quarta-feira, 31 de março de 2010

AMAR ATÉ PODE DAR CERTO... MAS DÓI !!!


É, quem disse, um dia, que amar dói, disse a maior de todas as verdades.
Amar dói, machuca, e nos dá a sensação de estar sempre faltando um pedaço.
Não adianta saber que dói, pois o coração não segue os conselhos da razão. Ele é burro, teimoso, adora se meter em encrencas amar a pessoa errada e nos fazer sofrer. De que adianta amar tanto, se ao final disso tudo sobrarão lágrimas e pesadelos? Talvez seja melhor não amar.
Mas, como deter esse coração burro bobo e teimoso, se ele teima em desobedecer as ordens da razão?
Ah, ingrato! Que faço contigo se não segues as minhas diretrizes, te apaixonas e me judias? Trancar-te-ei num calabouço imaginário e não poderás, em momento algum, sair de lá pois não tens condições de andares à solta, me colocas em fria sempre que fazes isso.
É, certíssimo quem afirmou que “amar dói”! Dói mesmo! Dói porque exige que o vivamos intensamente de corpo e alma. Exige que enxerguemos com os olhos do coração e este coração é míope, só vê o que lhe interessa. Dói crescer, dói amar dói mais ainda perder esse amor descobrir que se amou sozinha, sem fluxo de volta sem correspondência.
Amar pelos dois? Isso não existe! Amor tem que ser bilateral, fluxo e refluxo, ida e volta. Amar tem que ter sabor de goiabada com queijo, Romeu e Julieta (com final feliz, claro!). Nada de descobrir que não amava,ou que o amor era pouco e se acabou. Amar tem que valer a pena, sempre!
Mas, amor não vale a pena só porque acaba? Não! Não é esse o termômetro que indica se valeu ou não a pena. Mas, se foi um amor verdadeiro, recíproco, imortal enquanto durou, então valeu a pena!
Mas, se foi um amor em vão, enganado iludido ah esse amor só trouxe dores, como pode ter valido a pena? Mesmo que tenha havido momentos “felizes”, são momentos que a desilusão não conseguiu compensar.
Esse não é o amor contado nos romances exaltado pelos poetas, cantado pelos intérpretes. O amor pra valer a pena tem que ter sabor de “quero mais”. Até quem ama sozinho pode valer a pena, desde que ele saiba dessa condição, como amou Platão. Mas, se houver má fé no amor, não vale a pena! Amar não suporta sentimentos negativos, ele precisa de um “fermento” a mais.
Amar ate pode dar certo, mas, precisa de cuidados, de carinho, dedicação... Amar precisa de amor!!!
É amar dói, dói muito! Amar é um parto, tão doloroso quanto! Amar é parir um filho todos os dias. O amor, quando acaba, é uma gestação interrompida, um sentimento abortado.
Amar é como sentir saudade, dói, porque nos faz sentir uma necessidade constante e premente de sermos amados e lembranças nos levam a querer sermos lembrados.
Dói amar... dói crescer... dói sentir saudade! Ah, dói! Amor exige atenção, exige cuidados exige emoção, alegria, precisa cultivar a cada dia. Ah, amar!
Acho que nós, seres humanos, ainda não estamos preparados para vivermos um grande amor. Não estamos predispostos a rasgar o coração e nos entregarmos por inteiro. Para viver um grande amor, é preciso mais do que puro amor, mais do que propriamente amor.
É preciso saber renunciar em nome desse amor, vencer o egoísmo, a individualidade, aceitar unir dois em um. Estamos nós preparados pra isso? É amar realmente dói, fere nosso Ego nos torna grandes, mas pode causar danos. Amar até pode dar certo... Mas dói!!!

terça-feira, 30 de março de 2010

CONFIRA A TRADUÇÃO DO DIA COM CÉSAR BRITO

Tradução do Dia

Kiss (Korea)

Because I'm A Girl (Juhn Hwah Bahd Uh)

Dodeche ar suga obso namjadurui maum
Wonhar ten onjego da juni ije tonande
Ironjog choumirago nonun thugbyorhadanun
Gu marur midosso negen hengbogiosso

Marur haji guresso nega shirhojyoda go
Nunchiga obnun nan nur bochegiman hesso
Norur yoghamyonsodo manhi guriurgoya
Sarangi jonbuin nanun yojainika

Modungor swibge da jumyon gumbang shirhjungnenunge
Namjara durosso thollin mar gathjin anha
Dashinun sogji anhuri maum mogo bojiman
Todashi sarange munojinunge yoja ya

Marur haji guresso nega shirhojyodago
Nunchiga obnun nan nur boche giman hesso
Norur yoghamyonsodo manhi guriurgoya
Sarangi jonbuin nanun yojainika

[narration] onur urin heojyosso budi hengbogharago
Noboda johun sarammannagir barandago
Nodo darun namjarang togathe nar saranghanda go marhanten onjego
Sorjighi na nega jar doenungo shirho
Naboda yepun yoja manna hengboghage jar sarmyon otohge
Guroda nar jongmar ijoborimyon otohge
Nan irohge himdunde himduro juggenunde
Ajigdo nor nomu saranghanunde

Sarangur wihesoramyon modun da har su inun
Yojaui chaghan bonnungur iyong hajinun marajwo
Hanyojaro theona sarangbadgo sanunge
Irohge himdurgo oryourjur mollasso

Norur yoghamyonsodo manhi guriurgoya
Sarangi jonbuin nanun yojainika
Norur yoghamyonsodo manhi guriurgoya
Sarangi jonbuin nanun yojainika









Tradução 





(Porque sou uma garota)

Não consigo entender o coração dos homens
Eles dizem que te querem e então nos abandona
Está é a primeira vez, você é especial
Acreditei nessas palavras, era a minha felicidade

Você devia ter me dito que não gostava mais de mim
Mas não percebi isso e tentei ficar contigo
Embora fique te desejando mal, ainda sentirei sua falta
Amor é tudo, porque sou uma garota

Se você cede a um cara facilmente ele ficará entediado
Não acho que isso seja errado
Mesmo decidida a nunca mais ser enganada
Uma garota se desmorona diante do amor

Você devia ter me dito que não gostava mais de mim
Mas não percebi isso e tentei ficar contigo
Embora fique te desejando mal, ainda sentirei sua falta
Amor é tudo, porque sou uma garota

[Narração] Hoje, nós terminamos
Você me disse pra conhecer alguém melhor
Você é igual a todos os outros caras
O que aconteceu quando você dizia que me amava
Honestamente, não quero que você seja feliz
E se você encontrar alguém melhor que eu?
Estou com tanta dor
Porque ainda estou amando você

Não se aproveite dos meus desejos,
Capaz de fazer tudo por amor / Não se aproveite dos instintos de uma garota
Não sabia que nascer como uma garota
E ser amada era tão difícil

Embora fique te desejando mal, ainda sentirei sua falta
Amor é tudo, porque sou uma garota
Embora fique te desejando mal, ainda sentirei sua falta
Amor é tudo, porque sou uma garota

O CAVALO CEGO


Na estrada de minha casa há um pasto. Dois cavalos vivem lá. De longe, parecem cavalos como os outros, mas, quando se olha bem, percebe-se que um deles é cego. Contudo, o dono não se desfez dele e arrumou-lhe um amigo – um cavalo mais jovem. Isso já é de se admirar.Se você ficar observando, ouvirá um sino. Procurando de onde vem o som, você verá que há um pequeno sino no pescoço do cavalo menor. Assim, o cavalo cego sabe onde está seu companheiro e vai até ele.
Ambos passam os dias comendo e no final do dia o cavalo cego segue o companheiro até o estábulo. E você percebe que o cavalo com o sino está sempre olhando se o outro o acompanha e, às vezes, pára para que o outro possa alcançá-lo. E o cavalo cego guia-se pelo som do sino, confiante que o outro o está levando para o caminho certo.Como o dono desses dois cavalos, Deus não se desfaz de nós só porque não somos perfeitos, ou porque temos problemas ou desafios. Ele cuida de nós e faz com que outras pessoas venham em nosso auxílio quando precisamos.

segunda-feira, 29 de março de 2010

ALÉM DO DEVER


Um homem foi chamado à praia para pintar um barco. Trouxe tinta e pincéis e começou a pintar o barco de um amarelo brilhante, como fora contratado para fazer.Enquanto pintava, notou que a tinta estava passando pelo fundo do barco.Procurou e descobriu que a causa do vazamento era um buraco e o consertou.Quando terminou a pintura, recebeu seu dinheiro e se foi.No dia seguinte, o proprietário do barco procurou o pintor e lhe entregou um cheque de grande valor.O pintor ficou surpreso e falou:O senhor já me pagou pela pintura do barco.Mas isto não é pelo trabalho de pintura, falou o homem. É por ter consertado o vazamento do barco.Foi um serviço tão pequeno que não quis cobrar, acrescentou o pintor. Certamente o senhor não está me pagando uma quantia tão alta por algo tão insignificante!Meu caro amigo, você não compreendeu, disse o proprietário do barco. Deixe-me contar-lhe o que aconteceu.Quando pedi a você que pintasse o barco, esqueci de mencionar o vazamento. Quando o barco secou, meus filhos o pegaram e saíram para uma pescaria. Eu não estava em casa naquele momento.Quando voltei e notei que haviam saído com o barco, fiquei desesperado, pois me lembrei que o barco tinha um furo.Grandes foram meu alívio e minha alegria quando os vi retornando, sãos e salvos.Então, examinei o barco e constatei que você o havia consertado. Percebe, agora, o que fez?Salvou a vida de meus filhos! Não tenho dinheiro suficiente para pagar-lhe pela sua "pequena" boa ação.Se em nossa ação diária todos nós fizéssemos como aquele pintor, certamente o mundo seria diferente.Mas, o que geralmente acontece é que fazemos apenas a nossa obrigação, quando a fazemos.Fazer o que nos compete, com disposição e zelo, é apenas cumprir um dever.Todavia, se, além do dever, buscássemos fazer o que precisa ser feito, sem que ninguém nos peça, então poderíamos dizer que estamos investindo numa sociedade melhor.Quem trabalha apenas para receber seu salário, demonstra que vale quanto ganha.Mas, quem executa suas obrigações e vai além, sem esperar recompensa alguma, está investindo na própria felicidade.O trabalho dignifica o ser, mas o trabalho feito com amor e dedicação, enobrece a alma.Trabalhar por convicção e prazer, e não por obrigação, é a melhor maneira de se sentir bem. Isso porque, se ninguém elogiar nosso trabalho nem reconhecer nosso esforço, para nós não fará diferença alguma.A grande satisfação estará calcada unicamente em fazer com excelência o que fazemos. E o salário, nesse caso, será apenas uma conseqüência.

sexta-feira, 26 de março de 2010

JULGAMENTOS PRECIPITADOS




Quantas vezes já aconteceu?
Um servidor dedicado, após anos de trabalho irrepreensível, comete um deslize. Logo, todos os tantos anos de dedicação são esquecidos.
Sobre ele recaem acusações, desconfianças.
Um amigo de infância, adolescência, juventude, alguém com o qual rimos, choramos, confiamos, comete uma pequena falha.
Diz-nos um não. É o suficiente.
Anos de convivência são sepultados de um só golpe.
Um voluntário, que serve dedicada e perseverantemente meses, anos, sempre sorridente, feliz, um dia, por algo que lhe ocorre e o perturba, se exaspera, fala mais alto.
Logo, tudo que fez até então é esquecido e somente aquele gesto de um momento de irreflexão é apontado, falado, julgado.
São retratos da vida. Ocorrem em muitos lugares.
E nos fazem recordar de uma história muito interessante.
A de um pai que desejava ensinar aos seus quatro filhos a respeito de julgamentos.
Assim, a cada um enviou em uma estação diferente do ano a uma terra distante para observar uma determinada árvore.
O primeiro filho chegou no inverno, o segundo na primavera, o terceiro no verão e o quarto no outono.
O primeiro informou que a árvore era feia, além de seca e toda distorcida.
O segundo disse que, ao contrário, a árvore estava carregada de botões, cheia de promessas.
O outro filho contestou aos dois irmãos e afirmou que viu a árvore coberta de flores. Que elas tinham um cheiro tão doce e eram tão bonitas, que ele arriscaria dizer que eram a coisa mais graciosa que ele jamais havia visto.
Finalmente, o quarto filho falou que a árvore estava tão cheia de frutas, tão carregada de vida, que chegava estar arqueada.
O pai, ponderado, explicou que todos estavam certos, no entanto, cada um deles julgara a árvore exatamente pela época do ano em que a haviam visto.
Na vida, continuou, também é assim. Quase sempre somos precipitados nos julgamentos.
Para julgar com acerto, compete-nos observar com atenção, colher informações detalhadas.

Dessa forma, não julguemos situações e pessoas por um momento apenas.
Consideremos que todos passamos pelos dias desolados do inverno. Dias de tristeza, de solidão, de problemas superlativos.
Nessa estação da vida, parecemos árvores de galhos retorcidos.
Contudo, quando a esperança faz morada na intimidade, carregamo-nos de promessas, de botões prontos a explodirem em flores.
Então, acenamos com cores vibrantes, flores perfumadas, graciosas que, logo mais, se transformarão em produção abundante de frutos.
Pensemos nisso e não façamos julgamentos precipitados de situações, de pessoas, de companheiros, de amigos.
Verifiquemos, antes, em que estação do ano estagia a alma de quem vamos julgar.
E, se descobrirmos que o inverno envolve aquela criatura, estendamos a contribuição do sol da nossa amizade, o adubo do nosso auxílio, a proteção do nosso carinho.
Pensemos nisso. Bom dia, César...

quinta-feira, 25 de março de 2010

NÃO DESISITIR JAMAIS!





Você já pensou em abandonar algum compromisso, alguma atividade antes de acabá-la, só porque estava difícil demais?
Já se viu desistindo de resolver um grande problema, porque ele se mostrou maior do que você estava disposto a solucionar?
Talvez muitos de nós já tenhamos passado por alguma dessas situações. O de desistir de algo, de algum intento, de algo previamente planejado.
Algumas vezes o motivo é o cansaço, outros o desestímulo, ainda pode ser a falta de perspectiva... Seja qual for a causa, o resultado é sempre o mesmo: tarefa inacabada, tarefa adiada.
Nosso livre-arbítrio nos permite tal ação, mas a resposta da vida será sempre a mesma: em algum momento, nos encontraremos novamente com o compromisso, a fim de concluí-lo.
Quanto mais importante for o compromisso adiado, mais tormentos e dificuldades, e mais energia vai-nos exigir para a sua continuidade.
Será sempre mais trabalhoso retomar o compromisso mais tarde pois, ao abandoná-lo, ele não se extingue, apenas continua lá, do mesmo tamanho e tão desafiador como sempre.
Desses compromissos que, algumas vezes pensamos em adiar, abandonar, fugir, sem dúvida, o maior deles é a própria vida.
Você já se deu conta de que viver é um grande compromisso de nós para conosco mesmo e para com Deus?
Ninguém vive por acaso, por obra do acaso e de maneira aleatória.
A vida de cada um de nós é experiência de extrema importância em nossa história de Espíritos imortais.
A cada vida, um planejamento, uma programação, sob a tutela e os cuidados da Providência Divina, para que tudo ocorra da melhor maneira possível.
Dessa forma, é natural que, para nossa vida, também estejam programados embates, desafios, alguns dissabores... São os resultados do ontem refletindo no hoje.
Mas todas as experiências que a vida nos oportuniza são para aprendizado, nada ao acaso, nada tempo perdido.
Por isso, evadir-se da vida pelo caminho infeliz do suicídio é opção insensata dos que imaginamos que todos os nossos problemas se solucionarão ao darmos as costas para eles.
Os problemas não só continuarão, como estarão aguardando nossas ações para sua solução, em momento oportuno.
É ilusão imaginar que a morte irá trazer a solução dos problemas. Pelos caminhos tristes do suicídio, ela nos trará apenas a decepção para quem se iludiu, imaginando que a vida acaba com a morte do corpo, esquecendo-se que a alma permanece.
Os nossos problemas são os mais adequados para a nossa estrutura emocional e para nossas capacidades.
Ninguém no mundo está abandonado. Deus, como Pai amantíssimo, cuida de cada um de nós, com um desvelo que poucas vezes nos damos conta.

Se algum dia tal ideia infeliz lhe passou pela cabeça, liberte-se dessa infame ilusão, pois que, por esses caminhos, a morte nada lhe trará a não ser a certeza de que tudo o que você quer abandonar hoje, terá que ser retomado mais tarde, sob a injunção de maiores dificuldades e dores.
Sem dúvida, o dia de hoje, o momento atual, é o mais adequado, favorável e feliz para a solução dos seus problemas.

quarta-feira, 24 de março de 2010

PÁGINAS DE UM LIVRO



Poderia ser apenas mais um livro, com páginas escritas sobre algo que me despertou a atenção. Poderia ter sido uma leitura rápida ou meras frases que se esquecem rapidamente, mas não foi o que aconteceu. As páginas em branco com letras em azuis trouxeram até mim a tua presença que eu há muito tentava esquecer e que por sua vez, tinha sempre perguntas sem respostas, por mais que as procurasse nos dias em que sentia imenso a tua falta. Eram nesses dias que eu pedia de novo o teu abraço, queria que as noites que passávamos juntos voltassem, os sorrisos estampados no meu rosto quando me chamavas de amor. Ouvia interminavelmente as nossas músicas, que deixaram de ser nossas e passaram a ser apenas as minhas músicas. Até que o fim chegou.

Não sei se a vontade foi minha, se foi a tua ou se foi dos dois que tudo terminasse da forma como acabou. Se tinha que ser assim, apenas pedia que tivesse sido outro fim, aquele que poderia ter sido mais triste, mais doloroso, mas que colocasse um ponto final. A única certeza que ficou foi aquela em que fomos capazes de colocar reticências, essas mesmas que podem significar um fim, mas que também podem dizer que um dia quem sabe tudo terá continuação. Por momentos acreditei que sim, essa foi a razão que continuei à tua espera. Foram meses, anos onde sempre alimentei a esperança que um dia voltasses, não me interessava sobre de que forma, com que intenções ou o que irias ter para me dizer, desejei apenas sentir-te de novo junto a mim. Até que a partir de hoje deixarei de alimentar essa esperança, deixarei de modo definitivo estar “preso” ao cais onde tantas vezes assistíamos ao pôr-do-sol. Eu sei que já escrevi isto muitas vezes, sei que estas mesmas intenções foram ditas outras tantas vezes e eu continuei à tua espera nesse mesmo cais. Mas hoje consigo desprender-me não só de ti, como também me desprendo de um passado. Tenho de libertar o amor preso dentro de mim, não somente irá modificar o meu bem-estar, como também irá tornar-me uma pessoa diferente. Se me lês ou não, poderás ficar feliz com esta decisão e uma vez mais, repito que a mesma foi baseada nas linhas escritas contidas no livro que me chegou até às mãos, dando-me a principal resposta que há muito procurava.

Durante o tempo que convivemos acreditei que sentia amor verdadeiro por ti. Sem convivermos continuei acreditar nesse amor, razão de continuar a querer-te como no primeiro dia. Só que hoje percebi que o amor verdadeiro não permite que exista sofrimento e eu sei o quanto sofri. Tu também sofreste, presumo que sim, só que pelo menos dizias que não era amor o que sentias e se falavas a verdade, apenas tu podes saber o que sentias. Por momentos, no turbilhão de emoções o meu amor por ti transformou-se em ódio nos dias seguintes ao fim. Assim como a alegria que sentia ao estar ao teu lado, logo passou a um estado de sofrimento e um amor verdadeiro não tem estes contornos. Esse amor eu nunca senti, mas aproximou-se bastante. Mesmo dentro de uma relação “normal” de dependência, é possível haver momentos onde podemos sentir a presença de algo genuíno, inalterável. Mas será apenas uma manifestação rápida e brilhante de um dia encoberto pela interferência da mente. Eu podia ficar com a impressão de que tive algo muito valioso e esse algo, refiro-me a ti, mas que perdi, ou a minha mente pode convencer-me de que tudo não passou de uma ilusão. A verdade é que não foi uma ilusão e eu também não perdi nada, não te perdi. Esse algo valioso é parte do meu estado natural – pode estar encoberto, mas nunca ser destruído pela mente. Mesmo quando o céu está totalmente coberto, o sol não desapareceu. Ainda está lá, por trás das nuvens. Assim como tu podes ter desaparecido, sei que tu estás atrás de um lugar qualquer.

Seria fácil dizer que o destino foi o culpado pelo nosso afastamento ou inventar motivos sem fins. Podia lamentar-me o porquê de muitas relações sem amor verdadeiro, conseguem disfarçar vidas felizes entre duas pessoas e nas nossas não foi tão bem assim. Pagou-se o preço por não haver amor verdadeiro, acredito que esta é a chave que abre a caixa de todas as dúvidas. A dor ou o sofrimento surge através de desejos ou anseios, e para libertar da dor necessitamos romper as amarras do desejo. São essas mesmas amarras que rompo e todos os meus desejos de ti, ficam por aqui…estas mesmas reticências dizem que se quiseres vir ao meu encontro e se conseguires ouvir o bater do meu coração, terei com toda a certeza todas as condições de amar-te verdadeiramente, assim tu queiras.

terça-feira, 23 de março de 2010

A DIFICULDADE DE AGRADAR A TODOS



Muitas pessoas se comportam da forma que imaginam que agradará a todos. Esta metáfora nos fala da impossibilidade de realizar este objetivo e sobre a necessidade de confiarmos em nosso julgamento interno.
Em pleno calor do dia um pai andava pelas poeirentas ruas de junto com seu filho e um jumento. O pai estava sentado no animal, enquanto o filho o conduzia, puxando a montaria com uma corda. Pobre criança!, exclamou um passante, suas perninhas curtas precisam esforçar-se para não ficar para trás do jumento. Como pode aquele homem ficar ali sentado tão calmamente sobre a montaria, ao ver que o menino está virando um farrapo de tanto correr.O pai tomou a sério esta observação, desmontou do jumento na esquina seguinte e colocou o rapaz sobre a sela. Porém não passou muito tempo até que outro passante erguesse a voz para dizer: Que desgraça! O pequeno fedelho lá vai sentado como um sultão, enquanto seu velho pai corre ao lado.Esse comentário muito magoou o rapaz, e ele pediu ao pai que montasse também no burro, às suas costas. Já se viu coisa como essa?, resmungou uma mulher usando véu. Tamanha crueldade para com os animais! O lombo do pobre jumento está vergado, e aquele velho que para nada serve e seu filho abancaram-se como seu o animal fosse um divã. Pobre criatura! Os dois alvos dessa amarga crítica entreolharam-se e, sem dizer palavra, desmontaram. Entretanto mal tinham andado alguns passos quando outro estranho fez troça deles ao dizer: Graças a Deus que eu não sou tão bobo assim! Por que vocês dois conduzem esse jumento se ele não lhes presta serviço algum, se ele nem mesmo serve de montaria para um de vocês? O pai colocou um punhado de palha na boca do jumento e pôs a mão sobre o ombro do filho. Independente do que fazemos, disse, sempre há alguém que discorda de nossa ação. Nós mesmos precisamos determinar o que é correto. Só nós podemos e devemos ser os reais condutores de nossas existências. Pense nisso...e tenha um bom dia...

segunda-feira, 22 de março de 2010

OBSTÁCULOS DA VIDA


Um rapaz pediu a Jesus um emprego, e uma mulher que o amasse muito.
No dia seguinte, abriu o jornal e tinha um anúncio de emprego.
Ele foi, viu a fila muito grande e disse: eles são melhores do que eu, e foi embora.

No caminho, um garoto lhe deu uma rosa... no ônibus ele, chateado, jogou a rosa fora.
Ao chegar em casa, o rapaz briga com Jesus:
...É assim que me tratas?
...É assim que me amas?
E vai dormir. Em sonho Jesus lhe diz: O emprego era seu, mas você não confiou e desistiu antes mesmo de lutar; aquela rosa foi eu que te dei... inspirei aquela criança a lhe dar!!! O amor da sua vida, estava sentada ao seu lado...

em vez de você dar a rosa a ela, você a jogou fora.


Você entendeu como Jesus age na sua vida?
Ele abre as portas e te mostra o caminho, mas a tua fé é tão pouca que
desiste no primeiro obstáculo. Não desista... confie que Jesus pode agir na sua vida.
Os obstáculos existem para ver até onde vai a tua fé. Passe adiante... isso já será um sinal que Jesus está agindo em sua vida!!! Pense nisso...e tenha um bom dia...

quinta-feira, 18 de março de 2010

CONFIRA A TRADUÇÃO DO DIA COM CÉSAR BRITO

CONSELHO ÁS MULHERES


— Se um homem quer você, nada pode mantê-lo longe.

— Se ele não te quer, nada pode fazê-lo ficar.
— Pare de dar desculpas (de arranjar justificativas) para um homem e seu comportamento.

— Permita que sua intuição (ou espírito) te proteja das mágoas.

— Pare de tentar se modificar para uma relação que não tem que acontecer.


— Mais devagar é melhor. Nunca dedique sua vida a um homem antes que você encontre o que realmente te faz feliz.

— Se uma relação terminar porque o homem não te tratou como você merecia, "dane - se, mande pro inferno, esquece!", vocês não podem "ser amigos". Um amigo não destrataria outro amigo.— Não conserte.

— Se você sente que ele está te enrolando, provavelmente é porque ele está mesmo. Não continue (a relação) porque você acha que "ela vai melhorar"

— Você vai se chatear daqui um ano por continuar a relação quando as coisas ainda não estiverem melhores.

— A única pessoa que você pode controlar em uma relação é você mesma.

— Evite homens que têm um monte de filhos, e de um monte de mulheres diferentes. Ele não casou com elas quando elas ficaram grávidas, então, porque ele te trataria diferente?

— Sempre tenha seu próprio círculo de amizade, separadamente do dele.

— Coloque limites no modo como um homem te trata. Se algo te irritar, faça um escândalo.— Nunca deixe um homem saber de tudo. Mais tarde ele usará isso contra você.

— Você não pode mudar o comportamento de um homem. A mudança vem de dentro.

— Nunca o deixe sentir que ele é mais importante que você... mesmo se ele tiver um maior grau de escolaridade ou um emprego melhor.

— Não o torne um semi -deus.

— Ele é um homem, nada além ou aquém disso.

— Nunca deixe um homem definir quem você é.

— Nunca pegue o homem de alguém emprestado...

— Se ele traiu alguém com você, ele te trairá.

— Um homem vai te tratar do jeito que você permita que ele te trate.

— Todos os homens NÃO são cachorros.

— Você não deve ser a única a fazer tudo... compromisso é uma via de mão dupla.

— Você precisa de tempo para se cuidar entre as relações. Não há nada precioso quanto viajar. veja as suas questões antes de um novo relacionamento.

— Você nunca deve olhar para alguém sentindo que a pessoa irá te completar... uma relação consiste de dois indivíduos completos.. procure alguém que irá te complementar... não suplementar.

— Namorar é bacana, mesmo se ele não for o esperado Sr. Correto.

— Faça- o sentir falta de você algumas vezes... quando um homem sempre sabe que você está lá, e que você está sempre disponível para ele

— ele se acha...

— Nunca se mude para a casa da mãe dele. Nunca seja cúmplice de um homem.

— Não se comprometa completamente com um homem que não te dá tudo o que você precisa. Mantenha-o em seu radar, mas conheça outros...

— Compartilhe isso com outras mulheres e homens (de modo que eles saibam). você fará alguém sorrir, outros repensarem sobre as escolhas, e outras mulheres se prepararem.


— O medo de ficar sozinha faz que várias mulheres permaneçam em relações que são abusivas e lesivas: Você deve saber que você é a melhor coisa que pode acontecer para alguém e se um homem te destrata, é ele que vai perder uma coisa boa.

— Se ele ficou atraído por você à primeira vista, saiba que ele não foi o único.

— Todos eles estão te olhando, então você tem várias opções.



Faça a escolha certa. — Dizem que se gasta um minuto para encontrar alguém especial, uma hora para apreciar esse alguém, um dia para amá-lo e uma vida inteira para esquecê-lo.Pense nisso...e tenha um bom dia...

CICLO EM NOSSAS VIDAS

Sempre é preciso saber quando uma etapa chega ao final..

Se insistirmos em permanecer nela mais do que o tempo necessário, perdemos a alegria e o sentido das outras etapas que precisamos viver. Encerrando ciclos, fechando portas, terminando capítulos. Não importa o nome que damos, o que importa é deixar no passado os momentos da vida que já se acabaram. Foi despedida do trabalho? Terminou uma relação? Deixou a casa dos pais? Partiu para viver em outro país?

A amizade tão longamente cultivada desapareceu sem explicações? Você pode passar muito tempo se perguntando por que isso aconteceu. Pode dizer para si mesma que não dará mais um passo enquanto não entender as razões que levaram certas coisas, que eram tão importantes e sólidas em sua vida, serem subitamente transformadas em pó. Mas tal atitude será um desgaste imenso para todos: seus pais, seu marido ou sua esposa, seus amigos, seus filhos, sua irmã, todos estarão encerrando capítulos, virando a folha, seguindo adiante, e todos sofrerão ao ver que você está parado. Ninguém pode estar ao mesmo tempo no presente e no passado, nem mesmo quando tentamos entender as coisas que acontecem conosco.

O que passou não voltará: não podemos ser eternamente meninos, adolescentes tardios, filhos que se sentem culpados ou rancorosos com os pais, amantes que revivem noite e dia uma ligação com quem já foi embora e não tem a menor intenção de voltar. As coisas passam, e o melhor que fazemos é deixar que elas realmente possam ir embora. Por isso é tão importante

(por mais doloroso que seja!) destruir recordações, mudar de casa, dar muitas coisas para orfanatos, vender ou doar os livros que tem. Tudo neste mundo visível é uma manifestação do mundo invisível, do que está acontecendo em nosso coração.. .... e o desfazer-se de certas lembranças significa também abrir espaço para que outras tomem o seu lugar. Deixar ir embora. Soltar. Desprender-se. Ninguém está jogando nesta vida com cartas marcadas, portanto às vezes ganhamos, e às vezes perdemos. Não espere que devolvam algo, não espere que reconheçam seu esforço, que descubram seu gênio, que entendam seu amor. Pare de ligar sua televisão emocional e assistir sempre ao mesmo programa, que mostra como você sofreu com determinada perda: isso o estará apenas envenenando, e nada mais. Não há nada mais perigoso que rompimentos amorosos que não são aceitos, promessas de emprego que não têm data marcada para começar, decisões que sempre são adiadas em nome do "momento ideal". Antes de começar um capítulo novo, é preciso terminar o antigo: diga a si mesmo que o que passou, jamais voltará. Lembre-se de que houve uma época em que podia viver sem aquilo, sem aquela pessoa - nada é insubstituível, um hábito não é uma necessidade. Pode parecer óbvio, pode mesmo ser difícil, mas é muito importante. Encerrando ciclos. Não por causa do orgulho, por incapacidade, ou por soberba, mas porque simplesmente aquilo já não se encaixa mais na sua vida. Feche a porta, mude o disco, limpe a casa, sacuda a poeira. Deixe de ser quem era, e se transforme em quem é. Torna-te uma pessoa melhor e assegura-te de que sabes bem quem és tu própria, antes de conheceres alguém e de esperares que ele veja quem tu és.. E lembra-te : “Tudo o que chega, chega sempre por alguma razão”



(Fernando Pessoa)

A BATALHA MAIS PRÓXIMA


Você quer ser vencedor?
Concorra consigo mesmo, não com outras pessoas.

Vencer seu parceiro de xadrez
não significa necessariamente que tenha sido o seu melhor jogo.

Passar na frente de seu rival
não significa que tenha sido a sua melhor corrida.

Você pode vencer outra pessoa e, mesmo assim, não usar todo o seu potencial.

Tudo na vida é assim.

Para ser o melhor,
você precisa competir consigo mesmo.
Essa é a maior competição da vida.

Um perdedor é vencedor _ não importa
quantas derrotas ele teve _ se vencer a si próprio.

Um vencedor é perdedor _ não importa
quantas vitórias ele teve_se perder a batalha travada com ele mesmo.

Alexandre, o Grande, conquistou o mundo
e deplorou sua falta de autocontrole.

A vitória sobre os outros
pode ser o verdadeiro motivo que contribui para que o vencedor perca a luta contra si mesmo.

A vitória o deixa orgulhoso, arrogante,
auto-suficiente, descuidado e, às vezes, cruel !

Em outras palavras,
não é o que acontece com você que faz a diferença, mas a maneira como você lida com isso.

Aquele que para de amadurecer espiritualmente por pensar que conhece mais a Bíblia que os outros, está muito longe de ser aquilo que Cristo planejou para ele.



Se você tiver que se comparar com alguém, compare-se a Cristo.

Permita que Ele modele sua vida
em todo o seu potencial,
e de acordo com seus planos divinos.Pense nisso...e tenha um bom dia...

NINGUÉM É MELHOR QUE NINGUÉM


Conta-nos uma antiga parábola que, certo dia, um alfinete e uma agulha encontraram-se numa cesta de costuras. Estando os dois desocupados, começaram a discutir, porque cada um se considerava melhor e mais importante do que o outro:
- "Afinal, qual é mesmo a sua utilidade?" disse o alfinete para a agulha. "E como pensa você vencer na vida se não tem cabeça?"

- "A sua crítica não tem a menor procedência" respondeu a agulha rispidamente. "Responda-me agora: de que te serve a cabeça se não tem olho? Não é mais importante poder ver?"
- "Ora, e de que lhe vale seu olho se há sempre um fio impedindo a sua visão?" retrucou o alfinete.
- "Pois fique sabendo que mesmo tendo um fio atravessando o meu olho, eu ainda posso fazer muito mais do que você."
Enquanto se ocupavam nessa discussão, uma senhora pegou a cesta de costura, desejando coser um pequeno rasgo no tapete. Enfiou a agulha com linha bem resistente e se pôs a costurar o mais rápido que pôde. De repente a linha emaranhou-se, formando uma laçada que dificultou o acabamento da costura. Apressada, a mulher deu um puxão violento que rompeu o olho da agulha.

Tendo que ultimar aquele trabalho, ela amarrou a linha na cabeça do alfinete e conseguiu dar os pontos finais; mas na hora de arrematar, a cabeça do alfinete se desprendeu. Impaciente com tudo, jogou a agulha e o alfinete na cesta e saiu resmungando.


Ambos estavam enganados: o alfinete e a agulha! Nenhum dos dois era insubstituível. Nenhum dos dois era perfeito. Nenhum dos dois era tão versátil que pudesse julgar-se com o direito de se considerar melhor do que o outro. Pense nisso...e tenha um bom dia...

MULHER E DEDICAÇÃO


Em uma de suas mais famosas canções, o ex-Beatle John Lennon cantou a opressão que vitimava mulheres em todo o Mundo.

Lennon foi assassinado em 1980, mas suas palavras ainda são atuais, nesses dias em que vivemos.

No Brasil, na Arábia ou na Índia. Na antiguidade ou nas metrópoles de hoje.

Em todas as épocas e povos, a mulher sempre teve sua posição atormentada pelas dificuldades do não reconhecimento de seu valor e de seu papel.

Esforça-se, rompe barreiras, mas continua assombrada por um certo desprezo, nascido da aparente fragilidade que carrega.

Em alguns locais o estigma é forte, bem visível, e oprime, fere, humilha.

Em outros, a vida parece um pesadelo com a violência que assusta, com o terror que espalha.

Basta ligar a TV, ou abrir jornais e revistas para ter notícias dos abusos impostos às mulheres.

Vilipendiadas, desrespeitadas, caladas à força, elas prosseguem: carregam famílias, assumem tarefas, adoçam os dias com o mel que só um coração delicado pode oferecer.

Mesmo nos países em que é valorizada, facilmente se percebe um certo desrespeito, um preconceito camuflado em piadas e risos irônicos.

Sem falar nos salários mais baixos, nas avaliações que consideram mais o corpo que a inteligência. Ou você nunca notou?

Por toda a parte em que se vai, basta abrir os olhos e ver as mulheres assinaladas pelo signo da generosidade.

Por mais que trabalhem, sejam bem sucedidas, realizadas, o selo feminino é o da dedicação que não conhece limites.

Quer prova disso? Observe as mães e esposas de atletas e artistas. Quem na maioria das vezes os estimula, torce, sacrifica as horas?

Quem está, invariavelmente, ao lado deles, quando ninguém quer sonhar junto? Quem sempre acredita?

E os filhos deficientes? Você já percebeu a presença materna ali ao lado? Onipresente, forte, protetora.

Todos os estudos na área de deficiência física ou mental revelam que a figura materna, na maioria dos casos, é quem apóia o filho e vai em busca de alternativas, terapias, equipamentos, médicos.

Mão estendida, voz cariciosa, presença constante. Mães, irmãs, avós, esposas, namoradas. Sempre ao lado, de mãos dadas, com brilho nos olhos e força nos braços.

Tanta dedicação muitas vezes tem um preço caro demais. A mulher acostuma-se ao sacrifício o tempo inteiro.

E fica invisível. Passa a fazer parte da paisagem. Ninguém lembra de agradecer, acarinhar, sorrir de volta.

Mas quem disse que ela se abate? Mulher é entidade forte, cheia de graça e de poder, capaz de fazer nascer borboletas. Capaz de fazer brilhar o sol.



Se nos cabe reconhecer no homem o condutor da Civilização e o mordomo dos patrimônios materiais, na Terra, não podemos esquecer de identificar na mulher o anjo da esperança, ternura e amor.

A missão feminina é espinhosa. Mas, efetivamente, só a mulher tem bastante poder para transformar os espinhos em flores.





Bem aventurada a mulher que cuida do próprio perfil interior e exterior, porque a harmonia da pessoa faz mais bela a convivência humana.

Bem aventurada a mulher que, ao lado do homem, exercita a própria insubstituível responsabilidade na família, na sociedade, na história e no universo inteiro.

Bem aventurada a mulher chamada a transmitir e a guardar a vida de maneira humilde e grande. Bem aventurada quando nela e ao redor dela acolhe faz crescer e protege a vida.

Bem aventurada a mulher que põe a inteligência, a sensibilidade e a cultura a serviço dela, onde ela venha a ser diminuída ou deturpada.

Bem aventurada a mulher que se empenha em promover um mundo mais justo e mais humano.

Bem aventurada a mulher que, em seu caminho, encontra Cristo: escuta-O, acolhe-O, segue-O, como tantas mulheres do evangelho, e se deixa iluminar por Ele na opção de vida.

Bem aventurada a mulher que, dia após dia, com pequenos gestos, com palavras e atenções que nascem do coração, traça sendas de esperança para a humanidade.

A CADA MIL LÁGRIMAS


Em caso de dor ponha gelo

Mude o corte do cabelo

Mude como modelo

Vá ao cinema. Dê um sorriso

Ainda que amarelo, esqueça seu cotovelo

Se amargo foi já ter sido

Troque já esse vestido

Troque o padrão do tecido

Saia do sério, deixe os critérios

Siga todos os sentidos

Faça fazer sentido

A cada mil lágrimas sai um milagre...

A cada mil lágrimas sai um milagre...

* * *

A letra da belíssima canção de Itamar Assumpção e Alice Ruiz é inspiradora.

Fala-nos de como encarar as dores do mundo com inteligência, com coragem e com estilo.

Inteligência de quem vê na dor oportunidade de mudança e aprendizado.

Coragem de quem aceita mudar.

Estilo de quem sofre e ainda consegue sorrir, chorar, sem perder a linha, sem perder o passo.

A dor chega sem aviso, de cara cruel, como um monstro invencível e desproporcional ao nosso tamanho.

Chega destruindo tudo... E tudo parece o fim.

Mas não... Descobrimos que ela ensina, orienta, cuida.

É o cinzel que esculpe, que talha, que faz o bloco amorfo de mármore se transformar em estátua, em obra de arte.

A dor é o convite à mudança de hábitos, de pensamento, de rumo, talvez.

Trocar o vestido da alma é renová-la. Mudar o padrão de seus tecidos é não permanecer preso às mesmas ideias, aos mesmos vícios.

É necessário deixar a vida fazer sentido.

Uma vida sem sentido é quase como uma escuridão. Nada se vê, nem a si próprio. Nada se encontra, pois não se sabe onde está e onde se deve chegar.

E o milagre após as lágrimas é tantas coisas!...

O milagre de se encontrar, de ver a si mesmo com suas forças e fraquezas, mas sem máscaras, sem ilusões.

O milagre de perceber que se está melhor, que as feridas cicatrizam sempre, e que ali a pele se torna mais resistente.

O milagre do recomeço, de nascer de novo, de se dar nova chance.

O milagre de descobrir os amores ao redor, e quanto prezam por nós; de descobrir aqueles que nunca nos abandonam, não importa o que aconteça.

O milagre de saber que a vida procura nos levar sempre para cima, para diante, e nunca para trás, e a dor é lei de equilíbrio e educação.

A cada mil lágrimas sai um milagre.

O sofrimento, muitas vezes, não é mais do que a repercussão das violações da ordem eterna cometidas.

Mas, sendo partilha de todos, deve ser considerado como necessidade de ordem geral, como agente de desenvolvimento, condição do progresso.

Todos os seres têm de, por sua vez, passar por ele. Sua ação é benfazeja para quem sabe compreendê-lo.

Mas, somente podem compreendê-lo aqueles que lhe sentiram os poderosos efeitos.

Os Sentimentos dos Outros


Sam Douglas costumava dizer à esposa que, ao seu ver, ela passava muito tempo trabalhando no jardim, arrancando ervas daninhas, pondo fertilizantes, cortando o gramado duas vezes por semana...
Ele alegava que, apesar de seus esforços, o jardim continuava o mesmo de quando haviam mudado para aquela casa 4 anos atrás.

Naturalmente, ela se sentia magoada com essas observações e, cada vez que ele voltava a fazê-las, a noite para ela estava arruinada, assim como rompia o equilíbrio do relacionamento de ambos.

Depois de muito tempo, após algumas reflexões, o Sr. Douglas compreendeu como tinha sido tolo durante aqueles anos.

Nunca lhe ocorrera que dava prazer à esposa trabalhar daquela maneira e, por certo, apreciaria um elogio por seu empenho e dedicação.

Certo dia, a esposa disse que iria arrancar algumas ervas e convidou-o para acompanhá-lo ao jardim.

A princípio ele recusou mas, depois de pensar melhor, saiu e começou a ajudá-la.

A esposa ficou visivelmente feliz e juntos passaram uma hora trabalhando duro e entabulando conversa agradável.

A partir de então, ele passou a ajudá-la na jardinagem. Fazia-lhe elogios sobre seu trabalho, pois o jardim andava bonito de se olhar.

Resultado: uma vida mais feliz para ambos, porque ele aprendera a ver as coisas a partir do ponto de vista dela, ainda que o assunto fosse unicamente ervas daninhas.

O que se construía ali, naqueles momentos, era muito mais do que um belo jardim. Construía-se uma relação de entendimento, de empatia e respeito entre ambos.

Muitas vezes nosso olhar sobre o outro, sobre suas atividades e sentimentos, é extremamente superficial.

O egoísmo em nós ainda cega para as necessidades do outro, e isso, num relacionamento a dois, é fator preponderante para o fracasso.

Necessário que deixemos as cavernas de nossas preocupações pessoais para conhecer outras moradias, nos aproximando do outro.

Nesse caminho sempre seremos presenteados com o sol do dia, que nos fará enxergar a vida e o próximo de forma muito mais nítida.

O que para um pode não ter importância ou significado, para o outro poderá ser fundamental.

Considerar isso é um exercício necessário, que deve ser realizado com constância e interesse.

A empatia é a sábia comandante dessa proposta elevada, que nos convida a perceber o outro e suas razões através de um novo ponto de vista, de uma nova perspectiva.

Ela nos ajuda a ser menos implacáveis nos julgamentos e condenações que fazemos.

Ela nos ajuda a compreender e a desenvolver a compaixão, evitando que a raiva e a vingança tomem o leme de nossa existência.

Ela nos faz entender que as ideias e sentimentos das outras pessoas são tão importantes quanto os nossos.

Ela nos ajuda a amar o ser amado...

A ESPADA MÁGICA

Existe uma história muito, muito antiga, do tempo dos cavaleiros em brilhantes armaduras, sobre um jovem comum que estava com muito medo de testar sua habilidade com as armas, no torneio local.

Certo dia, seus amigos quiseram pregar-lhe uma peça e lhe deram de presente uma espada, dizendo que tinha um poder mágico muito antigo. O homem que a empunhasse jamais seria derrotado em combate.

Para surpresa deles, o jovem correu para o torneio e pôs em uso o presente, ganhando todos os embates. Ninguém jamais vira tanta velocidade e ousadia na espada. A cada torneio, a notícia de sua maestria se espalhava, e não tardou a ser ovacionado como o primeiro cavaleiro do reino.

Por fim, achando que não faria mal nenhum, um dos seus amigos revelou a brincadeira, confessando que o instrumento não tinha nada de mágico, era só uma espada comum.

Imediatamente o jovem cavaleiro foi dominado pelo terror. De pé na extremidade da área de combate, as pernas tremeram, a respiração ficou presa na garganta e os dedos perderam a força. Incapaz de continuar acreditando na espada, ele já não acreditava mais em si mesmo. E nunca mais competiu.

Quem teme perder já está vencido. Pense nisso...e tenha um bom dia...

VOCÊ É UMA QUESTÃO DE DECISÃO PESSOAL


Tem pessoas que sempre estão insatisfeitas enquanto outras sempre estão de bem com a vida.

Na realidade o modo de vida é uma questão de decisão pessoal.
Você pode curtir ser quem você é, do jeito que você for, ou viver infeliz por não ser quem você gostaria.
Você pode deixar como está para ver como é que fica ou com paciência e trabalho conseguir realizar as mudanças necessárias na sua vida pessoal e no seu trabalho.

Você pode deixar que o pessimismo paralise seus planos ou partir para a ação com
muita vontade de ganhar.
Você pode mentir para si mesmo, achando desculpas e culpados para todas as suas insatisfações ou encarar a verdade de que, no fim das contas, sempre você é quem decide o tipo de vida que quer levar.
Você pode viver o presente que a Vida lhe dá ou ficar preso a um passado que já acabou - e portanto não há mais nada a fazer -, ou a um futuro que ainda não veio - e que portanto não lhe permite fazer nada.
Você pode engajar-se no mundo, melhorando a si próprio e, por conseqüência, melhorando tudo que está à sua volta ou esperar que o mundo melhore para que então você possa melhorar.

Você pode aprender o que ainda não sabe ou fingir que já sabe tudo e não precisa
de aprender mais nada.

A escolha é sua e o importante é que você sempre tem escolha.
Pondere bastante ao se decidir, pois é você que vai carregar
- sozinho e sempre - o peso das escolhas que fizer...Pense nisso...e tenha um bom dia...

Deus colocou você exatamente onde deve estar. Não se apresse, tudo ficará bem!

Nada em nossa vida foge do controle de Deus, é Ele quem define o melhor momento para realizar nossos sonhos. A nossa vida não segue um manua...