar e justificar, dizendo que são da maneira que são devido às influências genéticas, psicológicas, sociais ou culturais. É importante salientar que essas influências não são inevitáveis e imutáveis.

Na verdade, o ser humano é livre para superar quaisquer influências. Para isso, torna-se necessário ter mais atitude, ou seja, querer e agir, saindo do discurso e indo para a prática.

Temos que aprender a conduzir melhor a nossa própria vida, sendo mais consciente de nossas escolhas, pois tenho observado muitas pessoas buscando o tempo todo culpados pela incompetência e/ou infelicidade em alguns aspectos de suas vidas.
Devemos ter a clara consciência de que competência e felicidade são atributos de nossa inteira responsabilidade, parando de colocar sempre a felicidade em coisas que não dependem de nós. Só assim poderemos ter uma vida mais plena, feliz e realizadora.

Atualmente existem duas alternativas: ficar reclamando e lamentando porque as coisas não são do jeito que queremos ou utilizar nossa vontade, entusiasmo, competência e capacidade criativa para descobrir novas respostas, caminhos, soluções e ideias.

Se fosse preciso apontar a principal característica dos nossos dias não teria dúvida em dizer que é a responsabilidade de cada indivíduo por si mesmo. Sócrates, o célebre filósofo da Grécia antiga, já ensinava uma única verdade: conhece-te a ti mesmo. O princípio vale até os dias atuais, com uma mínima alteração: conhece-te e desenvolve-te.

Mas para viver plenamente devemos encarar a vida a partir de uma afirmação de valor. Significa cultivar a coragem, humildade, compaixão e sintonia necessárias para acordar todos os dias e pensar – sou muito valioso e mereço ser feliz.

Devemos também para viver plenamente nos livrarmos das questões mal resolvidas do passado e começar a enxergar que a vida está sempre nos dando uma nova chance. Não podemos interferir no que passou, ele não nos pertence mais. É necessário nos libertarmos das coisas negativas do passado e permitir ser feliz, pois guardar e se alimentar de mágoas, raiva e ressentimentos é tornar os nossos corpos e mentes vulneráveis, envelhecidos e doentes.

Quando estamos entusiasmados e focados em um propósito, todos os nossos pensamentos e ações superam as nossas limitações, pois a nossa capacidade é extrema e não há limites. Sempre podemos e devemos avançar, sendo essa a verdadeira essência da vida. Em todos os momentos da vida temos sempre mais de um caminho a seguir. Se uma porta se fecha, não era para você entrar. Não desista, acredite e pode ter certeza que muitas outras portas vão se abrir e você encontrará o que deseja.

Os problemas que surgem talvez você não escolha, mas pode escolher a maneira como enfrentá-los e resolvê-los. E, no final, mais do que sentir orgulho por ter encontrado as soluções, você terá orgulho de si mesmo. Nunca devemos duvidar da nossa capacidade, pois isso só impede de caminharmos com os passos certos e firmes em busca de nossos sonhos.

Acredite sempre e comece já a transformar a sua realidade, escolhendo assumir o comando da sua vida. Tenha cada dia mais força, vontade e coragem para construir algo melhor.
A decisão sempre esteve e estará em sua mente, coração e em suas mãos.

*Anderson Rocha

quinta-feira, 4 de maio de 2017

Eu não ajudo a minha esposa.

Um amigo veio a minha casa tomar café, sentamos e conversamos, falando sobre a vida. A um certo ponto da conversa, eu disse: “Vou lavar os pratos e volto num instante”.
Ele olhou para mim como se eu lhe tivesse dito que ia construir um foguete espacial. Então ele me disse, com admiração mas um pouco perplexo: “Ainda bem que você ajuda a sua mulher, eu não ajudo porque quando eu faço a minha mulher não elogia. Ainda na semana passada lavei o chão e nem um obrigada.”
Voltei a sentar-me com ele e lhe expliquei que eu não "ajudo" a minha mulher. Na verdade, a minha mulher não necessita de ajuda, ela tem necessidade de um companheiro. Eu sou um sócio em casa e por via dessa sociedade as tarefas são divididas, mas não se trata certamente de uma "ajuda" comas tarefas de casa.
Eu não ajudo a minha mulher a limpar a casa porque eu também vivo aqui e é necessário que eu também a limpe.
Eu não ajudo a minha mulher a cozinhar porque eu também quero comer e é necessário que eu também cozinhe.
Eu não ajudo a minha mulher a lavar os pratos depois da refeição porque eu também uso esses pratos.
Eu não ajudo a minha mulher com os filhos porque eles também são meus filhos e é minha função ser pai.
Eu não ajudo a minha mulher a lavar, estender ou dobrar as roupas, porque a roupa também é minha e dos meus filhos.
Eu não sou uma ajuda em casa, eu sou parte da casa. E no que diz respeito a elogiar, perguntei ao meu amigo quando é que foi a última vez que, depois da sua mulher acabar de limpar a casa, tratar da roupa, mudar os lençóis da cama, dar banho em seus filhos, cozinhar, organizar, etc., ele lhe tinha dito obrigado?
Mas um obrigado do tipo: Uau, querida!!! Você é fantástica!!!
Isso te parece absurdo? Está te parecendo estranho? Quando você, uma vez na vida, limpou o chão, você esperava no mínimo um prêmio de excelência com muita glória… Porquê? Nunca pensou nisso, amigo?
Talvez porque para você, a cultura machista tenha mostrado que tudo seja tarefa dela.
Talvez você se tenha sido ensinado que tudo isto deva ser feito sem que você tenha de mexer um dedo? Então elogia-a como você queria ser elogiado, da mesma forma, com a mesma intensidade. Dá uma mão, SE COMPORTE COMO UM VERDADEIRO COMPANHEIRO, NÃO COMO UM HÓSPEDE que só vem comer, dormir, tomar banho e satisfazer as necessidades sexuais… Sinta-se em casa. Na sua casa.
A mudança real da nossa sociedade começa em nossas casas, vamos ensinar aos nossos filhos e filhas o real sentido do companheirismo!"

Não tenha medo de abrir mão do que você quer para viver o que Deus quer para você

Deus só pode agir naquilo em que O deixamos trabalhar. Às vezes, saímos feridos de um relacionamento, tão machucados, que achamos que o “o a...