sexta-feira, 31 de janeiro de 2014

Esopo e a língua


Esopo era um escravo de rara inteligência que servia à casa de um conhecido chefe militar da antiga Grécia.

Certo dia, em que seu patrão conversava com outro companheiro sobre os males e as virtudes do mundo, Esopo foi chamado a dar sua opinião sobre o assunto, ao que respondeu seguramente:

- Tenho a mais absoluta certeza de que a maior virtude da terra está à venda no mercado.

- Como? Perguntou o amo surpreso. Tens certeza do que está falando? Como podes afirmar tal coisa?

- Não só afirmo, como, se meu amo permitir, irei até lá e trarei a maior virtude da terra.

Com a devida autorização do amo, saiu Esopo e, dali a alguns minutos voltou carregando um pequeno embrulho.

Ao abrir o pacote, o velho chefe encontrou vários pedaços de língua, e, enfurecido, deu ao escravo uma chance para explicar-se.

- Meu amo, não vos enganei, retrucou Esopo.

- A língua é, realmente, a maior das virtudes. Com ela podemos consolar, ensinar, esclarecer, aliviar e conduzir.

- Pela língua os ensinamentos dos filósofos são divulgados, os conceitos religiosos são espalhados, as obras dos poetas se tornam conhecidas de todos.

- Acaso podeis negar essas verdades, meu amo?

- Boa, meu caro, retrucou o amigo do amo. Já que és desembaraçado, que tal trazer-me agora o pior vício do mundo.

- É perfeitamente possível, senhor, e com nova autorização de meu amo, irei novamente ao mercado e de lá trarei o pior vício de toda terra.

Concedida a permissão, Esopo saiu novamente e dali a alguns minutos voltava com outro pacote semelhante ao primeiro.

Ao abri-lo, os amigos encontraram novamente pedaços de língua. Desapontados, interrogaram o escravo e obtiveram dele surpreendente resposta:

- Por que vos admirais de minha escolha?

- Do mesmo modo que a língua, bem utilizada, se converte numa sublime virtude, quando relegada a planos inferiores se transforma no pior dos vícios.

- Através dela tecem-se as intrigas e as violências verbais. Através dela, as verdades mais santas, por ela mesma ensinadas, podem ser corrompidas e apresentadas como anedotas vulgares e sem sentido.

- Através da língua, estabelecem-se as discussões infrutíferas, os desentendimentos prolongados e as confusões populares que levam ao desequilíbrio social.

- Acaso podeis refutar o que digo? Indagou Esopo.

Impressionados com a inteligência invulgar do serviçal, ambos os senhores calaram-se, comovidos, e o velho chefe, no mesmo instante, reconhecendo o disparate que era ter um homem tão sábio como escravo, deu-lhe a liberdade.

Esopo aceitou a libertação e tornou-se, mais tarde, um contador de fábulas muito conhecido da Antigüidade e cujas histórias até hoje se espalham por todo mundo.


“Quando falar, cuide para que suas palavras sejam melhores do que o silêncio”.

quinta-feira, 30 de janeiro de 2014

Você não está aqui por acaso

Sei, por tudo que já pesquisei, que você não está aqui por acaso.
Há quem pense diferente, mas vou pôr aqui as conclusões a que cheguei até agora.
Você não está aqui por acaso.

Deus Tem missões, planos e propósitos para você.
Quais? Parte do que a vida tem de interessante é justamente descobrir as respostas para estas perguntas.

Aproveite isso enquanto vive: parte da graça é justamente o mistério e a busca.

Ninguém gosta de romance ou aventura cujo final já se sabe. Quando muito, vale saber: é uma história que pode acabar bem. Final feliz, depois de peripécias, erros, acertos... Aventura, Enfim.

Nunca se esqueça: Deus tem prazer em sua alegria e em você estar bem.

E ele dá para você fôlego de vida para ir viver a sua história. Todos temos desafios a superar . Você já sabe alguns dos quais a vida reservou para você. Você descobrirá outros desafios à medida em que for vivendo. Assim como descobrirá novas coisas e alegrias. Esta é a natureza da grande jornada.

Espero poder ser útil a você em alguma coisa daqui em diante. Mas nunca se esqueça: vc é quem deve ser o grande protagonista da sua história!


Eu posso dizer, como disse no meu livro predileto, A Última Carta, que já decidi que estou aqui para três coisas:

Aprender
Servir
Sentir prazer

Estou trabalhando nisso. E você, no que anda pondo sua inteligência e energia?

Por *Willliam Douglas

quarta-feira, 29 de janeiro de 2014

Alô, Alô Marciano!

Dizem que homem não sofre por amor...
Que já não choram os homens pela mulher amada...
Que somos alienígenas e que nossos corações foram substituídos por uma fabrica de hormônios que destila testosterona á todo vapor...

Já ouvir dizer que nosso cérebro só existem 4 neurônios, que fazem 4 tarefas distintas:

O primeiro, é responsável por falar de futebol, o segundo por pensar em comida, o terceiro em carro e o quarto em sexo!

Não sei, mais acho que viramos a pior espécie de seres vivos, alguns de nossa 'espécie' são verdadeiros monstros, indelicados, incapazes de lembrar do aniversário de casamento ou de namoro e totalmente aptos para lembrar do dia em que o corinthans foi rebaixado... 
 
São tantas coisas que muita gente já andou ganhando dinheiro por escrever livros sobre "nós" os Machos, eretos, Homens com "H" maiúsculo, valentões!
Ah,bobagem! Não acreditem em tudo que vocês ouvem!

De certo, como é difícil de não acreditar em tudo que nos falam, acabei acreditando de que faço parte não mais de um grupo de seres humanos do sexo masculino, mas de um grupo de extraterrestre que foram raptados por um objeto voador não identificado do planeta chamado "Machismo"... 
 
Nós fomos abdicados pelos habitantes desse tal planeta ai fora do sistema solar que a muito tempo dominou a terra e que operou uma lavagem cerebral de que o homem é machão, não veste roupa cor de rosa, não ajuda a esposa a troca a frauda, não cozinha, não pode amar, não pode escrever uma poesia para a namorada, nem dizer que chorou de amor, que ele não pode ser submisso a esposa, somos os machões, super-homens cheio de muito desejo transbordante e incontrolável, e pouco amor, bondade, tolerância, compaixão, compreensão, inteligência, dependência... 
 
Nos tornamos um saco de hormônios que só quer carros, dinheiro e sexo.
 
Me poupe mais a vida não é isso... O mundo hoje está cada vez mais superficial, tantos problemas que acontecem todos os dias e todos acorrentados a coisas mínimas...

Precisa-se descobrir o valor do amor, do homem e da mulher, como se descobriram muitas coisas e tecnologias essenciais... talvez com tantas descobertas a mais importante foi esquecida... a descoberta do amor ao próximo, seja homem ou mulher!

terça-feira, 28 de janeiro de 2014

O cavalo e o fazendeiro

Um dia, o cavalo de um camponês caiu num poço. Não chegou a se ferir, mas não podia sair dali por conta própria. Por isso o animal chorou fortemente durante horas, enquanto o camponês pensava no que fazer.

Finalmente, o camponês tomou uma decisão cruel: concluiu que já que o cavalo estava muito velho e que o poço estava mesmo seco, precisaria ser tapado de alguma forma. Portanto, não valia a pena se esforçar para tirar o cavalo de dentro do poço. Ao contrário, chamou seus vizinhos para ajudá-lo a enterrar vivo o animal.

Cada um deles pegou uma pá e começou a jogar terra dentro do poço. O cavalo não tardou a se dar conta do que estavam fazendo com ele e chorou desesperadamente.

Porém, para surpresa de todos, o cavalo aquietou-se depois de umas quantas pás de terra que levou. O camponês finalmente olhou para o fundo do poço e se surpreendeu com o que viu.

A cada pá de terra que caía sobre suas costas o cavalo a sacudia, dando um passo sobre esta mesma terra que caía ao chão. Assim, em pouco tempo, todos viram como o cavalo conseguiu chegar até a boca do poço, passar por cima da borda e sair dali trotando.

A vida vai te jogar muita terra nas costas. Principalmente se você já estiver dentro de um poço. O segredo para sair do poço é sacudir a terra que se leva nas costas e dar um passo sobre ela.

Cada um de nossos problemas é um degrau que nos conduz para cima. Podemos sair dos mais profundos buracos se não nos dermos por vencidos. Use a terra que te jogam para seguir adiante!

Recorde-se das cinco regras para ser feliz:

1- Liberte o seu coração do ódio.

2- Liberte a sua mente das preocupações.

3- Simplifique a sua vida.

4- Dê mais e espere menos.

5- Ame-se mais e aceite a terra que lhe jogam. Ela pode ser a solução, não o problema.

“É graça divina começar bem. Graça maior persistir na caminhada certa. Mas graça das graças é não desistir nunca”.
Dom Hélder Câmara

segunda-feira, 27 de janeiro de 2014

Compartilhar

Gostaria de fazer um pedido a você que acessa o nosso blog.
Que você compartilhasse o mesmo com seus amigos nas redes sociais 
Das quais você faz parte. Vai ser legal que outras pessoas tenham acesso 
As mensagens e que possamos popularizar um pouco mais nosso blog.
Obrigado, Cesar Brito

Onde está você?

Onde está você com seus pensamentos, neste momento?
Será que está presente na conversa com os amigos, ou está longe, viajando por lugares distantes?
Onde está sua felicidade agora?
Será que está junto de você, ou está longe, em objetos distantes, em pessoas que se foram, em bens materiais que você ainda não tem?
Onde está seu sorriso agora?
Está em seu rosto, estampando a sua alegria e confiança na vida?
Ou será que foi levado por alguém que não está mais aqui?
Será que seu sorriso ainda depende dos outros?
Onde está a sua vontade de viver, agora?
Está aí mesmo, dentro de você, chamando-o, a cada minuto, para as oportunidades, para viver os dias, ou está nas mãos de outras pessoas, e você está perdido sem saber para onde ir?
Quem é o dono da sua vida, da sua vontade e da sua motivação?
O que você precisa para ser feliz agora?
Um emprego? Será que você não consegue procurar um pouco mais? Quem sabe mudar os rumos? Ou procurar em lugares onde você nunca havia procurado antes?
Não coloque para si mesmo obstáculos demais!
Será que a felicidade está apenas na conquista de um emprego?
Talvez você precise de um amor.
Então cultive novas amizades! Lembre-se de que a amizade é a fonte do amor verdadeiro!
Procure se aproximar mais das pessoas, quem sabe!
Antes de querer ser amado, ame!
Onde está seu Deus agora?
Será que você já O descobriu dentro de você?
Será que você já O descobriu nas Leis maravilhosas que regem o Universo?
Na proteção que recebemos, nas chances, nos encontros, nas bênçãos da vida?
Será que você já O descobriu nas estrelas, nos mares, nos ventos, no perfume das flores?
Onde está você agora?
No curso mais seguro da vida, tendo sua embarcação sob controle? Ou está à deriva, distraído pelas ilusões que encrespam o oceano todos os dias?
Onde está você agora?
Buscando um sentido maior para tudo, buscando o crescimento espiritual, ou está preocupado com coisas tão pequenas, incomodado com problemas tão simples?
É tempo de saber onde realmente estamos.
É tempo de repensar muitas coisas, de dar um novo sentido a tudo, de redescobrir as coisas mais simples e possíveis, e recriar a vida, colocando-a em seu curso seguro.
Como nos ensinou o Mestre de Nazaré, onde estiver seu tesouro, aí estará também o seu coração.

Por vezes, nossos olhares se perdem no espaço à procura de algo que se encontra bem perto de nós.
Outras vezes, permitimos que nosso sorriso siga atrelado ao passo de alguém que se afasta de nós...
Nossa alegria, tantas vezes, perde a força por causa de algo insignificante.
Às vezes, permitimos que a nossa vontade de viver se enfraqueça, vencida pelas ilusões e fantasias...
No entanto, para que não deixemos de viver o momento, intensamente, é preciso prestar atenção nas horas, no agora, no hoje, para que não deixemos escapar as mais excelentes oportunidades de construir nossa felicidade duradoura.

Pensemos nisso!

sexta-feira, 24 de janeiro de 2014

Uma vida mecânica

O que acontece quando os problemas desaparecem? Podemos agora usufruir da vida, saborear tudo de bom que nos aparece?
Muitas vezes, quando os problemas deixam de nos atormentar, ficamos prostrados, desmotivados, uma vida mecânica, sem sentido. O que está acontecendo? Fomos esgotados pelos problemas, a nossa energia foi toda gasta?
Na verdade, acontece que passamos muito tempo no piloto automático, vivendo uma vida sem sentido, correndo atrás do prejuízo, e quando a tempestade passa, fica difícil encontrar o caminho.
Temos que procurar sentido na vida, abandonar o círculo vicioso do acordar, vegetar e dormir.
Temos que agregar experiências positivas, trazê-las para dentro do nosso rol de coisas boas para serem rememoradas.
Olhar para a vida e sentir um vazio, nos remete para a urgência de saber o que nos dá sentido, aquilo que está na prioridade do nosso coração.
Isso também significa descer da esteira hedônica, interrompendo o vício infrutífero de correr atrás de coisas materiais, status social e prestígio.
Não devemos fazer isso somente quando o vazio nos atinge. Temos que ter isso como um dogma, um mandamento, e assim podemos ser feliz genuinamente.
Uma vida mecânica pode nos levar de um ponto a outro, assim como saímos do Rio e chegamos a São Paulo – tão simples assim. Não devemos contar que isso vai nos fazer mais felizes.
A felicidade exige mais do que isso.
É preciso olhar para dentro de si, sacar as forças e virtudes que estão ora adormecidos e coloca-los todos, a serviço da própria felicidade.
Ser feliz deve ser uma prioridade indiscutível, e o elenco de pensamentos, atitudes e ações para que isso seja possível é enorme. Faça o que tem que ser feito.
Reflita do fundo do coração. Seja honesto consigo mesmo.
Não sinta falta dos problemas depois que eles passarem. Não sinta saudades dos seus algozes.
Cuide da sua felicidade. Saia do piloto automático, do contrário, quando a tempestade passar, você vai estar tão cego que vai pedir para vir outra tempestade.
R.S. Beco

quinta-feira, 23 de janeiro de 2014

Filhos são do mundo

Devemos criar os filhos para o mundo.

Torná-los autônomos, libertos, até de nossas ordens.

A partir de certa idade, só valem conselhos.

Especialistas ensinaram-nos a acreditar que só esta postura torna adulto aquele bebê que um dia levamos na barriga.

E a maioria de nós, pais ,acredita e tenta fazer isso.

O que não nos impede de sofrer quando fazem escolhas diferentes daquelas que gostaríamos ou quando eles próprios sofrem pelas escolhas que recomendamos.

Então, filho é um ser que nos emprestaram para um curso intensivo de como amar alguém além de nós mesmos, de como mudar nossos piores defeitos para darmos os melhores exemplos e de aprendermos a ter coragem.

Isto mesmo!

Ser pai ou mãe é o maior ato de coragem que alguém pode ter, porque é se expor a todo tipo de dor, principalmente da incerteza de estar agindo corretamente e do medo de de perder algo tão amado.

Perder?

Como?

Não é nosso, recordam-se?

Foi apenas um empréstimo!

Então, de quem são nossos filhos?

Eu acredito que são de Deus, mas, com respeito aos ateus, digamos que são deles próprios, donos de suas vidas.

Porém, um tempo precisaram ser dependentes dos pais para crescerem, biológica, sociológica, psicológica e emocionalmente.

E o meu sentimento, a minha dedicação, o meu investimento?

Não deveriam retornar em sorrisos, orgulho, netos e amparo na velhice?

Pensar assim é entender os filhos como nossos e eles, não se esqueçam, são do mundo.

Volto para casa ao fim do plantão, início de férias, mais tempo para os filhos.

Olho meus pequenos pimpolhos e penso como seria bom se não fossem apenas um empréstimo!

Mas é.

Eles são do mundo.

O problema é que meu coração já é deles.

Santo anjo do Senhor...

É a mais concreta realidade. Só resta a nós, mães e pais, rezar e aproveitar todos os momentos possíveis ao lado das nossas "crias", que mesmo sendo 'emprestadas' são a maior parte de nós.

Por* José Saramago (1922 – 2010)

quarta-feira, 22 de janeiro de 2014

Compartilhe

Gostaria de fazer um pedido a você que acessa o nosso blog.
Que você compartilhasse o mesmo com seus amigos nas redes sociais 
Das quais você faz parte. Vai ser legal que outras pessoas tenham acesso 
As mensagens e que possamos popularizar um pouco mais nosso blog.
Obrigado, Cesar Brito

Confie no Amor

Porque não consigo?  Porque é tão difícil assim te esquecer?
A cada hora que passa tudo o que sinto por você aumenta de uma forma tão surreal, queria tanto ter forças pra arrancar, apagar e matar qualquer coisa sua que ainda esteja aqui, mas não consigo apenas amassar e jogar no lixo tudo aquilo que passamos juntos, não consigo apenas fingir que você não existe, não consigo pagar as lembranças suas que estão cada vez mais reais na minha vida. 

Sim, perdi meu chão, perdi meu sentido de viver, só seu sorriso era o que me deixava bem e agora onde ele está? Não vejo mais o brilho do sol, pois só do seu lado minha vida foi colorida, sinto tanto sua falta.

Quando o destino escreve nas estrelas, não importa o que aconteça, não importa quanto tempo demore, não importa se tudo mudou, não importa se caminhos diferentes seguimos, sempre vamos encontrar um retorno e sem que nós percebamos voltaremos e nos reencontraremos, pois quando ta escrito nas estrelas, nenhum mero mortal ou qualquer outra coisa consegue apagar, se for pra ser, se nossa vida está ligada e está laçada no mesmo futuro, não importa o que aconteça um dia iremos se reencontrar e faremos o nosso destino se realizar. 


Deixe que a vida lhe guie, ela saberá exatamente onde te levar, ela saberá exatamente onde está cada coisa e ela te levará onde sua historia está escrita, ela te levará onde seu destino foi ligado e só o tempo te mostrará o caminho certo a seguir e o retorno que deverá percorrer, confie em você, confie no amor, ele sempre te guiará para o caminho certo.

terça-feira, 21 de janeiro de 2014

As palavras certas

O que dizer para alguém que nos diz que está com câncer? Para muitos, câncer é sinônimo de morte. Às vezes, isso é verdade. Mas não sempre.
De toda forma, o câncer é enfermidade que assusta. O enfermo, a família, os amigos, os colegas de trabalho. E é justamente, nesse momento, quando a pessoa que recebeu o diagnóstico está tentando administrar a questão, em sua mente, que os amigos, colegas, familiares, por vezes, dizem o que não devem.
Alguns começam a tentar descobrir a causa. Se é uma mulher a portadora da enfermidade, dizem que ela não amamentou, e por isso está com câncer no seio. Ou porque trabalhou demais. Ou até porque reprimiu a sua raiva.
Se for um fumante, não faltam os que, indelicados, passam a dar lições de moral.
Nem podia esperar outra coisa! Da forma que fumou a vida toda! Eu não falei? Eu não avisei?
Convenhamos que a pessoa já está colhendo os amargos frutos da sua atitude, portanto, não necessita de carga maior a lhe pesar sobre os ombros.
Existem algumas fórmulas dignas de abordar a questão, tanto quanto auxiliar a quem está padecendo cirurgia, radioterapia, quimioterapia, exames e mais exames e possivelmente pensa, sim, na possibilidade de morrer a breve tempo.
Assim, se souber por terceiros do diagnóstico de amigo ou conhecido, telefone logo. Oferte sua ajuda. Mas seja específico. Não diga simplesmente: se precisar, telefone ou já sabe, estou às ordens.
Ofereça-se para levar o amigo ao hospital. Ou para ficar com as suas crianças em sua casa, uma ou outra vez.
Vá ao mercado, à feira, faça as compras. Pergunte se não precisa de companhia, e a que horas.
Quem sabe possa segurar sua mão enquanto ele aguarda na sala de espera, por mais uma consulta?
Leve revistas alegres, descontraídas. Revistas que falem de viagens, mostrem lindas paisagens, ensinem decorar a casa, plantar flores. Tudo, enfim, que revele beleza, leveza.
Não aumente as dores do enfermo, contando as suas próprias dores e nem diga: se fosse eu, jamais suportaria isso.
Seja sempre o portador do bom ânimo. Ofereça-se para orarem juntos, lerem uma página edificante que robusteça o ânimo.
Fale a respeito de Deus, da esperança, do otimismo. Também da imortalidade, da vida que nunca acaba.
Lembre de comprar um presente. Não livros sobre a doença. Mas pequenos mimos que possam ser portadores de alegria ao doente.
Pode se oferecer para servir de contato entre ele e as demais pessoas que desejam saber notícias, evitando que tenha que repetir as mesmas coisas, a cada um que telefona.
Em resumo, pense nas necessidades da pessoa. Coloque-se no lugar dela. Se fosse você o enfermo, como gostaria de ser tratado? O que gostaria que lhe dissessem?
Pense que o doente é uma pessoa que tem sentimentos. E, normalmente, está em um estado de maior sensibilidade, fragilizada e desejosa de apoio.
*   *   *
Ante a enfermidade que atinge a uns e outros, não fique a indagar de causas. Pense em auxiliar.
Não se transforme em dono da vida do enfermo. Permita-lhe usufruir das pequenas coisas que ele deseja e o irão fazer feliz: um pequeno passeio, um banho de sol, um programa de TV, quiçá, aquela comida especial de que tanto gosta!
O amigo na enfermidade é sempre o que incentiva, alegra, sustenta e permanece fiel.

segunda-feira, 20 de janeiro de 2014

A dor do abandono

Era uma manhã de sol quente e céu azul quando o humilde caixão contendo um corpo sem vida foi baixado à sepultura.

De quem se trata? Quase ninguém sabe.

Muita gente acompanhando o féretro? Não. Apenas umas poucas pessoas.

Ninguém chora. Ninguém sentirá a falta dela. Ninguém para dizer adeus ou até breve.

Logo depois que o corpo desocupou o quarto singelo do asilo, onde aquela mulher havia passado boa parte da sua vida, a moça responsável pela limpeza encontrou em uma gaveta ao lado da cama, algumas anotações.

Eram anotações sobre a dor...

Sobre a dor que alguém sentiu por ter sido abandonada pela família num lar para idosos...

Talvez o sofrimento fosse muito maior, mas as palavras só permitem extravasar uma parte desse sentimento, grafado em algumas frases:

Onde andarão meus filhos?

Aquelas crianças ridentes que embalei em meu colo, alimentei com meu leite, cuidei com tanto desvelo, onde estarão?

Estarão tão ocupadas, talvez, que não possam me visitar, ao menos para dizer olá, mamãe?

Ah! Se eles soubessem como é triste sentir a dor do abandono... A mais deprimente solidão...

Se ao menos eu pudesse andar... Mas dependo das mãos generosas dessas moças que me levam todos os dias para tomar sol no jardim... Jardim que já conheço como a palma da minha mão.

Os anos passam e meus filhos não entram por aquela porta, de braços abertos, para me envolver com carinho...

Os dias passam... e com eles a esperança se vai...

No começo, a esperança me alimentava, ou eu a alimentava, não sei...

Mas, agora... como esquecer que fui esquecida?

Como engolir esse nó que teima em ficar em minha garganta, dia após dia?

Todas as lágrimas que chorei não foram suficientes para desfaze-lo.

Sinto que o crepúsculo desta existência se aproxima...

Queria saber dos meus filhos... dos meus netos...

Será que ao menos se lembram de mim?

A esperança, agora, parece estar atrelada aos minutos... que a arrastam sem misericórdia... para longe de mim.

Às vezes, em meus sonhos, vejo um lindo jardim...

É um jardim diferente, que transcende os muros deste albergue e se abre em caminhos floridos que levam a outra realidade, onde braços afetuosos me esperam com amor e alegria...

Mas, quando eu acordo, é a minha realidade que eu vejo... que eu vivo... que eu sinto...

Um dia alguém me disse que a vida não se acaba num túmulo escuro e silencioso. E esse alguém voltou para provar isso, mesmo depois de ter sido crucificado e sepultado...

E essa é a única esperança que me resta...

Sinto que a minha hora está chegando...

Depois que eu partir, gostaria que alguém encontrasse essas minhas anotações e as divulgasse.

E que elas pudessem tocar os corações dos filhos que internam seus pais em asilos, e jamais os visitam...

Que eles possam saber um pouco sobre a dor de alguém que sente o que é ser abandonado...

sexta-feira, 17 de janeiro de 2014

O Átomo e o preconceito

Conta-se que um grupo de cientistas colocou cinco macacos numa jaula, uma escada no centro e, sobre ela, um cacho de bananas.
Quando um macaco subia a escada para apanhar as bananas, os cientistas lançavam um jato de água fria nos que estavam no chão.
Depois de certo tempo, quando um macaco ia subir a escada, os outros batiam nele.

Passado mais algum tempo, nenhum macaco subia a escada, apesar da tentação das bananas.
Então os cientistas substituíram um dos cinco macacos.
A primeira coisa que ele fez foi subir a escada, dela sendo rapidamente retirado pelos outros, que o surraram.
Depois de algumas surras, o novo integrante do grupo não mais subia a escada.
Um segundo macaco foi substituído, e o mesmo ocorreu, tendo o primeiro substituto participado, com entusiasmo, da surra ao novato.
Um terceiro foi trocado, e repetiu-se o fato.
Um quarto e, finalmente, o último dos veteranos foi substituído.
Os cientistas ficaram, então, com cinco macacos que, mesmo nunca tendo tomado um banho frio, continuavam batendo naquele que tentasse chegar às bananas.
Se caso fosse possível perguntar a algum deles porque batiam em quem tentasse subir a escada, com certeza a resposta seria: Não sei, as coisas sempre foram assim por aqui!

É dessa forma que vemos a Humanidade agindo, no que diz respeito aos preconceitos.
Herdamos valores do passado sem questioná-los, sem pensar sobre sua validade, sobre seu conteúdo.

O grande Albert Einstein, certa feita disse: Triste época esta, em que é mais fácil desintegrar um átomo do que um preconceito.

Em seus pensamentos, com toda certeza, fulgurava essa dificuldade que tem o homem de se libertar de sua ignorância, de agir de acordo com a racionalidade, e não conforme as convenções descabidas.
Por isso, conceituamos antecipadamente muitas coisas, como uma raça, uma religião, uma profissão, uma opção de vida, uma pessoa.
Escondemo-nos na ideia de que sempre foi assim, escapando de ter que pensar, de ter que mudar.
Nesse momento, chegamos bem próximos das atitudes dos animais, que agem apenas por instinto, e se encontram na primitividade da evolução terrena.
O homem moderno precisa urgentemente rever seus valores.
O homem do novo século necessita derrubar antigos conceitos e abrir sua mente para as verdades novas que lhe chegam.
Juntamente com a importantíssima evolução do intelecto, que nos possibilitou dividir o átomo, precisamos cuidar também do crescimento ético, do desenvolvimento espiritual que nos fará, finalmente, livres dos preconceitos, que até hoje na História do Mundo, só trouxeram a espada, a divisão, o sofrimento.

Quantas das guerras modernas ainda são resultado de preconceitos antigos!
Quantos sentimentos de ódio por outras raças, por outras crenças, responsabilizando milhões, pelos erros passados de alguns poucos!
Quantos dias, anos, décadas, séculos, ainda faltam para compreender que somos todos irmãos, que temos todos o mesmo objetivo, e que não precisamos competir, e sim buscar a união para sermos felizes?
Pensemos nisso.

quinta-feira, 16 de janeiro de 2014

O Menestrel


Depois de algum tempo você aprende a diferença, a sutil diferença entre dar a mão e acorrentar uma alma. E você aprende que amar não significa apoiar-se. E que companhia nem sempre significa segurança. Começa a aprender que beijos não são contratos e que presentes não são promessas.

Começa a aceitar suas derrotas com a cabeça erguida e olhos adiante, com a graça de um adulto e não com a tristeza de uma criança.
Aprende a construir todas as suas estradas no hoje, porque o terreno do amanhã é incerto demais para os planos, e o futuro tem o costume de cair em meio ao vão.

Depois de um tempo você aprende que o sol queima se ficar exposto por muito tempo.
E aprende que, não importa o quanto você se importe, algumas pessoas simplesmente não se importam… E aceita que não importa quão boa seja uma pessoa, ela vai feri-lo de vez em quando e você precisa perdoá-la por isso. 
 
Aprende que falar pode aliviar dores emocionais.
Descobre que se leva anos para construir confiança e apenas segundos para destruí-la…
E que você pode fazer coisas em um instante das quais se arrependerá pelo resto da vida. Aprende que verdadeiras amizades continuam a crescer mesmo a longas distâncias.
E o que importa não é o que você tem na vida, mas quem você tem na vida.
E que bons amigos são a família que nos permitiram escolher.

Aprende que não temos de mudar de amigos se compreendemos que os amigos mudam…
Percebe que seu melhor amigo e você podem fazer qualquer coisa, ou nada, e terem bons momentos juntos. Descobre que as pessoas com quem você mais se importa na vida são tomadas de você muito depressa… por isso sempre devemos deixar as pessoas que amamos com palavras amorosas; pode ser a última vez que as vejamos. Aprende que as circunstâncias e os ambientes têm influência sobre nós, mas nós somos responsáveis por nós mesmos. Começa a aprender que não se deve comparar com os outros, mas com o melhor que pode ser.

Descobre que se leva muito tempo para se tornar a pessoa que quer ser, e que o tempo é curto. Aprende que não importa onde já chegou, mas para onde está indo… mas, se você não sabe para onde está indo, qualquer caminho serve.
Aprende que, ou você controla seus atos, ou eles o controlarão… e que ser flexível não significa ser fraco, ou não ter personalidade, pois não importa quão delicada e frágil seja uma situação, sempre existem, pelo menos, dois lados. Aprende que heróis são pessoas que fizeram o que era necessário fazer, enfrentando as conseqüências. Aprende que paciência requer muita prática.

Descobre que algumas vezes a pessoa que você espera que o chute quando você cai é uma das poucas que o ajudam a levantar-se. Aprende que maturidade tem mais a ver com os tipos de experiência que se teve e o que você aprendeu com elas do que com quantos aniversários você celebrou. Aprende que há mais dos seus pais em você do que você supunha.
Aprende que nunca se deve dizer a uma criança que sonhos são bobagens…
Poucas coisas são tão humilhantes e seria uma tragédia se ela acreditasse nisso.

Aprende que quando está com raiva tem o direito de estar com raiva, mas isso não te dá o direito de ser cruel. Descobre que só porque alguém não o ama do jeito que você quer que ame não significa que esse alguém não o ama com tudo o que pode, pois existem pessoas que nos amam, mas simplesmente não sabem como demonstrar ou viver isso.
Aprende que nem sempre é suficiente ser perdoado por alguém…
Algumas vezes você tem de aprender a perdoar a si mesmo.

Aprende que com a mesma severidade com que julga, você será em algum momento condenado.Aprende que não importa em quantos pedaços seu coração foi partido, o mundo não pára para que você o conserte. Aprende que o tempo não é algo que possa voltar.
Portanto, plante seu jardim e decore sua alma, em vez de esperar que alguém lhe traga flores.
E você aprende que realmente pode suportar… que realmente é forte, e que pode ir muito mais longe depois de pensar que não se pode mais. E que realmente a vida tem valor e que você tem valor diante da vida! Nossas dúvidas são traidoras e nos fazem perder o bem que poderíamos conquistar se não fosse o medo de tentar.
 
*  William Shakespeare

quarta-feira, 15 de janeiro de 2014

Nem todo homem é jardineiro

Um dia as flores descobriram que podiam se deixar levar pelo vento. Descobriram que eram fortes e que tinham direito de viver. O mundo então mudou.

Antes, dominadas pela sociedade machista e convencidas que a melhor maneira de viver era seguir a maré, as mulheres calavam-se. Fingiam felicidade, fingiam prazer. As que encontravam marido deviam dar-se por satisfeitas. E davam-se. 


O segredo de tantos casamentos durarem muitos anos antigamente não é o amor que era mais puro e forte, mas a situação da mulher que, dependente financeira e emocionalmente do marido, não ousava. Não dizia o que pensava realmente, não exteriorizava o que sentia. As mulheres foram preparadas para servir, os homens para serem servidos. Tanto que parte e outra aceitavam, o mundo caminhava e os casamentos iam adiante.


Mas aos poucos a sociedade foi mudando. E as mulheres foram revelando-se. Descobriram-se vivas. Descobriram que podem dizer não e sim: não a uma vida monótona e que não realiza; descobriram que são capazes de produzir, criar. Descobriram que podem escolher e escolhem. Escolhem mudar de vida, de caminho, de direção.


Jardineiros nem sempre cuidadosos, muitos homens não percebem que a mulher é uma flor. Uma flor serena ficará para sempre no jardim onde foi plantada; somente as que encontram vazio diante de si deixam-se cativar por diferentes horizontes. 


Um bom jardineiro sabe que uma flor precisa de sol, atenção, cuidados especiais. Um bom jardineiro cativa, cultiva, tem cuidado, poda quando preciso, mas sempre fazendo atenção para não destruir, porque ele sabe que quando a primavera chega a sua flor dará o melhor de si.

* Por - © Letícia Thompson

terça-feira, 14 de janeiro de 2014

A Pedra

O distraído nela tropeçou...

O bruto a usou como projétil.

O empreendedor, usando-a, construiu.

O camponês, cansado da lida, dela fez assento.

Para meninos, foi brinquedo.

Drummond a poetizou.

Já, Davi, matou Golias.

E Michelangelo extraiu-lhe a mais bela escultura...

E em todos esses casos, a diferença não esteve na pedra, mas no homem!

Não existe "pedra" no seu caminho que você não possa aproveitá-la para o seu próprio crescimento.

Independente do tamanho das pedras, no decorrer de sua vida.

Não existirá uma, que você não possa aproveitá-la para seu crescimento espiritual.

Quanto a sua pedra atual.

Tenho certeza que Deus irá te dar sabedoria.

Para mais tarde você olhar para ela...

E ter orgulho da maravilhosa experiência que causou em sua vida.

No seu crescimento espiritual.

segunda-feira, 13 de janeiro de 2014

Vencer Ou Perder



Já fazia algum tempo, que eu não assistia a um jogo de futebol ao vivo.
Chegando ao estádio, a agitação da torcida, os gritos e aplausos transmitiam intensas emoções. Sentado na arquibancada, antes de iniciar o jogo, por alguns momentos imaginei a relação existente entre um time de futebol e o ambiente corporativo. 

A entrada dos atletas no campo

Muita comemoração na entrada dos jogadores ao campo, com faixas, papel picado, aplausos, buzina e festa. Pare durante alguns segundos para refletir, como seus funcionários são recebidos na segunda-feira. O que você está fazendo para inspirar e motivar um novo integrante da equipe? O que você faz para comemorar o aniversário de um funcionário? 
 
Com base na minha experiência na área comportamental, convido você a fazer um teste que consiste em preparar uma recepção para quem está voltando de férias.
Transforme o retorno ao trabalho em algo gratificante e estimulante. Vamos tentar? 
 
O momento do gol 
 
Realmente é algo indescritível sentir a torcida no estádio levantar eufórica ao comemorar um gol. O atleta pula e grita com a torcida, celebrando sua competência.
Um sinal de vitória que na vivência operacional, muitas vezes é esquecida.
Um vendedor conquista uma meta e o gerente diz: "Não fez mais que a obrigação". Mas qual era a obrigação da gerência? Quantas vezes você reuniu a equipe para comemorar uma vitória? Lembre que a ausência de reconhecimento pode ser capaz de gerar desmotivação e a falta de comprometimento. 
 
Ataque e defesa permanente 
 
Quando sua equipe conquista um triunfo, você também é uma pessoa vitoriosa.
O individualismo cede espaço ao trabalho coletivo.
De que adianta contar com uma equipe de vendas excelentes, se o setor de logística apresenta resultados insatisfatórios?
Em uma escola não adianta dispor de excelentes professores, se na secretaria o aluno recebe um péssimo atendimento.  O ataque é importante para marcar gol, mas deve existir uma defesa permanente para coibir a derrota. 

Nenhuma torcida vai ao estádio para assistir o time perder.
Próximo ou distante, há alguém torcendo para você conquistar o melhor posicionamento, receber o passe, dominar a bola e marcar o gol da vitória.
Transformar o suor em troféu não é uma tarefa fácil. 

Muitas pessoas pensam que é somente jogar e, esquecem a relevância do treinamento.
Ao término do jogo, os atletas precisam rever seus pontos negativos e aprimorar os pontos positivos. Isso somente é possível com treinamento, diálogo e troca de experiências.
Quando apresento palestra para empresários, gosto de enfatizar que "vencer não é sorte.
Vencer é se comprometer com o sucesso que você quer alcançar".
Qual é o resultado que você deseja para você e sua equipe?... 

* Por Dalmir Sant Anna

sexta-feira, 10 de janeiro de 2014

Oração de uma criança

Certa vez, uma mãe viu seu filhinho sentado em um canto da sala, recitando alto as letras do alfabeto: a, b, c, d, e, f, g... Intrigada, ela se aproximou e lhe perguntou: filho, o que você está fazendo?

Mamãe, você me disse para eu orar sempre a Deus. Acontece que eu não sei como fazer. Então resolvi ir dizendo o alfabeto inteiro para Deus, pedindo que faça uma boa oração com essas letras.


O fato poderia ser tomado como uma dessas coisas de criança se não houvesse tanta fé na simplicidade do gesto. Simplicidade que esquecemos muitas vezes.

Quantas vezes dizemos que não sabemos orar ou como nos dirigir ao criador. Chegamos a pedir a outros que orem por nós, pelas nossas necessidades, pelos nossos afetos, porque não sabemos como orar.

E é tão simples. Orar é dialogar com quem é o maior responsável pela nossa vida, por tudo que somos, desde que nos originamos da sua vontade: Deus.

Não há necessidade de palavras difíceis, rebuscadas ou decoradas. A oração deve ser espontânea, gerada pela necessidade do momento. Ou por um momento de intensa alegria, uma conquista concretizada, um objetivo alcançado.

Já nos ensinou o Mestre Galileu em seu tempo: não creiais que por muito falardes, sereis ouvidos. Não é pela multiplicidade das palavras que sereis atendidos.

E sabiamente ainda ensinou Jesus que se devia orar ao Pai em secreto. Portanto, existem muitas preces que nem chegam a ser proferidas. Explodem da alma para os céus sem que os lábios tomem parte, sem que as cordas vocais sejam acionadas.

Deus vê o que se passa no fundo dos corações. Lê o pensamento dos seus filhos.

A oração pode se tornar incessante em nossas vidas sem que haja necessidade de tomarmos qualquer postura especial. A prece pode ser de todos os instantes, sem nenhuma interrupção dos nossos trabalhos.

Pode consistir no ato de reconhecimento a Deus quando escapamos de um acidente que poderia ser fatal. Pode ser um momento de êxtase pela beleza do oceano que joga suas ondas contra as rochas, desejando arrebatá-las para o seu seio.

Ou, ainda, ante o espetáculo de cores do arco-íris após a tormenta que despetalou as rosas.

Sem fórmulas prontas, sem palavras encomendadas ou de difícil pronúncia.

Rogar, agradecer. Exatamente como a criança que ganha um brinquedo, pula no colo do pai, e diz sorrindo: obrigado, papai. Adorei.

Ou, quando, súplice, pede: papai, compra um sorvete? Ah, por favor. Compra, papai.

Singeleza, simplicidade. É assim que devemos dialogar com Deus, nosso Pai.

quinta-feira, 9 de janeiro de 2014

Coragem e ousadia

Era uma vez um riacho de águas cristalinas, muito bonito, que serpenteava entre as montanhas.
Em certo ponto de seu percurso, notou que à sua frente havia um pântano imundo, por onde deveria passar.

Olhou, então, para Deus e protestou:

Senhor, que castigo! Eu sou um riacho tão límpido, tão formoso, e o Senhor me obriga a atravessar um pântano sujo como este! Como faço agora? 

Deus então lhe respondeu: Isso depende da sua maneira de encarar o pântano. Se ficar com medo, você vai diminuir o ritmo de seu curso, dará voltas e, inevitavelmente, acabará misturando suas águas com as do pântano, o que o tornará igual a ele. 

Mas, se você o enfrentar com velocidade, com força, com decisão, suas águas se espalharão sobre ele. A umidade as transformará em gotas que formarão nuvens, e o vento levará essas nuvens em direção ao oceano.
Aí você se transformará em mar, realizando seu grande objetivo, seu grande sonho! 

Assim é a vida, diz-nos esta singela passagem.
Na maioria das vezes, quando as pessoas ficam assustadas, paralisadas, pesadas, tornam-se tensas e perdem a rapidez e a força.
É preciso entrar para valer nos projetos da vida, até que o rio se transforme em mar.
Há milhares de tesouros guardados em lugares onde precisamos ir para os descobrir. Há tesouros guardados numa praia deserta, numa noite estrelada, numa viagem inesperada.
O mais importante é ir ao encontro deles, ainda que isso exija uma boa dose de coragem e desprendimento.
É certo que não precisamos procurar o sofrimento, mas se ele fizer parte da conquista, vamos enfrentá-lo e superá-lo.
Arrisquemos. Ousemos. Avancemos.
A vida é uma aventura gratificante para quem tem coragem.
Coragem de tentar ser melhor do que já se é.
Coragem de se aproximar das pessoas, abrir seu coração, e lhes pedir perdão.
Coragem de parecer covarde aos olhos do mundo, quando oferecermos a face do amor a quem nos oferecer a face da violência.
Coragem de assumir nossos erros perante os outros, dominando, enfim, o ego orgulhoso.
Coragem para declarar-se crente em Deus, adepto de uma filosofia, de uma religião discriminada por muitos.
Coragem de mostrar nossos sentimentos nobres, sem ter receio de parecer tolo. Coragem de dizer Eu te amo.
*   *   *
Somos riachos perenes que aguardam o momento de encontrar o mar sublime.
Cada passo que damos, cada obstáculo contornado, cada vitória conquistada, mostra-nos que estamos a cada dia mais perto de descobri-lo.
Há muito pela frente ainda, é certo, mas na medida em que avançamos, verificamos que tudo se torna cada vez mais fácil e mais possível de ser alcançado.
E nunca esqueçamos de que, nesta jornada, não estamos sozinhos. A pátria espiritual – nosso verdadeiro lar – através das preces de amigos queridos, envia-nos chuvas de tempos em tempos, que preenchem nossas águas, dando volume e força para continuar, sempre.

quarta-feira, 8 de janeiro de 2014

Mil formas

Escrevo a esta esperança de que algo em mim te agrade, te faça perceber o quanto sou seu mesmo não sendo nada ainda. Te fazer suspirar como eu suspiro, te fazer sonhar como sonho e te fazer pensar em nós como penso, é o grande desafio que amedronta essa esperança. Você esteve longe tanto tempo e tantas tentativas incapazes de te chamar atenção. 
 
Esperei por um momento que pudesse ser quase inevitável e ele parece estar chegando. Poder ter a certeza de que você pode ser aquilo que sempre sonhei. Estou cansado de esperar este sonho tão repetitivo em minhas noites, que faz meu coração escrever como alguém quem chora e que balbucia à soluçar palavras que lhe inquietam a alma.
 
Esta na hora de sorrir, de respirar fundo e abraçar, abraçar o tempo da companhia, o tempo da partilha. De dividir minhas emoções, de dividir minha euforia, de dividir minha forma de ver o mundo, as coisas. É tempo de dar nome as minhas poesias, de dar rima aos meus cantos, de colocar você no traço e no compasso da minha melodia. Chega de anonimato, chega de mistérios, minha vontade de te ter supera qualquer prazer em querer viver ou aproveitar a vida sem você. 

Que quando nossos olhos se cruzarem, que cruzemos também a barreira do não, a barreira de sermos apenas meros conhecidos. E que você enxergue em mim a possibilidade de um amor sem fim. Pois já não resta em mim dúvidas de que estou decidido a te oferecer a cada dia um pouco mais do meu amor, de que me esforçarei a cada momento para descobrir uma nova forma de de te amar e de nos aproximar. Assim como em mil dias, todos eles são diferentes, também existem nesses mil, mil formas de amar, mil formas de abraçar, mil formas de ser e mil formas de dizer "Eu te amo".
 
*por romantico rebelde

terça-feira, 7 de janeiro de 2014

A Semente e a Fruta


A natureza sempre nos oferece grandes e belos ensinamentos, basta que prestemos atenção nos mínimos detalhes.

É o caso, por exemplo, da semente de do fruto.

E, quando falamos em semente e fruto, logo nos vem à mente a germinação das sementes de trigo, milho, feijão entre outras.

Mas não são só essas sementes que nascem e frutificam. As sementes do bem e do mal que espalhamos germinam também com toda certeza e precisão.

Há sementes de germinação rápida, como a da couve, por exemplo, e há outras de germinação lenta, como a do carvalho.

Todas, porém, nascem, crescem e dão fruto em seu devido tempo.

O mesmo acontece com a sementeira do bem e do mal. Algumas sementes nascem de pronto, outras são de germinação tardia.

A terra não guarda nenhuma semente viva em seu seio: todas as que ali são lançadas dali surgem com seus respectivos frutos.

Fenômeno semelhante ocorre no terreno espiritual: o bem ou o mal, a verdade ou a mentira, o amor ou o desamor, a justiça ou a injustiça, uma vez semeadas, nascerão fatalmente e darão frutos conforme suas respectivas espécies.

Jesus, o grande Sábio da humanidade, ensinou-nos essas coisas quando falou que uma árvore boa não dá frutos maus e uma árvore má não pode dar bons frutos.

E ainda afirmou que não se colhem figos dos espinheiros, nem se apanham uvas dos abrolhos".

Tudo isso quer dizer que o que semeamos hoje, colheremos logo mais, assim como a colheita de hoje resulta do plantio feito no passado, que pode ser próximo ou remoto.

É por essa razão que são necessárias várias existências para plantar e colher, preparar o solo e semear novas sementes.

E essa lei de causa e efeito, ou de ação e reação, tem por finalidade o progresso intelectual e moral do homem.

Quando colhemos os frutos amargos das semeaduras infelizes, aprendemos a selecionar melhor as sementes para os plantios futuros, e é isso que Deus espera de cada filho seu.

Dessa forma, de existência em existência vamos aperfeiçoando nosso campo íntimo, arrancando as ervas daninhas e cultivando a erva boa das virtudes.

Portanto, pela semeadura de hoje podemos precisar como será nossa colheita futura.

Assim como não devemos lançar a culpa em ninguém pela colheita que estamos fazendo hoje, por sermos os únicos responsáveis por ela.

Afinal, foi o próprio cristo que assegurou que a semeadura é livre, mas a colheita é obrigatória.

Tratemos, pois, de tomar os devidos cuidados com as sementes que estamos lançando no solo nos dias atuais.

Pense nisso!

Jesus, muitas vezes ensinou por parábolas. Vale a pena retirar delas as lições para as nossas vidas.

Certa vez Ele falou que o homem bom tira coisas boas do bom tesouro do seu coração, e o homem mau tira coisas más do seu mau tesouro, porque a boca fala daquilo de que o coração está cheio".

Essas poucas palavras do Mestre já nos dão muito material para reflexões.

Pensemos nisso!

segunda-feira, 6 de janeiro de 2014

A melhor oração

Conta-se que um religioso viajava de navio, quando observou que um camponês falava aos demais passageiros.
Ele apontava para uma ilhota à frente, dizendo que lá moravam três eremitas.
O religioso ficou curioso por conhecê-los e insistiu junto ao capitão para que baixasse um barco que o conduzisse até a ilha. Quando chegou, os três eremitas se curvaram diante dele, em sinal de respeito.
O primeiro deles era alto e vestia somente uma tanga. O segundo, um pouco mais baixo, uma túnica bastante gasta e o terceiro, mais idoso, curvado, usava uma velha batina.
O sacerdote lhes perguntou como eles oravam a Deus, ao que o mais velho respondeu:
Nós não sabemos senão erguer os olhos ao céu e dizer: “Senhor, nós somos três, tende piedade de nós.”
Então, falou o religioso, prestem atenção que vou lhes ensinar.
E passou a explicar aos três atentos ouvintes as palavras que deveriam dizer: Pai Nosso..
Assim foi frase a frase dita e repetida, muitas e muitas vezes.
O religioso, incansável, não os largou até que conseguiu que eles memorizassem toda a oração.
Escurecia. A lua começava a despontar sobre as águas quando o sacerdote se levantou para retornar ao navio.
Eles ficaram na praia, de mãos dadas, repetindo alto a divina oração, a três vozes.
O navio levantou âncora e seguiu adiante. Aos poucos, os eremitas e a ilhota desapareceram na distância, e ficou somente o mar brincando à luz do luar.
Todos no navio foram dormir, menos o sacerdote, que ficou pensando na alegria dos eremitas por terem aprendido a orar a Deus corretamente.
De repente, ele percebeu algo brilhante e esbranquiçado numa coluna sobre as ondas.
Notou que alguma coisa corria, tentando alcançar o navio.
Não parecia barco, nem peixe. Parecia um ser humano, grande:
Meu Deus! Os eremitas estão correndo atrás do navio, em pleno mar, como se fosse solo seco.
Os passageiros despertaram. O capitão deu ordens para que o navio parasse. Quando os três alcançaram a embarcação, aproximaram-se da borda, levantaram a cabeça e a uma só voz falaram:
Servo de Deus, nós esquecemos. Enquanto estávamos recitando, lembrávamos. Mas, ao parar de recitar por um momento, escapou-nos uma palavra e daí esquecemos tudo. Ensine-nos de novo.
O religioso se inclinou para eles e, emocionado, respondeu:
Santos eremitas. A sua oração chega a Deus e não sou eu que devo ensiná-los. Orem vocês por mim.
E se ajoelhou diante deles.
Os eremitas deram meia volta e retornaram andando sobre o mar. Uma aura de luz ficou brilhando até o amanhecer, na direção para onde se dirigiram.

A oração é o sussurro espontâneo da alma ao seu Criador. É o diálogo do filho ao Pai generoso e bom.
E como toda fala entre um pai e seu filho, não há necessidade de palavras especiais, ensaiadas ou decoradas. O Pai se dispõe a ouvir e o filho fala. Depois, o filho se cala e o Pai lhe segreda ao coração a melhor sugestão para resolver a sua dificuldade ou, simplesmente o estreita ao peito, dizendo do Seu grande amor e lhe segreda: Não tema, meu filho. Estou sempre ao seu lado. Amo você

sexta-feira, 3 de janeiro de 2014

Flôr Amarela

Um dia observando um terreno baldio, fiquei comovido ao identificar em meio a várias ervas daninhas um linda flor de cor amarela. 

Não era difícil percebê-la , sua cor e forma contrastavam enormemente com as ervas de coloração verde que a rodeavam. 

Durante alguns minutos essa súbita observação suscitou em mim uma série de reflexões: pensei no quanto estamos em um mundo difícil de se viver e no quanto é importante a gente não se deixar sufocar pelos problemas. 

Conclui que por mais que o mundo esteja cheio de ervas daninhas, nós não temos que nos tornar uma delas. Não importa qual sejam as dificuldades haverão sempre flores amarelas...
Quando deixamos de percebê-las é porque a pretensão de achar que sabemos tudo nos tapa os olhos. 

Nisso, perdemos um pouco da nossa identidade e passamos a achar o nosso lugar ruim de viver. Invejamos o jardim do vizinho.

Achamos que seríamos mais felizes com uma outra casa, carro, emprego... vã ilusão! Poucos são os jardins onde não existem ervas daninhas. 

O que torna uns mais belos que os outros é tão somente a maneira como os observamos e a capacidade que temos, ou não, de identificar as flores em meio às ervas daninhas. 

Por* Marcos Lima e Ronaldo Oliveira

quinta-feira, 2 de janeiro de 2014

Ante o ano que se anuncia

Hoje é o segundo dia do novo ano, que foi recepcionado com fogos de artifício e muita alegria.
Embora as diferenças das horas, o planeta todo se envolveu com sua chegada que, em muitas tradições, é representado como um bebê, enquanto o velho ano se despede, encarquilhado, cansado.
Com o Ano Novo ressurgem as esperanças das criaturas que planejam o melhor para si, para a família, para a Humanidade.
Há os que planejam se casar, iniciando uma nova família.
Há os que idealizam a aquisição da casa própria, pensando em como poderão tornar aconchegante a residência: jardim, flores, arbustos, muita iluminação, um cantinho especial.
E há os que pensam no filho, cujo nascimento idealizam para os próximos meses.
Alguns projetam a realização de cursos universitários, de graduação, pós-graduação, especialização.
Outros pensam na viagem ao Exterior, há tanto tempo sonhada e aguardada.
Enfim, os sonhos são múltiplos. Cada ser tem seu sonho e o planeja concretizar. Ano Novo é oportunidade para isso. Serão dias novos, chances renovadas.
Quem está enfrentando enfermidade de qualquer ordem, pensa que os dias novos lhe deverão trazer a saúde de retorno. Quiçá, a nova droga que lhe está sendo ministrada surta o desejado efeito. Quem sabe um tratamento inusitado surja, trazendo a cura para a sua problemática.
E assim, os anseios, os sonhos se sucedem, às centenas, aos milhares, numa incrível diversidade.
No entanto, entre tantos cumprimentos, alegrias, saudações ao novo ano e sonhos, importante seria que também pensássemos em termos espirituais.
Pensarmos em como poderemos melhorar nossa maneira de ser. Em como poderemos nos aproximar daquela pessoa com a qual tivemos problemas, que estabeleceram o distanciamento, há tanto tempo...
Pensarmos em termos de perdão, mesmo que não tenhamos sido os causadores diretos da desavença.
Pensarmos em como poderemos nos ilustrar mais, enriquecendo o intelecto e introjectando propósitos de melhoria interior.
Ano Novo significa renovação. E a renovação deve ser ampla, abrangendo  o todo que somos: corpo, mente, Espírito.
Façamos, pois, propósitos de sermos mais compreensivos, mais pacientes, mais tolerantes.
Sermos mais cordatos, desculpando, buscando entender o outro, a sua forma de pensar, a sua razão.
E, importante, planejar momentos de reflexão, a fim de ter um encontro consigo mesmo, vez ou outra, ao menos.
Planejar ações renovadoras de estímulo ao trabalho no bem. Uma inscrição em trabalho voluntário, uma vez na semana que seja.
Planejar viver mais intensamente cada hora, cada instante, se propondo à observação do entorno: da natureza exuberante, do sol benéfico, da chuva abençoada, dos ventos refrescantes, da flor que desabrocha.
Também dos que nos cercam, a cada dia, todos os dias e aguardam, há muito tempo, que os olhemos nos olhos, que lhes observemos os vincos na face, as alegrias e as tristezas: nossos pais, esposos, filhos, amores...
Iniciemos o novo ano com a disposição de sermos melhores, colaborando com a implantação da Nova Era. Façamos a diferença, onde estivermos e com quem estivermos.
O mundo melhor pode começar agora em nosso coração e amanhã se espalhar a benefício dos que conosco compartilham este imenso lar chamado Terra.
Tenhamos todos um Feliz Ano Novo, no milênio que apenas balbucia as primeiras horas.

Deus colocou você exatamente onde deve estar. Não se apresse, tudo ficará bem!

Nada em nossa vida foge do controle de Deus, é Ele quem define o melhor momento para realizar nossos sonhos. A nossa vida não segue um manua...