sexta-feira, 28 de abril de 2017

As relações que nos sugam fazem mais que isso, nos aprisionam. Sejam românticas, de amizade ou familiares…

Você me faz mal! – Quem quer admitir que aquilo que a gente mais quer na vida, na verdade faz mal?

Você gosta de doces, mas é diabético. Gosta de fritura, mas retirou a vesícula. Gosta de dormir tarde, mas trabalha cedo. Gosta de uma pessoa, mas ela te machuca. E aí você tem que tomar a triste decisão de se afastar daquilo que queria tanto, mas que acaba lhe causando mais mal do que bem e às vezes, bem nenhum.

As relações que nos sugam fazem  mais que isso, nos aprisionam.
Sejam elas românticas, de amizade, familiares, nem sempre é bom estar ou permanecer perto daquela pessoa, mesmo que exista entre as duas partes o melhor sentimento do mundo. Se estiver fazendo mal para um dos lados, não é bom.

O ego, a possessão, insegurança, ciúmes, medo, inveja, carência excessiva, imaturidade e mais uma turma de sentimentos negativos minam qualquer relação, por mais potencial que tenha. É quando aquele lado negro da força fala mais alto, cega e induz a pessoa a agir de forma a causar dor no outro, mesmo que equivocadamente, mesmo que na ignorância do mal que está causando.

É quando o ego precisa ser preenchido, inflado sem mensurar o quanto isso custará, quando rapidamente quem fere surge com bandagens para fazer curativo na ferida que percebe que está causando, mas não consegue se controlar porque sobrevive extraindo dos que estão ao seu redor o que for necessário para que se sinta importante onde está.

É quando a insegurança, o ciúmes, o medo e a inveja criam fantasmas na mente, fantasias amargas que envenenam a alma e impedem que a gente usufrua daquele momento, daqueles momentos, daquela companhia de forma plena, leve, bonita como deveria ser.

Quando a carência e a imaturidade e mais quem queira aparecer para arruinar os sentimentos surgem te fazendo ver tudo com olhos de fel.

Seja como for, o que for, é preciso enxergar quando estamos fazendo mal ao outro. Quando o outro nos faz mal.

É preciso reunir coragem para compreender que é sábio manter distância de quem nos suga ainda que despropositadamente, mas arruína nossa autoestima para elevar a sua própria.
Sabedoria e discernimento para entendermos quando aprisionamos alguém conosco pela nossa incapacidade de nos construirmos sozinhos, sem uma relação de interdependência.

É preciso deixar ir, ou partir quando preciso for, compreender que faz mal ou dizer em alto e bom tom: Você me faz mal!

O amor não existe somente na reciprocidade, porque o coração não escolhe, não filtra, ele apenas sente. De vez em quando precisamos colocar a mente em ação e resguardar o coração.

*Luciana Marques

quinta-feira, 27 de abril de 2017

APRENDA A FAZER FALTA. PRINCIPALMENTE PARA QUEM SABE ONDE TE ENCONTRAR!

Ontem, conversando com uma amiga pelo WhatsApp, ela me contando sobre o fim de um relacionamento, me disse: “Vou sumir. Fazer ele sentir falta”. E concordei, pois, embora essa seja uma artimanha arriscada, é uma das únicas que pode dar certo.

De vez em quando o único remédio é sair de cena para o show continuar. Aprender a ser ausência quando tudo já foi dito, cobrado, explicado. Deixar de ser insistência para ser abstinência.

Controlar os próprios impulsos pode parecer simples, mas é uma das coisas mais difíceis de se conseguir. Tanta alegria dando sopa lá fora e a gente teimando em se fixar na pessoa que foi embora.

É preciso entender que enquanto você insiste em checar os horários em que o outro “visualizou por último” no WhatsApp, muita vida está acontecendo e sendo deixada pra trás.

É claro que no início vai ser mais difícil _ não é de uma hora pra outra que o coração entende as mudanças de planos e estações _ mas aos poucos, bem aos poucos, a gente aprende a fazer falta.

Suma do mapa de quem sabe onde lhe encontrar e até o momento não se importou; pra quem teve todos os seus sorrisos e nunca valorizou.

Saia de cena de quem você ouviu inúmeros “nãos” e nunca acreditou; de quem pouco se relacionou e muito se cansou. Do afeto pequeno que tanto lhe recusou e você sempre aceitou.

Suma do mapa de quem vive com dúvidas e nunca lhe teve como certeza; de quem não aprendeu a remar junto e agir com gentileza.

Aprenda a fazer falta para quem já se habituou à sua presença e desaprendeu a sorrir quando você aproxima. Pra quem se esqueceu como é boa a sua companhia e prefere se refugiar numa vida fria.

Fazer falta é segurar o impulso de procurar, vasculhar, perguntar. É frear a vontade de entender o que não dá mais para explicar ou de justificar o que não merece absolvição.

Fazer falta é não ligar, não mandar mensagens, não digitar o tal endereço na barra de contatos do e-mail. É sair para se distrair com os amigos, dar uma corrida no parque, respirar fundo e encontrar sentido na solidão. É orar para o pensamento acalmar, não bisbilhotar o perfil da pessoa no Facebook, deixar de postar as próprias fotos com a intenção de ser visto à distância. É desistir de parecer bem quando não está bem, é cortar o cabelo para renovar o espírito, é ficar bem longe do celular enquanto toma um copo de cerveja ou uma taça de vinho. É, acima de tudo, agir com esquecimento para quem sempre pareceu esquecer você.

Torço para que minha amiga consiga sumir. Para que, sumindo, ela descubra se realmente faz falta. Para que, sumindo, ela descubra o quanto sua presença é importante ou não. Sumir é uma estratégia arriscada, eu sei. Mas também define muita coisa mal resolvida. Também traz as respostas que buscamos e nem sempre encontramos.

Nem sempre as respostas serão aquelas desejadas, mas no fim nos libertam a prosseguir com mais certeza, clareza… e amor próprio.

*Fabiola Simoes

quarta-feira, 26 de abril de 2017

SE ELE NÃO TE QUER, NÃO FORÇA!

Um dia eu me apaixonei. Mas me apaixonei tanto que tudo que eu pensava na vida era em ter a criatura pra mim, só pra mim! Aquela coisa meio possessiva em que você vislumbra o rosto da pessoa nos rostos de todo mundo, inclusive naquele seriado de Tv. Fim da paz! Estou apaixonada! Meus sonhos pertenciam a ele, minha vida, meu ar e todo o roteiro da novela mexicana que insisti em escrever por me julgar mais apaixonada por ele do que por qualquer outra coisa na face da Terra.

Então daí, depois de um tempo, algum envolvimento, beijo pra cá, beijo pra lá, percebo que tudo só existia na minha cabeça, tudo somente existia da minha parte e não tanto quanto eu gostaria, da parte dele. Não sei se acertei ou se errei em pensar que eu poderia conquista-lo e deixa-lo tão apaixonado por mim que mulher nenhuma conseguiria ser mais interessante do que eu. Devido aos meus pensamentos desesperadamente românticos e sonhadores, acreditei que conseguiria e me desgastei sofridamente durante meses na crença tola de que um dia o jogo viraria e ele me amaria…

Bom, ele não me amou e nem eu mesma me amei, se quer saber. Tão fissurada na ideia de viver um amor com aquela pessoa que me deparei comigo mesma, sozinha, sonsa e sem nenhum valor. Eu o amava mais do que a mim.

Hoje, passados os anos, sei que forçar algo onde nada existe é muita falta de amor próprio. Sei que viver sonhos de amor é importante, porém, que eles sejam correspondidos, que seja com alguém que te queira o mesmo tanto, que te valorize, que te mime e te mostre todos os dias o quanto você é linda e importante na vida dele! Ficar correndo atrás de algo vazio, sem futuro é perda de tempo, de vitalidade e de amor. Eu aprendi isso, te juro, depois de muito penar e de admitir pra mim mesma que eu estava cansada, muito cansada daquilo tudo. Quando a gente cansa, parece que o amor aflora, a dor passa e você acorda para a realidade. Você enxerga, percebe e vê a duras penas que correr atrás de alguém que só sabe correr de você é exaustivo e vergonhoso… Cadê tua autoestima, mulher? Cadê tua autoestima, homem? É, porque os homens também correm atrás e se diminuem quando não são correspondidos, sabia? Todo mundo erra quando o assunto é o amor. Todos nós erramos na ânsia desenfreada de acertar e nessa cegueira toda mal vimos que o outro não nos ama como merecemos. Perdemos tempo, noites de sono, sorrisos e lágrimas por algo que nunca valeu a pena!

Segura aí o conselho de hoje: “Se ele não te quer, não força!”. Se olhe no espelho, passe aquele batom vermelho, se arrume, se perfume e vai se amar, criatura! Sai dessa de correr atrás de quem não te quer, desencana disso! Deixa que corram atrás de você e, se por ventura, ninguém correr, vá em direção de quem você sabe que vale a investida e cada cílio postiço que você levou horas para colocar!

Se ame mais. Se valorize mais. Se queira mais. Não se esqueça disso.

*Cris Souza Fontês

terça-feira, 25 de abril de 2017

Se fosse fácil todo mundo faria!

Essa semana eu disse ao motorista da faculdade que estava muito cansada, e ele respondeu: “Menina, se fosse fácil, todo mundo faria faculdade”. 
Está aí uma bruta de uma verdade! Se fosse fácil, todo mundo faria todas as coisas.

Todo mundo escreveria um livro e seria um autor de sucesso; todo mundo seria engenheiro civil e planejaria enormes edifícios que não caem quando o vento sopra contra; todo mundo seria marinheiro e navegaria os sete mares; todo mundo formaria uma família feliz e unida.

Se fosse fácil, qualquer um daria conta do recado de fazer bem feito e alcançar sucesso.

Nada é fácil; tudo depende de muita luta e força de vontade. Não é possível subir uma escada flutuando. É preciso subir degrau por degrau até chegar ao topo.
E às vezes, enquanto sobe você sentirá dores nas pernas, cansaço e até cãibras, afinal você é humano e limitado, e seu corpo sente o desgaste diário.

Mas nem por isso você pode parar. Na verdade, você não pode parar por nada. Você pode no máximo sentar em um dos degraus, respirar um pouco mais fundo, aguardar o corpo parar de reclamar as dores da subida, e então deve voltar. Se parar ali, jamais chegará ao topo.

E quanto mais perto estiver do fim da escada, mais cansado irá sentir-se. A altura é capaz de dificultar a respiração, fazendo com que sua cabeça lateje, seu coração bata mais depressa e seus pulmões reclamem a falta do ar. E então você irá pensar que não está dando conta da subida, e a sensação de insuficiência te fará derramar lágrimas pensando que esta será mais frustração, mais uma tentativa inútil de fazer dar certo, mas na verdade o que está acontecendo é que você está quase no topo, e isso faz com que seu corpo e sua alma estejam cansados.

Por isso, não desista, continue a caminhar. Se o degrau for alto demais, pule até cair no próximo; se for maior que você, escale-o até alcançar o topo; se não conseguir sozinho, espere pois há mais pessoas subindo essa mesma escada; uma delas irá lhe ajudar.

Mas não pare! Levante, prossiga. Essa alta, curve e íngreme escada está te levando direto ao objetivo de sua vida.

*Raquel Gonçalves

segunda-feira, 24 de abril de 2017

Você é feliz ou finge ser?

A felicidade é negligenciada.

Não, não estou falando que as pessoas não queiram ser felizes, é óbvio que elas querem. Todo mundo quer ser feliz, mas ninguém mais sabe COMO fazer isso.

A gente confunde felicidade com dinheiro, com carro do ano, com apartamento no jardins. A gente acha que vai ser mais feliz com mais seguidores nas redes sociais, com mais gente elogiando a nossa foto nova, com um emprego que fascine as pessoas. A gente acha que vai ser mais feliz porque foi contratado pelo Itaú, enquanto os nossos conhecidos trabalham em empresas menores.

A gente se sente superior, e acha que isso é ser feliz.

Eu vejo toda hora gente falando de como a felicidade é sobre ser e não sobre ter, mas vejo pouquíssimas pessoas realmente vivendo isso.

Eu passei um mês no interior da Índia entrevistando refugiados tibetanos. Pessoas que perderam toda a sua família, pessoas que foram presas e torturadas, pessoas que perderam membros do corpo atravessando a fria fronteira do Tibete a pé. E eu te digo com toda a certeza do mundo: essas pessoas são infinitamente mais felizes do que as que eu convivo diariamente em São Paulo.

Elas são mais felizes porque elas são mais simples. Felicidade é sobre simplicidade.
Não estou dizendo que – necessariamente – quanto mais objetos materiais você tiver, menos feliz você vai ser; não é isso.

Mas eu acredito que, quanto mais objetos materiais você PRECISA ter, mais isso mostra quem você é.

Todo excesso esconde uma falta.

Muitos querem se sentir importantes, poucos querem realmente fazer algo importante.

Muitos querem ser respeitados, poucos querem dar respeito.

Muitos querem ser olhados, pouquíssimos olham pra si mesmos.

Muitos querem criticar, poucos fazem questão de elogiar.

Muitos querem ser ajudados, poucos querem ajudar.

É isso, está aí algo que ninguém quer: ajudar.


Dalai Lama falou certa vez que “Procurar a felicidade e ficar indiferente ao sofrimento dos outros é um erro trágico”, e eu não poderia concordar mais. Quando você ajuda alguém, você não se sente bem? Ajudar as pessoas faz bem não só pra quem está sendo ajudado, como para quem está ajudando. Mas, mesmo sabendo disso, quantas pessoas você conhece que realmente fazem questão de ajudar? Quantas pessoas você conhece que fazem trabalho voluntário? Que doam seus pertences? Que levantam do sofá pra fazer algo por alguém?

Eu, sinceramente, conheço pouquíssimas.

Estamos sempre muito centrados no EU. As pessoas são extremamente individualistas, egoístas; estão sempre pensando nelas mesmas.

Como você quer ser feliz quando não faz a mínima questão de causar felicidade em outros?
Acho que já está na hora de entendermos que a felicidade não depende de condições externas, e sim de condições internas; e que não adianta de nada saber disso mas não colocar em prática.

Se você é uma pessoa feliz quando está viajando e se divertindo com os amigos mas se sente depressivo quando está no escritório trabalhando, tenho uma coisa pra te dizer: você não é genuinamente feliz.

A gente vive numa sociedade que não dá a devida importância à saúde mental quanto ela dá ao sucesso financeiro, ou ao status.

Sabe o que os refugiados tibetanos fazem, além de serem pessoas simples? Eles meditam.

Já foi comprovado – por estudos ocidentais – que a meditação altera fatores químicos no cérebro que deixam as pessoas mais felizes. Mas ninguém medita, ninguém exercita o cérebro, ninguém faz terapia, ninguém nem lê. 
(A gente exercita o corpo – mas na grande maioria das vezes por uma questão estética e não de saúde. Tá aí de novo: o ter, e não o ser).

Nossa saúde mental é deixada de lado o tempo inteiro. Não é a toa que a gente é a geração com maior número de depressivos da história, com maior número de gente com crises de ansiedade.

A gente não É, a gente só TEM. E esse é o nosso maior problema.

*Amanda Areias

sexta-feira, 21 de abril de 2017

Aceita que a vida ajeita!

A gente aceita. A gente aceita que a vida ajeita.
Que venha. Seja lá o que for, venha. A gente aceita. Encara, luta, cai, levanta, vai em frente. Aceita o que foi, o que é e o que vem. Não, nós não somos conformistas, permissivos, acomodados, medrosos, trouxas. Nós somos gente. E a gente aceita.

Aceita até mesmo quando rejeita, recusa, esperneia, grita. A gente aceita o inaceitável em conclusão íntima. O teto desaba, o assoalho rompe, as paredes apertam. E a gente aceita.

Aceita pagar por serviços odiosos, aceita esperar de pé em filas enormes por um atendimento de cara feia. Aceita circular de bandeja em mãos por praças de alimentação lotadas até encontrar uma mesa vazia, engordurada, ao lado da lixeira entupida, transbordando sujeira dos outros. A gente aceita o que tem.

Amores capengas e amantes ausentes a gente também aceita. Aceita pela mera ilusão de não estarmos sós.
A gente aceita passar a semana inteira esperando a “sexta-feira, sua linda”, analgésico e antídoto para os venenos de todo dia. A gente aceita. Aceita tudo que não traz nada. Aceita as críticas e pouco reflete sobre elas, senão para nos convencer de que “errado” é quem as fez e não nós mesmos, nós e nossa perfeição religiosa e auto enganada, fundamentada em versículos bíblicos descaradamente adulterados.

Para amansar antigas feras, a gente aceita raciocínios impostos por terapeutas e analistas desinteressados, iludidos de que chegaremos à nossa subjetividade por discernimento próprio.

A gente aceita pagar mais caro, por aquilo  que naturalmente tem direito pela simples lógica da civilidade e do princípio da vida em sociedade.
Um espaço dois centímetros maior na poltrona do avião, médicos que nos examinam com o mínimo de cuidado, um bairro calmo para dormir à noite sem esperar que alguém invada nossa casa na madrugada, um atendimento decente em qualquer canto.

Que nos culpem pelo que não cometemos, só para fugir de discussões cansativas, a gente aceita de bom grado. E daí? Que mal há em não querer gastar tempo discutindo balela? A gente aceita, aceita que é mais fácil.

Aceita porque afinal, por mais que nos defendamos, aqueles que nos culpam de qualquer coisa não vão mesmo acreditar. Se o fizessem, assinariam para si mesmos um vergonhoso atestado de covardia. Então aceitam o cargo autoimposto de suprassumos das ciências, reis da cocada preta, generais da banda.

A gente aceita e se acostuma a viver com medo, aceita a morte lenta e o tempo breve, aceita sentimentos burocráticos e cobranças descabidas. Aceita meia hora de amor e duas paçoquinhas.

A gente aceita tudo. Aceita o que deu para fazer, aceita o mínimo e acha o máximo. Aceita o mais provável e ‘‘O que for menos pior”. A gente aceita. A gente aceita que a vida ajeita.

*André J. Gomes

quinta-feira, 20 de abril de 2017

Se você somatiza pensamentos negativos diariamente, você está se matando!

Como andam seus pensamentos?

Já se fez essa pergunta?! Que tal limpar seus pensamentos que muito contribuem para a vida em que você está no momento?! René Descartes já dizia: “Penso, logo existo” e analisando, poderíamos dizer que se você pensa, logo se comporta. Ou seja, se você pensa é porque deseja para si! Ponto. Ai você me pergunta: “mas como eu vou desejar isso para mim?!” Sem “querer” você atrai pessimismo por estar com pensamentos impuros sobre a vida.

A vida não acabou só porque um relacionamento acabou. Ela continua. E não culpe os outros, ou sua família, ou seus amigos, por isso ou por aquilo; a única pessoa que tem culpa mesmo é você. Porque você é quem pensa tudo que desejas. É você quem escolhe. E é você que aceita ou rejeita tudo que há na sua vida.

Vejamos: você foca muito no que pode dar de errado? Do tipo que sofre por antecipação!? Foca no que pode não funcionar; foca na sua ansiedade ou na sua tristeza, quando as tem, ou até mesmo quando não tem ou não está, mas já pensa que ficará, se algo não acontecer?! Não consegue dormir porque está rodeado de pensamentos ou porque está remoendo o passado, no que os outros fizeram de errado e até mesmo você?!

Se você somatiza pensamentos negativos diariamente, você está se matando!
Se possui pensamentos repetitivos e constantes sobre si mesmo sendo ruins, você mesmo está carregando e alimentando uma “bomba” destruidora (e ainda põe a culpa nos outros!) Alguns tipos de câncer estão associados a como é encarado o stress, incluindo pressão alta e ataque cardíaco que sendo alimentado diariamente, provocam um colapso mental. Seus pensamentos aceleram e perdem o controle.

Reflita sobre o que está alimentando em seus pensamentos. Se ter pensamentos pessimistas faz sua vida inclinar para baixo, porque não tentar criar pensamentos otimistas? Você sai ganhando com isso!
Comece a mudar seus padrões de pensamentos. Acredite em você mesmo. Toda mudança é difícil. Deixar de pensar negativo também não é uma tarefa fácil. Mas se você der o primeiro passo e praticar até isso virar rotina, sua vida muda por completo.

Não permita que sua mente controle seu comportamento, ainda mais se ele for negativo, pessimista. Seu comportamento é reflexo do que você pensa.

O medo, a insegurança e a falta de confiança, predominam sua vida quando seus pensamentos são focados nisso.

A mente e os pensamentos se guiam nas experiências vivenciadas, mas tente tirar somente as experiências positivas que te façam crescer.

Somos reflexos de nossos pensamentos, palavras e atitudes. Aquilo que falamos, pensamos e desejamos, materializa-se em nossas vidas.
Pense!

*Elaine Sena

quarta-feira, 19 de abril de 2017

Eu teria ficado ao seu lado…

Mesmo depois de tudo.  
Mesmo antes de nada. 
Eu teria ficado ao seu lado.
Até o fim do mundo. 
Até o fim da nossa estrada.

Enquanto as estrelas despencavam do céu.

Eu teria ficado ao seu lado, quando todo mundo fosse embora. Quando as luzes tivessem se apagado.

Quando você já não tivesse mais para onde ir. Iríamos juntos, para qualquer lugar ou para lugar algum.

Eu teria ficado contigo na chuva e nas estiagens da vida.

Eu teria cuidado de você, como mais ninguém foi capaz de fazer.

Eu teria brigado, com quem fosse preciso, inclusive comigo, como fiz incontáveis vezes, para ainda estar ao seu lado.

Eu estive ao seu lado, enquanto o mundo gritava que não era o certo. Seus olhos me bastavam. Realmente não importava o resto, quando eu te tinha por perto.

Você sempre esteve na minha cabeça.

Always. Always on my mind.

E você continua no meu coração.

Mesmo que eu tenha convencido o mundo inteiro do contrário.

Para mim, eu não preciso mais dar satisfação. Eu não preciso mais camuflar a saudade.

Eu não preciso omitir minhas verdades.

Sinceridade. É a recompensa que me dei por ter penado demais.

Eu teria ficado ao seu lado, por todos os dias que o Universo me concedesse na Terra.
Eu te salvaria das tuas próprias tempestades. Te confortaria com muito, muito mais que um ombro amigo…  Com uma alma apaixonada.

Eu teria ficado ao seu lado, e te mantido confortável, quando você estivesse muito cansado para continuar a jornada. Como fiz tantas e tantas vezes, sem que você ao menos percebesse. Não…eu nunca ousei reclamar.

Porque ir embora me parecia muito pior que ficar.

Te perder era inconcebível.

Pois eu já havia perdido a sanidade…

Ah! Sim… eu teria ficado e, mais uma vez, feito todas as suas vontades.

Eu teria ficado ao seu lado, se tu tivesses querido ficar ao meu.

Eu teria ficado por toda a eternidade!

Eu teria ficado…

Com esse meu amor tão desmedido; Tão desregrado.

Com essa loucura divina; Em um desmaliciado pecado.

Com os meus beijos na surdina e meus sussurros abafados.

Eu ficaria, pois tu detinhas a primazia de um inaudito amor em ebulição, nesse pobre coração arrebatado.

Mas eu teria… Deus sabe, eu teria ficado.

*Bruna Stamato

terça-feira, 18 de abril de 2017

Como fazer tudo ficar bem – Tudo que você é “contra” se intensifica!

Eu percebo o quanto cresci, quando percebo que cada vez menos eu faço questão de estar certo.

Se alguém concorda comigo, tudo bem. Se não concorda, tudo bem.
Se eu concordo com o que você diz, tudo bem. Se não concordo, tudo bem também.

‘Tudo bem’ vai lentamente se tornando um mantra daquilo que eu quero para mim, internamente e externamente.

Durante anos, eu me opus a muitas coisas, me posicionei, fui ‘contra’ e coloquei em palavras e atitudes minha rebelião à diversas situações.

Nada mudou.

O mesmo aconteceu com tudo aquilo que eu me rebelei dentro de mim.

Eu lutei contra tanta coisa em mim e nada mudava.

O velho princípio de que ‘tudo que você foca, cresce’ se provou absolutamente verdadeiro para mim, nas pequenas e nas grandes coisas.

Se eu me rebelava (ou quando ainda me rebelo) contra algo, seja em mim ou nos outros, eu apenas intensifico a situação.

Passa a acontecer mais, a incomodar mais, a doer mais.

Vejo a situação com mais frequência, pessoas aleatórias vem falar comigo sobre a situação e eu me vejo envolvido naquilo com uma frequência e intensidade que é proporcional ao nível da minha rebelião.

O que fazer então?

Usar o ‘tudo bem’.  – Essa frase simples é poderosíssima!
Concordando, discordando, amando, odiando, calmo ou com raiva, eu simplesmente digo ‘tudo bem’.

E de fato, fica tudo bem.

Ao ver aquilo que te revolta e te coloca no máximo da tua rebelião, experimente dizer para si mesmo ‘tudo bem’.

Se a revolta for muito grande, experimente dizer a si mesmo ‘eu escolho me sentir bem’, quantas vezes forem necessárias.

Lembre-se que a gente costuma concordar com a gente mesmo. Pode soar engraçado à principio, mas é uma poderosa verdade.

Se você pensa algo com frequência o suficiente, por não querer discordar de si, você acaba por acreditar naquilo. E ao acreditar, você começa a construir uma realidade de vida baseada nisso.

Se você pode escolher no que acreditar, por que não acreditar no que te apoia? No que te faz sentir bem? No que melhora sua vida?

Adote como seus ‘mantras’ às frases ‘tudo bem’ e ‘eu escolho me sentir bem’ e você verá profundas transformações na forma como você se sente e como interage com sua vida. Tudo começa a mudar.
Esse é o meu convite para você: pare de resistir, se incomodar, se irritar, ‘achar ruim’ ou até mesmo ter uma opinião sobre tudo.

Eu sei que é difícil, MUITAS vezes ainda é difícil para mim, mas é um processo de reeducação que vale MUITO à pena.

Conscientize-se de que o seu foco é o que você busca e o que você busca, está buscando por você e vai te encontrar.

Assegure-se de focar no que você realmente quer para si.

*Lucas Liberato

segunda-feira, 17 de abril de 2017

Existem pessoas que ferem… e pessoas que curam.

Existem pessoas que tem o dom de curar, outras, o dom de machucar.
Lendo esse texto, acredito que, naturalmente virão à sua mente algumas pessoas, tanto curadoras, como ofensoras. Imagine alguém que está sempre sorrindo e que tem sempre uma fala positiva, que sempre elogia, que tem um abraço gostoso. Quem veio à sua lembrança? E agora, imagine alguém rabugento, que adora jogar um balde de água fria na empolgação das pessoas. Lembrou de alguém?

Não tem como passarmos pela vida sem nos depararmos com esses dois perfis de pessoa. As pessoas amargas sentem-se fortemente recompensadas quando percebem que machucou alguém. Parece que a alegria delas é nutrida pelo desgosto do outro. Quer acabar com o dia de uma pessoa amargurada, compartilhe uma alegria sua com ela. Ela vai tratar de te convencer de que você está delirando, que sua alegria não é para tanto, que você pode “cair do cavalo”… que você precisa manter os pés no chão… etc.

É como se a alegria do outro fosse um espinho na alma dela. São pessoas com as quais, se pudéssemos, evitaríamos qualquer contato. E quando estamos fragilizados, essas pessoas causam um verdadeiro estrago no nosso emocional, agindo como verdadeiros vampiros, parece que elas captam a nossa vulnerabilidade e fazem a festa. Se você emagreceu e está feliz, ela vai fazer questão de te dizer que você ficou com cara de doente e que estava melhor quando estava gorda. Se você foi aprovado num concurso público, ela vai te dizer que ouviu dizer que o concurso teve fraude e que vai ser anulado. Enfim, ela vai ter sempre um problema para cada solução.

Somente quando nos tornamos mais maduros é que vamos adquirindo uma espécie de imunidade à essas pessoas, daí elas não exercem mais nenhuma influência sobre as nossas emoções, pois passamos a enxergá-las como elas de fato são, verdadeiros enfermos espirituais e emocionais. Pessoas feridas ferem outras. Simples assim.

Em contrapartida, existem aquelas pessoas que são puro bálsamo, são um verdadeiro sol mesmo nos dias nublados das nossas vidas. Pessoas que nos estendem a mão, que nos encorajam, que nos trazem à memória o que temos de bom e o que deu certo em nossas vidas.
São verdadeiras bússolas divinas que nos norteiam quando estamos desorientados. É uma delícia ter por perto quem acredita em nós, quem nos aceita  e quem nos acolhe. Essas pessoas serão as primeiras a serem lembradas por nós quando estamos em alguma dificuldade. Elas nos encorajam e elas nos lembram que a dificuldade vai passar. Por vezes, só precisamos nos lembrar disso, que nada é eterno e que dias bons e ruins passam.

Quando alguém compartilha algo delicado conosco, nos sentimos honrados, afinal, no mínimo, essa pessoa confia em nós. Que sejamos dignos dessa confiança.  Que saibamos lidar com a vulnerabilidade do outro. Que sejamos calmaria em dias de tempestade.

* Ivonete Rosa

sexta-feira, 14 de abril de 2017

Páscoa: um momento que inspira à reinvenção!

Qual o significado da páscoa, para você?

Independente de onde você busque inspiração para viver a páscoa, a verdade é que essa data sempre traz algo a mais em nosso coração, como se houvesse um motivo singular nesses dias e, por vezes perdidos em meio às atribulações do dia a dia, que insistem e nos tornar desesperançosos, pessimistas e fatalistas, de repente é como se houvesse um raio de luz a nos despertar, guiar nossos pensamentos, orientar as nossas decisões, e fazer com que as atitudes se tornem permeadas por energias positivas, e ficamos ansiosos por fazer o bem.

De fato é um momento de reflexão especial.

E é preciso que existam muitos períodos como esse, para que possamos rever nossos posicionamentos. Não que devamos viver no passado, remoendo recordações ruins, e que fazem com que não nos sintamos bem. Entretanto, eventualmente, é importante realizar um autoexame sobre a vida, pois ele alivia nossas dores, desanuvia nossa vista, e nos abre para que tenhamos mais esperança.

Por isso é tão importante saber se estamos caminhando, com passos firmes, em direção à paz. Analisar se nossos atos de bondade estão prevalecendo. Ponderar a maneira como encaramos nossos tropeços, superamos nossos erros, pedimos (e oferecemos) o perdão.

Diversas são as avaliações possíveis, mas talvez a principal se encontre na consideração acerca do conceito de ressurreição.


Restaurar-se não consiste no ato de sufocar a pessoa que você foi; em esquecer todas as falhas cometidas em dados momentos da jornada; ou ainda em deixar esse alguém para trás, como se nunca tivesse existido antes, mas sim em compreendê-lo.

Entender que dentro de si existem elementos bons e ruins e, saber que irá cometer equívocos não é o fim da linha. Assim como arrepender-se não é um ato de covardia ou de incoerência, e sim uma ação permeada de humildade, que resulta em incríveis aprendizados.

A verdade é que durante todo o tempo em que permanecemos sobre a terra, nós somos seres em construção. Os erros nos fazem perder alguns fragmentos, mas o perdão pode ser capaz de inserir novas partes, basta ter humildade, o que pode não ser fácil, porque quando estamos muito feridos, caímos no erro de assumir o orgulho, como forma de defesa. Porém caso não houvesse dificuldades, a reinvenção não se faria necessária, e o caminho de peregrinação em tornar-se uma pessoa melhor, não teria sentido.

Temperança e equilíbrio são as duas colunas que sustentam o nosso corpo. O perdão e a fé alicerçam nosso espírito. E nós, seres humanos, passíveis de erros, acertos e esperanças, seguimos gratos pelas oportunidades de renascimento, que nos são concedidas diariamente.

* Tania Menegusse de Britis

quinta-feira, 13 de abril de 2017

A porta mais larga do mundo

Hoje a mensagem do dia ficou a cargo do meu amigo JM.
Segue Abaixo o texto de Hoje.

César


Conta-se que um dia um homem parou na frente de pequeno bar, tirou do bolso um metro, mediu a porta e falou em voz alta: Dois metros de altura por oitenta centímetros de largura.
Admirado mediu-a de novo.
Como se duvidasse das medidas que obteve, mediu-a pela terceira vez. E assim tornou a medi-la várias vezes.
Curiosas, as pessoas que por ali passavam começaram a parar.
Primeiro um pequeno grupo, depois um grupo maior, por fim uma multidão.
Voltando-se para os curiosos o homem exclamou, visivelmente impressionado:
Parece mentira! Esta porta mede apenas dois metros de altura e oitenta centímetros de largura, no entanto, por ela passou todo o meu dinheiro, meu carro, o pão dos meus filhos. Passaram os meus móveis, a minha casa com terreno.
E não foram só os bens materiais. Por ela também passou a minha saúde, passaram as esperanças da minha esposa, passou toda a felicidade do meu lar...
Além disso, passou também a minha dignidade, a minha honra, os meus sonhos, meus planos...
Sim, senhores, todos os meus planos de construir uma família feliz, passaram por esta porta, dia após dia... Gole por gole.
Hoje eu não tenho mais nada... Nem família, nem saúde, nem esperança.
Mas quando passo pela frente desta porta, ainda ouço o chamado daquela que é a responsável pela minha desgraça...
Ela ainda me chama insistentemente...
Só mais um trago! Só hoje! Uma dose, apenas!
Ainda escuto suas sugestões em tom de zombaria: "Você bebe socialmente, lembra-se?"
Sim, essa era a senha. Essa era a isca. Esse era o engodo.
E mais uma vez eu caía na armadilha dizendo comigo mesmo: "Quando eu quiser, eu paro".
Isso é o que muita gente pensa, mas só pensa...
Eu comecei com um cálice, mas hoje a bebida me dominou por completo.
Hoje eu sou um trapo humano... E a bebida, bem, a bebida continua fazendo as suas vítimas.
Por isso é que eu lhes digo, senhores: esta porta é a porta mais larga do mundo! Ela tem enganado muita gente...
Por esta porta, que pode ser chamada de porta do vício, de aparência tão estreita, pode passar tudo o que se tem de mais caro na vida.
Hoje eu sei dos malefícios do álcool, mas muita gente ainda não sabe. Ou, se sabe, finge que não, para não admitir que está sob o jugo da bebida.
E o que é pior, tem esse maldito veneno, destruidor de vidas, dentro do próprio lar, à disposição dos filhos.
Ah, se os senhores soubessem o inferno que é ter a vida destruída pelo vício, certamente passariam longe dele e protegeriam sua família contra suas ameaças.
Visivelmente amargurado, aquele homem se afastou, a passos lentos, deixando a cada uma das pessoas que o ouviram, motivos de profundas reflexões.
Vale a pena orientar nosso filho para que não seja mais um a aumentar essas tristes estatísticas.

quarta-feira, 12 de abril de 2017

A despedida

O amor quando chega  acredita em eternidade,

Mas um dia se despede,  vai por outra estrada

Não olha para trás, nem se despede
Leva no coração  a mocidade

Parte, não fica, nada o impede.


O outro coração padece, mesmo em preces,

É o adeus...
Que deixa o peito angustiante, 
No peito a dor dilacerante

O grito dos  ais, dos lamentos agonizantes,

Dos instantes lacerantes.


De toda forma o Amor parte,

A despedida maltrata,fere, rasga o coração

A alma se rompe numa fração,

Corrompe-se, dilacera-se numa fração

É  lâmina , navalha  que sangra a afeição.


A alma sofre, chora, padece,

O coração  se entristece,

Numa saudade que enternece,

Mas nada consola e o amor vai embora 
O ser que fica compadece. 

A despedida é triste,

É lástima, lágrima, drama

Pranto, sofreguidão,

É o adeus ...

O desenlace de sentimentos,

A despedida de momentos,

De um tempo que não volta atrás

E um amor que não se esquece jamais.


O adeus é o desenlace 
De sentimentos,
De presenças, lembranças, momentos.

O adeus é distância que se apresenta,
É a partida desesperada, 
É o esquecimento... 
Ou a lembrança do enlace

Que se foi em disparada.


A despedida,
Por mais lânguida, por mais que se evite,
É sempre triste.

São seres que se separam,
Que se partem,

Um amor que diz adeus,

São corações que pulsam, não param, 
São vivências que se dissipam,

São vidas que se separam. 

A despedida
É a tão evitada renúncia, 
A tudo o que se pensava ter, 
A tudo que se pensava viver,

Uma palavra balbuciada... ADEUS.


*Luisa Lessa

terça-feira, 11 de abril de 2017

COISAS RUINS ACONTECEM PARA MOSTRAR A FORÇA QUE RESIDE DENTRO DE VOCÊ!

Às vezes a vida nos pega de surpresa. Está tudo caminhando conforme o ritmo natural, e de repente, somos surpreendidos. Algo que não esperávamos que acontecesse, simplesmente acontece.

Nessas horas, o desanimo costuma tomar conta do nosso interior, é como se o mundo caísse sobre nossa cabeça em questão de segundos.

Chegamos até a nos questionar o porquê de tal acontecido. Infelizmente, questionamentos não nos levam a nenhuma direção.

Já diz o velho ditado, Deus não lhe dá um farto maior do que você pode suportar, acredite, Deus sabe o que faz.

Hoje você está triste, frágil, mas saiba que você não está sozinho, nunca esteve, sempre terá alguém olhando por você.

Sabe aquelas noites que você chorou baixinho para ninguém ouvir? Deus ouviu. Ele não só ouviu, como te abraçou, e te consolou. Aliás, não se sinta fraco por chorar. O choro é o único meio de pôr para fora toda a dor acumulada. Pode ter certeza que após lágrimas derramadas, você vai se sentir aliviado. Nada melhor que um dia após o outro.

Não sei qual é a razão da sua dor, muito menos o tamanho dela, mas sei que nenhuma dor é em vão. Tudo se transforma, tudo se renova. As lágrimas de tristeza que derramou ontem, amanhã serão lágrimas de alegria.

Nunca deixe de ser grato, pois a cada obstáculo, temos a oportunidade de viver novas experiências, e elas contribuem para seu amadurecimento. Você é forte, nunca deixe de acreditar nisso. A força está dentro de você.

Na sala de aula da vida estamos em constante evolução, somos eternos aprendizes. Entenda que a dor não chega simplesmente para te machucar, e sim para te mostrar o quão forte pode ser.

Hoje chove, mas amanhã o sol há de voltar a brilhar.

*Larissa Dias

segunda-feira, 10 de abril de 2017

Busque ser feliz ao invés de buscar ser perfeito!

Bom dia! Abaixo a mensagem do dia de hoje. Uma semana Incrível a todos nós!

César



Não há forma mais bonita de ser feliz do que fazendo o outro feliz. Felicidade e egoísmo não caminham juntos.
Essa é a máxima que tem sido utilizada ultimamente como um mantra por algumas pessoas, como estilo e filosófica de vida, como se esse mantra fosse a solução para todos os problemas da vida de um ser humano. A desculpa perfeita para ser egoísta sem sentir um mínimo de culpa.
O que ninguém refletiu ainda, é sobre as concessões que acompanham esse tal mantra.
Acontece que a pessoa que segue esse lema, que evita alcançar a tão temida perfeição, não faz questão de melhorar como ser humano, o que muitas vezes irá refletir em outras pessoas.
Quem não faz questão de aprimorar qualidades, reduzir e minimizar defeitos, extinguir velhos modos, que só fazem mal a si e a quem o cerca, age como um narcisista; um egoísta que não está nem aí se os seus atos atingem ou afetam negativamente outras pessoas. Pois em seu íntimo ele “só quer ser feliz, e não perfeito”. E se ele se sente feliz da forma que age, é o que importa!
Busque ser feliz sendo a melhor pessoa para você e para aqueles que os ama, mas não precisa ter por objetivo alcançar a perfeição.
O “tente ser feliz” dá espaço para a distribuição de sofrimento a quem cerca essa pessoa. Dá espaço para mais egoísmo do que felicidade.
Então, considerando que você não seja uma pessoa que quer ser conscientemente e declaradamente egoísta, tente ser feliz sendo a melhor pessoa para você e para aqueles que os ama, mas não precisa ter por objetivo alcançar a perfeição.
Até porque, não há forma mais bonita de ser feliz do que fazendo o outro feliz. Felicidade e egoísmo não caminham juntos.

*Letícia Gitahy

sexta-feira, 7 de abril de 2017

Não permita que ninguém lhe diga que você não vai conseguir!

Bom Fim de Semana a todos os amigos ( as ). Muitos sorrisos e momentos especiais com as pessoas que lhe são caras.
Abaixo a mensagem do dia de hoje.

César



Ninguém tem o direito de dizer ao outro que ele não irá conseguir isso ou aquilo, porque ninguém tem o direito de determinar o destino de vidas que não são suas. Quem deve saber aquilo de que somos capazes, com propriedade, somos nós mesmos.

Não permita que ninguém lhe diga que você não vai conseguir!
Todos temos nossas opiniões sobre aqueles com quem convivemos, pois o dia-a-dia nos aproxima das pessoas e acabamos as conhecendo cada vez mais. E, embora essa proximidade nos permita aconselhá-las e opinar sobre suas vidas, não poderemos, em hipótese alguma, determinar-lhes o futuro, como se fôssemos deuses ou videntes, uma vez que por muitos nossas palavras serão ouvidas e levadas em conta.

Pessoas são incríveis, surpreendem, são capazes de superar o que jamais imaginaríamos, de chegar a lugares que pensávamos serem inalcançáveis, de agirem de forma totalmente inesperada. Isso porque ninguém tem a noção exata do tanto que possui dentro de si, da real potencialidade que carrega, do quanto suas ações podem salvar a si mesmo e aos demais.

Costumamos nos julgar bem abaixo do que na verdade estamos, duvidando de nós mesmos, temendo o erro, o fracasso, fugindo aos possíveis nãos que poderemos ouvir vida afora. Por essa razão, ninguém precisa nos desestimular, dizendo que aquilo não é para nós, que não conseguiremos obter certas coisas, ou que jamais seremos felizes se fizermos esse ou aquele outro. Nós mesmos já temos a tendência a diminuir o alcance de nossa imensidão.

Não podemos permitir que o medo, a dúvida e a autoestima frágil se tornem obstáculos ao nosso caminhar seguro, à firmeza de nossas convicções e de nossos sonhos, mesmo os mais altos.
Da mesma forma, não devemos dar ouvidos às palavras de desânimo, à negatividade circundante, ao descrédito que o outro tenta nos incutir. Caso haja chances, por ínfimas que sejam, de acontecer, sigamos em frente, a despeito de toda torcida contrária que tivermos de enfrentar nesse percurso.

Ninguém tem o direito de dizer ao outro que ele não irá conseguir isso ou aquilo, porque ninguém tem o direito de determinar o destino de vidas que não são suas. Quem deve saber aquilo de que somos capazes, com propriedade, somos nós mesmos, ou seja, não podemos achatar nada aqui de dentro por conta de palpites alheios. Porque, como já se disse, somos do tamanho de nossos sonhos e sonhos não têm limites, assim como nós.

*Marcel Camargo

quinta-feira, 6 de abril de 2017

Não dê a nada nem a ninguém poderes sobre a sua história, você é o autor dela!

Será que você não está conferindo aos outros poderes sobre a sua vida?
Quem você pensa que é? Quantas vezes na vida, ouvimos ou vimos isso nos olhos de outra pessoa?

Quando você sonha e sonha alto e ousa contar isso pra algum descrente da vida, é isso que você ouve, pode ser o seu patrão, seus pais ou amigos.

Quem você pensa que é?

Essa pergunta é uma assassina contumaz de sonhos. Ela foi criada por alguém frustrado que não conseguiu alcançar o que sonhou e transformou isso numa lei universal. E é incrível como temos a capacidade de assimilar uma informação ruim a nosso respeito tão rápido. Pare e pense quanto tempo um elogio te faz bem e o quanto uma crítica ressoa em seus ouvidos.

Reflita sobre o assunto e veja que nós mesmos damos ao outro esse poder sobre a nossa vida, autoestima ou humor.
E quase sempre temos em nosso meio aqueles caçadores de sonhos, gente que vive de desfazer as “ilusões” dos outros. E eles quase sempre conseguem nos fazer desistir e desacreditar de nós mesmos.

Quando ouvimos essa pergunta, não temos a resposta pronta, mas nosso subconsciente tem uma lista de informações que vão gerar uma resposta condizente, então ele traz à tona nossa infância pobre, nossa escola de péssima qualidade, o acesso que não tivemos a informação e tudo que concorda com o autor da pergunta e dentro de nós ele mesmo responde: Ninguém.

Mas eu posso te dizer, sussurrando baixinho no seu ouvido: é mentira.

Você é quem quiser ser. Quem você sonhou ser.

Podemos pegar tantos exemplos de gente que provou o contrário dessa resposta, mas não vamos falar de exemplos, vamos falar de você.

Até quando você vai assumir essa “verdade” para sua vida?

Até quando você vai ficar aí nessa zona de conforto, cinzenta e sem graça, aceitando ser apenas aquilo que disseram que você pode ser.


Comumente, nossas origens determinam nosso futuro, seguimos os passos dos nossos pais e fazemos exatamente aquilo que está no script, como se tivéssemos vindo ao mundo com um manual de instruções. E vivemos aquilo que a antropologia chama de determinismo.

Estudamos nas mesmas escolas que nossos amigos, fazemos a mesma faculdade, nos contentamos com aquele emprego seguro que nos atende as necessidades básicas. E seguimos concordando com o óbvio, escolhemos o companheiro baseado nesses princípios, a profissão, e até o modelo de família que teremos.

É assim, entramos na caixinha e nos recusamos a sair dela, afinal, a caixinha nós conhecemos, lá é quente, confortável e seguro. Não entendemos a grandeza da vida e tudo que ela tem para nos oferecer.

Não nos ensinaram que somos deuses, que temos em nós o poder de realizar aquilo que almejamos. E mais, do jeito, exatamente como sonhamos.

Ninguém nos disse na infância que éramos responsáveis por nossa vida e pela realização dos nossos sonhos. Mas eu tenho uma notícia boa para você: Ainda está em tempo, acorde, lute, levante-se!!

Pare de inventar desculpas para você, elas só servem pra concordar com aquela resposta.

O que você sonhou?

O que você pode fazer hoje para chegar mais perto do seu sonho?

Reveja seus conceitos, se preciso for jogue fora tudo que você aprendeu sobre a vida, sobre sonhos, sobre você.

Seja firme com seus pensamentos, troque-os sempre que preciso.

Mostre ao seu subconsciente quem é que manda.

Não dê a nada nem a ninguém poderes sobre a sua história, você é o autor dela.
E quando alguém te fizer essa pergunta outra vez, olhe no fundo dos seus olhos e responda: Eu sou alguém capaz de viver tudo o que eu sonhar e de alcançar tudo que eu almejar.


*Lane Lacerda

quarta-feira, 5 de abril de 2017

Não te dará o que você perdeu

Nunca AMEI dessa forma
sentimento mais lindo, mais intenso, mais devastador   
Sensação perfeita,  que não tinha tradução
que fazia feliz corpo, alma e coração.

Mas ele preferiu o caminho mais fácil,
trocou nosso amor por ilusões
magoou, humilhou, me fez chorar  
fez aquele sentimento tão puro acabar

Não é fácil admitir, dizer pra mim mesma
que tudo que vivemos foi mentira
que você jogou aquilo tudo fora
que por futilidades, largou tudo, foi embora

Ressentimento, raiva, tristeza e dor
foi só isto que restou, daquela separação
mudei, não quero amar, não quero sentir, 
entregar meu coração pra outro partir

Mas agora você volta
dizendo que dói, que está ruim, tá infeliz
pedindo perdão, falando de amor
como se fosse fácil esquecer aquela dor

Agora é TARDE, tenho que dizer
é tarde pra mim e pra você,
não existe borracha para apagar
o que fez está feito, não há como mudar

Lembranças ficaram, e ficarão 
esquecer não é fácil pra nenhum coração
mas não quero viver de novo aquela dor
sou paciente... esperarei um novo amor

Quero que você seja feliz
que cresça e perceba o erro que cometeu
que dinheiro nenhum hoje te dará
o que você PERDEU

Quero que você não esqueça
que aprenda a lição, que saiba agora
que ao meu lado seria diferente
que tínhamos o infinito todo a nossa frente

Você teve o que ninguém teve
mas preferiu coisas banais
hoje, porém eu tenho fé
fé que tenhas entendido
que dinheiro nenhum compra o amor de uma mulher

VAI, VAI! e me deixa viver
vai, meu bem, já tomei a decisão
se não te esqueci, vou esquecer
fica com seu dinheiro, pois NÃO QUERO MAS VOCÊ!

*Nathalia Torres 

terça-feira, 4 de abril de 2017

“Qualquer árvore que queira tocar os céus, precisa ter raízes tão profundas ao ponto de tocar os infernos”.

Como já disse Jung: “qualquer árvore que queira tocar os céus, precisa ter raízes tão profundas ao ponto de tocar os infernos”.

A verdade, de verdade? Tem certeza? Hoje em dia, pregamos a supervalorização da verdade, como a salvação da alma e a elevação do orgulho próprio, ao dizer que “só falo a verdade, odeio mentira”. A tranquilidade de estar com o “lado direito de Deus” garantido, só é alcançada por aqueles que estão no caminho do bem, o qual é permeado apenas de honestidade e, consequentemente, da verdade.

Todos preocupados com a salvação de nossas almas, em um mundo de regeneração!

Só que a verdade das pessoas não é linda o tempo todo. Aí criou-se a verdade politicamente correta: você diz a verdade que é bonita aos ouvidos alheios. A verdade feia, você guarda para você. Quem diz a verdade integralmente, é tido como inconveniente, azedo, chato, amargo, problemático, desagradável.

Você só diz a verdade sobre os momentos em que está cintilando de alegria, em plena comunhão com o belo, o sagrado e a felicidade. Nos momentos em que sua essência está tomada pelo feio, pelo sacrilégio e pela amargura, você se omite. E se esconde. E finge. E, enfim, se deprime e adoece.

Precisa, então, vestir uma máscara na qual você aparenta estar vivendo uma verdade falsa. E isso não seria mentir? JAMAIS! Isso é apenas manter a positividade diante dos problemas.

A livre expressão deixa de ser livre, e se torna reprovável. A verdade feia incomoda. A pessoa que aceita e expõe a verdade feia, faz com que as outras se afastem, pois é a prova de que a felicidade plástica e eterna é mentirosa, então é melhor o distanciamento, sob a desculpa de que a pessoa é muito “negativa”.

Deixa eu te contar uma coisa: não é porque ela tem uma energia ruim, mas sim porque ela te faz parar para pensar em coisas das quais você foge. E quando você encara o mundo consciente de que ele também tem verdades feias, você fica triste. E prefere uma felicidade falsa e incompleta, do que momentos de tristeza e a plenitude da verdade real. O mundo não está preparado para a verdade verdadeira. Ela é feita de alguns momentos felizes e muitos momentos que exigem mudanças, adaptações, choros, trabalho, suscitam muitos sentimentos difíceis.

Mas quem se entrega a todos os momentos, sejam eles felizes ou tristes, é politicamente incorreto. Quem vive a sua verdade plenamente, incomoda.

Quando as pessoas aceitarem as sombras do mesmo modo que aceitam a luz, certamente as animosidades e a depressão serão coisas do passado.

Como já disse Jung: “qualquer árvore que queira tocar os céus, precisa ter raízes tão profundas ao ponto de tocar os infernos”.

*Ingrid Feferman

segunda-feira, 3 de abril de 2017

O copo está sempre meio cheio. Só depende de você enxergar!

Do que adianta ficar estressado e reclamando? Arregace as mangas, estude mais para a próxima e bola pra frente. O copo está sempre meio cheio, só depende de você enxergar.
A forma como você encara o que aconteceu não vai mudar o que aconteceu. O copo caiu e quebrou, é um fato. Por isso mesmo, não há benefício nenhum em ficar se lamentando.

Se você espera uma coisa ruim, já está preparado quando acontece algo ruim de fato. Quando acontece algo bom, é uma surpresa excelente.

Este é o argumento dos pessimistas. Ele parece infalível e protege o pessimismo como um escudo. É um mecanismo de defesa da nossa mente, com o objetivo de evitar a decepção e as surpresas negativas.

Alain de Botton, filósofo e escritor, defende a ideia de que otimismo e altas expectativas sobre eventos futuros podem causar pressão e gerar um medo de falhar. Você vai apresentar um TCC na frente da família, amigos e colegas de trabalho: fica nervoso e gagueja. Isso não aconteceria se você fosse apresentar o TCC num ambiente onde pouco fosse esperado de você. Ele cita uma célebre frase pessimista de Nietzsche: “deveríamos colocar um crânio em cima das nossas mesas de escritório para nos lembrar de que aquilo é o nosso futuro”.

Mas o pessimismo puro pode te levar pra baixo e te desencorajar de fazer as coisas. “Não vai dar certo mesmo“, você pensa antes mesmo de tentar. Isso não te tira do lugar pra tentar algo diferente, nem do buraco se lá você estiver. Muitas descobertas da humanidade e casos de sucesso na vida e nos negócios não teriam acontecido se a pessoa não agisse com confiança frente às situações.

Você já deve ter ouvido que o ambiente influencia o ser humano. Se você andar com um monte de vândalos, pode acabar sendo influenciado a tacar fogo em uma lixeira. Se você segue um monte de páginas do Facebook que ficam dizendo que sua vida é uma desgraça, você pode acabar pensando que sua vida é de fato uma desgraça. Se você achar que o mundo é só o que vê na TV, vai achar que o mundo é um buraco sem fundo. As coisas que nos cercam moldam nossa visão de mundo e de forma mais profunda, moldam quem somos. O mesmo vale para como você encara as coisas na vida.

Se você ficar vendo sempre o lado negativo das coisas, qual a graça da sua vida rotineira? Você começa a se achar vítima de tudo.

Um copo caiu no chão, que desastre. Vou chegar atrasado no compromisso, é o fim do mundo.
Fulano não me respondeu no Whatsapp, não aguento mais. Fui mal na prova, vou rodar nessa matéria, atrasar um semestre da faculdade, demorar para me formar, não conseguir um emprego legal e ficar pobre.

Sabe o título daquele livro “Problemas? Oba!”? Essa é a chave. Não que devamos amar problemas e adorar dificuldades, mas em quase tudo na vida a gente pode tirar pelo menos uma lição, uma oportunidade ou ver um lado positivo.

Se ficarmos sempre achando que tudo está ruim, não vamos conseguir sorrir no fim do dia. Seremos esmagados pelos problemas e dificuldades, ao invés de conviver e lidar com eles. Por isso, vale a pena se esforçar para ver o lado bom das coisas.

Pense assim: a forma como você encara uma coisa que aconteceu não vai mudar o que aconteceu. A xícara caiu, quebrou e sujou a sua cozinha inteira de café. É um fato, não vai mudar. Mas por isso mesmo, não há benefício nenhum em ficar se lamentando. É ruim, claro. Se você pudesse, optaria por ter a xícara de café intacta em cima da mesa. Mas já que caiu, não adianta chorar sobre o café derramado. É arregaçar as mangas, aprender que a xícara se bota bem no meio da mesa, e não na borda onde pode cair, limpar a borra do café e pensar: “bom, o chão estava sujo mesmo, pelo menos vai ficar mais limpo agora.”

Isso não é da boca pra fora, é ciência! Pesquisadores da Universidade de Kent, nos EUA, pegaram mais de uma centena de estudantes voluntários e pediram que, por alguns dias, escrevessem as coisas ruins que aconteceram com eles, a forma como eles lidaram com a coisa ruim e o que sentiram depois. Os que desabafaram com amigos, extravasaram suas frustrações, se culparam ou tentaram negar o que aconteceu, acabaram se sentido pior depois. Do outro lado, os que tentaram aprender com o ocorrido e ver o lado bom da situação acabaram o dia mais felizes, contentes, alegres e sorridentes.

Além disso, ser mais positivo traz benefícios para a saúde, como a melhora do sistema imunológico e um menor risco de AVC, enquanto pessimistas têm mais tendência à depressão e pior desempenho no trabalho.

Não é difícil, podemos fazer nossa mente se acostumar com uma atitude mais positiva. E transformando nossas frustrações em aprendizado, tiramos lições importantes para evitar que os mesmos problemas aconteçam no futuro. Se você foi mal na prova da faculdade, é porque não estudou direito, certo? Então do que adianta ficar estressado e reclamando? Arregace as mangas, estude mais para a próxima e bola pra frente.

O copo está sempre meio cheio, só depende de você enxergar.

*Pedro Silveira

Não tenha medo de abrir mão do que você quer para viver o que Deus quer para você

Deus só pode agir naquilo em que O deixamos trabalhar. Às vezes, saímos feridos de um relacionamento, tão machucados, que achamos que o “o a...