quinta-feira, 28 de fevereiro de 2019

Devolva Todo Mal Que Te Fizerem Na Mesma Intensidade, Porém, Na Forma De Amor

Há pessoas que cruzam nosso caminho para acrescentar luz a cada um de nossos passos, e há aquelas que nos ensinam a não ser como elas.

Sempre que a vida decidir que é hora de você ser uma delas, opte por ser a primeira. Dá bem mais trabalho, porém, é muito mais recompensador.

Às vezes, sofremos desapontamentos grandes o suficiente para nos fazer querer nunca mais sair de nossos quartos. É como se o universo estivesse comendo pipoca com refrigerante enquanto nos assiste agonizar interiormente ao sentir o impacto do duro golpe dado pelas costas.

E não é fácil acordar todos os dias para conviver socialmente como se nada estivesse acontecendo, mas, afinal, é isso o que fazemos, e também é o que devemos fazer. Se deixarmos nossas dores tomarem conta de nós, nunca mais veremos a luz do sol, e isso trará escuridão para todas as áreas que há dentro e fora de nossas vidas.

As decepções sempre vêm de quem menos esperamos e isso não é um mero jargão utilizado como publicação nas redes sociais.

Quando amamos alguém esperamos muito dessa pessoa, seja este amor carnal, familiar ou de amigo.

É inevitável! Você deposita seus momentos, risadas, sorrisos e confissões em alguém, automaticamente espera que a retribuição seja ao menos fidelidade, por isso a decepção ocorre; você projetou naquela pessoa apenas coisas boas, e quando descobre que ela optou por um caminho fora da sua vontade, seu coração sangra, e a dor da frustração lhe arranca o chão na mesma violência que a bala de um revólver transpassa a pele e a carne de seu alvo.

É preciso muito tempo até absorver totalmente o estrago feito na alma de uma pessoa atingida pela dor da traição, independente de como esta tenha acontecido. Mas hoje, eu vim aqui para lhe dizer que você precisa devolver tudo o que lhe fizeram, porém, essa devolução deve acontecer de maneira totalmente oposta ao dano que lhe causaram.

Você pode devolver o mal com mal. Sem sombra de dúvida você pode, mas cá entre nós, além do sentimento de vingança que não dura mais que 5 minutos, o que isso lhe acrescentará?

A vida é formada por ciclos, e quando um ciclo difícil lhe atinge cabe-lhe a escolha entre dar a ele continuidade ou fim. Se você optar pela continuidade, alimentará sentimentos ruins, situações desconfortáveis e muita falta de paz interior, na busca por uma vingança que nunca lhe parecerá completa.

Pois, quando nos permitimos encher o coração com o que há de pior, ficamos cegos o suficiente para não perceber que aquele momento desesperador, quando a frustração veio, ficou para trás há dias, meses ou até mesmo anos. Ou seja, isso não faz mais parte da sua vida, foi apenas um capítulo difícil, mas não é uma história totalmente ruim.

Mas quando você decide absorver o capítulo e sobre ele pôr uma pedra, deixando para trás o vazio, o medo, a tristeza, o ódio e tudo mais que aquele momento lhe causaram, automaticamente o universo sente-se encarregado de abrir em sua vida um novo ciclo, com oportunidades, pessoas e lugares diferentes, que lhe trarão alegria muito maior que a que era sentida nos dias anteriores.

Claro, nada acontece do dia para a noite, por isso devemos sempre lembrar que perdoar é um processo diário, uma mudança interior que envolve pensamentos e sentimentos. Soltar a mão do passado é muito difícil, porém, segurar a mão do presente e futuro é libertador.

Devolva todo o mal que lhe causaram na mesma intensidade, porém, na forma de amor. Se não puder ser na vida da mesma pessoa que lhe feriu, que seja em outra, mas devolva.

Utilize sua história para dar bons conselhos a quem precisa de amparo; seja o ombro amigo que você mesmo não teve para chorar.

Estenda a mão a quem caiu no buraco; eu sei que você precisou sair de lá sozinho, por isso eu o convido a não permitir que mais ninguém tenha de cair a mesma quantidade de vezes que você caiu.

Ofereça as palavras de consolo que você tanto quis ouvir, mas que nunca vieram; se lançaram-lhe apenas pedras tentando aumentar ainda mais seu sofrimento, seja você o responsável por lançar flores e trazer um pouco de beleza aos dias cinzentos de quem ainda está passando pelo processo de aceitação sobre o que foi vivido.

Encerre este ciclo de maldade com carinho e amor. Respire fundo sempre que for preciso, e se a alma doer, pode chorar, não há problema nisso.

Só não se permita ser escuridão nas vidas dos outros como alguém um dia foi na sua. Seja a corda que tira do poço e não a mão que empurra até lá.

Seja a lua que ilumina o céu e não a tempestade que encobre as estrelas. Seja o farol que guia até à praia e não o mar agitado que assusta o tripulante. Seja a lâmpada que ilumina a sala de estar e não o apagão que assusta toda uma vizinhança.

Utilize seu tempo para preencher vazios ao invés de aumentá-los. O que lhe foi feito foi visto por Deus e por todo o universo, e a recompensa de cada um vem a seu devido tempo, portanto, plante girassóis ao invés de espinhos, e você terá além de lindas flores, uma paisagem, um jardim, pássaros e borboletas para colher quando menos esperar.

Se a vida lhe der limões, faça uma limonada, uma caipirinha, tempere uma salada, acrescente ao refrigerante. Só não os esprema nos olhos dos outros e nem nos seus.

Pode acreditar: apesar de azedo e ácido, o limão pode trazer doçura e sabor aos seus dias, mas tudo depende de como você o utiliza.

*Raquel Gonçalves

quarta-feira, 27 de fevereiro de 2019

Será Que Amar É Mesmo Tudo?

Não adianta. Mudam-se as cores do inverno, os sorrisos, as páginas das revistas, as dez mais bonitas.

Mudam-se as tecnologias, as manchetes, o preço do pão, o jeito como você corta o cabelo.

Mudam-se os sonhos, o clima lá fora, o tom do batom, a decoração, o que você espera de si mesma. Tudo muda o tempo todo. Mas uma coisa não muda. Não sai de moda. Não fica velho, nem ultrapassado. Quer saber? Acho amar a coisa mais eterna que existe. Não há nada mais moderno. Mais transgressor. Mais ousado – e mais antigo – que isso.

Num tempo onde as pessoas mal têm tempo, amar virou coisa de gente corajosa. Porque é preciso muito peito (e muito jogo de cintura) para seguir o que temos de mais criativo: o coração. É o amor que nos faz ver o mundo de um jeito mais belo. E é o amor (e só ele!) que nos traz o valor exato das coisas simples. E você não precisa necessariamente amar uma pessoa. O amor é democrático.

Você pode – e deve – amar a si mesmo e ao mesmo tempo amar alguém (essa, sim, é a melhor combinação!). E também amar a vida. Amar um projeto. Um trabalho. Um sonho. Ou – porque não? – simplesmente amar o amor. Se todo amor vale a pena? Eu acredito que sim. O mundo não está triste só por causa das guerras, do superaquecimento global e do tal “salve-se quem puder” As pessoas se escondem atrás das tecnologias e de um falso liberalismo pra camuflar seus medos. Para enganar seus desejos.

Ah, me desculpem, mas no fundo todo mundo quer mais é se apaixonar! Mentira minha? Duvido. Todo mundo quer amar, todo mundo quer encontrar alguém especial, todo mundo quer se livrar do medo que nos impede de andar de mãos dadas. É certo que há quem prefira o morno, os relacionamentos superficiais, as noites vazias. (Relacionamentos trazem tantos problemas e alegrias quanto estar só, isso é uma verdade).

Mas tenho a impressão de que todos nós temos um leve romantismo escondido, um desejo real pelo amor, uma necessidade de amar e ser amado sem a qual a vida não teria graça. (E não haveria tantos poetas, tantas canções bonitas e tanta insônia por aí).

Escrevi, uma vez, uma letra onde canta a seguinte frase: “Será que amar é mesmo tudo”? Na época eu não saberia responder. Mas, hoje, cheguei a uma breve conclusão: não, amar não é tudo. É quase tudo. Amar é o começo. O primeiro parágrafo. A primeira nota. É o que canta (e encanta). Amar é que nos faz falar. É o que nos faz acordar. É o que nos faz dizer “Bom dia” com o sorriso mais livre do mundo. Se eu estou amando? É, devo admitir. Depois de vários romances sem fim, me apaixonei por mim mesma.

E, como presente, ganhei um novo amor que é fruto de todos os grandes amores que tive. Sorte minha? Talvez. Mas amor não é apenas sorte. Não pensem também que amor é a solução pra todos os nossos problemas. Não. Amor não é solução. Amor é prêmio. Recompensa feliz para quem – afinal de contas – conseguiu manter-se fiel a si mesmo.

Por isso, escrevo esse texto. Em uma época em que os desejos duram o tempo de uma estação, acho o AMOR o exercício mais radical que podemos fazer. (O coração agradece!)



*por Fernanda Mello, escritora e compositor

terça-feira, 26 de fevereiro de 2019

Se você não se respeita, os demais se sentirão autorizados a desrespeitá-lo também

Na vida é assim, quem não se valoriza o suficiente será sempre tratado como “tapa-buraco” dos outros. Infelizmente é assim que acontece. Quando uma pessoa não se trata com o devido respeito e zelo, ela dá, mesmo sem perceber, autorização para que todos a tratem, também, com descaso. Muitas pessoas confundem autoestima com possuir dinheiro ou ter uma aparência invejável.

Ledo engano, você pode estar vestido com uma roupa bem simplória, não ter um centavo na conta e não ter atributos físicos invejáveis e ainda assim proteger-se de ataques que firam a sua dignidade. Essa proteção é a própria pessoa que evidencia ao tratar-se com respeito, afinal ela se compreende como alguém cujo valor não está atrelado a fatores externos como beleza e dinheiro. É assim que as pessoas com autoestima elevada se percebem e essa era para ser a percepção pertinente à todas as pessoas.

Eu costumo ilustrar uma pessoa que se respeita usando aqueles jardins, seja em via pública ou em condomínios fechados, nos quais existem sempre umas plaquinhas escrito “proibido pisar a grama”. O que acontece quando estamos transitando por esses espaços e nos deparamos com essas advertências? Ficamos atentos, não é mesmo? Redobramos os cuidados para não pisarmos as plantas, as gramas etc. Por mais mal educada que uma pessoa seja, ela terá o mínimo de receio nesses ambientes, seja por concordar com a regra, seja por temer uma possível advertência por parte de alguém que esteja fiscalizando. Traçando um paralelo com as pessoas que se enxergam como preciosas, estas também carregam em si, por meio da sua postura, uma “plaquinha” advertindo: cuidado, trate-me com respeito, aqui é um território sagrado”. E tenham a certeza de que essa “plaquinha” será lida por todos e a mensagem será compreendida.

De modo análogo, as pessoas que não se compreendem como valorosas, parecem carregar um adesivo na testa com letras garrafais dizendo: “eu não valho nada, façam o que quiserem comigo, eu permito”…suas atitudes emitem essa permissão. Então, as pessoas, especialmente as abusivas, sentem-se totalmente à vontade para tratá-las com total desrespeito e hostilidade. Há um ditado popular que diz: “a lagarta sabe da folha que morde”, tradução: a lagarta não morderia uma folha venenosa, pois poderia ser fatal para ela. Dá mesma forma, as pessoas sabem muito bem com quem praticar o abuso e o desrespeito. Creio que sempre é tempo de um despertar acerca do nosso valor. É sempre possível adquirir uma nova percepção sobre si e estabelecer novas formas de se posicionar na vida.

Infelizmente, nem todas as pessoas tiveram a oportunidade de aprender, em suas histórias de vida, sobre o amor próprio. Acontece que, não raro, tudo o que elas aprenderam na vida foi exatamente o oposto desse princípio que funciona como um escudo protetor da dignidade humana. São vítimas de uma conjuntura que envolve muitos aspectos (socioculturais, afetivos, familiares etc).

Contudo, leitor(a) querido(a), eu parto do princípio de que, enquanto estamos vivos, estamos sujeitos à transformações. Sabe, não somos obrigados a nos portar diante de determinadas situações como se elas fossem um diagnóstico de uma doença incurável, praticamente uma sentença de morte. Uma vez que algo te causa desconforto, busque entender a origem disso, investigue sobre o que possa estar por trás da sua falta de autoestima(se for o seu caso).

É possível que você reverta esse quadro e se apaixone pela pessoa que você é. Voltar a estudar, cuidar da aparência e saúde, investir em hobbies que nos agrade, evitar pessoas que nos oprima, etc, são algumas atitudes que contribuem bastante para o fortalecimento do nosso amor próprio.

Trate-se como um jardim sagrado, por onde andar, leve contigo algumas plaquinhas sinalizadoras escritas como essa frase: “sou maravilhoso(a), pratico o respeito e a empatia e faço questão de ser tratado(a)assim também”.



*Ivonete Rosa

segunda-feira, 25 de fevereiro de 2019

Você não é o seu dia que deu errado

“Lembre-se de que quem te ferra, te rotula, te decepciona, tudo de ruim que te acontece, nada disso te define, apenas te ensina e te mostra as verdades. Você é muito melhor do que todo mal que te rodeia.”

Viver é perigoso, já dizia Guimarães Rosa, não é fácil, nunca foi nem nunca será. A gente leva muita surra, cai de grandes alturas, decepciona-se com quem jamais imaginaria, a gente perde muita coisa e muitas pessoas pelo caminho. E não acaba, não; quando a calmaria parece durar, lá vem mais granizo. Em meio a tantos redemoinhos, cabe-nos o fortalecimento de nossas convicções, de nossos sonhos e dos relacionamentos que acalentam e curam.

Não se transforme em tudo aquilo que provoca distância entre os seus desejos e a realização deles. Cada decepção deve servir como exemplo do que não podemos trazer para junto de nós, cada ferida nos lembra da importância de não hesitarmos quanto ao valor das mãos seguras que sempre deverão nos reerguer. Dias ruins vêm e vão, mas a gente fica e pode manter aqui dentro o que de bom ainda resta.

Não acredite, nem por um minuto, no que disserem em seu desfavor, quando duvidarem de sua capacidade de ser, de se tornar, de vir a conseguir. Os maiores obstáculos que teremos são justamente aqueles que nós próprios nos impusermos. Somente você sabe bem o que tem aí dentro, do pior e do melhor. Não deixe que ninguém abale essas suas certezas.

Entenda que não é preciso ter um relacionamento amoroso para se sentir feliz e completo. Ninguém poderá fazer aquilo que lhe cabe: a sua parte. É muito bom ter um companheiro, mas sem confundir companhia com solidão a dois. Sem se bastar a si mesmo, nada que venha de fora bastará também. Bastar-se implica amar-se e realizar-se enquanto pessoa.

Não se rotule, deixe que os outros façam isso por você. Não podemos nos permitir que determinem o nosso futuro a partir de afirmações de que somos quietos demais, somos muito sensíveis, ou de que jamais nos daremos bem fazendo isso ou aquilo. Existe muito mais do que pensamos em nossa força interior. Ninguém tem o direito de nos dizer o que devemos ou não, tampouco nós mesmos poderemos atravancar as nossas potencialidades, achando que somos menos.

Lembre-se de que quem te ferra, te rotula, te decepciona, tudo de ruim que te acontece, nada disso te define, apenas te ensina e te mostra as verdades. Você é muito melhor do que todo mal que te rodeia. Não podemos aceitar e nos acomodar à nossa pior versão, como se a felicidade fosse algo longe e inalcançável.

É nos dias de brisa suave e respirar tranquilo que devemos nos apoiar, olhando em volta e percebendo que ali estará quem devemos de fato valorizar e o que pode realmente trazer paz ao nosso caminhar. Porque desistir de ser feliz não pode, em hipótese alguma, estar em nossos planos. Vivamos!

*O título deste artigo é uma citação de autoria de Mariana Fiore.

*Marcel Camargo

sexta-feira, 22 de fevereiro de 2019

DEUS É TÃO BOM QUE NEM SEI EXPLICAR

Deus é tão bom que nem sei explicar com palavras.

Eu poderia facilmente fazer uma lista gigantesca com todas as razões que acredito que Deus é tão bom que justifica adorá-lo.

Eu poderia facilmente registrar de um até cem motivos que me levaram a seguir Jesus, estudar a bíblia e encontrar na palavra de Deus o ânimo que eu precisava para vencer e conquistar o que muitos consideram impossível.

DEUS É TÃO BOM QUE NEM SEI EXPLICAR

Deus é tão bom que me deu a vida;
Deus é tão bom que me deu uma família;
Deus é tão bom que me permite respirar;

DEUS É TÃO BOM QUE ME PERMITE CAMINHAR;

Deus é tão bom que me deu uma voz que não é ideal para o canto, mas que serve para espalhar suas maravilhas.
Deus é tão bom que não deixa faltar o pão nosso de cada dia;
Deus é tão bom que sonda o meu coração e identifica todas as minhas necessidades;

DEUS É TÃO BOM QUE ME CONDUZ AO CAMINHO CERTO E ME CONCEDE VITÓRIA;

Deus é tão bom que mesmo eu não tendo feito nada de importante me considera especial;
Deus é tão bom que cumpre todas as promessas que me fez de prosperar e ser feliz;
Deus é tão bom que escuta todas as palavras que saem da minha boca;
Deus é tão bom que sonda meu coração e reconhece a soberba, o orgulho e todo plano errado imediatamente;

Deus é tão bom que me faz perceber quando estou equivocada;

DEUS É TÃO BOM QUE LAPIDA O MEU CORAÇÃO PARA FICAR DE ACORDO COM A SUA VONTADE;

Deus é tão bom que transforma a situação difícil e prova que nada é impossível quando se tem fé;
Deus é tão bom que surpreende a medicina mudando laudos e perícias;
Deus é tão bom que me protege do vale dos fracassos e prejuízos.

DEUS É TÃO BOM QUE ME SUSTENTA PARA QUE EU NÃO CAIA NAS ESCOLHAS PRECIPITADAS E NAS PROMESSAS ENGANOSAS;

Deus é tão bom que acalma o meu coração das tempestades criadas pela mente ansiosa e desanimada;
Deus é tão bom que me ama, mesmo quando entristeço o seu coração de pai.
Eu poderia relacionar muitas razões para te inspirar a acreditar, confiar e esperar no agir do Espírito Santo de Deus, mas descobrir que Deus é tão bom com você é um caminho que você precisa descobrir com o seu próprio coração.


*Su Cursino

quinta-feira, 21 de fevereiro de 2019

Deus trabalha em silêncio, planeja em oculto e honra em público

Confie em Deus mesmo sem entender, tenha esperança mesmo sem ver, tenha fé mesmo em circunstâncias contrárias.

Você pode pensar que não tem mais jeito, que não há uma saída, que passou o tempo, que é impossível ou que não merece, mas o tempo para todas as coisas chegam.

Promessas não morrem, aquilo que Deus lhe prometeu a 1, 3, 5 anos ou mais vai acontecer. Você vai comer na mesa do Rei, vai ver o mar se abrir, chegará à terra prometida e verá o milagre acontecer.

Lá no fundo, o seu coração não desistiu, porque Deus nunca permitirá que a esperança morra em coração que Ele cuida.

TÁ DIFÍCIL, SEI QUE DÓI, MAS SEI TAMBÉM QUE NENHUM ESFORÇO SERÁ EM VÃO.

O tempo pode passar, pessoas podem julgá-lo, as circunstâncias podem mudar mas de você Deus NUNCA se esquece.

Você é menina dos olhos de Deus, e quem é menina d’Ele nenhum mal toca, nenhuma inveja atinge, nenhuma força contrária derruba e ninguém impede Deus de abençoar. O seu impossível não é impossível para Deus.

Os sonhos e projetos que Deus tem para a sua vida vão se cumprir. Eu creio nisso, eu não tenho dúvidas de que a sua vida não é acaso, que a sua história não é só derrota e que você não nasceu para perder.

Deus vai dar um jeito. Aquilo que Ele falou vai se cumprir, Ele faz surgir do nada e o melhor acontece.

E quando você menos esperar, as coisas mudam, vai dar certo e você vai se surpreender com os planos perfeitos de Deus. Você vai receber as bênçãos, você vai sorrir e vai viver o sobrenatural de Deus.

NÃO SE ASSUSTE COM O SILÊNCIO DE DEUS, ELE ESTÁ TRABALHANDO.

Confie e continue a lutar, e enquanto você luta, o Senhor faz em oculto planos perfeitos para honrá-lo.


*Yla Fernandes, via Facebook

quarta-feira, 20 de fevereiro de 2019

Cuida de mim, mesmo que eu às vezes pareça não precisar

Cuida um pouquinho de mim, mesmo que eu pareça não precisar. Eu tenho esse jeito de quem dá conta de tudo. E dou conta de muita coisa mesmo. Só que não é de tudo, não. E muita coisa eu até posso dar conta, mas careço de algum gesto de carinho na alma. Porque tenho sido muito dura comigo, e o teu cuidado ajuda-me a amolecer um pouco quando eu mais preciso.

Diz-me que o meu cabelo está bonito, enrosca os teus dedos entre os fios e podes demorar-te à vontade, deixa eu saber que tu gostas de me dar carinho, porque gostas da textura que eu tenho, do meu cheiro e da temperatura de nós dois juntos.

Pergunta como foi o meu dia e se eu não disser muito, pergunta algo mais e continua com os olhos em mim, com aquele silêncio cheio de presença.

Diz que viste algo que te fez lembrar de mim. Alguém que deu uma risada solta, uma folha leve a cair de uma árvore, uma música que tocou no rádio.

Traz aquele chocolate que eu amo, observa-me a fazer festa enquanto tu sorris e me dizes que só o trouxeste porque adoras ver-me assim.

Diz que vai ficar tudo bem, se eu acordar a chorar por um pesadelo que eu não sei explicar.

Podes ligar-me a meio do dia para me contares alguma história à toa ou só para ouvires a minha voz e deixares eu ouvir a tua.

Presta atenção no que eu digo e no que eu não digo, e conta-me de vez em quando que tu estás sempre aqui, ao meu lado, para me apoiar.

Quando eu estiver irritada, podes dizer-me que preciso respirar, que o jeito com que eu estou a levar as coisas não é o mais correto, traz-me para a realidade, porque às vezes eu viajo mesmo.

Dá um sorrisão para mim, dá a mão, dá o teu ombro, dá abrigo, dá o teu beijo, dá um cheiro e um abraço, dá silêncio e dá as tuas histórias.

Porque mesmo que não pareça, há momentos em que tudo o que eu preciso é só de um gesto teu que me mostre que tu me vês, que estás comigo nessa e que eu posso ser quem eu sou. Porque, de verdade, há momentos em que eu me esqueço de oferecer isso para mim. Podes dar-me esse lembrete, levantar-me o queixo, suavemente, olhar-me nos olhos e relembrar-me o gosto bom do amor que vem de mansinho e nos aquece por dentro.



*Por Revista Pazes ( Juliana Garcia )

terça-feira, 19 de fevereiro de 2019

Valorize quem te enxerga quando você se sente invisível

“É preciso que consigamos manter junto de nossas vidas gente que faz a diferença, que acredita em nós, dando-nos as mãos para comemorar, para consolar e para nos guiar em direção à luz, ao amanhecer de nossa alma.”

Um dos melhores conselhos que podemos levar conosco diz respeito à necessidade de cultivarmos as nossas amizades mais especiais, de amarmos de volta quem nos ama verdadeiramente, porque com eles poderemos sempre contar, sem sobra de dúvida. Mesmo assim, muitas vezes acabamos mantendo perto de nós quem não faz a mínima questão de estar ali, quem não soma nada, de quem, na verdade, deveríamos nos afastar.

A vida hoje se constitui, em grande parte, de valores ilusórios, em que as aparências são supervalorizadas, em detrimento da essência, dos sentimentos, prevalecendo o material sobre o espiritual. Com isso, somos atraídos pelo que as pessoas possam oferecer em termos de status, popularidade, conforto material, relegando a segundo plano o que nos é mais caro: a afetividade, o sentimento, a verdade de cada um.

E, assim, muitas vezes nos esquecemos das amizades sinceras, partindo em busca das mais interessantes; não enxergamos quem nos ama com verdade, pois procuramos alguém cuja imagem seja mais condizente com a estética ideal; perdemos grandes oportunidades de nos realizarmos profissionalmente, enquanto ansiamos por empregos rentáveis. Quanto mais nos apegarmos ao externo, mais nos perderemos daquilo que somos de fato, dentro de nós.

Da mesma forma, vamos nos afastando de quem nos faz bem, de quem nos abre sorrisos sinceros, de quem completaria nossa vida em todos os sentidos, na dor, no contentamento, no amor. Já disse Exupéry ser o essencial invisível aos olhos, posto que tudo de que nossa alma precisa não se compra, pois não tem preço. E, sem que alimentemos a nossa essência, permaneceremos vazios e incompletos, ainda que estejamos rodeados de luxo.

Por isso é tão difícil amar. O amor não permanece no que não é verdadeiro, não se sustenta no que é apenas aparente. O amor precisa de essência, daquilo que não se compra, não se comercializa, não se corrompe. O amor não se veste com grifes, tampouco acompanha relacionamentos interesseiros, ou se impressiona com corpos perfeitos. Amor é entrega e reciprocidade, amor vem de dentro e ali se instala, na sinceridade de corações transparentes.

É preciso que consigamos manter junto de nossas vidas gente que faz a diferença, que acredita em nós, dando-nos as mãos para comemorar, para consolar e para nos guiar em direção à luz, ao amanhecer de nossa alma. É preciso que nos acomodemos nos ambientes em que, mais do que conforto, haja sorrisos sinceros e admiração mútua, onde podemos ser e aparentar tudo o que temos dentro de nós e mesmo assim obter aceitação sincera.

Nada nos fará mais falta na vida do que tudo aquilo que pudemos ter sem precisar comprar, porque é isso que nos acalentará durante as duras despedidas que a vida nos obriga a vivenciar. Porque então o amor vencerá tudo, até mesmo a dor da morte.



*Marcel Camargo

segunda-feira, 18 de fevereiro de 2019

Hoje, despreza-se o que é autêntico e ama-se o que é falso

Parece ser inerente ao ser humano criar expectativas em relação a tudo, em relação às pessoas. Esperamos o pior ou o melhor do que está por vir e de quem faz parte de nossa jornada. Esperamos que as coisas aconteçam de determinada forma e que todos ajam conforme nossas perspectivas, seja quem conhecemos, sejam políticos, artistas, figuras públicas em geral. Porque ninguém quer frustração, nem dentro de si, nem lá de fora.

Queremos dar certo na vida, no amor. Queremos ter votado acertadamente, queremos que nossos ídolos ajam corretamente. Queremos ser valorizados no trabalho, na escola, nos círculos sociais. Muitos de nós não conseguimos lidar direito com rejeições e quebra de expectativas, pois isso requer equilíbrio, coragem e consciência sobre nossa própria responsabilidade no que ocorre. E é por isso que, muitas vezes, acabamos por nos enganar, conscientemente, alimentando ilusões que falsamente abrandam nosso sentimento de decepção e/ou derrota.

E é assim que, numa era em que a perfeição estética, a felicidade perene e o sucesso financeiro ditam as regras do jogo, torna-se ainda mais difícil digerir o que não dá certo, quem não é perfeito. Nesse contexto, a autenticidade vale menos do que a falsidade, em muitos aspectos, principalmente quando aquilo que não for real trouxer mais conforto do que uma verdade indigesta. Mesmo que se trate de mera aparência forjada, de encenação teatralizada, de perfumaria, verniz, patifaria.

Soma-se a isso a intransigência de muitos, hoje em dia, uma vez que várias pessoas são resistentes a perceber que podem estar erradas, que podem ter escolhido mal, que podem ter optado equivocadamente. Há muita dificuldade em mudar de opinião, em rever conceitos, repensar atitudes, em se olhar no espelho e encarar a necessidade de mudar os rumos das escolhas, dos pensamentos, do modo de vida. Com isso, é mais fácil se manter agarrado ao que já ruiu. Mudar dói.

Podemos até tentar nos confortar com mentiras que iludem, por temermos sair da zona de conforto, a qual, na verdade, nada mais faz do que incomodar. Podemos tentar manter velhas ideias, que já caíram por terra. Podemos tentar investir no que nunca terá futuro e ficar esperando o melhor de pessoas que nunca se dispuseram a nos ver como merecedores de algo. Mas a dor então será contínua e nunca cessará. Por outro lado, aceitar o erro e mudar também dói, mas passa. E a escolha é tão somente de cada um de nós.


*Marcel Camargo

sexta-feira, 15 de fevereiro de 2019

Ser Simples É Chique E Ser Grato É Elegante!

Ser simples é chique e ser grato é elegante. Gratidão torna a vida mais leve e a simplicidade torna o amor, mais bonito.

Muito se engana quem acredita que para amar é preciso ter dinheiro, pelo contrário, é preciso ter disposição. Bilhetes despretensiosos, abraços demorados, beijos, cineminha a dois (se for estudante ainda paga meia, risos), pipoca regada à Netflix, elogios sem hora e data marcada.

Aquele bombonzinho comprado no mercado da esquina, tempo de qualidade, andar de mãos dadas e por aí vai. É simples e não custa caro.

Amor é isso: simplicidade. E quem sabe contemplar isso, sabe ser feliz e fazer o outro transbordar em um relacionamento.
Pessoas gratas também: enxergam o mundo de uma forma extraordinária, mesmo com tantas tempestades.

Um coração grato é bonito demais! Gente que fica feliz com qualquer gesto e reconhece a beleza do outro é gostoso de se ter por perto.

Pena que muita gente prefere ser brega, reclama da segunda, da terça, da quarta, da quinta e da sexta, pula o sábado e volta a reclamar no domingo. Não sabe lidar com dificuldades e todo problema, por menos que seja é transformado em uma tempestade. No amor não fazem nada, porque afinal “não possuem dinheiro”.

Esquecem-se da simplicidade que cativa por achar que isso não é relevante. Não sabem reconhecer a beleza do beijo de bom dia, da mensagem no meio do dia cheia de saudade.

Esquecem-se de que possuem um bom emprego e de que, mesmo quando tudo é difícil, têm ao seu lado pessoas incríveis. Recebem apoio, mas não sabem apoiar, recebem carinho, mas não sabem doar. Recebem gestos simples, mas não sabem retribuir, já que, não sabem enxergar a beleza da reciprocidade, da gratidão e da simplicidade.

Desejar, sonhar, querer sempre mais é bom, mas não deve ser paralisante. Não deve impedir ninguém de avançar ou ser feliz. Não deve impedir você de amar. Pena que muita gente acredita que é preciso MUITO para ser feliz.

Gosto de quem se diverte com pouco, de quem ri de coisas bobas e vê graça em coisas tão pequenas. De quem vê beleza em gestos simples e se emociona com a simplicidade. Gratidão torna a vida mais leve e a simplicidade torna o amor, mais bonito!



*Thamilly Rozendo

quinta-feira, 14 de fevereiro de 2019

A Fábula Da Samambaia E Do Bambu Que Você Deve Ler Quando Passar Por Um Momento Difícil

Dia a dia fazemos muitas coisas, com um único motivo: viver felizes. Mas muitas vezes acontece algo que muda as regras; nós confundimos felicidade com sucesso.

Queremos que nossas ações sejam bem sucedidas e o retorno seja imediato. Se isso não acontecer, sentimos que estamos perdendo tempo e tentamos algo novo. Deve ser possível alcançar a glória!

Neste constante vai e vem tentando alcançar nossos objetivos, acabamos duplamente angustiados: não alcançamos os objetivos e, o que é pior, não vivemos felizes.

É por isso que, nos momentos em que você sentir que nada do que está fazendo está dando frutos; Quando você sentir vontade de desistir de tudo, porque nada mais tem sentido, lembre-se da fábula da samambaia e do bambu:

Era uma vez um carpinteiro que tinha uma vida feliz: uma esposa amorosa, dois filhos lindos e um trabalho que dava seus frutos. A uma certa altura, os negócios começaram a dar errado e parecia que cada vez menos pessoas precisavam de seus serviços.

O carpinteiro se sentia desanimado: nada do que fazia parecia fazer sentido, já que as coisas estavam ficando piores. Um dia, prestes a jogar a toalha, um amigo o aconselhou a procurar um velho sábio que morava no coração da floresta.

Ele andou por meia hora pela floresta, quando conheceu o velho sábio. Ele tinha uma casa humilde e, quando viu o carpinteiro, convidou-o para tomar chá. Ele notou a preocupação em seu rosto e perguntou o que estava errado. O carpinteiro contou-lhe as suas desgraças, enquanto o velho ouvia atentamente e calmamente.

Quando terminaram de beber chá, o velho sábio convidou o carpinteiro para ir a um esplêndido terreno nos fundos da casa. Ali estavam a samambaia e o bambu, ao lado de dezenas de árvores. O velho sábio pediu-lhe para observar as duas plantas e disse-lhe que precisava contar uma história.

“Há oito anos peguei algumas sementes e plantei a samambaia e o bambu ao mesmo tempo. Eu queria que as duas plantas crescessem no meu jardim, porque as duas são muito reconfortantes para mim. Eu coloquei todo o meu esforço para cuidar das duas como se fossem um tesouro ”

“Pouco tempo depois, percebi que a samambaia e o bambu respondiam de maneira diferente aos meus cuidados. A samambaia começou a brotar e em poucos meses tornou-se uma planta majestosa que enfeitava tudo com a sua presença. O bambu, por outro lado, ainda estava debaixo da terra, sem mostrar sinais de vida”.

“Um ano inteiro passou e a samambaia continuou crescendo, mas o bambu não. No entanto, eu não desisti. Eu continuei cuidando dela com mais cuidado. Mesmo assim, mais um ano se passou e meu trabalho não dava resultados. O bambu se recusou a se manifestar”.

“Nem desisti depois do segundo ano, ou do terceiro ou do quarto. Quando cinco anos se passaram, finalmente vi que um galho tímido saía da terra um dia. No dia seguinte era muito maior. Em poucos meses cresceu sem parar e tornou-se um bambu portentoso de mais de 10 metros. Sabe por que demorou tanto para vir à luz? ”

O carpinteiro, depois de ouvir a história, não sabia por que o bambu demorou tanto para se manifestar. Então, o velho disse a ele.

“Demorou cinco anos porque durante todo esse tempo a planta estava trabalhando para criar raízes. Ela sabia que tinha que crescer muito alto e era por isso que não podia sair até que tivesse uma base firme que lhe permitisse subir satisfatoriamente. Você compreende?”

O carpinteiro, então, entendeu que todas as suas lutas estavam destinadas a criar raízes. E o fato de ele não ter visto os frutos de seu trabalho naquela época não significava que ele estava perdendo tempo, mas que estava ficando cada vez mais forte.

Antes de deixá-lo ir, o velho sábio deu uma última mensagem ao carpinteiro:

“A felicidade mantém você doce. As tentativas mantêm você forte. As dores te mantêm humano. As quedas te mantêm humilde. O sucesso mantém você brilhante”

Essa história deve lembrá-lo de que não importa quanto tempo demore para algo dar frutos. O mais importante em um momento difícil é não procurar resultados a todo custo.

Em vez disso, o fundamental é trabalhar duro nas raízes. Pois só graças a ela você pode crescer e se tornar a melhor versão de si mesmo.


*Por Fãs da Psicanálise Autor: Edith Sánchez

quarta-feira, 13 de fevereiro de 2019

Cobranças No Relacionamento

Muitos relacionamentos não dão certo pela cobrança excessiva. Queremos encaixar o outro naquilo que sempre idealizamos.

Queremos que o outro seja uma cópia exata dos nossos anseios e desejos, e ai tapamos os olhos para ver o outro, para ver o diferente, o que não se encaixa nos nossos padrões.

Você não vai encontrar ninguém perfeito, e se você desistir de seu relacionamento por causa das diferenças, é bem provável que ao se relacionar de novo você encontrará novos problemas. O segredo de um relacionamento feliz é não exigir que o outro mude, é aceitar as diferenças e aprender a lidar com isso.

Qual o problema se você gosta de cappuccino gelado e ele quente? Se você gosta de ver um filme de romance e ele de comédia policial? Qual o problema se ele não é daqueles caras que falam eu te amo todo dia? Ou que mandam flores pra você no seu trabalho?

E se o modo dele te amar é passando a maior parte do tempo dele com você? E se a forma dele demonstrar que te ama é pagar a entrada do cinema daquele filme que você quer tanto assistir, mesmo ele não estando tão afim assim de assistir.

E se o modo dele te amar é pedir pro garçom um suco de laranja antes mesmo de te perguntar porque ele já sabe que é o seu preferido. E daí que ele gosta de jogar vídeo game de domingo? Ou jogar futebol com os amigos?

E daí que ele as vezes é meio esquecido? E se a maneira dele te amar é preparar um jantar a dois em casa mesmo, sair com você num sábado à noite pra tomar um sorvete, perguntar pros amigos se pode levar a namorada no churrasco da faculdade.

E se a maneira dele te amar é pensando em você o dia todo no trabalho e falar de você pra todo mundo. E daí que ele não posta fotos com legendas bonitinhas e não manda aqueles textos enormes no Facebook pra todo mundo ver? E daí que ele não comenta em todas as suas fotos e é desligado com redes sociais?

E se a maneira dele te amar é dizendo o quanto você está linda quando acorda com o seu pijama velho e o cabelo desarrumado. E se a maneira dele te amar é deixando um bilhetinho com poucas palavras, dando um beijo na sua testa na frente dos amigos.

Às vezes sufocamos um relacionamento com tantas cobranças, deixamos de valorizar o modo como o outro nos ama, queremos que alguém nos ame exatamente como amamos. Esquecemos que o amor não é uma teoria singular, não tem uma definição única. Amor é algo particular, cada um ama de um jeito e exterioriza o que sente de forma diferente.

Precisamos aprender a linguagem do amor do outro, entender que ele nos ama da sua maneira. E, quando a gente entende isso, o amor se torna mais leve, se torna mais bonito porque descobrimos o novo. E então, às vezes assim sem querer, melhoramos muita coisa em prol do outro não porque ele nos pede incessantemente, mas porque queremos.

O amor é um aprendizado constante, é uma escolha diária. O amor é simplicidade. Relacionamento baseado em cobranças acaba se desgastando e o amor perde sua finalidade.

Precisamos saber reconhecer o novo – e temos dificuldade de aceitar isso- valorizar a pessoa com quem nos relacionamos, saber lidar com as diferenças exige maturidade. Não é o amor que sustenta um relacionamento, é o modo de se relacionar que sustenta o amor.


*Thamilly Rozendo

terça-feira, 12 de fevereiro de 2019

Felizes São Os Que Se Arriscam

Uma vez me disseram que o mais importante na vida é ser feliz. Confesso que demorei para entender. Nesse meio tempo, fui em busca de respostas. Ofereceram-me algumas, mas não me interessei. Até que, sozinho, pude perceber que, para ser feliz, é preciso se arriscar.

A vida não segue roteiro, na verdade, a vida é um espetáculo sem ensaios. Por isso, nem sempre nos saímos bem. Muitas vezes, tentamos nos preparar para as oportunidades, como se pudéssemos ludibriar a senhora do tempo, entretanto, aquelas sempre chegam de maneira diferente do que imaginávamos e, sobretudo, quando não esperamos.

Sendo assim, não há como se preparar para o acaso, para o inesperado, pois, se assim fosse, todo o encanto que só este possui seria mortificado. No entanto, ainda que não saibamos o que fazer, não podemos ser reféns do medo e da insegurança. É necessário estar disposto a se machucar um pouco para que se possa sentir o sabor da felicidade.

Acreditar que se pode ser feliz vivendo de forma reclusa, sem envolvimento, sem acreditar no outro e sem esforço, é uma autossabotagem de quem talvez tenha medo do que a felicidade possa lhe provocar. Talvez tenha medo das feridas e dores que pode ganhar ao longo do caminho e, por isso, prefere esperar a vida passar como se nada de especial pudesse acontecer.

Mas, mesmo que demorem, as oportunidades chegam. E, quando chegam, passam depressa. Assim, pelo medo de se arriscar e se machucar, as oportunidades que a vida nos oferece podem passar. E, junto com elas, a chance de ser feliz.

Nunca saberemos como é o final do caminho, se não estivermos dispostos a caminhar. Nele existirão obstáculos, mas é preciso superá-los, mesmo que, ao tentar, caiamos e tomemos tombos. Afinal, o erro faz parte do aprendizado e todos nós somos capazes de suportar alguns baques.

Se não estivermos dispostos a sair da nossa zona de conforto, seremos apenas representações de “eus” sonhados. Criaremos, na nossa cabeça, um mundo de fantasia, enquanto essa fantasia poderia estar fora, sendo tocada, abraçada, beijada e vivida. Para tanto, é preciso se arriscar e estar disposto a cair algumas vezes.

O tempo é difícil para os sonhadores que procuram algo além do trivial. Contudo, mais do que querer, é necessário ter coragem para agarrar as oportunidades que a vida nos dá. Nem tudo saíra como planejado – e quem disse que precisa o ser? As melhores coisas são aquelas que apenas o silêncio da alma consegue descrever.

A vida passa tão depressa, que desperdiçar a chance de ser feliz pode ser o seu maior pecado. Saia da janela e dance na rua, de pés descalços, olhe o céu e escute os pássaros. Sinta o seu coração, entregue-se aos acasos, arrisque-se e seja corajoso para viver as oportunidades que a vida lhe oferece, pois, com o tempo, os quadros mais bonitos tornam-se apenas borrões e até o coração mais sonhador se torna seco e triste.



*Erick Morais

segunda-feira, 11 de fevereiro de 2019

Há Momentos Em Que Ignorar É A Resposta Mais Inteligente

Às vezes, ignorar é responder com inteligência. É uma sabedoria que se adquire ao longo do tempo e com experiências e que, sem dúvida alguma, é adaptativa.

Por quê? Porque é bem sabido que nossos relacionamentos nem sempre nos trazem coisas positivas, mesmo que a desejemos e tenhamos esperança.

Então, às vezes ignorar é mais uma questão de saúde emocional e proteção do nosso equilíbrio mental do que uma decisão consciente e ponderada sobre nosso desempenho e nossa abordagem de relacionamentos com certas pessoas.

Mas normalmente não percebemos facilmente que alimentamos trocas tóxicas por uma recompensa emocional que não virá. Em outras palavras, sacrificamos nosso bem-estar através de relacionamentos insanos que não nos dão boas emoções.

Você tem que aprender a ignorar para começar a viver tranquilamente
É por isso que devemos ignorar situações que nos incomodam e doar nossa ausência quando nossa presença não é valorizada. Então, para palavras tolas, ouvidos inteligentes. Mas quando?

• Quando as críticas não são construtivas e não pedimos uma opinião.

• Quando notamos que nas ações ou comentários dos outros há más intenções.

• Quando o próximo a nós se esforça para criar inseguranças e frustrações em nosso plano de vida.

• Quando nos fazem se preocupar com coisas que não podemos controlar.

• Quando os outros excedem sua autoconsciência com clara intenção de esfregar seus sucessos e nos diminuir.

• Quando nos impedem de crescer e se desenvolver como resultado de interesses estrangeiros ou egoísmo.

Desconsidere o que você pretende anular

Palavras, comentários, atos, sentimentos, emoções … Há situações que, por causa de sua hostilidade ou por causa de sua toxicidade, podem ser altamente prejudiciais para nós. Às vezes, até mesmo o equilíbrio emocional pode ser inclinado para o lado do nosso bem-estar e o sofrimento pode ser inevitável.

No entanto, temos que administrar as distâncias, dar a nossa mente e ao nosso corpo a oportunidade de descarregar e não anular a si mesmo. Podemos escapar se trabalharmos nosso diálogo interior do que nos bloqueia.

Perdão para “explosões” das pessoas

É difícil perdoar palavras ofensivas que são ditas em momentos de raiva ou calor, como geralmente acontece. Há momentos de euforia que fazem com que nossa linguagem saia do controle e acabe tendo consequências terríveis.

É bem conhecida a história em que um pai pede aseu filho, ante à incredulidade deste último, para pregar alguns pregos em uma bela madeira lisa, porque ele precisa ensinar-lhe alguma coisa. O pai, pacientemente, espera que o menino complete a tarefa para fazê-lo remover cada uma dos pregos e expressar a moral.

O tabuleiro nunca retornará ao seu estado original, mesmo que tentemos reparar o dano e removendo os pregos. É por isso que é essencial que façamos um esforço para evitar causar dor aos outros com nossas más ações ou maus comportamentos.

Devemos ter cuidado com o perdão e deixar bem claro que o perdão não dá direito a ninguém de nos prejudicar novamente. É importante enfatizar isso, porque habitualmente “nos acostumamos” a perdoar quem nos machuca, da mesma forma que podemos nos acostumar a ser perdoados por quem machucamos, e, assim, continuarmos, por descuido, tanto a magoar, como a ser magoado.

Também temos que saber perdoar a nós mesmos porque causamos desconforto, conflito e dor àqueles que queremos bem. Precisamos reconhecer nossos erros e aceitar o que não podemos mudar e o que podemos aprender com as diferenças e viver sem remorso, culpa e ódio.

Quando não perdoamos a alegria e a paz, elas desaparecem de nossas vidas e nos tornamos escravos do ressentimento e dos sentimentos ruins, nos irritando facilmente e promovendo rivalidades. Algo que certamente podemos escapar se nos atrevermos a ignorar e perdoar quando apropriado.


*Fãs da Psicanálise (Autor(a): Raquel Aldana)

sexta-feira, 8 de fevereiro de 2019

“Quem Insiste Em Julgar Os Outros Sempre Tem Alguma Coisa Para Esconder.”

A máxima bíblica “não julgueis para não serdes julgados” parece não encontrar o seu lugar. Tampouco, o corre-corre da vida moderna é capaz de evitar esse desperdício de tempo.

Ele ainda é gasto com a feia mania de falar da vida alheia e repreender as escolhas e caminhos dos outros como se fossem propriedade pública e disponível.

Chico Xavier revelou ter aprendido a importância e a beleza de não julgar, dizendo: “Uma das mais belas lições que tenho aprendido com o sofrimento: Não julgar, definitivamente não julgar a quem quer que seja.”

Acontece que o julgamento costuma ser atrelado à maledicência, ao saber tudo sobre todos, e isso é uma inverdade absoluta. Mesmo acompanhando uma pessoa de perto, convivendo com bastante proximidade, não é possível conhecer todos os desejos, motivos e motivações do coração de alguém.

“O coração dos outros é terra onde ninguém vai”, assegura um ditado antigo. E é exatamente disso que se trata. Ninguém sabe o suficiente sobre alguém, a ponto de ter poder ou conhecimento de causa para julgá-lo. É impossível conhecer todas as verdades contidas dentro do coração de uma pessoa.

Da mesma forma, não é dada a ninguém a capacidade de compreender todas as emoções e sentimentos que essa pessoa já viveu; todas as dores, incertezas e angústias que ela já experimentou. Isso é motivo claro e suficiente para afirmar que ninguém deve julgar ninguém por atos ou escolhas que tenham sido adotados.

De outro lado, e com base nesses mesmos argumentos, ninguém deve se intimidar pelos dedos indicadores que lhes são apontados, se o que levar a isso for apenas um julgamento. É sabedoria conseguir concentrar-se nos valores que regem os atos e na consciência tranquila. Se ao terminar de um dia, eles não acusam nem condenam, não há o que temer.

Não podemos nos tornar reféns do que pensam sobre nós. Madre Teresa de Calcutá afirmou: “Quem julga as pessoas não tem tempo para amá-las.” E vê-se claramente que o amor tem se tornado cada vez mais condicional. Há amor enquanto cabemos em uma determinada medida, somos de determinado jeito, pensamos de tal forma.

Fora de certo padrão não servimos bem, incomodamos, somos julgados. E julgados por pesos e medidas particulares, baseados em convicções e perspectivas pouco amplas. Somos comparados às expectativas que tinham sobre nós e quando elas não se realizam, pronto: há um julgamento instantâneo e pouco misericordioso.

Cada pessoa tem uma história que foi feita por erros e acertos e que merece ser respeitada. Tentar, acertar e errar faz parte da vida de cada um de nós, julgar é que não precisa fazer. É perfeitamente dispensável.

A isso acrescenta-se o fato de que cada sentença pode dizer mais sobre quem a proferiu do que sobre a quem ela se refere. Renato Russo repetiria que “quem insiste em julgar os outros sempre tem alguma coisa para esconder”.

Há sempre vidro rondando nossos telhados, afinal. E sendo assim, nenhum de nós está apto a julgar, não é mesmo?


*Alessandra Piassarollo

quinta-feira, 7 de fevereiro de 2019

Dê Valor Ao Que Você Tem, Antes Que Seja Tarde Para Isso

Possivelmente você se consideraria cansado de ouvir este pensamento. Talvez esteja mesmo. Mas você já se deu conta da verdade que ele contém? Se sim, você é um felizardo, porque já aprendeu o que há de mais importante nesta vida, que é valorizar o que se tem.

E neste contexto estamos falando de bens materiais sim, mas estamos falando principalmente do que não pode ser comprado: pessoas, sensações e sentimentos.

É muito comum nos acostumarmos ao que temos e passar a olhar e a sentir tudo de forma mecânica, automática. Muito comum também é olharmos demais para o futuro e atropelarmos o presente, com nossa pressa sem freio e nossa desatenção constante.

Quantas oportunidades perdidas, quanto desperdício de vida!

Por mais que o futuro seja importante, saber viver o presente é extremamente necessário. E cada um deve saber o que precisa valorizar, o que lhe é essencial e o que acarretaria em perda irreparável à sua vida.

A autora Fabíola Simões sabiamente escreveu que: “É preciso se saber feliz. É preciso se lambuzar de alegria presente e ser grato pelo que se concretizou em nossa vida.”

Todos já passamos por sustos que provam que a vida é feita de altos e baixos. Por isso há que ser feliz na varanda dos dias, quando ainda há luz e calor.

Não deixar para depois o reconhecimento de nossas dádivas, presentes que querem ser desembrulhados agora, com a euforia de meninos na noite de natal.

Não deixe empoeirar os presentes que você recebe hoje. Não permita que a ferrugem do tempo estrague o brilho de suas realizações ao perceber, tarde demais, que abriu mão de suas maiores riquezas na ânsia de ser “muito” mais feliz.

Tem gente que espera ser feliz no próximo ano, no próximo aniversário, na próxima primavera. Não percebe que a felicidade não obedece calendários nem floresce de acordo com as estações do ano.”

Assim sendo, e mesmo que isso pareça conselho repetido, valorize o que você tem. Valorize a rotina que te é indispensável, a companhia das pessoas, valorize as pequenas coisas, os pequenos prazeres, a vida em todas as suas manifestações.

Se preciso redefina suas prioridades, abra seus olhos, procure enxergar com a alma. Mas acima de tudo, valorize-se. Dar valor é diferente de conformar-se com o que te faz mal.

A felicidade deriva da valorização e por consequência, da gratidão. Quer sentir-se mais feliz? – Valorize o que você tem, antes que a vida te ensine a chorar pelo que você tinha e que agora, já não te pertence mais.


*Alessandra Piassarollo

quarta-feira, 6 de fevereiro de 2019

Receita Para Ter Uma Mulher Por Toda A Vida…

Cara, ela vai ser sua, e completamente sua, e por toda a vida sua, se você compreender umas regrinhas básicas:

Ame-a, desesperadamente, com toda a força do seu coração.
Ainda que ela estiver desarrumada, ainda que ela estiver com TPM, ainda quando não estiver a fim de nada.
Ame-a.

Mas demonstre esse amor, não o guarde para si, não o deixe subentendido, presumido.

Mulheres precisam de demonstrações, variadas e periódicas, do que você sente por elas.

Não precisa necessariamente ser em público, perante outras pessoas, mas para ela precisa ser muito bem explicitado, e das mais diversas formas.

Você pode ter eventuais compromissos sozinho, mas não troque a companhia dela muitos dias seguidos, senão ela vai se sentir desimportante. E não troque uma noite ao seu lado por eventos banais, como jogos de futebol, pois isso nunca vai fazer sentido na cabeça dela.

Fale da importância dela na sua vida, de como as coisas são diferentes ao seu lado, de como ela faz falta quando não está presente.

Compreenda, definitivamente, que o universo feminino é diferente, que o tempo, as necessidades e as motivações dela podem ser peculiares, e ela vai adorar se você buscar conhecer o seu mundinho mais a fundo.

Procure se informar sobre os assuntos que ela curte e sobre o que faz o coração dela vibrar, para que vocês possam trocar ideias de forma legal, ampliar os seus assuntos e o compartilhamento da vida.
Também busque saber conhecer – e, acima de tudo, respeitar – os seus sonhos, incentivando-a a ir atrás da sua realização, afinal, a vida dela não se restringe a você.

Procure não “podá-la” em nenhum sentido, deixando-a florescer na vida como floresceu no amor para você, assim continuará interessante para ambos.

Considere a intimidade como algo sagrado, um verdadeiro ritual, que precisa de dedicação, planejamento, incrementos e sentimento, muito sentimento. A coisa para ela pode não ser tão carnal quanto é para você, então envolva-a em palavras, em gestos, expressões. E dê todo o tempo que ela precisa antes, durante e depois do ato em si, buscando mantê-la realmente envolvida.

Mulheres não curtem ser explícitas no que precisam, convençam-se e aceitem isso. É preciso algum empenho para compreender os seus anseios. Esforce-se, de fato.

Dedique-se a retribuir o que você recebe. Pois se a balança pender para um lado por muito tempo, pode ser que caia.



*Susiane Canal

terça-feira, 5 de fevereiro de 2019

Decepção Não Mata, Te Fortalece!

Pode até parecer que é o fim do mundo, porque a decepção é uma faca afiada que nos fere irreparavelmente. A sensação é de que um buraco formou-se na alma, profundo e doloroso.

É comum o dito de que o que não te mata, fortalece. E ele pode ser aplicado aqui, neste contexto. As decepções, embora sejam muito duras de serem encaradas, não matam. Trazem sofrimentos, sim, ninguém haverá de se manifestar em contrário. É difícil aceitar que algo ou alguém tão importante para nós não é exatamente o que esperávamos que fosse. É um desgosto difícil de lidar.

É como se a vida viesse nos oferecendo algo embrulhado num papel vistoso e quando desembrulhamos, cheios de expectativa e brilho nos olhos, percebemos que o embrulho era interessante, mas o conteúdo nem tanto. Que vontade de sumir que dá na gente, não é?

Se a decepção é amorosa, o coração em pedaços promete não cair nessa novamente e pede um tempo para se recuperar. Se acontece na vida profissional, a gente precisa se levantar da rasteira o quanto antes, mesmo que esteja com os joelhos esfolados pela queda repentina.

Mas dentre todos os casos e possibilidades, nada é mais dolorido que decepcionar-se com as pessoas do círculo mais íntimo, amigos ou familiares, sobretudo aqueles com que convivemos anos a fio. A tristeza chega a virar dor física, tamanho o sofrimento enfrentado.

Contudo, uma coisa precisa ser dita em tempo: decepção não é exclusividade de ninguém. Todos já sofremos com isso, de uma forma ou de outra. Mas estamos todos aqui, para contar história. Portanto, decepção não mata!

O mesmo não se pode dizer dos sentimentos, para os quais uma decepção pode ser fatal. Mas há de se saber lidar com isso também!

E se fizéssemos uma pesquisa, certamente descobriríamos que a maioria das pessoas considera ter se tornado mais forte depois das decepções. E não é pra menos: um coração ferido torna-se muito mais determinado a se defender, a fim de sofrer menos da próxima vez.

Sim, porque muito provavelmente haverá uma próxima e o que nos cabe fazer é minimizar os danos e se erguer novamente, o mais rápido possível.

É claro que é difícil superar. Porque a decepção é um preço alto demais a ser pago simplesmente porque nutrimos boas expectativas.

Mas se, infelizmente, elas não foram atendidas, não há mais nada a fazer a não ser encarar isso como aprendizado e através dele se tornar uma pessoa melhor. E isso inclui libertar-se da mágoa, do rancor ou do sentimento de vingança.

Para quem acabou de ficar sem chão e está enfrentando uma decepção dolorosa o melhor plano a ser traçado é dar a volta por cima. É recomeçar, substituir a dor por um ideal e seguir em frente. Mas sem desejar replicar o mal, porque ele sempre volta sobre nós mesmos.

E embora haja sempre muita tristeza envolvida, o mais importante a ser entendido é que decepção não é beco sem saída, e quanto mais formos experimentados, mais rápido aprendemos a sair dela. O segredo, além da experiência, é nunca deixar de olhar para frente, que é para onde a vida caminha.


*Alessandra Piassarollo

segunda-feira, 4 de fevereiro de 2019

A terapia do foda-se

Mais dia, menos dia, teremos que ser aquela pessoa que diz adeus e que briga com quem ultrapassou os limites do bom senso; teremos que nos negar a fazer um favor e que alertar para o ridículo de atitudes alheias; seremos quem não se compadece com as lágrimas do amigo, bem como quem cobra do parceiro tudo o que ele deixou de fazer. Isso nos liberta e nos garante sobrevivência.


Viver em sociedade requer um exercício contínuo de tolerância, caso não queiramos nos desgastar inutilmente. Estamos cercados de pessoas que pensam diferente de nós, que agem de maneira inapropriada, que falam sem pensar e que não medem esforços para ofender gratuitamente quem estiver no caminho. Tentar manter a calma e ser gentil será o maior bem que faremos a nós mesmos, porém, em certos momentos, teremos que nos impor às custas da contrariedade alheia.


Não nos faz bem machucar as pessoas, ainda mais quando explodimos exclusivamente por conta de problemas nossos e não pela situação em si. É preciso saber separar o que é nosso sozinho do que é nosso junto com alguém, ou estaremos fadados a descontar nossas agruras em quem não tem nada a ver com o que se passa dentro de nós. Estender nossas misérias emocionais a quem está ao nosso lado e não merece nossas indelicadezas é uma atitude covarde e que denota tão somente imaturidade e desequilíbrio.


No entanto, muito do que nos fere e nos desestabiliza emocionalmente é consequência da forma como o outro vem lidando conosco, uma vez que existem pessoas que contribuem deveras às escuridões em que mergulhamos vez ou outra. No entanto, como se diz, as pessoas agem conosco da maneira que nós mesmos permitimos, ou seja, muito do que o outro provoca de negativo em nossas vidas tem a nossa anuência, mesmo que não declarada.


Por essa razão, teremos que deixar bem claros os limites até os quais o outro poderá avançar, para que não sejamos atropelados pela tirania, pela maldade e pelas más intenções alheias. Da mesma forma que teremos encontros mágicos e especiais, sempre encontraremos quem nos tentará diminuir, quem desejará se aproveitar de nós, quem necessitará encostar as próprias fraquezas em nossa jornada. Caso não consigamos nos impor como pessoa, caso não nos fortaleçamos com a firmeza de nossas convicções e de nossa dignidade, acabaremos nos perdendo de nós mesmos.


Portanto, em determinados momentos de nossas vidas, teremos que ser aquela pessoa que diz adeus e que briga com quem ultrapassou os limites do bom senso; teremos que nos negar a fazer um favor e que alertar para o ridículo de atitudes alheias; seremos quem não se compadece com as lágrimas do amigo, bem como quem cobra do parceiro tudo o que ele deixou de fazer.  Porque ser maldoso o tempo todo é imperdoável, mas optar por ser antipático na hora certa é libertador e nos garantirá sobreviver e seguir em paz.



*Marcel Camargo

sexta-feira, 1 de fevereiro de 2019

Epílogo

Gosto de desfechos. Da conclusão de um livro, do final de um filme, do destino das personagens de uma novela.

Ao contrário do prólogo, o epílogo é mais rápido, transformador, libertador. São feitas as revelações, decifrados os mistérios, concluídos os caminhos, perdoados os espinhos.

Infelizmente nos acostumamos com finais felizes. Com tudo em seu devido lugar, do jeito que deve ser. E daí que olhamos para nossas vidas e perdemos a noção da realidade.

Crescer. Ninguém disse que seria fácil. Optar por um caminho em detrimento a outros. Definir nossas escolhas, deixar aquilo que não virou opção. Renunciar, dar fim a um tempo que se esgotou. Nunca é fácil, mas pode ser simples se você aprender a perder. A entender que finais felizes_ c.e.m  por  c.e.n.t.o  felizes_ não existem, e isso de você achar que sua vida não está boa agora, acontece com todo mundo, e é assim mesmo, ok?

Então, primeiro acalme-se. Perdoe-se pelas escolhas que fez. Ninguém sabe ao certo_ ao certo mesmo_ que estrada seguir, mas a gente opta e torce pra que dê certo. Daí se contenta com o que deu. Pois o que deu_ seja bom, ruim ou mais ou menos_ é o que há. E aí sim você tem que aprender a aceitar. Paciência… como diria sua mãe, não é?

Segundo: Sabe aquele livro romântico que você adorou? Olha, confie em mim, ele não ajudou em nada. Aliás, ele tem te atrapalhado muito através dos anos. Porque você aprendeu a acreditar num tipo de amor meio esquisito, num amor que tem um desfecho atrapalhado porque lhe faz acreditar em idas e vindas, joelhos dobrados embaixo da janela, buquê de flores com pedido de perdão, arrependimento e revisão de vidas… e sabe, isso não acontece. O que acontece é você perceber que é capaz de amar, e isso já é tão bonito, tão divino, que você não precisa ficar sonhando de olhos abertos, você só precisa… a.m.a.r.

Terceiro: Na vida real não são só os vilões que perdem. Pessoas do bem e de boa índole perdem o tempo todo_ e é assim que crescem, evoluem, amadurecem.

Quarto: Os finais acontecem a todo momento; estão acontecendo agora, dentro de você. Então não espere fogos de artifício, viradas de página, ou um “THE END” em letras garrafais na sua frente. Não aguarde o momento de rejeitar quem te rejeitou; de perdoar quem te magoou; não espere passar o natal, dia dos pais ou aniversário de casamento pra dizer que ama, pra dizer que não quer mais, pra esquecer a vingancinha, pra definir o que quer que seja. Só é preciso uma pessoa pra finalizar qualquer capítulo: Você mesmo. Então não adie sua vida e peça a Deus que cure as mágoas_ pois essa é a parte mais difícil.

E enfim, acredite: Os finais nunca são eternamente felizes como na TV. São felizes na medida do possível, do jeito que podem ser. E quando a gente entende que perder_ qualquer coisa_ liberta, a gente relaxa. E percebe que ter responsabilidade não é tão difícil assim, pois quem costura as histórias e arremata o ponto final é você.

Fabíola Simões

“Graças a Deus algumas coisas não deram certo, para que tantas outras melhores viessem”.

E assim começamos o nosso artigo de hoje, lembrando-nos de todas as vezes que algo em nossas vidas não fluiu. Podemos trazer para o momento,...