segunda-feira, 31 de março de 2014

Amanhã será Tomorrow


Há momentos na vida da gente, que a gente se pergunta por que é que as coisas são assim.

São nesses momentos, que paramos para refletir sobre o real sentido das coisas; descobrindo assim as certezas e as incertezas da vida que a gente vem carregando desde de sempre.

O interessante disso tudo, é que não é apenas questão de rever os princípios, mas é questão de rever a sí mesmo, em quem você se tornou em como você interage com as pessoas, se perguntar por que as coisas são assim não adianta em nada se você não demonstra pra você mesmo o seu brilho, a sua força, a sua garra, o seu carisma, o seu alto astral, o seu vigor, sua juventude.

Não basta apenas mostrar pra você mesmo, você deve agarrar isso com tudo, e provar pra todo mundo do que você é capaz e COMO você se dispoem a encarar seu medos e seus tropeços de cabeça erguida, de peito aberto, sem medo, sem preceitos, sem esquecer de quem você realmente é de que como você realmente gostaria de ser.

É com esse pensamento que você abre as portas de você mesmo para que o seu verdadeiro EU mostre a todos quem está por dentro e abrindo essa porta, também, é que você consegue trazer pra dentro, interagir com o exterior, absorver as coisas.

Nessas horas, temos que ficar atentos e criar um filtro para drenar tudo de ruim e absorvermos somente o bom, o agradável, o doce.

Se você consegue acordar todos os dias, com o brilho nos olhos, disposto a enfrentar seus medos, e dar um tapa nos inimigos, você consegue obter de você mesmo e dos outros tudo aquilo que você sonha, tudo aquilo que você quer.

É a capacidade de nos apaixonarmos todos os dias é que nos faz criar asas e alçar vôos rumo a lugares mais distantes, mais bonitos.

O fogo inocente dos olhos de uma criança, o brilho curioso, é o que devemos ter para conseguirmos sonhar, viver, sorrir e crescer.

E para finalizar, uma citação, essa é para todos vocês então decore:

- "Amanhã será tomorrow" ( falcão )

sexta-feira, 28 de março de 2014

Errar é humano!


Vivemos e aprendemos com nossos erros.

Choramos, mais depois sorrimos.

Crescemos com palavras, atos, sentimentos e ilusões.

Morremos aos poucos por orgulho, críticas e por não nos perdoar.

Humanos somos quando temos caráter, respeito, dignidade e HUMILDADE

Não quando somos covardes, baixos, idiotas e passamos por cima das pessoas ao nosso redor para conseguirmos o que realmente desejamos.

Muitas vezes nos arrependemos dos nossos erros tarde demais, de uma forma que não dá para voltar atrás...

Muitas vezes praticamos atos indesejáveis, atrapalhando as pessoas que adoramos...

Muitas vezes esquecemos do mundo à nossa volta para lutarmos por uma coisa sem sentido...

Muitas vezes choramos por ter feito o que fizemos, e não ter sido quem somos...

Muitas vezes pessoas nos mostram como se arrepender a tempo e como tentar concertar...

Muitas vezes estamos errados no sentido geral do mundo, não no sentido geral da gente...

E mesmo que venha forte a tempestade e mesmo que o mundo caia sobre nós, nada nem NINGUÉM apagará o que ficou.

Se errei ou acertei, isso já não importa.

O que importa é que novamente estou aprendendo.

Aprendendo e crescendo, com meus atos, com os atos das pessoas em minha volta.

Aprendi que para manter meu sorriso é necessário o primeiro que as pessoas de minha volta sorriam.

Seja como for, seja com quem for, seja como vocês queriam que seja.

Não basta apenas me perdoar, é preciso me encontrar.

Quem sabe na imensidão do paraíso alguém possa me amar.

Mais feliz eu aprendi que só estarei quando vocês estiverem felizes.

Seja como for, seja com quem for, seja como vocês queriam que seja,o importante é vocês serem felizes. Eu?

Ou melhor, o resto, que se exploda.

Não me arrependo de ter feito uma coisa que eu queria fazer.

Arrependo-me de ter escolhido a hora errada par fazê-la.

Arrependo-me de passar por cima de pessoas que merecem respeito, que são especiais para as pessoas em sua volta, que são legais, que são HUMANOS.

Arrependo-me de não ter aproveitado a sorte na hora certa.

Arrependo-me de ter acreditado em pessoas que mal conhecia.

Arrependo-me de não ser tudo que eu deveria ser.

Arrependo-me de não ter acordado a mais tempo.

Mesmo se nós não perdoamos nossos erros,

Mesmo se nossos reflexos não são mais os mesmos no espelho

Existe uma ser que sempre, não importa a situação, o momento, os erros, os acertos, as críticas, os elogios,os desesperos, as alegrias, as lágrimas, solidão, união, desamor, esperança, desunião, desesperança, que SEMPRE,

SEMPRE esteve e está conosco: - DEUS!

Mesmo quando não nos lembramos Dele, Ele está lá.

Pode não parecer, mas está.

Ele é o único capaz de nos perdoar sem rancor, sem ódio, sem desamor...

Ele é o único que sempre estar com agente...

Ele é o único que vê e sente nossos sentimentos...

Ele é o único, que sempre, não importa a ocasião,está de mãos abertas para a gente...

Ele é o único a quem devemos realmente agradecer pela nossa vida... Deus não é apenas um pai.

É um amigo, um ajudante, um companheiro, um anjo, um irmão, um colega, um guardião...

Não importa ONDE eu esteja, não importa

COMO eu esteja, não importa se eu estou feliz.

O que importa é com quem eu sempre estarei: - com DEUS!

Cassiana Campos

quinta-feira, 27 de março de 2014

Casamento


"Case-se com alguém que adore te escutar contando algo banal como o preço abusivo dos tomates, ou que entenda quando você precisar filosofar sobre os desamores de Nietzsche.

Case-se com alguém que você também adore ouvir.

É fácil reconhecer uma voz com quem se deve casar; ela te tranquiliza e ao mesmo tempo te deixa eufórico como em sua infância, quando se ouvia o som do portão abrindo, dos pais finalmente chegando.

Observe se não há desespero ou insegurança no silêncio mútuo, assim sendo, case-se.

Se aquela pessoa não te faz rir, também não serve para casar.

Vai chegar a hora em que tudo o que vocês poderão fazer, é rir de si mesmos.

E não há nada mais cruel do que estar em apuros com alguém sem espontaneidade, sem vida nos olhos.

Case-se com alguém cheio de defeitos, irritante que seja, mas desconfie dos perfeitinhos que não se despenteiam.

Fuja de quem conta pequenas mentiras durante o dia.

Observe o caráter, antes de perceber as caspas.

Case-se com alguém por quem tenha tesão.

Principalmente tesão de vida.

Alguém que não lhe peça para melhorar, que não o critique gratuitamente, alguém que simplesmente seja tão gracioso e admirável que impregne em você a vontade de ser melhor e maior, para si mesmo.

Para se casar, bastam pequenas habilidades.

Certifique-se de que um dos dois sabe cumpri-las.

É preciso ter quem troque lâmpadas e quem siga uma receita sem atear fogo na cozinha; é preciso ter alguém que saiba fazer massagem nos pés e alguém que saiba escolher verduras no mercado.

E assim segue-se: um faz bolinho de chuva, o outro escolhe bons filmes; um pendura o quadro e o outro cuida para que não fique torto.

Tem aquele que escolhe os presentes para as festas de criança e aquele que sabe furar uma parede, e só a parede por ora.

Essa é uma das grandes graças da coisa toda, ter uma boa equipe de dois.

Passamos tanto tempo observando se nos encaixamos na cama, se sentimos estalinhos no beijo, se nossos signos se complementam no zodíaco, que deixamos de prestar atenção no que realmente importa: os valores.

Essa palavra antiga e, hoje assustadora, nunca deveria sair de moda.

Os lábios se buscam, os corpos encontram espaços, mas quando duas pessoas olham em direções diferentes, simplesmente não podem caminhar juntas.

É duro, mas é a verdade. Sabendo que caminho quer trilhar, relaxe!

A pessoa certa para casar certamente já o anda trilhando.

Como reconhecê-la? Vocês estarão rindo. Rindo-se !!!"

(Diego Engenho Novo)

quarta-feira, 26 de março de 2014

Posso te contar um segredo?

Posso te contar um segredo?

Teu sorriso é lindo.

Teu abraço é o que me conforta.

A sua voz me encantou desde a primeira vez em que eu a ouvi.

Teu sorriso é o mais lindo e sincero que eu já vi.

Teu olhar é tão encantador.

Seu cheiro, nossa seu cheiro, eu simplesmente viciei nele.

Ainda sinto ele as vezes quando me pego pensando muito em você, ele surge do nada, mais some em um segundo me deixando com mais saudade ainda.

Seu beijo, é como eu imaginava, cheio de fases, e em todas elas eu me encaixei.

Teu jeito foi o único que me conquistou, ele é tão simples mais tão cheio de significados.

Na verdade você é o mistério em pessoa, e acho que é isso que me encantou em você.

Seu jeito meio tímido e safado ao mesmo tempo me deixa sem graça as vezes.

Você parece que lê meus pensamentos, sabe do que eu to sentindo, o que eu quero naquele momento.

E por esse motivo não consigo esconder nada de você.

E quando você começa a falar suas bobagens, eu não sei porque mais eu gosto delas, eu gosto do teu jeito espontâneo de ser.

Chega ser engraçado.

A sua forma de me fazer rir a todo momento, mesmo quando estamos naquelas nossas briguinhas nada haver.

Seu jeito calmo, me traz tanta paz.

E eu não consigo ficar brava, irritada ou magoada com você, não dá.

Você consegue de mim o que ninguém um dia conseguiu.

E você me faz tão bem, me faz tão feliz.

*Pedro Bial.

terça-feira, 25 de março de 2014

Onde foi que eu errei?

É bem curioso isso.

As pessoas mergulham num mundo materialista, consumista, ilusório, sem amor, sem vida, sem contato com a natureza…

Os relacionamentos são superficiais, não há afeto, não há reciprocidade, somente se usa o outro, se mente ao outro, se tenta controlar o outro.

As pessoas valem mais pelas palavras que proferem, do que pelas atitudes que têm; valem mais pela imagem que projetam, do que pela sua essência, valem mais pelo que possuem do que pelo que são.

Preferem ouvir músicas altíssimas para não ouvir a si mesmos e os anseios mais íntimos do seu coração.

Depois de envolver-se intensamente nesse mundo materialista e vazio, sentem-se insatisfeitas, ficam doentes, e vão se entupir de remédios alopáticos e antidepressivos, que não vão resolver o problema, mas apenas criar uma falsa sensação de saúde e uma ilusória sensação de alegria.

E depois de tudo isso, ainda querem ser felizes…

Acham que a felicidade será encontrada no próximo jogo de futebol de domingo, no churrasco do fim de semana, nas novelas, em reality shows e em outras futilidades efêmeras.

Consolam-se no mundo da mídia e do entretenimento acreditando que é possível fugir do real…

E depois ainda perguntam: onde foi que eu errei?

A resposta é muito clara:

Você errou em valorizar as coisas banais, transitórias e vazias ao invés daquilo que é real.

Você errou em optar pela ilusão consoladora ao invés da verdade impactante.

Você errou ao tratar o ser humano como algo a ser manipulado, e não como um parceiro evolutivo.

Você errou em acreditar na arrogância ao invés de acreditar na humildade.

Você errou em buscar no passageiro algo da ordem do eterno.

Você errou em trocar o amor pela ilusão.

Mas não se preocupe, ainda dá tempo de consertar tudo isso.

Como?

Escolha a verdade, e não a ilusão.

Escolha o amor, e não a indiferença.

Escolha a humildade, e deixe de lado a soberba.

Escolha relacionamentos profundos e amorosos, e não meras conveniências humanas.

Escolha viver de acordo com sua natureza, e não a renegando o tempo inteiro.

Escolha… finalmente… ser você mesmo e despertar a essência que sempre esteve presente em ti.

Autor: Hugo Lapa

segunda-feira, 24 de março de 2014

Salvo pela Gentiliza

João trabalhava numa fábrica de congelados. Um dia, quando terminou o seu horário de trabalho, foi a um dos frigoríficos para inspecionar algo, mas num momento de azar a porta fechou-se e ele ficou trancado lá dentro.

Ainda que tenha gritado e batido na porta com todas as suas forças, jamais poderiam ouvi-lo. A maioria dos trabalhadores já tinha ido embora, e no exterior da câmara frigorífica era impossível ouvir o que estava acontecendo lá dentro.

Cinco horas mais tarde, quando João já se encontrava à beira da morte, alguém abriu a porta. Era o segurança da fábrica, que acabou salvando a vida dele.

João perguntou ao segurança como foi possível ele passar e abrir a porta, se isso não fazia parte da sua rotina de trabalho, e ele explicou:

- “Eu trabalho nesta fábrica há 35 anos, centenas de trabalhadores entram e saem a cada dia, mas você é um dos poucos que me cumprimenta pela manhã e se despede de mim à noite. Muitos me tratam como se eu fosse invisível. Hoje, como todos os dias, você me disse seu simples ‘OLÁ’ na entrada, mas hoje curiosamente, não tinha ouvido o seu ‘ATÉ AMANHÃ’. Espero o seu ‘OLÁ’ e ‘ATÉ AMANHÃ’ todos os dias. Para você eu sou alguém. Ao não ouvir a sua despedida, eu sabia que algo tinha acontecido… Procurei e encontrei!”

Fica esta reflexão: sejam humildes e amem o próximo. A vida é curta demais e temos um impacto que não conseguimos sequer imaginar sobre as pessoas com as quais cruzamos todos os dias.

A origem da história é desconhecida, mas o ensinamento deve aquecer a todos os corações.

(mensagem original recebida de Carlos Hilsdorf)

sexta-feira, 21 de março de 2014

A equipe mais importante

Era o dia das profissões na escola municipal. Os pais compareciam e relatavam detalhes de como exerciam sua profissão. Os alunos, curiosos, faziam perguntas.
Algumas profissões encantavam a turma pela coragem necessária, como a dos bombeiros; ou excitavam a fantasia da criançada, como a de ator ou músico ou jogador de futebol.

Quando o pai de Sérgio entrou na sala, o menino foi escorregando na cadeira, desejando se esconder. Ele ficou imaginando o que o pai iria dizer. Corou de vergonha.
No entanto, Roberto, mostrando-se bem à vontade, contou que no momento estava desempregado. Que profissão é esta? O que é, exatamente, que o senhor faz?  Perguntou, logo, um afoito garoto.
Bom, eu diria que minha principal ocupação, no momento, é procurar trabalho.

Um grande silêncio se fez na sala. Corajoso, continuou o seu relato.
Imaginem vocês que somos uma equipe de futebol e estamos perdendo de quatro a zero. Então, temos duas alternativas: podemos desistir ou podemos lutar até o final do jogo e tentar reverter o placar. O que vocês fariam?
A turma se entusiasmou e cada um foi dizendo que continuaria jogando, que faria cinco gols para ganhar a partida, que daria o melhor de si...
Pois é, continuou aquele pai, imagino quantos de vocês têm pais que trabalham o dia todo fora de casa e, à noite, quando chegam cansados, ainda se desdobram com as tarefas domésticas.

Penso em quantos de vocês têm irmãos mais velhos que, depois de terem saído de casa, para ganhar a própria vida, sofreram dificuldades e tiveram que voltar para a casa dos pais.
Tenho certeza que alguns de vocês vêm para a escola acompanhados por um irmão ou uma irmã.
Isso é equipe. Um ajuda o outro, sustenta o outro, ampara.
Eu sou o jogador de uma equipe maravilhosa, a mais sensacional equipe que se possa ter: minha família.

Nesse momento, Sérgio levantou a cabeça, voltou a se sentar ereto e começou a prestar atenção no que dizia o seu pai.
Família é o que há de mais importante na vida. Minha família me sustenta, nesse período, em que saio, a cada dia, tentando conseguir um trabalho.
Quando acordo pela manhã, é o sorriso da minha família que me anima a prosseguir lutando, buscando.
Minha família suporta meu mau humor quando tenho um dia ruim. Somos uma equipe e, como no futebol, não importa em que posição estejamos jogando, não importa se estamos perdendo a partida, o que importa é como se joga, porque sempre há a possibilidade de se reverter a situação.

Por isso, eu continuo, todos os dias, procurando um trabalho que me garanta auxiliar a minha família, enquanto ela mesma me sustenta, sem reclamar, sem acusar.
Minha família é a melhor equipe, a mais importante da minha vida. E, para cada um de nós, é com certeza, a equipe, graças à qual, vamos em frente, não paramos perante os obstáculos que possam se fazer maiores.
Família é amparo, é união, é auxílio.

Quando Roberto concluiu, foi tão aplaudido quanto qualquer outro dos pais que por ali havia passado, descrevendo os lances emocionantes de sua profissão.
Nos olhos das crianças havia o brilho da emoção. Em seus corações, a lição de um pai agradecido à esposa e filhos que lhe entendiam o esforço e lhe davam apoio.
Uma lição que eles levariam impressa, de forma indelével, para as suas próprias vidas.

quinta-feira, 20 de março de 2014

Suícidio

Num vale de lágrimas eu estava.
Quanto tempo? Não saberia responder...
Dia ou noite? Não... Era impossível perceber.
Sei da punição pelo crime cometido.
Infringi uma lei, a qual conhecia. E muito bem. Foram tantas as angústias, que me tornei um ser assim, como as pedras. Ou seja, sem vida, sem idéias próprias, sem nada.

Quando, meu Deus, o socorro?
Quando, meu Deus, o bálsamo do sol a aquecer-me a pele? Sim, sentia vontades, sensações como se estivesse vivo, mas não... Não era a hora, meu tempo ainda não tinha terminado naquele vale de lágrimas.
Não seria conveniente narrar os detalhes, pois quem nunca ouviu ou leu algo a respeito do mundo dos suicidas?
Feio? Que nada! Não é nem a metade do que realmente é, aquilo que imaginas...
Vida... Vida que Deus, caridosamente, nos deu. Saibamos aproveitá-la.

Sejamos dignos da confiança que nos foi depositada no dia do nosso nascimento. Deixemos de lado o medo e a covardia. Ninguém carrega uma cruz maior do que pode agüentar. A sua dor, por maior que seja, é do tamanho do seu merecimento.
Quantos irmãos sofrem por essa vida terrena e buscam o alívio na morte.
Que triste desilusão quando descobrem que ela não existe.
O espírito não morre nunca, ele só muda de plano e continua do mesmo modo que era quando encarnado.

Pobres ignorantes no que tange ao mundo espiritual.
Ao invés de acabarem com seu sofrimento, aumentam-no, criando mais débitos para seu espírito, já tão endividado.
Busquem na fé e no trabalho o alento para seus sofrimentos. A oração é o elo mais forte com Deus, por isso, orem com sinceridade, buscando no fundo do seu ser todo o amor para conversar com o Pai Maior, num diálogo franco e sereno.
 
Nem sempre morrer é a melhor maneira para se buscar a tranquilidade que precisamos.
Quantas pessoas esperam, com esse ato do suicídio, modificar sua vida, esperançoso de que tudo será modificado porque encontrarão aconchego de mãos amigas, piedosas, na pena de ver alguém tão infeliz.
Enganos e mais enganos, apenas isso.
Pena, de quem pratica, só ele sentirá pena dele mesmo.
Porque não é fugindo que se é feliz, não é se fechando, tapando os ouvidos ou se defendendo, atacando os outros que se encontra o verdadeiro sentido da existência.
Agradeço por essa oportunidade.
E que aqueles que por ventura pensem que fechando os olhos encontrarão uma luz cor de rosa ao despertar, procurem encontrar a luz rosa antes que Deus decida a hora em que os nossos olhos se fecharão.

Carlos Henrique Pena

quarta-feira, 19 de março de 2014

Uma pausa para aprender

Entre uma decepção e outra, que tal uma pausa para aprender?

Tem época na vida da gente que parece que os encontros 'amorosos' são mais uma provocação do que uma oportunidade de se sentir satisfeito e feliz...

Assim, vamos contabilizando decepções e desacreditando na possibi-lidade de viver uma experiência positiva e motivadora.

Quando isso acontece, creio que o melhor seja parar.

Uma pausa para aprender.

Ou melhor, antes apreender.

Muitas vezes, fazendo uma análise mais justa e desapegada, sem assumir nenhum papel, nem o de vítima das armadilhas da vida, nem da sacanagem dos outros e nem o de culpado, como se tudo o que fizéssemos estivesse definitivamente errado, terminamos descobrindo que há alguma incoerência nisso tudo.

Só que para isso precisamos de tempo... e principalmente de coragem para admitir limitações, assumir pensamentos negativos e confiar mais na sabedoria da vida e seu ritmo.

O que acontece, no entanto, é que a maioria de nós não quer esperar, não quer refletir.

Tem apenas um único pensamento que alimentamos o tempo todo: quero namorar, quero ter alguém!!!

Será que estar com alguém é o mesmo que estar feliz?

Pode ser que sim, mas pode ser que não... e se por qualquer motivo você não tem ficado com quem deseja, talvez seja o momento ideal para um intervalo, tão útil entre uma decepção e outra...

Tempo de se observar, de observar as pessoas e ouvir o que elas dizem.

Tempo de aprender, crescer, ter uma nova conduta, desenvolver uma nova postura.

Aguardar até que a vida lhe mostre qual é o melhor caminho a seguir... mas para ver, você precisa estar atento... sem tanta ansiedade, sem tanto desespero para tentar fazer com que as coisas aconteçam do jeito e na hora que você quer...

E se nenhuma resposta vier, talvez signifique que você precisa ver e ouvir com o coração.

Respeitar o silêncio.

Aceitar a ausência de quem você tanto deseja encontrar...

Talvez não haja uma resposta e nem haja uma expli-cação.

Às vezes, simplesmente não existem respostas nem explicação. Apenas a vida. Apenas as pessoas. Apenas o mundo.

Apenas a dor e o amor. Apenas...

E se insistirmos em não aceitar, em brigar, em nos rebelar, em nos revoltar... conseguiremos tão somente mais dor... e menos amor. Aceite que você não tem o controle, que você não pode decidir sozinho, que o universo tem seu próprio ritmo.

Faça o que está ao seu alcance; faça a sua parte... e bem feito; da melhor maneira que puder...

E o que não puder, entregue e espere... porque embora diga sabiamente a música "quem sabe faz a hora, não espera acontecer", tem ocasiões nesta vida em que quem sabe espera acontecer e respeita a hora de não fazer... até que um dia, o amor de repente acontece... porque seu coração estava exatamente onde deveria estar para ser encontrado!

Rosana Braga

terça-feira, 18 de março de 2014

O buraco

Certa vez um homem estava caminhando e num instante de distração, acabou caindo em um buraco tão profundo que parecia ser impossível sair dali.

Afinal, era um lugar um tanto deserto e que raramente passava alguém por aquele local.

Num primeiro momento ele ficou desesperado e sem saber o que fazer.

Sua primeira reação foi gritar e gritar cada vez mais alto na esperança de que alguém pudesse ouvi-lo e tirá-lo daquele buraco.

Ele gritou tanto que acabou adormecendo por um longo tempo.

Quando acordou, percebeu que ainda estava ali e parecia que tudo estava perdido, que sua vida estava chegando ao fim, que seria muito difícil escapar daquele buraco: não tinha como escalar, não tinha como chegar a superfície sem ajuda...

Quando parecia que suas forças estavam esgotadas e que ele estaria entregue a própria sorte e que a morte seria a única solução, ele por um instante lembrou de Deus.

Esse homem não tinha muita ligação com Deus, aliás, nem acreditava muito que ele pudesse existir.

Só que seu desespero era tanto, mais tanto que resolveu fazer uma prece a Deus, já não tinha mais nada a perder.

Só que sua oração não foi feita em silêncio, como ele estava em desespero, ele gritava implorando pela ajuda de Deus, dizia que se Deus realmente existisse que o livra-se daquele buraco, porque ele não queria morrer ali.

Ele queria retornar para sua família, para seu trabalho.

Devido a seus gritos fortes de súplicas a Deus, mais uma vez acabou adormecendo!

Um cavaleiro que passava próximo ao buraco ouviu uma voz distante e aproximou-se para ver o que estava acontecendo.

Quando chegou viu o homem caído e rapidamente amarrou uma corda em uma árvore e desceu até o buraco para resgatá-lo.

Quando acordou ele já estava do lado de fora do buraco são e salvo por aquele homem de bom coração que ouviu seu clamor!

Depois de agradecer aquele que salvou sua vida, o homem retornou para sua casa para rever e abraçar sua família.

Daquele dia em diante ele nunca mais duvidou da existência de Deus e sempre que precisava, recorria a sua ajuda!

Refletindo:Quando parecer que tudo não tem mais solução, pare por um instante e lembre-se que enquanto a vida há esperanças, nem tudo está perdido e como diz a frase, haverá sempre uma luz no fim do túnel.
Por isso não desista de seus sonhos, lute e procure pela solução de suas dificuldades, pois elas podem estar em sua força de vontade.
Tenha fé e acredite que tudo pode dar certo! A fé que habita em você pode te mover para soluções de problemas aparentemente impossíveis, basta acreditar. Deus jamais irá abandoná-lo(a),sabe por quê? Porque Ele acredita e ama você!

segunda-feira, 17 de março de 2014

O sal da vida

Conta-se que, há muitos anos, viveu um sábio que era seguido por inúmeros discípulos.
Certa vez, porque enfrentava dificuldades incontáveis, um desses discípulos o procurou, a fim de com ele se aconselhar.
Mestre, muito estou sofrendo, disse o jovem. Já não vejo solução para os problemas que me atormentam. Preciso de sua ajuda.
Pois bem, respondeu o mestre, gentil como sempre. Caminhe comigo até a cozinha.
Foram os dois, conversando, e o discípulo colocou o sábio a par de suas dificuldades.
Em seguida, o mestre pediu: Meu jovem, traga-me o recipiente no qual guardamos o sal.
O rapaz prontamente obedeceu e entregou ao sábio o que fora solicitado.
Tendo em suas mãos um copo cheio d’água, o mestre disse ao discípulo: Agora, pegue um generoso punhado de sal e o misture neste copo com água. Depois, quero que tome um grande gole.
O aprendiz, ainda que contrariado, obedeceu às instruções.
­Qual o gosto? Questionou o sábio.
Ruim, muito ruim! Respondeu o discípulo, franzindo o rosto.
Pois bem, continue a caminhar comigo. Vamos ao lago.
E mais uma vez foram ambos andando, lado a lado, até chegarem ao lago.
O mestre trouxera consigo o recipiente com sal e, próximo à margem, disse ao discípulo:
Quero que você pegue um generoso punhado de sal e o jogue no lago.
O jovem obedeceu e, assim que o fez, recebeu nova ordem:
Agora se abaixe e tome um gole d’água do lago.
O rapaz, abaixando-se, tomou não somente um, mas muitos goles, pois aquela era uma água muito refrescante.
E agora? Qual o gosto? Sentiu o gosto do sal? Arguiu o mestre.
Não, de forma alguma! Pelo contrário, essa água foi capaz de matar minha sede! Contrapôs o discípulo.
As dificuldades que enfrentamos na vida são como um punhado de sal diluído.
Se você tem suas dificuldades em mãos e as dilui em seu egoísmo, faz o mesmo que diluir o sal no copo d’água e, assim, elas se tornam difíceis de serem superadas.
Por outro lado, prosseguiu, se você as dilui em sua capacidade de aprendizado, é como diluir o sal no lago e os problemas deixam de existir.
Restarão apenas, concluiu o mestre, as lições que cada dificuldade carrega consigo e que são as responsáveis por nos fazer avançar na senda do progresso.
*  *  *
Muitos são os que extraem dos problemas e das dificuldades somente o sofrimento.
Se vislumbrarmos o panorama de nossas amarguras com os olhos do pessimismo, egoísmo ou orgulho, teremos sempre motivos para nos queixarmos de nossa sorte.
Por outro lado, se contemplarmos tal cenário com consciência de que nenhuma dor é eterna e de que cada dificuldade é oportunidade redentora, tal qual o tombo que por vezes machuca, mas que ensina a melhor caminhar, jamais nos queixaremos novamente.
Antes, agradeceremos ao Senhor da Vida por mais uma lição...
Pensemos nisso... E pensemos agora!

sexta-feira, 14 de março de 2014

Fim de mundo

Todos os dias eu me deparo com algum fim de mundo.

O mundo acaba diariamente.

E a culpa é toda nossa.

Do nosso egoísmo, da nossa maldade, do nosso ego exacerbado e supervalorizado, da nossa hipocrisia.

O mundo acabou faz tempo.

Acabou quando deixamos de nos importar com o outro.

Quando perdemos a gentileza e o respeito pelo outro.

Quando torna-se mais importante rir do outro do que sentir o que ele sente.

E todo mundo, absolutamente todo mundo tem o seu quinhão de culpa nessa merda que as coisas estão.

Está tudo assim, ruim, porque reflete nossa feiura e toda a nossa lama.

O mundo acabou faz tempo.

Acaba todos os dias.

Nós é que não percebemos porque estamos cegos demais, ocupados em julgar ao invés de acolher, entender, respeitar.

O verdadeiro holocausto vive dentro de nós.

E ninguém parece preocupado em levantar bandeiras brancas.

É bom que saibamos: quanto mais egoísmo, quanto mais dedos apontados, mais cruéis e menos humanos nos tornamos.

E um mundo assim, retrógrado e mau merece mesmo a extinção.

O mundo não. Nós!!!


quinta-feira, 13 de março de 2014

Formação para a vida

Reinaldo era um jovem príncipe, herdeiro de um grande reino. Toda manhã, ao despertar, recebia uma lista de tarefas que devia cumprir.

Tarefas que o deixavam muito zangado, porque iam desde limpar os seus sapatos e vestes reais, organizar brinquedos e jogos, até lavar e escovar seu cavalo e organizar o seu quarto.

Embora não gostasse, em respeito a seu pai, o rei, ele obedecia. Mas não deixava de ficar olhando as terras e os campos infindáveis que pertenciam à sua família. Também os rebanhos, palácios e os súditos.

No palácio, onde vivia, existiam muitos criados prontos para executar todas as tarefas. Por isso mesmo é que o príncipe não entendia porque ele mesmo tinha que limpar os seus sapatos.

Certo dia, ele foi convidado a visitar um pequeno reino para conhecer um príncipe de sua idade, com o intuito de estreitar amizade.

O contato com o herdeiro daquele reino fez Reinaldo pensar ainda mais em como ele era injustiçado. É que aquele príncipe tinha a seu serviço três servos. Até o banho era preparado por um deles.

Nada de tarefas a cumprir. Era só dar ordens.

Quando regressou para sua casa, Reinaldo foi logo falar com seu pai:

"Não entendo", disse ele, "porque o senhor faz isso comigo. Sou seu único filho e herdeiro. Por que devo cumprir tarefas? Devo ser motivo de risos entre todo o povo."

Vi hoje, no reino vizinho, o que um verdadeiro herdeiro deve fazer: somente dar ordens."

O rei, paciente, perguntou ao filho: "como era o reino que você visitou? Era grande como o nosso?"

"É claro que não, pai. É muito menor que o nosso, mais pobre, tem menos súditos e o castelo real é dez vezes menor que o nosso."

"Veja bem, pai: se num reino pobre, o príncipe pode ter três criados para servi-lo, porque eu, num reino tão rico, devo fazer trabalho de criado?"

"Pois é, meu filho. Saiba que há anos atrás, o reino vizinho era vinte vezes maior do que o nosso. Nós crescemos, fomos ampliando e o reinado vizinho foi perdendo território."

"Seu avô sempre me dizia: ‘se você não pode sequer limpar os próprios sapatos, como poderá cuidar de todo um reino? Se você não é capaz de organizar seu próprio quarto, como irá governar todo um povo?"

As tarefas simples, Reinaldo, nos educam, nos preparam para executar as maiores. Para comandar é preciso saber fazer. Até mesmo para exigir qualidade.

Se você nunca lavou as próprias vestes, como saberá se o outro as lavou bem? Apenas aceitará o que lhe entregam, da forma que vier.

Os seus antepassados foram comprando as terras do reino vizinho, que as perdeu por não saber administrar. Talvez falte ensinar aos príncipes herdeiros lições de humildade, da importância do trabalho simples, diário.

O que me diz, filho amado?"

O menino pensou um pouco, e declarou: "digo que tenho uma lista de tarefas para executar agora, e começarei limpando os sapatos que se sujaram de lama pelo caminho."

Não permita que seu filho se torne um incapaz, em razão do descaso em sua educação.

Não o prepare para os tempos de facilidade e abastança, mas para os dias de necessidade e carência, de modo que a incapacidade não o mutile.

Prepare-o na arte de auxiliar, de prestar colaboração, todos os dias.

Logo mais, ele andará sem você pelos caminhos do mundo. Ensine-o a andar com seus próprios pés, seguro e confiante.

quarta-feira, 12 de março de 2014

Amor sem divisões

Dois jovens estavam num jantar muito romântico.

Ambos estavam namorando há três meses, mas já sentiam um amor sincero um pelo outro.

- Eu te amo, disse o rapaz.

- Me ama mesmo? Perguntou a moça.

- Claro, eu amo tudo em você. Seus olhos, seus cabelos, sua boca, seu sorriso, amo até os seus defeitos. Enfim, te amo por inteiro.

- Fico feliz em ouvir isso, disse a moça. - Eu também te amo.

O rapaz, muito feliz, pegou seu garfo e levou a boca. Olhou para o prato e viu que nele estava um fio de cabelo no meio da comida.

- Eca, que nojento isso! Disse o rapaz, tirando o fio de cabelo do prato.

- Deixe eu ver, disse a moça.

Ela olhou bem o fio de cabelo e disse:

- Esse fio de cabelo é meu, sabia? Deve ter caído no seu prato agora, por acidente. Mas espere um momento. Você não disse que amava tudo em mim, que seu amor por mim era completo e que incluída tudo? Por que meu fio de cabelo na sua comida você não ama? O fio de cabelo não teve sua origem em mim mesma?

O rapaz ficou espantado. De fato, ele amava a moça, mas por que então havia sentido nojo do fio de cabelo, já que esse fio de cabelo pertencia a ela? Pensou por um instante e respondeu:

- Meu amor, acredite. Eu amo você por inteira. Mas esse fio de cabelo estava separado de você, tinha saído do seu cabelo e foi parar no prato. Ele veio de você, mas como ele não está mais integrado em você, se tornou algo que não lhe pertence mais.

A moça e o rapaz conversaram por bastante tempo, tentando resolver esse enigma. No final, eles compreenderam que o amor sempre pressupõe uma integração e uma harmonia entre as partes, e que as partes separadas não representam o amor real. Se alguma parte se dissocia do todo, ela acaba perdendo seu valor. O amor só faz sentido quando tudo está unido, quando não há separações ou divisões, quando todas as coisas estão perfeitamente integradas. Esse é um dos princípios do amor. Não é possível amar partes separadas. O amor é sempre integral e completo.

Autor: Hugo Lapa

terça-feira, 11 de março de 2014

Tire o pó se precisar


Não deixe suas panelas brilharem mais do que você!

Encontrei na internet esse texto de autor desconhecido.

Ele é tão tocante e tão perfeito, que queremos compartilhar com vocês, para que reflitam e, se julgarem necessário, reavaliem suas atitudes e o modo de encarar a vida. Vale a leitura!

"Não leve a faxina ou o trabalho tão a sério!

Pense que a camada de pó vai proteger a madeira que está por baixo dela! Uma casa só vai virar um lar quando você for capaz de escrever “Eu te amo” sobre os móveis!

Antigamente eu gastava no mínimo 8 horas por semana para manter tudo bem limpo, caso “alguém aparecesse para visitar” – mas depois descobri que ninguém passa “por acaso” para visitar – todos estão muito ocupados passeando, se divertindo e aproveitando a vida!

E agora, se alguém aparecer de repente?

Não tenho que explicar a situação da minha casa a ninguém...

As pessoas não estão interessadas em saber o que eu fiquei fazendo o dia todo enquanto elas passeavam, se divertiam e aproveitavam a vida…

Caso você ainda não tenha percebido:

- A VIDA É CURTA… APROVEITE-A!!!

Tire o pó… se precisar…

Mas não seria melhor pintar um quadro ou escrever uma carta, dar um passeio ou visitar um amigo, assar um bolo e lamber a colher suja de massa, plantar e regar umas sementinhas?

Pese muito bem a diferença entre QUERER e PRECISAR !

Tire o pó… se precisar…

Mas você não terá muito tempo livre…

Para beber champanhe, nadar na praia (ou na piscina), escalar montanhas, brincar com os cachorros, ouvir música e ler livros, cultivar os amigos e aproveitar a vida!!!

Tire o pó… se precisar… Mas a vida continua lá fora, o sol iluminando os olhos, o vento agitando os cabelos, um floco de neve, as gotas da chuva caindo mansamente….

- Pense bem, este dia não voltará jamais!!! Tire o pó… se precisar… mas não se esqueça que você vai envelhecer e muita coisa não será mais tão fácil de fazer como agora…

E quando você partir, como todos nós partiremos um dia, também vai virar pó!!!

Ninguém vai se lembrar de quantas contas você pagou, nem de sua casa tão limpinha, mas vão se lembrar de sua amizade, de sua alegria e do que você ensinou.

AFINAL:

- “Não é o que você juntou, e sim o que você espalhou que reflete como você viveu a sua vida.

segunda-feira, 10 de março de 2014

A origem dos problemas (Este conto é baseado num caso real)


Uma mãe e seu filho adolescente moravam na mesma casa, mas viviam brigando. O rapaz era demasiadamente exigente com ela. Ele acreditava que sua mãe devia fazer tudo para ele, e sempre disparava severas cobranças quando ela não atendesse as suas expectativas. O rapaz não arrumava coisa alguma em sua casa, ia mal nos estudos, não trabalhava, e era “especialista” em desorganizar a casa.

A mãe, por seu lado, não conseguia se impor. Sentia uma grande dificuldade de cobrar qualquer atitude dele, pois sentia uma culpa profunda que parecia não ter nenhuma causa. Sempre que seu filho fazia alguma bobagem, ao invés de apontar seus erros e pedir uma reparação, ela não conseguia reagir, pois a culpa a paralisava. Essa culpa se agravava quando o adolescente dizia sentir fortes dores na coluna e sempre usava isso para justificar sua ociosidade. Os médicos não conseguiam encontrar a causa física dessas dores.

Certo dia, após engolir muitas bobagens que ele havia cometido durante o dia, ela deitou em sua cama e pediu a Jesus uma explicação para tudo aquilo. Por que o filho era tão exigente e abusado com ela? E por que ela sentia essa forte culpa de origem desconhecida? A mãe fechou os olhos e adormeceu profundamente durante toda a noite.

O sol já estava começando a lançar seus primeiros raios quando ela percebeu que estava em pé, em seu quarto, sentindo-se muito leve. Olhou para sua cama, e tomou um grande susto! Viu a si mesma deitada na cama, dormindo tranquilamente. Percebeu que seu espírito estava fora do seu corpo material. Neste instante apareceu uma luz que aos poucos foi se aproximando. Uma silhueta de um homem de branco começou a se formar e disse:

- Não tenha medo. Sou um emissário do Cristo na Terra e estou aqui para atender ao teu pedido de esclarecimento. Por favor, me acompanhe.

A mulher foi seguindo o homem de branco para fora de sua casa. Ambos foram viajando pelo espaço e atravessando uma floresta. Como já estava amanhecendo, a mãe ficou preocupada de não conseguir acordar para ir ao trabalho. Mas o homem de branco disse que ela não se preocupasse, pois a deixaria em casa ainda antes de ir trabalhar.

Ambos estavam agora num imenso campo aberto de trigo, com algumas árvores próximas. O homem de branco diz:

- A partir deste ponto, você deve ir sozinha.

A mulher fez o que o homem de branco pediu. Começou a caminhar pelo campo de trigo, até que chegou num local envolto por várias árvores. Atravessou as árvores e olhou atentamente em volta.

Subitamente, viu um homem forte, com um machado nas mãos, correndo em sua direção. O homem desferiu um golpe com o machado, mas o outro homem conseguiu desviar. Um dos homens atacou o homem com o machado e conseguiu tirar o machado de suas mãos e joga-lo no chão. Assim que o homem caiu, o outro homem levantou o machado e, com um só golpe, cravou o machado nas costas do homem caído. Este agonizou no chão.

A mulher, que agora se via num corpo de homem, voltou para onde estava o homem branco com a mão toda ensanguentada e um pouco assustada. Ela disse:

- O que eu fiz? Não entendo! Você me trouxe aqui apenas para que eu matasse esse homem? Por que fez isso?

- Você ainda não entendeu? – perguntou o homem de branco – Este homem que você acabou de matar é o mesmo espírito do seu atual filho. Repare que você tomou o machado de sua mão e desferiu um golpe mortal em suas costas e hoje em dia seu filho tem graves dores na coluna. Essas dores atuais nada mais são do que um reflexo desse golpe de machado. Esse homem que desferiu o golpe é você mesma numa vida passada. E essa é a causa da enorme culpa que você sente hoje em dia. Você sente essa culpa inconsciente por tê-lo assassinado e na vida atual sente que deve compensá-lo pelo que ele fez, por isso tem dificuldade de exigir dele uma melhor postura diante da vida. Nossas vidas passadas influenciam imensamente em nossa vida atual. Mas agora que você já experimentou novamente esse episódio de outra vida, você naturalmente se libertará desta culpa, e ambos, você e seu filho, poderão a partir de agora conviver em paz e harmonia.

sábado, 8 de março de 2014

Dia da Mulher

Hoje é o seu dia, obrigado por existir e fazer meu mundo mais feliz.
Que voce posso no dia de hoje ser lembrada e valorizada pelas pessoas que lhe são especiais.
Parabens pelo seu dia! o dia da MULHER.
Cesar

sexta-feira, 7 de março de 2014

Dê atenção a seus pais

Você dá atenção aos seus pais...

Rodrigo, 34 anos, depois de muito tempo sem visitar o velho pai, resolveu passear com ele.

Foram para um parque da cidade, sentaram-se num banco da praça.

Enquanto Rodrigo lia o seu jornal, o pai observava a natureza com os olhos cansados de um homem de 81 anos. De repente, um movimento nas árvores e o pai de Rodrigo, seu orlando pergunta:

- Filho, o que é aquilo?

Rodrigo, afasta por um segundo o jornal e responde:

- É um pássaro, pai...

O velho pai, continua acompanhando o movimento do passarinho, e pergunta, novamente ...
- O que é aquilo?

Estressado, Rodrigo, responde de forma ríspida :

- Poxa! Já falei...Aquilo é um pássaro!!!

Passados alguns segundos, seu Orlando torna a perguntar, apontando para o passarinho...

- O que é aquilo?

Desta vez o filho explode com sua paciência esgotada, e gritando com o próprio pai:

- O senhor está caduco, surdo? Já falei aquilo é um pássaro.

P á s s a r o!!! Entendeu???

Nisso, o velho pai, faz um sinal pedindo para o filho aguardar, levanta-se , tira da bolsa uma espécie de diário e pede para o filho ler em voz alta, um trecho escrito há muitos anos. O filho lê, em voz alta:

“Ontem, meu filho, agora com três aninhos, me perguntou 26 vezes o que era aquilo voando de uma árvore para outra e respondi todas as vezes com muita paciência, que era um pássaro! E todas as vezes abracei meu filhinho, orgulhoso e cheio de amor”.

LIÇÃO DE VIDA :

Muitas vezes não temos paciência com nossos pais, achando que eles são chatos, velhos demais e só querem atrapalhar nossa vida. Esquecemos que foram eles que nos orientaram educaram, socorreram, investiram todo seu tempo, paciência e amor para que pudéssemos, um dia, sermos pessoas de bem. E hoje não temos tempo e nem paciência com eles.

quinta-feira, 6 de março de 2014

Nada nos pertence

Na antiguidade, dois homens procuraram um sábio para resolver uma disputa.

Eles queriam saber quem era o dono legítimo de uma propriedade agrícola.

O primeiro homem disse ao sábio:

- Senhor, meus ancestrais há séculos conquistaram essas terras, e eu sou o dono legítimo delas.

O outro homem retrucou veementemente:

- Isso é mentira senhor! Os meus ancestrais é que conquistaram essas terras, eles chegaram aqui bem antes da família dele!

O sábio olhou para ambos e disse:

“Vou lhes fazer uma pergunta.” Apontou para um dos homens e disse:

- Você é o dono de sua roupa?

- Sim senhor, disse ele. Essa roupa eu comprei.

- No entanto, disse o sábio, - daqui a um tempo esta roupa que você carrega em seu corpo vai se desgastar, e não mais servirá para o uso.

- Sim mestre, concordou o homem.

O sábio apontou para o outro homem e perguntou:

- E você? De quem é esse cordão de prata em seu pulso.

- É meu senhor, respondeu.

Sim, disse o sábio. – No entanto, daqui a alguns anos esse colar também vai se desgastar, começar a perecer, e você não mais poderá usa-lo.

- Sim, verdade senhor, disse o homem.

- Agora desejo fazer uma pergunta a ambos. O vosso corpo vos pertence?

Os homens entreolharam-se e ficaram sem entender a pergunta. Um deles respondeu:

- Sim senhor, este corpo físico é meu. Eu nasci com ele e ele me pertence.

- Você tem certeza disso? Perguntou o sábio.

– Pela idade de vocês, no máximo em 50 anos esse corpo que vocês afirmam possuir vai se degradar, perecer, e vocês não mais o terão.

Os homens não sabiam mais o que dizer.

O sábio continuou.

- Nada do que existe de material na vida vos pertence. Nem suas roupas, nem seus colares, nem seus bens, e nem mesmo seu corpo físico. Tudo aquilo que vocês utilizam nesse mundo, não importa o que seja, vai aos poucos se desgastando, se degradando, perecendo e se perdendo. Até mesmo a terra, se não for adubada, logo se tornará infértil. Os bens materiais são perecíveis, se desgastam e depois retornam ao seio da terra, onde se resolvem em seus elementos essenciais, assim como seu corpo físico e tudo aquilo que vocês acreditam possuir. Então eu vos pergunto: alguém tem propriedade sobre algo deste mundo? A propriedade é daqueles que sabem utilizar cada coisa da melhor forma possível, mas ninguém pode se outorgar o título de proprietário de algo. Estamos neste mundo apenas de passagem e o que fazemos nada mais é do que usar, da melhor forma possível, todos os benefícios que a natureza nos dá. A única coisa que vocês vão levar deste mundo é quem vocês são de verdade, e o que aprenderam de mais elevado,os valores,as virtudes e as qualidades do espírito humano. Ao invés de brigarem por futilidades passageiras, cultivem aquilo que é da ordem do eterno, a vossa essência espiritual...

Os homens então conversaram entre si e decidiram dividir as terras. Cada um cultivou uma parte e ambos ficaram felizes.

quarta-feira, 5 de março de 2014

Encantamento amoroso!

Como se dá o encantamento amoroso!!!
Até hoje, muita gente gosta de pensar que o encantamento amoroso acontece por acaso e de modo mágico (como se fôssemos mesmo vítimas das flechadas aleatórias do Cupido).

Não é o que acredito.

Desde 1976 venho tentando entender quais as variáveis que determinam a escolha dos parceiros sentimentais.

A tarefa é difícil porque está relacionada com múltiplas variáveis e isso costuma ser motivo para que algumas pessoas privilegiem uma delas e desconsiderem outras igualmente importantes.

Penso que existem pelo menos três ingredientes muito relevantes na escolha sentimental: o fato daquela pessoa despertar algum tipo de entusiasmo erótico, a presença nela de alguns ingredientes particularmente agradáveis para o que se encanta e também um aspecto claramente racional relacionado com a admiração.

Cada um desses elementos tem seu peso e, de alguma forma, todos participam do fenômeno, aparentemente mágico, que faz com que uma pessoa neutra se transforme, em pouco tempo, em alguém essencial e único, longe de quem parece impossível imaginar a continuidade da vida.

Muitos são os que privilegiam, mais que tudo o ingrediente erótico: quando um homem sente um forte desejo sexual por uma mulher, costuma confundir isso com amor – até porque em nossa cultura ainda prevalece a ideia freudiana de que “todo amor é sexual”.

Quando uma mulher se sente fortemente excitada ao se perceber desejada por um dado homem também costuma atribuir isso ao fato dele poder ser o tão esperado “príncipe”.

O desejo sexual nem sempre é um bom conselheiro, visto que ele muito frequentemente se manifesta como consequência de uma forma mais exibicionista com que certas mulheres se apresentam socialmente ou da maneira mais agressiva e direta de expressão do desejo por parte dos homens mais ousados e, por vezes, impertinentes.

Sem desprezar sua importância, penso que o entusiasmo sexual deve ser avaliado com cautela e à luz dos outros ingredientes.

Os aspectos menos específicos e que são, juntamente com o sexo, capazes de despertar entusiasmos sentimentais quase imediatos – amor à primeira vista – estão relacionados com peculiaridades daquela dada pessoa e que entusiasmam a alguns e não obrigatoriamente a outros: o timbre de voz, o jeito de andar, o sorriso, a maneira de se apresentar socialmente, a delicadeza dos gestos, além de alguns aspectos da aparência física e que podem lembrar pessoas relevantes do passado daquele que irá se encantar.

A esse conjunto, costumo chamar de “fator x”, algo indefinido e muito personalizado.

“O fator x” nos influencia bem mais do que costumamos pensar.

O terceiro componente relacionado com o surgimento do encantamento amoroso tem a ver com a admiração, aspecto racional e que deriva dos critérios de valor de cada pessoa e também de sua autoestima.

Pessoas com baixa autoestima tendem a admirar aqueles que são seus opostos – os tímidos admiram os extrovertidos, os mansos valorizam os mais agressivos… Se levarmos em conta apenas esse aspecto da questão, fica claro porque tendem a ser frequentes os encantamentos entre pessoas diferentes, em geral diametralmente opostas.

Fica clara também a tendência à repetição, ou seja, à escolha de sucessivos parceiros com características semelhantes – e nem sempre as que melhor combinam com aquele que escolhe.

Aquelas pessoas portadoras de boa autoestima e mais corajosas tendem a se encantar por criaturas mais parecidas consigo mesmas.

Digo que a coragem é peça essencial nesse processo porque o encantamento entre pessoas com mais afinidades tende a ser mais intenso, determinando uma sensação de iminência de fusão, algo que aparece como muito ameaçador.

Surge uma dependência muito forte, associada a um enorme medo de sofrimento em caso de ruptura.

Surge também uma grande sensação de ameaça à individualidade, como se os amantes fossem mesmo se “fundir” e se transformar em “uma só carne”.

Surge um terceiro medo, relacionado com a própria sensação de felicidade, como se ela atraísse “más vibrações” vindas das pessoas não tão satisfeitas sentimentalmente.

O medo transborda as fronteiras do razoável e aparece consubstanciado em algumas expressões que usamos correntemente: “isso está bom demais”! “Estou morrendo de felicidade”!

O tema é muito importante e certamente voltaremos a ele.

É importante registrar também que nossa cultura sempre privilegiou a escolha de parceiros complementares, tipo “a tampa e a panela”, de modo que a aliança entre pessoas muito semelhantes ainda é vista como inadequada e tediosa por muitos dos defensores das formas mais tradicionais de encantamento amoroso.

Isso porque não existem muitas divergências, atritos ou brigas, o que pode parecer, para alguns, motivo de desgosto.

A verdade é que a maioria dos casais se desentende sempre pelos mesmos motivos e as brigas sim é que são monótonas e repetitivas.

Penso assim: a vida em comum é chata e tediosa quando as pessoas que se casam são chatas e tediosas!

Site: http://bit.ly/1iukex3

terça-feira, 4 de março de 2014

Vencer ou perder, isso é com você

" Porque, como ele pensa consigo mesmo, assim é... " - Provérbios 23:7

Conta certa lenda, que estavam duas crianças patinando num lago congelado.

Era uma tarde nublada e fria e as crianças brincavam despreocupadas.

De repente, o gelo se quebrou e uma delas caiu, ficando presa na fenda que se formou.

A outra, vendo seu amiguinho preso e se congelando, tirou um dos patins e começou a golpear o gelo com todas as suas forças, conseguindo por fim quebrá-lo e libertar o amigo.

Quando os bombeiros chegaram e viram o que havia acontecido, perguntaram ao menino: - Como você conseguiu fazer isso?

É impossível que tenha conseguido quebrar o gelo, sendo tão pequeno e com mãos tão frágeis !

Nesse instante, um ancião que passava pelo local, comentou :

- Eu sei como ele conseguiu.

Todos perguntaram:

- Pode nos dizer como ?!

- É simples - respondeu o velho.

- Não havia ninguém ao seu redor, para lhe dizer que não seria capaz.

Nossas vivências diárias estão diretamente vinculadas aos nossos pensamentos.

A Bíblia nos mostra em Mateus 6:22,23 que se os nossos olhos forem bons todo nosso corpo terá luz.

Se você quer uma vida frutífera pare agora, de pensar e falar negativamente.

Uma vida próspera é resultado direto de uma mente sadia.


Pessoas que pensam pequeno, são pequenas.

Muita gente reclama de sua sorte, como se ela dependesse da ação dos outros.

Engano.

Somos o resultado de nossas escolhas, da maneira como falamos, com quem escolhemos andar, das alianças que fazemos.

Mente curta, caminhada curta.

O meu problema é meu.

O seu problema é seu.

De nada adiantam remédios, psicólogos, pastores, amigos, e até mesmo Deus (ter fé, ler a Bíblia, orar), se você continua presa ao seu passado, a uma auto estima desequilibrada, a sofrimentos vividos, a sua história mal escrita.

Ou você reescreve, ou continuará assim para sempre.

Corações amargurados não andam, não deixam a vida andar. Nada flui, coisa alguma dá certo.

Um grande problema é que a pessoa que vive assim, nunca é feliz sozinha, ela quer contaminar todo mundo ao redor com suas palavras mordazes, sua amargura, seu veneno.

Pare de acusar os outros, pare de querer mudar o mundo. Mude você.

Seja uma pessoa boa, honesta, fiel.

Você já pensou em quantas pessoas você tem desanimado com a sua falta de fé e de esperança?

Já parou para pensar que existem coisas que podem ser feitas apenas pelo amor?


Pense que, não importam as circunstâncias nem as dificuldades, o que importa mesmo é o quanto você deseja de verdade alcançar alguma coisa e o valor que dá a elas.

Sendo assim, mude agora, a sua maneira de agir e sua vida, certamente, mudará.

segunda-feira, 3 de março de 2014

Força e Coragem

Força e coragem: fontes das vivências e grandezas da vida.

- Você se considera uma pessoa de coragem????

E, se tem coragem, também tem força o bastante para suportar os desafios da caminhada?

Em muitas ocasiões da vida, não sabemos avaliar o que realmente necessitamos: se de força ou de coragem.

E há momentos em que precisamos das duas virtudes conjugadas.

Há situações que nos exigem muita força, mas há horas em que a coragem se faz mais necessária.

Eis aqui alguns exemplos:

É preciso ter força para ser firme, mas é preciso coragem para ser gentil.

É preciso ter força para se defender, mas é preciso coragem para não revidar.

É preciso ter força para ganhar uma guerra, mas é preciso coragem para se render.

É preciso ter força para estar certo, mas é preciso coragem para admitir a dúvida ou o erro.

É preciso ter força para manter-se em forma, mas é preciso coragem para ficar de pé.

É preciso ter força para sentir a dor de um amigo, mas é preciso coragem para sentir as próprias dores.

É preciso ter força para esconder os próprios males, mas é preciso coragem para demonstrá-los.

É preciso ter força para suportar o abuso, mas é preciso coragem para fazê-lo parar.

É preciso ter força para fazer tudo sozinho, mas é preciso coragem para pedir apoio.

É preciso força para enfrentar os desafios que a vida oferece, mas é preciso coragem para admitir as próprias fraquezas.

É preciso força para buscar o conhecimento, mas é preciso coragem para reconhecer a própria ignorância.

É preciso força para lutar contra a desonestidade, mas é preciso coragem para resistir às suas investidas.

É preciso força para enfrentar as tentações, e é preciso coragem para não cair nas suas armadilhas.

É preciso ter força para gritar contra a injustiça, mas é preciso muita coragem para ser justo.

É preciso força para pregar a verdade, mas é preciso coragem para ser verdadeiro.

É preciso força para levantar a bandeira da paz, mas é preciso coragem para construí-la na própria intimidade.

É preciso ter força para falar, mas é preciso coragem para se calar.

É preciso força para lutar contra a insensatez, mas é preciso coragem para ser sensato.


É preciso ter força para defender os bens materiais, mas é preciso coragem para preservar o patrimônio moral.

É preciso ter força para amar, mas é preciso coragem para ser amado.

É preciso ter força para sobreviver, mas é preciso coragem para aprender a viver.

Enfim, é preciso ter muita força para enfrentar as batalhas do dia-a-dia, mas é preciso muita coragem moral, para vencer-se a si mesmo.

Força e coragem: duas virtudes com as quais podemos conquistar grandes vitórias. E a maior delas é a vitória sobre as próprias imperfeições.”

Luz e Paz.

*por Tenório Lucena

Não tenha medo de abrir mão do que você quer para viver o que Deus quer para você

Deus só pode agir naquilo em que O deixamos trabalhar. Às vezes, saímos feridos de um relacionamento, tão machucados, que achamos que o “o a...