segunda-feira, 28 de fevereiro de 2011

O Ensinamento Vivo

Era um dia de sol. Mãe e filha saíram a passear. Pararam defronte a uma construção.

O trabalho era incessante. Máquinas, sob a direção de homens habilitados abriam enormes crateras para os alicerces, no chão duro. Veículos pesados transportavam terra daqui para ali, com rapidez e segurança

Pedreiros já estavam a postos, sob o comando vigilante dos técnicos que orientavam os trabalhos.

O engenheiro chefe, vendo-as tão atentas, se aproximou e, porque fosse indagado, esclareceu:

O investimento que está sendo feito neste local é muito grande. O projeto é de um edifício de grandes proporções, possivelmente um dos mais altos da cidade.

Muitas centenas de trabalhadores especializados serão convidados a colaborar em toda a sua estrutura, até o acabamento final.

Precisaremos de carpinteiros, vidraceiros, pintores, encanadores, eletricistas, decoradores para completar o serviço. Qualquer construção precisa de um grande número de profissionais.

A garota estava impressionada e comentou:

Quanta gente para pensar, cooperar e servir!

Sim, disse o técnico, construir é sempre muito difícil.

Mãe e filha continuaram o passeio e, após algumas quadras, chegaram em frente a uma casa em demolição. Ali havia somente um homem, empunhando um gigantesco martelo.

Ele batia nas paredes de alvenaria e madeirame e elas ruíam, com estrondo, de forma muito rápida.

Lembrando o trabalho grandioso da construção que acabara de ver, a menina exclamou:

Como é terrível arruinar tão rapidamente o trabalho de tantos.

Foi então que a mãe, sempre atenta para as questões da educação de sua filha, falou:

Pois é, minha filha, toda realização útil na Terra exige paciência e suor, trabalho e sacrifício de muita gente. Construir, edificar é muito difícil.

Mas, como você pode ver, destruir é sempre muito fácil.

Uma pessoa com um martelo na mão destrói o esforço de muitos.

A crítica que usamos contra o nosso semelhante é como o martelo na velha construção: destruidora.

Quando ficamos a ver defeitos nas obras alheias e nos entregamos à crítica, estamos destruindo. E, normalmente, sem oferecer nada melhor em troca.

Pensemos, antes de criticar, agredir e prejudicar. Se o nosso intuito é o de ajudar, apontemos as falhas, sim, mas sobretudo apresentemos soluções.

Quem deseja ajudar, não se satisfaz em apontar erros nas pessoas e nas instituições porque esta é a crítica que destrói.

Quem deseja ajudar, apresenta sugestões de melhoria moral a fim de que o outro tenha opções para buscar a própria renovação.

Quem pensa em auxiliar, arregaça mangas, coloca mãos à obra, olha para o companheiro ao lado e convida: Vamos construir um lugar melhor para nós e para todos?

Pense nisso!

sexta-feira, 25 de fevereiro de 2011

Eu Desisto! e Você?

Desisti de reclamar de quem não quer aprender.Decidi me concentrar em quem quer...

Desisti de tentar emagrecer para ser igual a todo mundo. Resolvi ter o peso que eu devo ter, por uma questão de saúde, por uma questão de bem estar.Só isso.

Desisti de tentar fazer com que as pessoas pensem do jeito que eu gostaria que elas pensassem. Achei melhor buscar respeitar o outro do jeito que ele é. Imagina se o mundo fosse feito de milhões de pessoas iguais a mim... Ah, isso ia ser um tormento!

Desisti de procurar um emprego perfeito e apaixonante. Achei que estava na hora de me apaixonar pelo meu trabalho e fazer dele o acontecimento mais incrível da minha vida, enquanto ele durar.

Desisti de procurar defeito nas pessoas. Achei que estava na hora de colocar um filtro e só ver o que as pessoas têm de melhor. Defeito todo mundo acha, quero ver achar qualidades em quem parece não tê-las.


Desisti de ter o celular mais "psico-tecno-cibernético" do mercado. Agora eu só quero um, telefone, pra falar. E muito frustrante comprar o mais novo modelo e dias depois ver que ele já foi superado.É pra isso que a indústria trabalha.
Aproveitei o gancho e apliquei o conceito também a outros produtos: relógio, computador, máquina fotográfica, carro..

Desisti de impor minha opinião sobre tudo. Decidi que de agora em diante vou ouvir todas as opiniões, mesmo as contrárias, e vou tentar tirar proveito de cada uma delas. É mais barato compartilhar as opiniões do que brigar pra manter só uma.

Desisti de ter tanta pressa. Tudo na vida tem seu tempo, e se não acontecer, não era pra acontecer. Não quer dizer que eu vou "deixar a vida me levar" e parar de correr em busca do que eu acredito, mas não vou me desesperar se eu perder o vôo. Sei lá o que vai acontecer com o avião...

Desisti de correr da chuva.Tem coisa mas bacana que tomar banho de chuva?Há quanto tempo você não sente aquele cheiro de terra molhada? E se o resfriado chegar, qual o problema? Não vai ser o primeiro nem o último.

Desisti de trabalhar para fazer o meu sistema de qualidade ser perfeito. Eu prefiro mantê-lo sob controle, funcionando, ajudando as pessoas, ajudando os processos, dando resultados, mesmo que aos poucos. Com essa filosofia eu ganhei um monte de parceiros, ao invés de cultivar inimigos.Se eu fosse você, desistia também...


Tem um monte de coisas que você faz, carrega e sente, que não precisa...Pense Nisso...e tenha um bom dia...

Pai Nosso meditado

CRISTÃO: Pai nosso que estais no céu...
DEUS: Sim? Estou aqui.

CRISTÃO: Por favor, não me interrompa, estou rezando!
DEUS: Mas você me chamou!
CRISTÃO: Chamei? Eu não chamei ninguém. Estou rezando. Pai nosso que estais no céu...
DEUS: Aí, você chamou de novo.

CRISTÃO: Fiz o que?
DEUS: Me chamou. Você disse: Pai nosso que estais no céu. Estou aqui. Como é que Posso ajudá-lo?

CRISTÃO: Mas eu não quis dizer isso. É que estou rezando. Rezo o Pai Nosso todos os dias, me sinto bem rezando assim. É como se fosse um dever. E não me sinto bem até cumpri-lo...
DEUS: Mas como podes dizer Pai Nosso, sem lembrar que todos são seus irmãos, como podes dizer que estais no céu, se você não sabe que o céu é a paz, que o céu é amor a todos?

CRISTÃO: É, realmente ainda não havia pensado nisso.
DEUS: Mas, prossiga sua oração.

CRISTÃO: Santificado seja o Vosso nome...
DEUS: Espere aí! O que você quer dizer com isso?

CRISTÃO: Quero dizer... quer dizer, é... sei lá o que significa. Como é que vou saber? Faz parte da oração, só isso!
DEUS: Santificado significa digno de respeito, Santo, Sagrado.

CRISTÃO: Agora entendi. Mas nunca havia pensado no sentido dessa palavra
SANTIFICADO ... "Venha a nós o vosso reino, seja feita a vossa vontade, assim na terra como no céu..."
DEUS: Está falando sério?

CRISTÃO: Claro! Porque não?
DEUS: E o que você faz para que isso aconteça?

CRISTÃO: O que faço? Nada! É que faz parte da oração, além disso seria bom que o Senhor tivesse um controle de tudo o que acontecesse no céu e na terra também.
DEUS: Tenho controle sobre você?

CRISTÃO: Bem, eu freqüento a igreja!
DEUS: Não foi isso que Eu perguntei. Que tal o jeito que você trata os seus irmãos, a maneira com que você gasta o seu dinheiro, o muito tempo que você dá à televisão, as propagandas que você corre atrás, e o pouco tempo que você dedica à Mim?

CRISTÃO: Por favor. Pare de criticar!
DEUS: Desculpe. Pensei que você estava pedindo para que fosse feita a minha vontade. Se isso for acontecer tem que ser com aqueles que rezam, mas que aceitam a minha vontade, o frio, o sol, a chuva, a natureza, a comunidade.

CRISTÃO: Está certo, tens razão. Acho que nunca aceito a sua vontade, pois reclamo de tudo: se manda chuva, peço sol, se manda o sol reclamo do calor, se manda frio, continuo reclamando, se estou doente peço saúde, não cuido dela, deixo de me alimentar ou como muito...
DEUS: Óptimo reconhecer tudo isso. Vamos trabalhar juntos Eu e você, mas olha, vamos ter vitórias e derrotas. Eu estou gostando dessa nova atitude sua.

CRISTÃO: Olha Senhor, preciso terminar agora. Esta oração esta demorando muito mais do que costuma ser. Vou continuar: "o pão nosso de cada dia nos daí hoje..."
DEUS: Pare aí! Você está me pedindo pão material? Não só de pão vive o homem, mas também da minha palavra. Quando me pedires o pão, lembre-se daqueles que nem conhecem pão. Pode pedir-me o que quiser, desde que me veja como um Pai amoroso! Eu estou interessado na próxima parte de sua oração. Continue!

CRISTÃO: "Perdoai as nossas ofensas, assim como nós perdoamos a quem nos tem ofendido"
DEUS: E o seu irmão desprezado?

CRISTÃO: Está vendo? Olhe Senhor, ele já criticou várias vezes e não era verdade o que dizia. Agora não consigo perdoar. Preciso me vingar.
DEUS: Mas, e sua oração? O que quer dizer sua oração? Você me chamou, e eu estou aqui, quero que saias daqui transfigurado, estou gostando de você ser honesto. Mas não é bom carregar o peso da ira dentro de você, não acha?

CRISTÃO: Acho que iria me sentir melhor se me vingasse!
DEUS: Não vai não! Vai se sentir pior. A vingança não é tão doce quanto parece. Pense na tristeza que me causaria, pense na sua tristeza agora. Eu posso mudar tudo para você. Basta você querer.

CRISTÃO: Pode? Mas como?
DEUS: Perdoe seu irmão, Eu perdoarei você e te aliviarei

CRISTÃO: Mas Senhor, eu não posso perdoá-lo.
DEUS: Então não me peças perdão também!

CRISTÃO: Mais uma vez está certo! Mais do que quero vingar-me, quero a paz com o Senhor. Esta bem, esta bem; eu perdôo a todos, mas ajude-me Senhor. Mostre-me o caminho certo para mim e meus inimigos.
DEUS: Isto que você pede é maravilhoso, estou muito feliz com você. E você como está se sentindo?

CRISTÃO: Bem, muito bem mesmo! Para falar a verdade, nunca havia me sentido assim! É tão bom falar com Deus.
DEUS: Ainda não terminamos a oração. Prossiga...

CRISTÃO: "E não deixeis cair em tentações, mas livrai-nos do mal..."
DEUS: Óptimo, vou fazer justamente isso, mas não se ponha em situações onde possa ser tentado.

CRISTÃO: O que quer dizer com isso?
DEUS: Deixe de andar na companhia de pessoas que o levam a participar de coisas sujas, intrigas, fofocas. Abandone a maldade, o ódio. Isso tudo vai levá-lo para o caminho errado. Não use tudo isso como saída de emergência!

CRISTÃO: Não estou entendendo!
DEUS: Claro que entende! Você já fez isso comigo várias vezes. Entra no erro, depois corre me pedir socorro.

CRISTÃO: Puxa, como estou envergonhado!
DEUS: Você me pede ajuda, mas logo em seguida volta a errar de novo, para mais uma vez vir fazer negócios comigo!

CRISTÃO: Estou com muita vergonha, perdoe-me Senhor!
DEUS: Claro que perdoo! Sempre perdoo a quem está disposto a perdoar também, mas não esqueça, quando me chamar, lembre-se de nossa conversa, medite cada palavra que fala! Termine sua oração.

CRISTÃO: Terminar? Há, sim, "Amém!"
DEUS: O que quer dizer amém?

CRISTÃO: Não sei. É o final da oração.
DEUS: Você só deve dizer amém quando aceita dizer tudo o que eu quero, quando concorda com minha vontade, quando segue os meus mandamentos, porque AMÉM! Quer dizer: assim seja, concordo com tudo que orei.

CRISTÃO: Senhor, obrigado por ensinar-me esta oração e agora obrigado por fazer-me entendê-la.
DEUS: Eu amo cada um dos meus filhos, amo mais ainda aqueles que querem sair do erro, quer ser livre do pecado. Abençoo-te e fica com minha paz!

CRISTÃO: Obrigado, Senhor! Estou muito feliz em saber que és meu amigo.

quinta-feira, 24 de fevereiro de 2011

O QUE UNE OS CASAIS AFINAL?

Um homem tinha longas conversas com o diabo. Cavalheiro de voz mansa, bem vestido, em nada se parece com o que dizem dele: rabo, chifres, patas de bode e cheiro de enxofre. Um dia ele ficou sabendo o motivo exato do desentendimento definitivo entre Deus e o diabo...

Esta foi a história que o Diabo contou:
- Todo mundo sabe que, no início, eu era a mão direita de Deus. Estávamos de acordo em tudo. Ele mandava, eu fazia. Foi por causa do casamento que nos separamos. Até então trabalhávamos juntos. Quando Deus disse que não era bom que o homem estivesse só, e melhor seria que ele tivesse uma mulher, eu concordei. Quando Deus disse que essa união deveria ser sem fim, até a morte, eu aplaudi. Mas aí apareceu o pomo da discórdia. Para colar o homem na mulher, Deus foi buscar uma bisnaguinha de amor. Protestei. Argumentei: "Senhor! Amor é coisa muito fraca, de duração efêmera! Quem é colado com amor logo se separa!"

E o diabo continuou explicando:
- O amor é chama tênue, fogo de palha. Não pode ser imortal. No começo, aquele entusiasmo. Mas logo se apaga. Chama de vela, fraquinha, que se vai com qualquer ventinho… Amor é bibelô de louça. Todos os amantes sabem disso, mesmo os mais apaixonados. E não é por isso que sentem ciúmes? Ciúme é a consciência dolorosa de que o objeto amado não é posse: ele pode voar a qualquer momento. Por isso o amor é doloroso, cheio de incertezas. Discreto tocar de dedos, suave encontro de olhares: coisa deliciosa, sem dúvida. E é por isso mesmo, por ser tão discreto, por ser tão suave, que o amor se recusa a segurar. Amar é ter um pássaro pousado no dedo. Quem tem um pássaro pousado no dedo sabe que, a qualquer momento, ele pode voar.

E continuou sua explicação:
- Como construir uma união duradoura com uma cola tão fraquinha? Por isso os casais se separam, por causa do amor, pela ilusão de outro amor. Qualquer tolo sabe que o pássaro só fica se estiver na gaiola. O amor é cola fraca para produzir um casamento duradouro porque no amor vive o maior inimigo da estabilidade: a liberdade. É preciso que o pássaro aprenda que é inútil bater as asas. Um casamento duradouro é aquele em que o homem e a mulher perderam as ilusões do amor. Foi aí que nos separamos, ele continuou. Não porque discordássemos que o casamento deveria ser eterno. É isso o que eu quero. Nos separamos porque não estávamos de acordo sobre o que é que junta um homem e uma mulher, eternamente. Deus é um romântico. Eu sou um realista.

Perplexo, o homem perguntou:
- Qual foi sua proposta? Que cola deveria ser usada?

O diabo sorriu confiante, e respondeu:
- O ódio. Enganam-se aqueles que dizem que o ódio separa. A verdade é que o ódio junta as pessoas. Como disse um jagunço do Guimarães Rosa, quem odeia o outro, leva o outro para a cama. Diferente do fogo da vela, o fogo do ódio é como um vulcão. Não se apaga nunca. Por fora parece adormecido. No fundo as chamas crepitam. A diferença entre os dois? O amor, por causa da liberdade, abre a mão e deixa o outro ir. No amor existe a permanente possibilidade de separação. Mas o ódio segura. Não tenha dúvidas. Os casamentos mais sólidos são baseados no ódio. E sabe por que o ódio não deixa ir? Porque ele não suporta a fantasia do outro, voando livre, feliz. O ódio constrói gaiolas, e ali dentro ficam os dois, moendo-se mutuamente como máquina de moer carne que gira sem parar, cada um se nutrindo da infelicidade do outro. As pessoas ficam juntas para se torturarem. Não menospreze o poder do sadismo. Ah! A suprema felicidade de fazer o outro infeliz!

A cola de Deus, o amor, é eficiente. A nós, seres humanos, depende o trabalho de fazê-la dar liga. Ou voce prefere acreditar na outra receita? Pense nisso...e tenha um bom dia...

quarta-feira, 23 de fevereiro de 2011

...

Se ouvires uma voz dentro da escuridão quando estiveres na solidão, vais lembrar de mim. Se sentires o toque da mão de alguém que te impede seguir em frente, vais lembrar de mim. Eu movi montanhas para te alcançar, corri mais que o tempo para não te deixar e quando não houver flores no teu jardim é só olhares para a luz e vais lembrar de mim.

Não me arrependo quando te amei, entristeço-me por não ter conseguido conquistar-te, quem sabe eu fui pouco para ti, e tu eras demais para mim, ou quem sabe não foi assim, talvez eu fosse tanto, tão além das tuas possibilidades, que apesar do meu encanto, tu não assumiste tal responsabilidade. Enfim agora já não importa, porque nada entre nós aconteceu, eu nunca fui teu, e tu jamais foste minha. Se, apesar de tudo, dissemos palavras de amor, que elas sejam enterradas sem nenhum pudor.

O que dissemos o tempo pode levar, e tão distante colocar, que chegará um dia que de nada vamos lembrar. O tempo só não apagará as palavras em formas de poesia que por mim foram escritas um dia é, com isso que vais ter que conviver, de vez em quando, em algum lugar vais ler algo que foi escrito para ti. Não acredito que isso te fará sofrer, mas pelo menos fará com que reconheças em cada verso, em cada linha, em cada palavra, que eu fui um homem apaixonado por ti…


O Mundo pode por infindáveis vezes, nos desencorajar a confessar os nossos sentimentos mais profundos.
Às vezes discussões sem sentido, não deixam um beijo doce acontecer. Mesmo assim decidi, que apesar do mundo de hoje, não dar espaço ao romantismo, iria contra todos os obstáculos que a vida moderna me impõe, e levar-te através desta missiva, o meu coração... ele está contido em cada palavra desta carta, escondido nas entrelinhas.

terça-feira, 22 de fevereiro de 2011

FORTE

Certo dia, a pedra disse:
"Eu sou forte!"
Ouvindo isso, o ferro disse:
"Eu sou mais forte que você! Quer ver?"
Então, os dois duelaram até que a pedra se tornasse pó.
O ferro, por sua vez, disse:
"Eu sou forte!"
Ouvindo isso, o fogo disse:
"Eu sou mais forte que você! Quer ver?"
Então os dois duelaram até que o ferro se derretesse.
O fogo, por sua vez, disse:
"Eu sou forte!"
Ouvindo isso, a água disse:
"Eu sou mais forte que você! Quer ver?"
Então, os dois duelaram até que o fogo se apagasse.
A água, por sua vez, disse:
"Eu sou forte!"
Ouvindo isso, a nuvem disse:
"Eu sou mais forte que você! Quer ver?"
Então, as duas duelaram até que a nuvem fez a água evaporar.
A nuvem, por sua vez, disse:
"Eu sou forte!"
Ouvindo isso, o vento disse:
"Eu sou mais forte que você! Quer ver?"
Então os dois duelaram até que o vento soprasse a nuvem e ela se desfizesse.
O vento, por sua vez, disse:
“Eu sou forte!"
Ouvindo isso, os montes disseram:
"Nós somos mais fortes que você! Quer ver?"
Então, os dois duelaram até que o vento ficasse preso dentre o círculo de montes.
Os montes, por sua vez, disseram:
"Nós somos fortes!"
Ouvindo isso, o homem disse:
"Eu sou mais forte que vocês! Querem ver?"
Então, o homem, dotado de grande inteligência, perfurou os montes, impedindo que eles prendessem o vento.
Acabando com o poder dos montes, o homem disse:
"Eu sou a criatura mais forte que existe!"
Até que veio a morte, e o homem que achava ser inteligente e forte suficiente, com um golpe apenas, acabou-se.
A morte ainda comemorava, quando, sem que ela esperasse, veio um HOMEM e, com apenas três dias de falecido, ressuscitou, vencendo a morte e todo poder foi Lhe dado no céu, na terra e debaixo da terra.
Vencendo a morte, ELE nos deu o direito a Vida Eterna, através do seu sangue, que liberta do pecado, cura as enfermidades e salva a alma do tormento eterno.
Esse homem é JESUS, o Filho de DEUS.

Se você conhece algo ou alguém que possa ser mais poderoso que ELE, exclua esta mensagem, se não, envie esta mensagem para todos que você conhece.

"Eu sou a ressurreição e a vida. Aquele que crê em mim, ainda que esteja morto, viverá.

E todo aquele que vive e crê em mim, jamais morrerá.”

(João 11:25-26)

A graça e a paz de meu Senhor e Salvador Jesus Cristo, seja sobre todas as áreas de sua vida, hoje e sempre, amém!!!

segunda-feira, 21 de fevereiro de 2011

QUEM DISSE QUE NINGUÉM É INSUBSTITUÍVEL?

Na sala de reunião de uma multinacional o Diretor nervoso fala com sua equipe de gestores.
Agita as mãos, mostra gráficos e, olhando nos olhos de cada um ameaça: "ninguém é insubstituível"!
A frase parece ecoar nas paredes da sala de reunião em meio ao silêncio.
Os gestores se entreolham, alguns abaixam a cabeça. Ninguém ousa falar nada.


De repente um braço se levanta e o Diretor se prepara para triturar o atrevido
- Alguma pergunta?
- Tenho sim. E Beethoven?
- Como? - o encara o Diretor confuso.
- O senhor disse que ninguém é insubstituível e quem substituiu Beethoven?
Silêncio…
O funcionário fala então:
- Ouvi essa estória esses dias, contada por um profissional que conheço e achei muito pertinente falar sobre isso. Afinal as empresas falam em descobrir talentos, reter talentos, mas, no fundo continuam achando que os profissionais são peças dentro da organização e que, quando sai um, é só encontrar outro para por no lugar. Então, pergunto: quem substituiu Beethoven? Tom Jobim? Ayrton Senna? Ghandi? Frank Sinatra? Garrincha? Santos Dumont? Monteiro Lobato?? Os Beatles? Jorge Amado? Pelé? Paul Newman? Tiger Woods? Albert Einstein? Picasso? Etc.?…
O rapaz fez uma pausa e continuou:
- Todos esses talentos que marcaram a história fazendo o que gostam e o que sabem fazer bem, ou seja, fizeram seu talento brilhar. E, portanto, mostraram que são sim, insubstituíveis. Que cada ser humano tem sua contribuição a dar e seu talento direcionado para alguma coisa. Não estaria na hora dos líderes das organizações reverem seus conceitos e começarem a pensar em como desenvolver o talento da sua equipe, em focar no brilho de seus pontos fortes e não utilizar energia em reparar seus 'erros ou deficiências'?
Nova pausa e prosseguiu:
- Acredito que ninguém se lembra e nem quer saber se BEETHOVEN ERA SURDO , se PICASSO ERA INSTÁVEL , CAYMMI PREGUIÇOSO , KENNEDY EGOCÊNTRICO, ELVIS PARANÓICO… O que queremos é sentir o prazer produzido pelas sinfonias, obras de arte, discursos memoráveis e melodias inesquecíveis, resultado de seus talentos. Mas cabe aos líderes de uma organização mudar o olhar sobre a equipe e voltar seus esforços, em descobrir os PONTOS FORTES DE CADA MEMBRO. Fazer brilhar o talento de cada um em prol do sucesso de seu projeto.
Divagando o assunto, o rapaz continuava.
- Se um gerente ou coordenador, ainda está focado em 'melhorar as fraquezas' de sua equipe, corre o risco de ser aquele tipo de `técnico de futebol', que barraria o Garrincha por ter as pernas tortas; ou Albert Einstein por ter notas baixas na escola; ou Beethoven por ser surdo. E na gestão dele o mundo teria PERDIDO todos esses talentos.
Olhou a sua a volta e reparou que o Diretor, olhava para baixo pensativo. Voltou a dizer nesses termos:
- Seguindo este raciocínio, caso pudessem mudar o curso natural, os rios seriam retos não haveria montanha, nem lagoas, nem cavernas, nem homens, nem mulheres, nem sexo, nem chefes, nem subordinados… Apenas peças… E nunca me esqueço de quando o Zacarias dos Trapalhões 'foi pra outras moradas'. Ao iniciar o programa seguinte, o Dedé entrou em cena e falou mais ou menos assim:"Estamos todos muito tristes com a 'partida' de nosso irmão Zacarias... e hoje, para substituí-lo, chamamos:…NINGUÉM…Pois nosso Zaca é insubstituível." – concluiu o rapaz e o silêncio foi total.

Conclusão:

JAMAIS SE ESQUEÇA: VOCÊ É UM TALENTO ÚNICO! COM TODA CERTEZA NINGUÉM TE SUBSTITUIRÁ! NO MUNDO SEMPRE EXISTIRÃO PESSOAS QUE VÃO TE AMAR PELO QUE VOCÊ É… E OUTRAS…QUE VÃO TE ODIAR PELO MESMO MOTIVO… ACOSTUME-SE A ISSO… COM MUITA PAZ DE ESPÍRITO…QUEM DISSE QUE NINGUÉM É INSUBSTITUÍVEL?
CADA QUAL É ÚNICO NESSE MUNDO, COMO NOS BELOS ENSINAMENTOS DA OBRA "PEQUENO PRÍNCIPE"!

"Sou um só, mas ainda assim sou um. Não posso fazer tudo..., mas posso fazer alguma coisa.
Por não poder fazer tudo, não me recusarei a fazer o pouco que posso."

sexta-feira, 18 de fevereiro de 2011

O Guru e o Discípulo Soberbo

O ancião Guru estava sentando em sua sala, num estado tranqüilo e sereno que apenas quem possui a sabedoria consegue atingir. De repente, um dos novos discípulos adentra o compartimento com um ar ofegante, uma aparência impositiva, arrogante e obviamente irritado com alguma coisa. Então, sem pedir licença, bradou ao Mestre:

- Eu não recebo ordens de ninguém!


O mestre que estava em silêncio no outro lado da sala, assim permaneceu até que ele repetiu a mesma frase. Assim, tranquilamente o guru respondeu:

- Desculpa, podes repetir o que você falou
- “Eu não recebo ordens de ninguém” – tornou a dizer o discípulo
Então, o Guru falou – “podes chegar mais perto porque não te ouço?”:
O discípulo aproximou-se e disse novamente – “Eu não recebo ordens de ninguém!”
O guru com um olhar ingênuo e sossegado disse ao discípulo – podes falar perto deste ouvido para que eu possa ouvir-te.
O discípulo quase exasperando reproduziu sua sentença – “Eu não recebo ordens de ninguém!”

Então, o mestre tranquilamente fitou com um olhar inquisitivo e respondeu:

- "E o que você pensa que vem fazendo até agora?!(Cargnin dos Santos, Tadany. Contaram-me 12.)
MORAL DA HISTÓRIA
A soberba nos impede de ver a realidade claramente...o colirio para estes casos se chama humildade. Pense nisso...e tenha um bom dia...

quinta-feira, 17 de fevereiro de 2011

Ajuda-te, que o céu te ajudará

Narra-se que um sábio caminhava com os discípulos por uma estrada tortuosa, quando encontraram um homem piedoso que, ajoelhado, rogava a Deus que o auxiliasse a tirar seu carro do atoleiro.

Todos olharam o devoto, sensibilizaram-se e prosseguiram.

Alguns quilômetros à frente, havia um outro homem que tinha, igualmente, o carro atolado num lodaçal. Esse, porém, esbravejava reclamando, mas tentava com todo empenho liberar o veículo.

Comovido, o sábio propôs aos discípulos ajudá-lo.

Reuniram todas as forças e conseguiram retirar o transporte do atoleiro. Após os agradecimentos, o viajante se foi feliz.

Os aprendizes surpresos, indagaram ao mestre: Senhor, o primeiro homem orava, era piedoso e não o ajudamos. Este, que era rebelde e até praguejava, recebeu nosso apoio. Por quê?

Sem perturbar-se, o nobre professor respondeu: Aquele que orava, aguardava que Deus viesse fazer a tarefa que a ele competia. O outro, embora desesperado por ignorância, empenhava-se, merecendo auxílio.

Muitos de nós costumamos agir como o primeiro viajante. Diante das dificuldades, que nos parecem insolúveis, acomodamo-nos, esperando que Deus faça a parte que nos cabe para a solução do problema.

Nós podemos e devemos empregar esforços para melhorar a situação em que nos encontramos.

Há pessoas que desejam ver os obstáculos retirados do caminho por mãos invisíveis, esquecidas de que esses obstáculos, em sua maioria, foram ali colocados por nós mesmos, cabendo-nos agora, a responsabilidade de retirá-los.

Alguns se deixam cair no amolentamento, alegando que a situação está difícil e que não adianta lutar.

Outros não dispõem de perseverança, abandonando a luta após ligeiros esforços.

Com propriedade afirma a sabedoria popular que pedra que rola não cria limo, sugerindo alteração de rota, movimento, dinamismo, realização.

Não basta pedir ajuda a Deus, é preciso buscar, conforme o ensino de Jesus: Buscai e achareis, batei e abrir-se-vos-á.

Devemos, portanto, fazer a nossa parte que Deus nos ajudará no que não estiver ao nosso alcance resolver.

Seria ideal que, sem reclamar e pensando corretamente, fizéssemos esforços para retirar do atoleiro o carro da nossa existência, a fim de seguirmos adiante felizes, com coragem e disposição. Confiantes de que Deus sustentará as nossas forças para que possamos triunfar.

Pensemos nisso!

quarta-feira, 16 de fevereiro de 2011

De repente, acabou…

Escrevo-te esta carta para dizer que já não sei o que sinto por ti, sei que jamais sentiste por mim o mesmo, nem te culpo por isso, a culpa não existe. Foram anos do teu lado, foram simplesmente perfeitos. Talvez tenha amado de maneira errada, amado involuntariamente, amado desesperadamente.


Um amor que jamais senti igual, nem parecido. Amor que causou inveja, por ter sido dedicado a ti a cada minuto do meu tempo, e foi a ti que entreguei os meus preciosos sonhos. Dei-te a semente, mas tu não soubeste que tinhas de a regar. A semente morreu, por não ter vingado, talvez faltasse chuva, não sei. Mas sei que morreu. Atravessei momentos de tristeza quando senti o vazio da tua presença, momentos de total solidão, triste quando eu quis um conselho e não poder ligar para te poder ouvir, triste quando sentia saudade, quando olhava para o mar ou para a Lua e em tudo trazia as recordações.

Tentei olhar o lado positivo, naquilo que amadureci com tudo isto, fiquei mais forte. Transformei o vazio de não te ter, em liberdade de poder voar para onde quiser, pensei em continuar a sonhar com aquele dia que voltaria a ter-te nos meus braços, alimentando esperanças, mas resolvi parar, se nada deu certo, não creio que um dia iria resultar, até porque não tinha como ficar a prestar-te atenção, aquela que tu recusas a dar. Porque até quem nunca pediu colo, um dia sente falta. É isso que acontece, eu sinto a falta do teu colo, do teu carinho, mas o mesmo carinho, da mesma forma que eu te dei. Jamais vou ter, paciência.

Não se pode colar asas nas cobras, não se poder obrigar ninguém a retribuir o amor que sentimos por alguém. Essa é a lei. O amor que tu não foste capaz de me dar, um dia alguém receberá por livre e espontânea vontade de ti. E o amor que eu senti por ti, e tu achaste que devias recusar em recebe-lo, será um presente para uma outra pessoa mais tarde, que seja eterno enquanto dure, e se acabou, acabou. Há muito que não insisto no que se passou. Afinal, já passou. Já chorei e já sorri; A vida se renova e disso não dá para fugir.

terça-feira, 15 de fevereiro de 2011

Bens Materiais

Preste atenção minha gente no que eu tenho pra dizer
Este é fato muito triste e que jamais vou esquecer:

Existiu um cidadão ganancioso demais,
Só pensava em poder e em bens materiais.

Tinha uma esposa mal amada e um filho por nome Juninho,
A quem pouco dava atenção e jamais dava carinho!

O pai ignorava a família e só pensava no dinheiro
Não tinha morada certa nem tão pouco paradeiro.

Quantas vezes a mãe ao lado de seu filhinho
Passavam Natal, aniversários e outros dias sozinhos.

O filho às vezes chorava querendo o pai encontrar
E a mãe sempre dizia querendo lhe consolar
Seu pai está trabalhando pra mais conforto nos dar!

O pai sempre viajando por este chão brasileiro
Não media as conseqüências
Pra ganhar o seu dinheiro.

Certa vez um bom dinheiro ele conseguiu ganhar
Comprou o carro importado que ele vivia a sonhar
E depois de um bom tempo, com a família veio encontrar.

Chegou em casa no seu carro dirigindo
E para a sua família foi logo se exibindo

Era um carro de luxo da cor azul do céu
Que para todos ele mostrava, como se fosse um troféu.

O filho com saudades, perto do pai chegava.
mas ele não dava atenção, nem sequer pro filho olhava.

O homem só falava do carro, até parecia um louco
Depois de algum tempo, resolveu descansar um pouco.

O pai foi dormir e o garoto ficou acordado
Olhando pra aquele carro viu uma sujeira do lado.

Na inocência de criança querendo o pai ajudar,
Pegou um balde de água para o carro lavar
Pegou uma bucha de aço e começou a esfregar.

Depois com simplicidade foi correndo o pai acordar!

O homem ao ver o carro todo arranhado
Parecia um animal feroz e descontrolado

E como um demente que não sabe o que faz
Nas mãozinhas do menino começou a bater

A mãe num quarto trancada não pode seu filho ajudar
Vendo o pai com muito ódio o garoto castigar!

O pai mostrando maldade impedia e não deixava
Que a mãe buscasse socorro pro seu filho que ali chorava.

Três dias se passaram de sofrimento sentido
Atá que o pai foi consertar o carro e o filho pode ser
atendido.

O médico deu a notícia tão triste de se escutar
Mãe, a mãozinha de seu filhinho teremos que amputar!

Em estado de choque a mãe foi internada
E naquele mesmo dia a cirurgia do filho marcada.

Passaram-se alguns dias e o pai foi avisado
A notícia deixou o homem totalmente desesperado.
Saiu correndo para o hospital onde o filho estava internado.

Quando viu o seu filho, com a mão amputada, começou a chorar.
O menino o abraçou e quis o pai consolar.

Na inocência de criança para o pai começou a falar:
"Papai eu nunca mais vou fazer você chorar,
Pois eu já não tenho minha mãozinha para o seu carro arranhar!"

O homem saiu correndo sem saber o que fazer
Com tanta dor e remorso não queria mais viver.

Não tinha mais solução, não tinha mais outro jeito.
Pegou então uma arma e sem pensar
atirou contra o próprio peito.

Aquele tiro tirou a vida em poucos instantes
De um homem egoísta, covarde e ignorante!

Termino esta triste história e espero não ver outras iguais.
E deixo aqui uma mensagens para filhos e pais:
"Na vida há coisas mais importantes do que bens
materiais!"

Marco Brasil

segunda-feira, 14 de fevereiro de 2011

Uma Lenda Antiga...

Conta-se que, por volta do ano 250 A.C., na China antiga, um Príncipe da região norte do pais, estava às vésperas de ser coroado imperador, mas,de acordo com a lei, ele deveria se casar.
Como ele não conhecia nenhuma moça em especial, resolveu propor um campeonato entre as moças da corte, ou quem quer que se achasse digna de sua proposta. No dia seguinte, o príncipe anunciou que receberia, numa celebração especial, todas as pretendentes e lançaria um desafio.

Uma velha senhora, serva do palácio há muitos anos, ouvindo os
comentários sobre os preparativos, sentiu uma leve tristeza, pois sabia que sua jovem filha nutria um sentimento de profundo amor pelo príncipe.
Sua filha, sabia que era apenas uma filha de empregados mas creditava que poderia ao menos tentar participar: ela dizia: É minha oportunidade de ficar, pelo menos alguns momentos, perto do príncipe. Isto já me torna feliz. À noite, a jovem chegou ao palácio. Lá estavam, de fato, todas as maisbelas moças, com as mais belas roupas, com as mais belas jóias e com as
mais determinadas intenções.

Então, finalmente, o príncipe anunciou o desafio: - Darei, a cada uma de
vocês, uma semente. Aquela que, dentro de seis meses, me trouxer a mais
bela flor, será escolhida minha esposa e futura imperatriz da china.
A proposta do príncipe não fugiu as profundas tradições daquele povo,
que valorizava muito a especialidade de "cultivar" algo, sejam costumes,
amizades, relacionamentos etc...O tempo passou e a doce jovem, como não tinha muita habilidade nas artes da jardinagem, cuidava com muita paciência e ternura, a sua semente,pois sabia que se a beleza da flor surgisse na mesma extensão de seu amor, ela não precisava se preocupar com o resultado.

Passaram-se três meses e nada surgiu. A jovem tudo tentara, usara de
todos os métodos que conhecia, mas nada havia nascido. Dia após dia, ela
percebia cada vez mais longe o seu sonho, mas cada vez mais profundo o
seu amor.Por fim, os seis meses haviam passado e nada havia brotado. Consciente do seu esforço e dedicação, a moça comunicou à sua mãe que, independente das circunstancias, retornaria ao palácio, na data e hora combinadas, pois não pretendia nada além de mais alguns momentos na companhia do príncipe.

Na hora marcada, ela estava lá bem como todas as outras
pretendentes. Só que seu vaso estava vazio, ao contrario das outras que exibiam uma flor mais bela do que a outra, das mais variadas formas e cores.Finalmente chega o momento esperado e o príncipe observa cada uma das pretendentes, com muito cuidado e atenção.

Após passar por todas, uma a uma, ele anuncia o resultado e indica a
bela jovem como sua futura esposa.As pessoas presentes tiveram as mais inesperadas reações. Ninguém compreendeu porque ele havia escolhido justamente aquela que nada havia cultivado.Então, calmamente, o príncipe esclareceu: - Esta foi a única que cultivou a flor que a tornou digna de se tornar uma imperatriz. A flor da honestidade, pois todas as sementes que entreguei eram estéreis.

Se para vencer, estiver em jogo a sua honestidade, perca. E você será sempre um vencedor.

sexta-feira, 11 de fevereiro de 2011

Recolher Bens

Gostaria de iniciar esta reflexão como uma pergunta: quem de nós sabe o dia exato de nossa morte? Acredito que ninguém, ainda que se estivermos com uma doença grave, ou numa idade bem avançada e já sabendo que o fim esteja próximo, ainda nestas condições não se a exatidão do dia da morte.
Partindo destas primícias vem uma outra pergunta: quais devem ser as prioridades a se escolher na vida já que não sabe nem o dia nem a hora da morte?

Jesus conta numa parábola (Lc 12,13-21)...Havia um homem rico cujos campos produziam muito. 17E ele refletia consigo: Que farei? Porque não tenho onde recolher a minha colheita. 18Disse então ele: Farei o seguinte: derrubarei os meus celeiros e construirei maiores; neles recolherei toda a minha colheita e os meus bens. 19E direi à minha alma: ó minha alma, tens muitos bens em depósito para muitíssimos anos; descansa,... 20º Deus, porém, lhe disse: Insensato! Nesta noite ainda exigirão de ti a tua alma.

Esta passagem evangélica é rica em reflexões, e leva-nos a pensar sobre de fato o que é viver o presente e também quais devem ser as prioridades a se escolher durante a vida. Muitas vezes se vive sempre numa busca de priorizar os bens materiais, no entanto, vive-se não aproveitando deles para praticar a partilha, a justiça, o amor, a fraternidade, etc., por ficar com os olhos atentos para o amanhã. Esta busca de segurança futura acaba sendo um fator que destrói o presente. Fica-se a imaginar eterno – humanamente falando. E assim, vive-se sempre com a mente voltada para o futuro.

O mal de viver assim é que, quando se preocupa demais com o dia de amanhã o comportamento e as atitudes acabam sendo direcionados também para o amanhã. Isto é, na busca em adquirir bens acaba se passando por cima das pessoas, torna-se egoísta e prioriza-se sempre o material. Enfim, mata as essências espirituais com conseguinte passa por cima dos irmãos.

A Palavra diz que devemos amar a Deus sobre todas as coisas e o próximo como a si mesmo. O maior de todos os bens que um homem possui é sua vida, e esta é um presente e deve ser vivida no presente. Certamente, ela é quem deve ser fruto de carinho, de cuidado e de amor. Viver insanamente a recolher bens materiais é de fato não se dar conta do valor da sua própria vida como também não valorizar a vida do irmão. Porque quem esconde este tesouro para guardar para o amanhã certamente quando este amanhã chegar verá que viveu longos anos e nada produziu de bom, a não ser alguns tesouros matérias que para nada lhe servirá após sua morte.

quarta-feira, 9 de fevereiro de 2011

A Parábola do Bom Samaritano

Jesus conhece o coração humano. Sempre me prendo em uma de suas palavras “Deus não julga o homem pelas aparências, mas sim pelo coração”. Certamente, neste seu falar ele vem derrubar as máscaras que muitas vezes existem em nós, de nos acharmos maiores que outros porque vivemos uma espiritualidade de preceitos e assim, nos consideramos os eleitos, desta forma agimos como apartados do mundo, ou então, olhamos nossos irmãos com um olhar de cima para baixo. Este homem certamente tem um diferencial que é humilhar aqueles que de repente não tem a mesma experiência teórica de Deus; digo teórico, por entender que aqueles que mais têm as experiências de Deus em suas vidas são aqueles que se deixam ser amados por Deus e vivem este amor na sua pratica ainda que, não tenha o conhecimento e não despertaram para a aproximação de Deus em suas vidas.

Não quero aqui dizer que as pessoas não devam buscar Deus através do conhecimento por meio de Suas Palavras através dos cultos, ou da missa. Enfim, por uma vida espiritual praticante, pois, sem duvida a vida de igreja nos torna mais próximos de Deus e do irmão nos levando ao conhecimento de que todos somos discípulos e temos como missão ser um outro Cristo. Assim poder dizer; “já não sou eu quem vivo, mas é Cristo que vive em mim”.

Na passagem evangélica do bom samaritano o questionamento feito por um conhecedor da lei era criar certo constrangimento se julgando mais conhecedor da Palavra que o próprio Jesus. Na verdade, ele já tinha de cor e salteado toda escritura em sua mente. Porém Jesus conhecendo seu coração diz que também é necessário amar o próximo como a si mesmo, e por meio da parábola do bom samaritano, mostra que amar o próximo não é apenas sentir-se compaixão, mas é agir na ação, é olhar o outro e amá-lo como amamos a nós mesmo.

Talvez o que falta em muitos corações é amar-se a si mesmo. Muitas vezes o egoísmo, o orgulho, a vaidade ou mesmo as carências existenciais acabam ofuscando o amor próprio, impedindo que a pessoa se ame – na essência da palavra. E esta falta de amor por si mesmo, não permite que veja no outro o rosto de Cristo. E assim, age com indiferença ao sofrimento humano, ou mesmo tem sempre como ponto de partida o seu próprio bem – fruto do egoísmo – não ampliando ou fortalecendo dentro de si a pratica da luta pela vida na sua total dimensão.

Certamente, o amor do homem por ele mesmo o leva transbordar e irradiar este amor por todos os lugares por onde esteja. Também o leva a compadecer e desejar para o outro este mesmo amor existente em si mesmo, levando-o a viver a pratica do amor e da caridade. Porem uma caridade fundamentada em Cristo, não uma caridade apenas filantrópica.

Finalizando, amar a Deus é seguir os preceitos bíblicos, mas também ver o rosto de Cristo que está em cada irmão seja ele quem for. O fundamental para aqueles que se dizem ser seus discípulos de Jesus é de fato agir como aquele viajante que, ao ver um homem caído, ferido não olha apenas com compaixão, mas tem compaixão com gestos concretos.

terça-feira, 8 de fevereiro de 2011

PARA REFLETIR

"Ainda antes que houvesse dia, Eu SOU; e ninguém há que possa fazer escapar das minhas mãos;

agindo eu, quem o impedirá?"

Isaías 43:13


PERGUNTO: VOCÊ DÚVIDA DO QUE DEUS PODE FAZER POR VOCÊ?

Os Viajantes e a Bolsa de Moedas

Dois homens viajavam juntos ao longo de uma estrada, quando um deles encontrou uma bolsa cheia de alguma coisa. E ele disse: "Veja que sorte a minha, encontrei uma bolsa, e a julgar pelo peso, deve estar cheia de moedas de ouro."


E lhe diz o companheiro: "Não diga encontrei uma bolsa; mas, nós encontramos uma bolsa, e quanta sorte temos. Amigos de viagem devem compartilhar as tristezas e alegrias da estrada."

O "sortudo", claro, se nega a dividir o achado. Então escutam gritos de: "Pega ladrão!", vindo de um grupo de homens armados com porretes, que se dirigem, estrada abaixo, na direção deles.

O viajante "sortudo", logo entra em pânico, e diz. "Estamos perdidos se encontrarem essa bolsa conosco."

Replica o outro: "Você não disse 'nós' antes. Assim, agora fique com o que é seu e diga, 'Eu estou perdido'." (Autor: Esopo)

MORAL DA HISTÓRIA

Não devemos exigir que alguém compartilhe conosco as desventuras, quando não lhes compartilhamos também as nossas alegrias.Pense nisso...e tenha um bom dia...

sexta-feira, 4 de fevereiro de 2011

Tudo está Certo

Conta uma antiga lenda norueguesa que um homem cuidava com muito zelo de uma capela, num distante povoado.

Haakon era seu nome e via, todos os dias, muita gente adentrar a ermida e orar, com devoção, frente a uma cruz muito antiga.

Certo dia, Haakon, impulsionado por um sentimento de generosidade, ajoelhou-se diante da cruz e fez uma oferta ao Crucificado.

Senhor, desejo padecer por Vós. Deixai-me ocupar o Vosso lugar.

O Senhor da cruz abriu os lábios e falou:

Amigo, posso atender a tua rogativa, mediante uma condição.

Qual é, Senhor? Será uma condição muito difícil? Estou disposto a cumpri-la.

Então, lhe disse o Cristo:

Escuta-me. Aconteça o que acontecer, não importa o que vejas, terás que guardar sempre absoluto silêncio.

O homem, resoluto, respondeu:

Eu prometo, Senhor!

Fizeram a troca sem que ninguém viesse a perceber. O tempo passou e aquele que substituía o Crucificado conseguia cumprir o seu compromisso de sempre se manter calado.

Um dia, porém, um rico foi até a capela orar. Ao sair, esqueceu a sua bolsa sobre um dos bancos.

Haakon viu e se calou. Também não disse nada quando, umas duas horas depois, alguém que também viera orar, encontrou a bolsa e a levou para si.

Ainda ficou calado quando um rapaz veio pedir as graças dos céus antes de empreender uma longa viagem.

Contudo, o rico retornou em busca do que esquecera.

Como não encontrasse sua bolsa, pensou que o rapaz se teria apropriado dela. Voltou-se para ele e o interpelou, com raiva, exigindo que lhe devolvesse o que lhe pertencia.

Não peguei nenhuma bolsa! – Defendeu-se o jovem.

Mentiroso! – Gritou o homem rico. E arremeteu furioso contra ele, no intuito de agredi-lo.

Então, uma voz forte soou:

Para!

E a imagem falou, defendendo o jovem e censurando o rico pela falsa acusação.

Este saiu aniquilado do local. O jovem, porque tinha pressa para empreender a sua viagem, saiu logo em seguida.

Quando a ermida ficou vazia, Jesus dirigiu-Se a Haakon e lhe disse:

Desce da cruz. Não serves para ocupar o meu lugar. Não sabes guardar silêncio.

E, ante as justificativas do servidor, trocaram de lugar, concluindo o Cristo:

Tu não sabias que era conveniente para aquele homem perder a bolsa que trazia o preço de muita maldade.

Quanto ao rapaz, que iria receber alguns golpes, as suas feridas o teriam impedido de fazer a viagem que, para ele, foi fatal.

Faz uns minutos seu barco soçobrou e ele se afogou.

Tu não sabias, mas eu sabia. Por isso, eu sempre me calo.

Toda vez que acreditares que as tuas preces não foram ouvidas porque não foram atendidas, pensa que tudo está certo.

Logo mais ou um pouco depois descobrirás que Deus estava certo em Se manter silente.

Tenha certeza: nada te acontece que não seja o melhor para ti, naquele momento. Isso porque Deus nunca Se engana.

quinta-feira, 3 de fevereiro de 2011

Filho Ingrato





Ter um filho ingrato é mais doloroso do que a mordida de uma serpente!” (William Shakespeare)






Certa vez estive viajando por esse Brasil afora
Quando me vi no sertão
Numa estrada de chão, era tarde, umas 3 hs
De repente, meu carro quebrado,
Fechei os vidros, deixei ali encostado

E ajuda eu fui procurar
Quando eu vi uma casa ali perto
O lugar era deserto
Pelo trilho comecei a andar
Fui chegando devagarinho
E quando vi estava pertinho
Por ajuda fui gritando

A casa parecia abandonada
A porta não estava trancada
Eu abri, fui entrando
Na entrada logo vi que alguém morava ali
Pois tinha uma cama velha,
Duas panelas na prateleira
Num canto, um banco encostado,
O fogão de lenha do lado

E a moringa era geladeira
De repente ouvi um gemido
Entrei e vi um velho caído
Que me disse com a voz extremecida:
meu filho, sente aqui do meu lado,
Só ouça, fique calado
A história da minha vida...

Eu era um rapaz faceiro,
Era o rei dos boiadeiros
Tinha vida pra dar e vender
Na viola eu era um açoite
Trabalhava dia e noite,
Só não sabia ler e escrever

Me apaixonei por uma moça
Chamada Tereza
E no dia do nosso casamento
Dançamos até noite adentro
E eu fazia meus planos,
Vou construir nossa casinha
Criar gado, criar galinha

Nem que demorasse muitos anos
Mas aí veio a tristeza
A minha querida Tereza
O filho não pôde suportar
Foi sentindo a dor do parto
E ai nesse mesmo quarto
Ela partiu e com Deus foi morar

Fiquei eu e o menino
Tracei ali o seu destino e jurei a ele,
Estudo dar
Nem que eu tivesse o sacrifício
Se fosse pro seu benefício
Até sangue eu ia derramar
Mas quem tem Deus não se apura

Mesmo levando uma vida dura
Eu não podia me queixar
Eu era muito valente
O menino inteligente
Arroz e feijão nunca ia faltar
Me lembro como se fosse agora
Ele chegando da escola
No ultimo dia do ano

E com sua simplicidade me disse
Pai, eu quero entrar na faculdade
Pois é esse meu plano
E se foi para a cidade grande
Me deixando aqui tão longe
Para vencer no seu futuro
Eu fazia economia, trabalhava noite e dia
Para manter o seu estudo

Se passaram quatro anos
E eu na roça lutando
Numa vida muito dura
Mas ao céu eu agradeci
Pela graça que recebi
Pois chegou o dia da sua formatura
Vesti meu terno de estopa
Eu não tinha outra roupa
No meu pé, meu velho sapatão

Com as unhas sujas de terra
Pulei vale, cruzei serras
Pra ver meu filho receber a sua formação
Fui chegando na cidade
E com a minha simplicidade
No salão eu fui entrando
Quando vi meu filho do lado
Tava bonito, tava arrumado
E pro seu lado fui andando
Eu fui com os braços abertos

Mas na hora ele saiu de perto
Com uma cara risonha
Criticou minha roupa velha
As unhas sujas de terra
Falou que de mim estava com vergonha
Foi embora e me deixou ali num canto
Dos meus olhos escorreu pranto
E no meu peito uma grande dor
Pois ali me desprezava
Quem eu tanto ajudava

do fundo do meu amor
Fui saindo do salão
Cruzei aquela multidão
Com o peito cheio de tormento
Então voltei pra essa casinha
Pra tocar minha vidinha
E esquecer meu sofrimento
Hoje... hoje estou velho, eu sei!
De tanto que trabalhei

Da minha dor que mais parece uma ferida
O meu filho eu não vi nunca mais
Hoje deve ser doutor ou senhor dos tais
E eu aqui, no fim da minha vida
Mas vá, parte agora
E se um dia encontrar meu filho
Por essa estrada afora
Diga à ele que aquele terno de estopa
Que eu usei no dia da sua formatura
É o mesmo terno que usei
No dia que me casei

Com aquela que morreu para lhe dar a vida
E é com ele que eu vou para sepultura
Diga também que foi com aquele velho sapatão
Que eu trabalhei e tirei desse chão
O sustento do seu futuro
E as unhas sujas de terra
Representa o anel de formatura
De quem nunca teve estudo

E por fim, diga a ele que eu lhe perdôo
Que por Deus eu lhe abençôo
E não reclamo a minha cruz
Foi tão grande meu sofrimento
Mas não se compara em nenhum momento
Ao sofrimento de Jesus"

Poema - Marco Brasil

quarta-feira, 2 de fevereiro de 2011

Como Vivo

Deixa-me que te conte como vivo. Ao longo destes anos nunca tive essa oportunidade por razões bem diferentes das de hoje. Estarás feliz, rodeada das pessoas de quem mais gostas e também daquelas que também de ti gostam, mas não estás comigo e eu ainda te amo. Provavelmente outro alguém habita nesse teu coração e eu vivo contigo no meu.

Vivo a perguntar se ainda existo nesse coração que por inúmeras vezes senti o seu bater ao compasso do meu quando os nossos corpos se uniram e se fundiram num só. Vivo porque ainda não aprendi a esquecer-te por ainda recordar cada momento que era só nosso. Momentos esses onde me perco quando primo a tecla do retroceder da minha vida e vejo e revejo tudo aquilo que eu antes não soube valorizar, por não imaginar que pudesse um dia viver apenas destas recordações e faltarem-me oportunidades para viver tantas outras contigo.

Vivo porque em cada palavra que escrevo, todas falam de ti e desta saudade que sinto por viver longe de ti. Vivo mesmo sem a esperança que um dia possas regressar, mas vivo também a acreditar que uma vez mais nos encontraremos, mesmo que esse encontro seja casual. Não me importarei se nesse momento souber que será a última vez que me é permitido desfrutar da tua companhia. Após, será um desprender das nossas vidas e o que viesse depois acontecer, seria para mim o culminar daquele que foi o grande amor da minha vida. Vivo a olhar para o celular esperando que ele toque e do outro lado ouça a tua voz a chamar de “meu amor” como tantas vezes me chamavas e estivesse onde estivesse eu sorria por me sentir o homem mais feliz do mundo.

Vivo com aquelas imagens que ficaram gravadas, entre outras, aquelas que podia constatar como o brilho nos teus olhos que me mostravam esse amor que sempre foi para mim em tantos dias da minha vida a força para eu enfrentar e vencer os problemas. Foi também esse amor que me fez pedir-te em casamento naquela noite de lua cheia e respondeste que sim, casavas comigo.
Como deves imaginar foram esses os sonhos mais bonitos e mais pretensioso que um dia possa ter sonhado. A felicidade que seria ouvir de ti um “sim” e eu como prova de todo o meu amor, responderia também “sim” e que iria amar-te todos os dias da minha vida. Nada disso aconteceu e hoje vivo com um vazio dentro de mim ao saber que algum canto deste planeta tu estás presente, mas não ao meu lado como sempre quis.

Vivo também quando penso por diversas vezes o quanto fui injusto contigo e te magoei quando o céu se pintou de cinzento para os nossos lados e pairava no ar o que veio a ser o fim do nosso relacionamento. Quero que me desculpes por ter sido aquilo que nunca esperavas que fosse. Costuma-se dizer que se o arrependimento matasse, por certo eu já estaria morto há muito tempo. Se assim fosse, quem sabe não seria mais fácil acabar com a saudade dos teus beijos, de andar de mão dada contigo na rua ou apenas olhar-te em silêncio e concluir que não existe nenhuma outra mulher mais bonita que tu em todo o universo, sabes porquê? Porque eu amo-te e quando assim é, tudo se torna o mais bonito de tudo. Vivo porque te amo e se amo é porque ainda vivo esta vida mesmo sem ti…vem fazer-me de novo feliz.

terça-feira, 1 de fevereiro de 2011

Erros Que Não Devem Ser Cometidos em 2011


Especialistas falam dos pecados que devem ser evitados em 2011
Autores do livro “Criatividade sem segredos” mostram as armadilhas que podem prejudicar na concretização de metas.

O início de ano costuma vir recheado de promessas e sonhos de mudança. Nessa época, é comum ouvirmos dicas do que fazer para ter um ano diferente. Fábio Zugman e Michel Turtchin, autores do livro Criatividade Sem Segredos tomaram o caminho inverso e mostram as maiores armadilhas que impedem as pessoas de mudar. Veja a seguir as 4 armadilhas, e aprenda com os autores como lidar com elas.

1) A falta de estímulos: O período de ano novo sempre vem como uma quebra na rotina, e é comum imaginarmos que as coisas serão diferentes. No entanto, as coisas só serão diferentes a partir do momento em que fizermos algo a respeito. É muito comum nos sentirmos desmotivados com a falta de recompensas ou apoio quando queremos mudar, mas é preciso lembrar que recompensas e apoio só costumam aparecer quando uma iniciativa começa a dar certo. Na verdade, um dos pontos mais difíceis em qualquer processo de mudança é seguir em frente até os primeiros frutos começarem a aparecer.

2) O fantasma dos Natais passados: Muitas tentativas de mudança, no trabalho e na vida pessoal, costumam dar errado. É preciso lembrar que toda mudança – de perder peso a mudar de emprego - envolve riscos. É muito comum as pessoas desistirem na primeira tentativa, mas o erro e as falhas fazem parte do processo criativo. Aliás, com algum esforço e criatividade, até o fracasso pode ser usado a seu favor: Uma entrevista de emprego pode não render nada a curto prazo, mas quem disse que você não pode ganhar nada com isso? Estabelecer e manter contato com o profissional que o entrevistou pode abrir uma bela oportunidade no futuro. Se seus projetos para 2010 falharam, não desista. Descubra o que pode aprender e ganhar com suas experiências e siga em frente.

3) Perder antes de começar a jogar: A falta de estímulos e os fantasmas do passado costumam se unir para potencializar esse último fator. Não vendo ganhos a curto prazo, e contando experiências ruins no passado, muitas pessoas simplesmente desistem. É importante seguir em frente. Os obstáculos e derrotas passadas podem ser uma fonte de aprendizado, mas tão importante quanto aprender com eles, é preciso deixá-los para trás ao iniciar algo novo. É como o time que, por perder os últimos jogos, entra em campo pensando na derrota. Cada jogo, cada ocasião, pode ser uma oportunidade para virar a mesa.

4) Seguir em frente, sem olhar para os lados: A persistência em perseguir objetivos e seguir em frente é algo louvável, mas é preciso não se tornar escravo de objetivos fixos demais. O mundo é surpreendente, instável e complexo. Isso quer dizer que, se seu plano não deu certo da primeira vez, talvez seja hora de mudá-lo. Muitas oportunidades são desperdiçadas por pessoas que enxergam apenas um objetivo. Cansamos de ver pessoas escrevendo e reescrevendo planos de negócios, livros e até resoluções de ano novo intermináveis, sempre em busca de uma solução perfeita. Isso não existe. Escutar críticas, reconhecer fracassos e não ter pena de jogar um trabalho no lixo e começar de novo estão entre as maiores habilidades das pessoas criativas – e que você também pode aprender com algum esforço.

Lembre-se: Você encontrará obstáculos em seu caminho, mas sempre existem formas criativas de lidar com eles. Cada mudança ou pequeno sucesso, por menor que seja, contribui para melhorar sua auto-estima e posição no mundo. Aprendendo a lidar com os problemas de forma criativa, cada vez mais portas se abrirão para você.

LIVRO
Criatividade sem segredos
Editora: Atlas S.A.
Autores: Fábio Zugman e Michel Turtchin

Não tenha medo de abrir mão do que você quer para viver o que Deus quer para você

Deus só pode agir naquilo em que O deixamos trabalhar. Às vezes, saímos feridos de um relacionamento, tão machucados, que achamos que o “o a...