sexta-feira, 30 de outubro de 2020

Como ficam as amizades após as eleições


Eu desejo que meus amigos me aceitem e permaneçam a meu lado sem exigir que eu somente satisfaça aos egos deles. Eu quero que meus amigos confiem em mim e me permitam confiar neles, para que tenhamos a liberdade de ser quem somos sem receio de sermos deletados ou pré-julgados frente à menor divergência. Eu quero a liberdade de sumir ou silenciar por um tempo, sem que isso cause constrangimento ou ressentimento. Eu desejo a paz de ser quem eu sou, sem que isso gere preocupação ou especulação.

 

Eu era um tipo de pessoa que sempre se preocupava em agradar aos outros. Um tipo de pessoa que sempre cedia à pressão social e quase anulava a si mesma em prol das opiniões e expectativas dos que me rodeavam.


Seria normal que, nesse período de ebulição que foram as eleições, pressionada socialmente pela maioria dos que se relacionam comigo, eu cedesse e seguisse a opinião do meu grupo, da minha bolha social. Porém, não foi o que ocorreu e tenho arcado com as consequências.


Como eu disse, agradar aos outros era tão entranhado em mim que eu não sabia que poderia ser de outro jeito. Eu imaginava, erroneamente, as piores catástrofes se ousasse assumir uma versão mais autêntica de mim mesma, nem sempre de acordo com o que esperavam de mim, porém mais coerente com meu coração. E durante muito tempo acostumei a ser assim e acostumei as pessoas a esperarem isso de mim.


Entretanto, quando as pessoas se habituam a uma versão sua, elas estranham qualquer mudança. E, mais do que isso, elas se ressentem da mudança, como se isso fosse algo direcionado a elas, e não um propósito em sua própria vida.


Há uma frase, cujo autor desconheço, que diz assim: “As pessoas querem que você esteja bem, mas nunca melhor do que elas”. Não acho que seja algo que podemos generalizar, mas infelizmente, nos últimos tempos, tenho me deparado com um ressentimento silencioso permeando as relações após o período de eleições. A sociedade se dividiu em dois grandes grupos, que divergem em questões não meramente políticas, mas também ideológicas e morais. E no meio de tudo isso, não faltam aqueles que esperam que o grupo divergente receba “uma bela lição”.


Porém, no grupo divergente há a sua mãe, a sua tia, o seu amigo de infância, o seu crush! O que fazer com isso?


Acusá-los de “comunistas” ou “fascistas” e esquecer que um dia compartilharam tantas coisas boas juntos? Desejar que fiquem bem, mas nunca melhor que você? Ou, pouco a pouco, aprender a aceitar que as pessoas são livres e têm direito de pensar e agir diferente de você, e por mais que você discorde delas, isso não apaga tudo de bom que essas pessoas têm e que você conhece bem?


De repente houve um apagão de memórias coletivas e só aprovamos aqueles amigos que votaram no nosso candidato. Todos os outros foram relegados a um esquecimento (quando não a um ressentimento, beirando o ódio) e, de uma hora para outra, parece que deixaram de ter qualidades ou afinidades que faziam deles nossos chapas.


Nem sempre a opção por um candidato refletiu a visão de mundo de alguém. Muitas vezes foi fruto da falta de informação, medo, falta de opção. Porém, muitas vezes nos sentimos aptos a deletar um amigo ou parente de nossas vidas simplesmente porque ousou discordar de nós.


Há os que defendem a ideia de que, se os valores morais foram realmente colocados em xeque e as opiniões divergiram, não se deve voltar à amizade. Infelizmente, muitas narrativas conflitantes vieram à tona nesses tempos sombrios e não há como negar que isso realmente abalou as relações. Porém, os confrontos também nos ajudam a crescer, a amadurecer, a ampliar nossas visões, e precisam ser levados em consideração, justamente porque nos ensinam a aceitar e lidar com as diferenças, e a romper nossas bolhas sociais.


Eu desejo que meus amigos me aceitem e permaneçam a meu lado sem exigir que eu somente satisfaça aos egos deles.


Eu desejo amar meus amigos num ambiente em que eu me sinta à vontade para ser eu mesma, falando e agindo de acordo com meu coração, e não somente sendo uma sombra ou reflexo da personalidade deles. Igualmente, eu espero de meus amigos a transparência e a fidelidade aos próprios ideais deles, sem exigir que sejam o que não são, só para me satisfazer. Eu quero que meus amigos confiem em mim e me permitam confiar neles, para que tenhamos a liberdade de ser quem somos sem receio de sermos deletados ou pré-julgados frente à menor divergência. Eu quero a liberdade de sumir ou silenciar por um tempo, sem que isso cause constrangimento ou ressentimento. Eu desejo a paz de ser quem eu sou, sem que isso gere preocupação ou especulação.


E, acima de tudo, desejo que meus amigos não desistam da nossa amizade frente ao menor desentendimento, pois não se ignora tantas afinidades por uma adversidade…


*Fabiola Simoes


quinta-feira, 29 de outubro de 2020

Ninguém está livre de erros – “quando alguém julgar seu caminho, empreste-lhe seus sapatos!”


“Quando alguém julgar seu caminho, empreste-lhe seus sapatos!”


Nós somos a soma do que falamos, do modo como agimos, da maneira como tocamos uns aos outros. Mas também somos a soma de nossas emoções, pensamentos, alegrias guardadas e angústias não declaradas.

 

Ninguém sabe ao certo o que vai dentro do coração do outro. Ninguém tem a mínima noção dos fantasmas que assombram, da bagagem que carrega, das alegrias e saudades que abriga, das batalhas que trava, dos silêncios que suporta, das vitórias que celebra.


Porém, muita gente se acha apto para julgar o caminho alheio. Muita gente se considera assertivo para condenar as escolhas de terceiros.


Mas a verdade é que ninguém conhece por inteiro as batalhas que travo intimamente. Ninguém percorreu meu caminho com meus sapatos para saber onde apertam os meus calos.


E por mais que imaginem conhecer, alguns passos dessa dança são só meus; e por mais que desejem ajudar, algumas pontes só eu posso atravessar.


Precisamos uns dos outros. Precisamos do olhar do outro que nos apoia silenciosamente ou nos faz recuar diante da gravidade das coisas e do mundo. Porém, não precisamos de juízes. Não precisamos de magistrados que decidem o modo como devemos viver ou habitar nossa própria história.


Cada um sabe o que carrega na bagagem. Cada um sabe de suas lutas íntimas e vitórias silenciosas. Cada um sabe onde seu sapato aperta, machuca, causa bolhas. Cada um sabe a hora de descalçar ou continuar. Cada um conhece seus limites, a necessidade de preservar a própria essência, a necessidade de ser coerente com seu coração. Então não é justo que alguém que nunca carregou aquela bagagem nem nunca calçou aqueles sapatos ache-se no direito de bater o martelo, intimar, condenar ou especular qualquer caminho ou escolha.


É preciso coragem para trilhar nossa história com coerência e autenticidade. Coragem para romper com aquilo que esperam de nós em contrapartida ao que queremos de fato. É preciso valentia para optar pelo amor próprio, pela honestidade. É preciso valentia para crescer e assumir nossos erros, incompletudes, abismos e asperezas do mesmo modo que nos orgulhamos de nossa doçura, leveza e capacidade de amar.


“Quando alguém julgar o seu caminho, empreste a ele os seus sapatos”. Só você sabe como chegou até aqui. Só você entende as batalhas e triunfos silenciosos que fizeram parte do seu caminho. 


E por mais que estejam junto de você, algumas pessoas simplesmente não entendem. E cobram por aquilo que não conhecem; julgam por aquilo que não experimentam. Talvez devessem olhar melhor para as próprias vidas, e perguntar a si mesmos por que se incomodam tanto. Talvez devessem ser mais tolerantes consigo mesmos, afrouxando os cadarços de seus próprios calçados.


Eu já me deparei com erros pequenos ou grandiosos de pessoas que eu amo. Já escutei mentiras e acreditei nelas. Já me feri com atitudes que desviavam daquilo que eu acredito, mas sobrevivi.


Às vezes as pessoas optam por um caminho que irá nos ferir, mas isso tem muito mais a ver com a vida delas do que com a nossa.


Então, não cabe a nenhum de nós apontar o dedo. Não cabe a nenhum de nós expor o outro ao nosso julgamento, muitas vezes imparcial, já que somos “as vítimas”. Cabe sim ajudarmos a construir uma pessoa melhor, com amor, tolerância às diferenças, perdão e aceitação.


Ninguém está livre de erros e, principalmente, ninguém sabe ao certo onde o sapato do outro aperta…


*Fabiola Simoes


Direitos autorais da imagem de capa: delcreations / 123RF Imagens

quarta-feira, 28 de outubro de 2020

Remar, Re-amar, Amar


“Olha, eu sei que o barco tá furado e sei que você também sabe, mas queria te dizer pra não parar de remar, porque te ver remando me dá vontade de não querer parar também.

Tá me entendendo? Eu sei que sim”.


Eu entro nesse barco, é só me pedir. Nem precisa de jeito certo, só dizer e eu vou. Faz tempo que quero ingressar nessa viagem, mas pra isso preciso saber se você vai também. Porque sozinha, não vou. Não tem como remar sozinha, eu ficaria girando em torno de mim mesma. Mas olha, eu só entro nesse barco se você prometer remar também! Eu abandono tudo, história, passado, cicatrizes. Mudo o visual, deixo o cabelo crescer, começo a comer direito, vou todo dia pra academia. Mas você tem que prometer que vai remar também, com vontade! Eu começo a ler sobre política, futebol, ficção científica. Aprendo a pescar, se precisar. Mas você tem que remar também. Eu desisto fácil, você sabe. E talvez essa viagem não dure mais do que alguns minutos, mas eu entro nesse barco, é só me pedir. Perco o medo de dirigir só pra atravessar o mundo pra te ver todo dia. Mas você tem que me prometer que vai remar junto comigo. Mesmo se esse barco estiver furado eu vou, basta me pedir. Mas a gente tem que afundar junto e descobrir que é possível nadar junto. Eu te ensino a nadar, juro! Mas você tem que me prometer que vai tentar, que vai se esforçar, que vai remar enquanto for preciso, enquanto tiver forças! Você tem que me prometer que essa viagem não vai ser a toa, que vale a pena. Que por você vale a pena. Que por nós vale a pena.

Remar.

Re-amar.

Amar.


*Por A Soma de Todos Afetos 


Poetriz

Nota: O trecho inicial é uma citação de carta escrita por Caio Fernando Abreu a Bruna Lombardi, publicada no livro “Cartas”. O restante texto surge publicado no site de Poetriz.


terça-feira, 27 de outubro de 2020

“viver é um rasgar-se e remendar-se…”


Meus joelhos trazem marcas de uma infância bem vivida. Há o tombo da bicicleta na ladeira da igreja, o escorregão no barranco atrás da casa da vó, a queda brusca na travessia da rua de paralelepípedos do trabalho do pai.

 

Olho para minhas cicatrizes e me lembro da dor que ficou lá atrás, junto com as histórias que desconstruí e voltei a escrever com uma caligrafia mais amadurecida.


Tenho descoberto que, assim como Guimarães Rosa poetizou, “Viver é um rasgar-se e remendar-se”.


Talvez ele já soubesse que a vida é feita de desconstruções e reconstruções, e que, ainda que nossas bainhas desfeitas nos causem tanta dor, outros arranjos serão possíveis no seu tempo, mostrando que jamais seremos os mesmos, mas isso também significa crescer.


Estar “remendado” pela vida não nos torna mais tristes ou piores. Ao contrário, estar remendado quer dizer que evoluímos, que conseguimos lidar com nossos abismos e nos reerguemos, que ralamos a alma no chão de nossas aflições e nos tornamos mais fortes e corajosos.

 

Algumas cicatrizes são imperceptíveis aos olhos, mas nem por isso doem menos. Porém, também trazem o tempo do amadurecimento, tempo em que a inconstância e a agitação da imaturidade dão lugar ao silêncio e à serenidade da calmaria.


Viver é dar novo sentido ao que vamos nos tornando com o passar do tempo. Pois o que somos hoje não é o mesmo que ontem, e nem será o mesmo que amanhã.


Nos descosturamos e remendamos incessantemente, fazendo novas escolhas, renunciando ao que não serve mais, viajando para um lugar diferente, assistindo a algum filme ou documentário interessante, lendo algum texto num livro antigo ou na internet, batendo papo com aquele amigo inteligente, experimentando um novo sabor, ouvindo uma boa música.


Crescemos, nos despedimos, nos vestimos e nos despimos. É preciso ser feliz com aquilo que nos pertence, com a colcha de retalhos que nos tornamos, com as pontas descosturadas e as novas emendas que compõem nosso tecido.

 

A gente muda e nosso mundo se transforma. É preciso reaprender a lidar com o que nos tornamos depois que somos descosturados. É preciso encontrar sentido nas novas realidades que agora fazem parte do nosso mundo e de nós mesmos.


Aprender a conviver com a falta, com o silêncio, mas também com a chegada de novas alegrias e surpresas.


Ainda me lembro dos tombos memoráveis da minha infância. Foram eles que me ensinaram a me resguardar do perigo e andar mais cuidadosa pela vida. Me rasgaram a pele, sangraram e causaram dor. Hoje são só sinais de um tempo bom que não existe mais. Cresci, acumulei conhecimento e alguma serenidade, e hoje tento passar ao meu filho um vestígio da minha experiência. Porém, sei que antes ele precisará rasgar-se e descosturar-se para então reconhecer seu espaço e seu caminho.


Ninguém pode nos poupar do que está reservado para nós. As pedras, desafios e alegrias de nosso caminho são só nossos, e os remendos adquiridos no decorrer do tempo, também…


*Fabiola Simões

segunda-feira, 26 de outubro de 2020

Faça valer a pena! alguém amaria estar no seu lugar!


Li a frase título em alguma publicação na internet e fui fisgada. Parei pra pensar onde me encontro hoje e no quanto sou grata por estar exatamente onde estou.


Somos tão apressados, vivemos tão no automático, que muitas vezes deixamos que a gratidão evapore por nossos poros e que o reconhecimento de nossas dádivas escoe por nossa superfície.


É preciso amar nossos lugares no mundo e dentro das pessoas. Reconhecer que somos privilegiados pela bagagem que carregamos e pela estrada que trilhamos.


É preciso fazer valer a pena. Fazer valer a pena cada talento que recebemos de Deus; fazer valer a pena os abraços que damos e recebemos; fazer valer a pena os lugares que ocupamos, as refeições que partilhamos, as vidas que tocamos, as pessoas que amamos.


Cada um de nós tem um dom. Pode ser cantar, falar línguas, escrever, pintar, cozinhar, acalmar. Pode ser praticar um esporte, saber ouvir com atenção, fazer florescer um jardim, amar sem restrições. O importante é usar esses talentos. O importante é fazer valer a pena cada dom recebido e aí, quem sabe, multiplicar esse dom.


O lugar em que você se encontra diz muito sobre você. Pode ser que você ainda esteja de passagem, melhorando sua bagagem enquanto atravessa suas pontes. E me recordo de quando eu estava neste ponto de transição e travessia. É um lugar cheio de sonhos e possibilidades, e é exatamente onde tudo pode acontecer e valer a pena. Aproveite, arrisque, ouse!

 

Pode ser que você ache que já chegou onde queria e descobriu que ainda não reconhece essa tal felicidade. Quem sabe seja a vida lhe dando a chance de ser grato pelo fim de uma história que se desenrolou pequena diante do tamanho de seus sonhos. Pode ser que descubra que nada está concluído ainda. É hora de resgatar seus dons e fazer valer a pena cada instante vivido no lugar que você escolheu estar.


Não cobice o lugar do outro. Tenha, antes, a sabedoria de olhar para o lugar que você ocupa e ser grato pelo que foi feito e desfeito em sua vida.


Alguém amaria estar no seu lugar. Alguém amaria ter as oportunidades que você teve e receber os dons que você recebeu.


Alguém amaria sentar à sua mesa e comer sua refeição. Alguém amaria ter o sol e as estrelas que iluminam o seu céu e seria grato pela chuva que respinga na sua vidraça.


Alguém amaria encontrar tantos afetos quanto você encontrou, e saberia valorizar cada sorriso que você recusou.


Alguém amaria ter o despertador chamando pra mais uma segunda feira de trabalho. Alguém amaria a cozinha cheirando a café recém passado anunciando mais um dia ensolarado.


Alguém amaria ter os finais que você teve. O jeito certo que aquela história encerrou e as oportunidades que surgiram depois que sua página virou.


Temos que ser gratos por nem sempre alcançarmos o que desejamos. Gratos pelos nós desfeitos e pelas intenções contrariadas. Acreditando que estamos onde deveríamos estar, e que isso é benção também.


Ninguém consegue ocupar por muito tempo um lugar que não é seu. Por isso, dê valor ao seu jardim, e plante sementes de otimismo e gratidão no solo que lhe pertence. Ame sua história e seja gentil com o tempo das despedidas.


Lembre-se que a vida nos dá os ingredientes, mas quem determina a receita e faz o bolo ficar saboroso somos nós. Então não fique olhando para o lado e cuidando do que não lhe cabe. Nem sempre temos tantos ingredientes à disposição, mas o importante é conseguirmos fazer o melhor que pudermos com o pouco que nos foi dado.


*Fabiola Simões

sexta-feira, 23 de outubro de 2020

Farinhas do mesmo saco


Outro dia, um amigo de longa data se referiu a mim e a uma amiga em comum como “farinhas do mesmo saco”. E ri da expressão, orgulhosa de ser o mesmo tipo de pessoa que minha amiga.

Dizem que os opostos se atraem. Talvez porque eu busque no outro o que me falta, ou aquilo que desejo revelar, mas só ele consegue exteriorizar.

Porém, em se tratando de amizades, felicidade é ser farinha do mesmo saco, do tipo que engrossa o mesmo caldo ou dá consistência ao fermento que fomenta a vida.

Quero ser farinha do mesmo saco de quem mora longe, mas se faz sempre perto, e não deixa a saudade distanciar. De quem cuida da amizade com vontade de estar presente, sem correr o risco de que o tempo apazigue a memória do que sempre queremos lembrar;

Desejo ser farinha do mesmo saco de quem não tem medo de ser imperfeito, e trata com carinho seus deslizes, compreendendo que nossas incompletudes são partes do mesmo saco também;

Sou farinha do mesmo saco de quem compartilhou um tempo bom, e fez da trilha sonora e cinematográfica de sua vida parte da minha também, eternizando “Grease”, os clássicos deWoody Allen, “Moon River”, Legião e “Go Back” _ na versão linda com Fito Paez;

Sou farinha do mesmo saco de quem me viu modificar com a idade, e transformou-se comigo, superando as dificuldades do caminho e prosseguindo lado a lado, compreendendo que ainda que os roteiros sejam distintos, permanece aquela linha invisível ligando os mundos;

Quero ser farinha do mesmo saco dos amigos que inventam grupos no whatsapp, e espalham videos, fotos e outras bobagens só pelo pretexto de nunca mais deixarem a distância apartar;

Sou farinha do mesmo saco de quem não consigo esconder um segredo, e partilho mesmo correndo o risco de chorar; entendendo que no mesmo saco encontro amparo para meus medos e conflitos também;

Sou farinha do mesmo saco de quem entende minha reserva de tempos em tempos, a necessidade de encontrar abrigo em meu universo particular, de quem supera meu contraste e introspecção;

Sou farinha do mesmo saco de quem não se fragiliza diante de minha alegria, mas partilha do mesmo sorriso quando a vida floresce em meu canteiro;

Quero ser farinha do mesmo saco de quem compartilha sua alegria sem rodeios, e não se intimida quando o tempo traz a poda de suas _ e minhas _ mudas ou estruturas;

Sou farinha do mesmo saco de quem não tem medo de chegar, e não vive com receio de que a proximidade derrube as portas que construiu pra se blindar. De quem entende que a amizade é um sentimento mútuo, que só cresce reciprocamente;

Sou farinha do mesmo saco de quem perdoa a si mesmo, e aprende a não se culpar em demasia. De quem me ensina a relevar meus próprios julgamentos e entende minhas pequenices, tombos e fraquezas, sem usar isso pra me desconcertar;

Quero ser farinha do mesmo saco de quem ama sem impôr condições, e permite que lhe amem na mesma proporção. De quem não evita a possibilidade de ser melhor com o tempo, mas tenta se aprimorar com a passagem dos momentos;

Sou farinha do mesmo saco de quem sabe dirigir o olhar com delicadeza e serenidade, acreditando que é merecedor de dádivas e milagres diários. De quem sabe agradecer o presente que é a própria vida e tolera os imprevistos com ginga e sabedoria;

Quero ser farinha do mesmo saco de quem tem tanto a me ensinar, pois meus pés ainda trilham terra barrenta, que tem tanto a se transformar.

A vida nos pede ânimo novo todos os dias. Precisamos ser farinhas do mesmo saco. Precisamos de quem nos ajude a lapidar nossas arestas e arredondar nossos cantos ou esquinas.

Bom mesmo é encontrar quem nos acolha. Quem tem tanto a oferecer e nos enxerga com olhos generosos. Quem nos abraça e convida a ser assim, simplesmente… Farinhas do mesmo saco…


*Fabiola Simoes

quinta-feira, 22 de outubro de 2020

QUANDO A CASA DOS AVÓS SE FECHA


Acho que um dos momentos mais tristes da nossa vida é quando a porta da casa dos avós se fecha para sempre, ou seja, quando essa porta se fecha, encerramos os encontros com todos os membros da família, que em ocasiões especiais quando se reúnem, exaltam os sobrenomes, como se fosse uma família real, e, sempre carregados pelo amor dos avós, como uma bandeira, eles (os avós) são culpados e cúmplices de tudo.

Quando fechamos a casa dos avós, também terminamos as tardes felizes com tios, primos, netos, sobrinhos, pais, irmãos e até recém-casados que se apaixonam pelo ambiente que ali se respira.

Não precisa nem sair de casa, estar na casa dos avós é o que toda família precisa para ser feliz.

As reuniões de Natal, regadas com o cheiro a tinta fresca, que cada ano que chegam, pensamos “...e se essa for a última vez”? É difícil aceitar que isso tenha um prazo, que um dia tudo ficará coberto de poeira e o riso será uma lembrança longínqua de tempos talvez melhores.

O ano passa enquanto você espera por esses momentos, e sem perceber, passamos de crianças abrindo presentes, a sentarmos ao lado dos adultos na mesma mesa, brincando do almoço, e do aperitivo para o jantar, porque o tempo da família não passa e o aperitivo é sagrado.

A casa dos avós está sempre cheia de cadeiras, nunca se sabe se um primo vai trazer namorada, porque aqui todos são bem-vindos.

Sempre haverá uma garrafa térmica com café, ou alguém disposto a fazê-lo.

Você cumprimenta as pessoas que passam pela porta, mesmo que sejam estranhas, porque as pessoas na rua dos seus avós são o seu povo, eles são a sua cidade.

Fechar a casa dos avós é dizer adeus às canções com a avó e aos conselhos do avô, ao dinheiro que te dão secretamente dos teus pais como se fosse uma ilegalidade, chorar de rir por qualquer bobagem, ou chorar a dor daqueles que partiram cedo demais. É dizer adeus à emoção de chegar à cozinha e descobrir as panelas, e saborear a “comida da nona”.

Portanto, se você tiver a oportunidade de bater na porta dessa casa e alguém abrir para você por dentro, aproveite sempre que puder, porque ver seus avós ou seus velhos, ficar sentado esperando para lhe dar um beijo é a maior sensação,a mais maravilhosa, que você pode sentir na vida.

Descobrimos que agora nós temos que ser os avós,e nunca vamos perder a oportunidade de abrir as portas para nossos filhos e netos, e celebrar com eles o dom da família, porque só na família é onde os filhos e os netos encontrarão o espaço oportuno para viver o mistério do amor por quem está mais próximo e por quem está ao seu redor.

Aproveite e aproveite a casa dos avós, pois chegará um tempo em que na solidão de suas paredes e recantos, se fechar os olhos e se concentrar, poderá ouvir talvez o eco de um sorriso ou de um grito, preso no tempo. De resto, posso dizer que ao abri-los, a saudade vai pegar você, e você vai se perguntar: por que tudo foi tão rápido? E vai ser doloroso descobrir que é real,a casa está fechada!


quarta-feira, 21 de outubro de 2020

Há pessoas que não querem amar, querem apenas saber que tem alguém ao lado


Há pessoas que não querem amar, querem apenas saber que tem alguém ao seu lado. Apenas isso.

O comportamento revela que, na verdade o que elas querem mesmo é a boa companhia, a energia da pessoa por perto, o apoio, o carinho e não amor, ou relacionamento e planos.

Sim, nem tudo é como se quer. É possível se frustrar nesse negócio de relações humanas. Por isso é bom ficar atento aos sinais!


Existem pessoas que despertam uma maior afinidade, química, enrosco, aquele “algo a mais.” A partir destes sentimentos é normal pulsar o desejo de se construir algo juntos, levar adiante aquele encontro rico de bom papo, boa química, bom beijo e companhia. Mas aí vai desenrolando a trama e é possível realizar que nem tudo é como parece.


Têm pessoas que não buscam conexão, não querem contato profundo e não estão interessadas em fazer o outro feliz, em amá-lo! São rasos. Vão até a página dois.

São capazes até mesmo de magoar por ignorar os sentimentos do outro, de não saber dar atenção e ser recíproco. São capazes de traição, sem remorso.


Essas pessoas não costumam se interessar. No seu repertório não existe o “Como você está”? A relação nunca será de um interesse sincero. Elas são egoístas. Pensam apenas em seus sentimentos e podem até mesmo manipular uma relação para tirar o melhor proveito para si.


São pessoas sem amor-próprio que acabam usando da energia do outro para se fortalecerem e, por isso, também se passam por bons amigos, bons parceiros, mas no fim, estão apenas usufruindo dos seus interesses.


Deparar-se com pessoas assim pode ser uma grande cilada, pois, de início, é possível achar que tudo não passa de viagem do ego. Que a falta de interesse e cuidado, é porque é do tipo desligado mesmo ou que isso não tem importância. É bom saber quando a recíproca é verdadeira ou se está numa grande emboscada emocional!


Ser apenas um doador de boa energia não faz ninguém especial, pelo contrário. Uma boa relação se constrói juntos. Ambos no mesmo caminho.


É bom estar atento a estas pessoas. Elas não querem amar, querem apenas alguém por perto para saber que não estão sozinhas sem ao menos se dar o trabalho de cultivar uma boa relação.


Quando não sai da forma que se deseja é bom parar. Nunca ache que merece menos. O amor deve existir de forma real e interessada!

Às vezes, não é viagem do ego, é mesmo uma relação de mão única, e esse caminho não leva a lugar algum. Fica aquela máxima: “Antes só que mal acompanhado“!


*Anieli Talon

terça-feira, 20 de outubro de 2020

As coisas não mudam por dois motivos: ou é medo ou já é tarde demais


A hesitação em agir muitas vezes acaba culminando no desperdício de oportunidades únicas, que já terão ido embora quando resolvermos abraçá-las. Demorar-se demais nas dúvidas pode nos impedir de avançar na hora certa, de aproveitar o melhor momento, de optar por quem seria verdadeiro.


Mudar algo lá fora e mudar algo dentro de nós são tarefas muitas vezes difíceis e assustadoras. A gente gosta do que é certo, do que já está estabelecido, do que é constante. A gente até força e se ilude com o que supostamente já está ali do lado, com quem permanece faz tempo, com o que somos desde cedo. A zona de conforto é deveras cômoda e muitos não ousam questioná-la, pois isso requer uma coragem absurda.

 

Fato é que nunca teremos certeza absoluta quanto às tomadas de decisão que assumiremos vida afora, uma vez que a escolha implica, em si, também uma renúncia. Quando optamos por algo, deixamos para trás alguma coisa e assim nos questionaremos quanto à possibilidade de o que preterimos ter sido o que deveríamos ter mantido. Jamais teremos cem por cento de certeza sobre nossas escolhas, sobre o que devemos guardar e o que necessita ser jogado fora.


E dá medo. Medo de desistir de algo ou de alguém que merecia um pouco mais de insistência. Medo de ficar dando chances à mesma pessoa inutilmente, tendo outro alguém esperando somente uma chance nossa. Medo de partir para um emprego mais afim com nossas habilidades, porém incerto quanto à remuneração. Medo de mudar o corte de cabelo ou sua cor, de usar jeans rasgado, de opinar numa reunião. Medo de se arrepender.


E, por mais que nos alertem, por mais que nos sintamos incomodados, bem lá no fundo, por mais que o que não muda não nos anime, chegará um momento em que a dor por não mudar será insuportável. Teremos, então, que tomar uma atitude, caso desejemos sobreviver, seguir em paz, voltar a sorrir com verdade. Ou isso ou vivemos pela metade, sufocados, à margem da totalidade de sonhos que nos aguardam ali pertinho, sonhos nossos, mas que dependem de nossa coragem.

 

Infelizmente, a hesitação em agir muitas vezes acaba culminando no desperdício de oportunidades únicas, que já terão ido embora quando resolvermos abraçá-las. Demorar-se demais nas dúvidas pode nos impedir de avançar na hora certa, de aproveitar o melhor momento, de optar por quem seria verdadeiro. E então a lamentação será dolorosa, enquanto sentimos o que deveria estar junto se esvaindo por entre nossas mãos. E então será tarde demais. Como dói o tarde demais…


Temer errar não é de todo mal, pois o medo, muitas vezes, protege-nos e alerta-nos aos descaminhos que devemos evitar. Mesmo assim, precisaremos evitar nos acomodarmos junto ao que e a quem nada trazem de bom, nada acrescentam, em nada ajudam. Mais vale um caminho de lutas em busca do que nos faz feliz do que um repouso paralisante junto a incertezas que incomodam. Vamos ser felizes agora, que o depois demora muito.

*Marcel Camargo

Imagem de capa: Angelo Cordeschi, Shutterstock 

segunda-feira, 19 de outubro de 2020

O relógio de Deus nunca se atrasa. Na hora certa, tudo se resolverá!


Confie em Deus, Ele está trabalhando por você e, na hora certa, trará a resposta para todos os seus problemas!

 

Quando estamos passando por algum momento de crise pessoal, podemos deixar que os problemas afetem a nossa fé e nos façam duvidar da lealdade de Deus e de Seus planos para nós, permitir que a maldade e o egoísmo das pessoas cheguem aos nossos corações e a nossa paz seja roubada por acontecimentos negativos, e nos enfraquecemos pouco a pouco, perdendo a capacidade de sorrir e acreditar que existem grandes coisas prontas para entrarem em nosso caminho.


Todos nós já passamos por uma situação assim e nos tornamos reféns dos próprios pensamentos e sentimentos negativos, e criamos uma nuvem negra sobre nossas cabeças, sabotando a nossa felicidade e permanecendo muito mais tempo do que o necessário em uma fase difícil.


No entanto, a diferença desses para aqueles que conseguem superar os seus problemas e encontrar um caminho melhor está em como estes reagem quando os problemas chegam. Essas pessoas colocam a fé em Deus acima de qualquer circunstância ruim e acalmam o coração, porque sabem que, na hora certa, tudo se ajeitará.

 

Elas sabem que o tempo de Deus está sempre certo e o melhor a fazer é confiar e esperar com paciência, porque nenhuma tempestade dura mais do que o necessário.


Pessoas de fé verdadeira são um grande exemplo para nós e nos mostram, através de cada atitude, o que é confiar em Deus e permitir que Sua vontade seja feita em nossa vida. Essas pessoas são humildes, bondosas e desapegadas de qualquer necessidade de controle. Elas entendem que Deus é o único que sabe verdadeiramente o que é melhor, por isso entregam tudo em Suas mãos.


Elas podem até passar por momentos ruins e enfrentar grandes dificuldades, mas não há nada que possa verdadeiramente abalá-las, porque aprenderam a dominar qualquer tipo de medo e insegurança com sua fé e permitir que a vontade divina guie os seus passos, não a própria ganância.


Se você se encontra numa fase difícil neste momento e está inseguro sobre o que o aguarda, seja como essas pessoas, entregue tudo nas mãos de Deus e deixe que Ele seja a sua orientação.

 

Deus nunca falha conosco, e quando entregamos a Ele o controle das pequenas e grandes coisas de nossas vidas, tudo acontece da maneira certa, ainda que demore um pouco mais do que esperamos.


O relógio de Deus é perfeito, Ele nunca se atrasa e, na hora certa, trará grandes coisas para sua vida. Creia!


*Luiza Fletcher

sexta-feira, 16 de outubro de 2020

Eis a vida: é uma porrada atrás da outra


E, quando nada mais parece restar, a não ser desistir, a não ser parar, morrer em vida, é momento de se agarrar à fé. Fé em Deus, em algo superior, em alguma força que venha não se sabe de onde, fé no que temos dentro de nós – a gente é mais forte do que imagina.


Cheguei à conclusão de que, não importa o tanto que a gente ore ou tente andar corretamente, a vida muitas vezes vem para derrubar com força, atropelando, passando por cima, deixando-nos sem chão, sem norte, sem rumo. Quando achamos que está tudo bem, que finalmente teremos paz, lá vem tempestade se formando sobre nossas cabeças, lá vem dor, decepção choro e sofrimento. Isso não é pessimismo de minha parte, é mera constatação.


Eu não vivo sozinho, não sigo de acordo só com o que eu penso e quero, porque existem mais pessoas comigo, acreditando em mim e torcendo junto. Ninguém faz o que quiser, sem ter que prestar atenção no alcance de suas atitudes. Ninguém consegue agir conforme cada batida de seu coração, a não ser que se trate de alguém sem amigos, sem família e sem noção de coletividade. Nada do que fazemos, afinal, recai somente sobre nossas cabeças – somos parte de um corpo coletivo.


Ademais, a gente acaba amando demais algumas pessoas, a gente forma família, círculo de amizades, a gente trabalha junto com os outros. Dessa forma, nossa felicidade não tem autonomia suficiente para se bastar sem se importar com o que ocorre ao seu redor. Não dá para ser feliz, por exemplo, quando há alguém que amamos muito sofrendo bem ali na nossa frente. Nós carregamos as dores que não são somente nossas também, pois somos humanos, compadecemos, olhamos além de nós mesmos.


Como manter o sorriso quando um filho chora ou se mete em enrascada? Como ter ânimo, diante de uma esposa doente, de um irmão acamado, de um amigo endividado, desempregado? Embora não possamos carregar o peso do mundo em nossos ombros, fato é que a nossa essência bondosa acaba, por si só, solidarizando-se com os machucados alheios, chegando junto à dor de quem amamos. Porque a gente divide tudo com as almas amigas, até mesmo o que fere.


Mesmo assim, ainda que eu esmoreça, caia ao chão, chore e pense em desistir, meu instinto de sobrevivência e minha fé acabam por me resgatar. Acredito que nada é por acaso, nada. Tudo é lição, tudo é aprendizado e evolução. E, quando nada mais parece restar, a não ser desistir, a não ser parar, morrer em vida, é momento de se agarrar à fé. Fé em Deus, em algo superior, em alguma força que venha não se sabe de onde, fé no que temos dentro de nós – a gente é mais forte do que imagina. Por isso é que sempre haverá alguém que não desiste de nós. Por isso é que fomos feitos para durar.


*Prof. Marcel Camargo

quinta-feira, 15 de outubro de 2020

Aprendendo com girassóis: não sofra por antecipação. O seu tempo vai chegar!


Recentemente, plantei girassóis. Em um vaso, coloquei quatro sementes.


Passaram-se uns cinco dias e eu já conseguia ver a semente germinar.


Para minha surpresa, apenas três germinaram e uma semente começou a brotar após dez dias.


Resolvi analisar a situação.


As sementes foram plantadas no mesmo solo, recebiam os mesmos cuidados e a mesma proporção de luz solar, porém cada uma germinou no seu tempo.


Às vezes, nós nos cobramos muito. Muitas vezes nos autossabotamos e colocamos pressões desnecessárias em nossos ombros.

“E daí que tenho vinte e cinco anos e não casei como a fulana ou não me formei como a beltrana?!”


Nosso tempo não é medido em números.


O meu tempo não é igual ao da beltrana e da fulana.


Pare, respire! Não se cobre!


Não se culpe se este artigo chamou sua atenção. Estas palavras são as que você precisa no momento. Se você as está lendo, não se torture e vá no seu tempo.


Alguns demoram mais, outros menos, mas cada um tem o seu tempo.


A hora certa vai acontecer. Não adianta ter pressa.

 

Uma professora da minha época de colegial disse uma frase que guardo até hoje: “Não apresse o rio, pois ele corre sozinho.”


Se você está se empenhado para alcançar suas metas, tenha calma! Você colherá os frutos em breve! Não adianta sofrer por antecipação.


O sofrimento por antecipação o corrói e faz com que você perca bons momentos no presente.


O seu tempo vai chegar!


*Estefânia Silva


“Não espere as pessoas morrerem, irem embora, não espere o definitivo bater na sua porta, nós não conhecemos a vida e não sabemos o que virá amanhã, viva como se fosse o último dia da sua história, se hoje você tivesse que realizar a sua última ceia, porque é conhecedor que hoje é o último de sua vida, certamente você não teria tempo pra pressa. Você celebraria até o fim e gostaria de ficar no lado de quem você ama".

(Padre Fábio de Mello )

quarta-feira, 14 de outubro de 2020

Carta de um namorado que já se foi...


— Oi amor, tudo bem?


— Tudo ótimo, eu te amo tanto. — Ele disse sorrindo.


— Também te amo amor, mas porque tá me encarando desse jeito? - Ela disse confusa.


— Amor, quero te pedir uma coisa?


— Claro amor, tudo o que quiser..


— Poderia ficar uma semana sem mim?


— Como assim? Não aguentaria..


— Faz isso por mim, por favor.


— Tá bom amor. Então vamos compensar o tempo que iremos ficar longe um do outro?


— Pensei que nunca iria pedir.


De manhã cedo mais ou menos ás 06:15 ele lhe beijou a testa e disse sussurradamente para não acordá-la: - Eu te amo.


E se foi.


Os dias não pareciam passar, mas exatamente uma semana depois, foi correndo à sua casa e encontrou sua mãe chorando e lhe entregou uma carta que nela estava escrito:


Amor, quando se trata de você o dia fica mais florido, meu coração mais feliz e é maior o meu sorriso. Você foi a melhor coisa que me aconteceu e está acontecendo, mesmo que duvide do meu amor ou algum dia pense que enjoei de você engana-se pois nunca ficarei sóbrio de você, sou viciado em seu sorriso, e; vê-lo todos os dias é a melhor coisa que se pode ter na vida. 


Amei dormir colado à ti, acordar do teu lado e te dar o primeiro beijo de bom dia, não ligo que esteja com o cabelo desarrumado, com a cara amarrada e as roupas amarrotadas o importante é que estou junto à ti e isso é a melhor coisa que eu poderia ter. 


Só peço que não chores por mim, quero que lembre de todos os momentos felizes que passamos juntos. Sua vida continua, só lembre que te amei mais do que tudo e talvez mais do que à mim mesmo, sei que pode está pensando agora o que será da sua vida agora, você à continuará estarei com você à todo momento pois agora sou um anjo e estarei com você em qualquer lugar e lhe apoiando em qualquer decisão, seja qual for. 


E lembra quando lhe pedi pra ficar uma semana sem mim? Pois é eu fui ao médico um dia antes e ele disse que eu teria uma semana de vida e já que conseguiu ficar uma semana acho que consegue um pouco mais, sei muito bem a menina forte que você é, minha menina forte. 


Desculpe todos aqueles ataques de ciúmes bobos, sei que fui inseguro mas foi tudo por você, talvez esse seja meu defeito te querer só pra mim, é uma coisa estranha mas eu não olhava pra nenhuma menina, só pensava em você, nunca lhe traí nem por pensamento, mas antes do namoro era outra coisa. 


Nunca me esquecerei de todos os momentos que passamos juntos, desde aquele passeio ao cinema (nosso primeiro encontro) até aquela nossa última noite de amor uma semana atrás. Não sofra, não se suicide, quero que você viva muitos e muitos anos pois senão minha função de anjo não servirá de nada. 


Me desculpe se te fiz chorar em algum momento como agora, mas tive que lhe prestar explicações pois não ficaria em paz se você pensasse que se fui sem ao menos saber que estou olhando a pessoa que mais amo nesse mundo nesse exato momento e, quando olhar para o céu e ver aquela estrela maiss brilhante no céu, lembra que falávamos que era nossa? 


Pois é quando olhar para o céu e vê-la brilhando saiba que é sou eu fazendo uma serenata para você igual aquelas que fazia nas madrugadas de frio em que se sentia sozinha, quando pulava a sua janela, tomava cada susto, foram e sempre serão os melhores momentos da minha vida, te amo mais que tudo.


Beijos do seu amor.


Hudson Tabachi

terça-feira, 13 de outubro de 2020

VALORIZE QUEM TE ENXERGA QUANDO VOCÊ SE SENTE INVISÍVEL


Um dos melhores conselhos que podemos levar conosco diz respeito à necessidade de cultivarmos as nossas amizades mais especiais, de amarmos de volta quem nos ama verdadeiramente, porque com eles poderemos sempre contar, sem sobra de dúvida. Mesmo assim, muitas vezes acabamos mantendo perto de nós quem não faz a mínima questão de estar ali, quem não soma nada, de quem, na verdade, deveríamos nos afastar.


A vida hoje se constitui, em grande parte, de valores ilusórios, em que as aparências são supervalorizadas, em detrimento da essência, dos sentimentos, prevalecendo o material sobre o espiritual. Com isso, somos atraídos pelo que as pessoas possam oferecer em termos de status, popularidade, conforto material, relegando a segundo plano o que nos é mais caro: a afetividade, o sentimento, a verdade de cada um.


E, assim, muitas vezes nos esquecemos das amizades sinceras, partindo em busca das mais interessantes; não enxergamos quem nos ama com verdade, pois procuramos alguém cuja imagem seja mais condizente com a estética ideal; perdemos grandes oportunidades de nos realizarmos profissionalmente, enquanto ansiamos por empregos rentáveis. Quanto mais nos apegarmos ao externo, mais nos perderemos daquilo que somos de fato, dentro de nós.


Da mesma forma, vamos nos afastando de quem nos faz bem, de quem nos abre sorrisos sinceros, de quem completaria nossa vida em todos os sentidos, na dor, no contentamento, no amor. Já disse Exupéry ser o essencial invisível aos olhos, posto que tudo de que nossa alma precisa não se compra, pois não tem preço. E, sem que alimentemos a nossa essência, permaneceremos vazios e incompletos, ainda que estejamos rodeados de luxo.


Por isso é tão difícil amar. O amor não permanece no que não é verdadeiro, não se sustenta no que é apenas aparente. O amor precisa de essência, daquilo que não se compra, não se comercializa, não se corrompe. O amor não se veste com grifes, tampouco acompanha relacionamentos interesseiros, ou se impressiona com corpos perfeitos. Amor é entrega e reciprocidade, amor vem de dentro e ali se instala, na sinceridade de corações transparentes.


É preciso que consigamos manter junto de nossas vidas gente que faz a diferença, que acredita em nós, dando-nos as mãos para comemorar, para consolar e para nos guiar em direção à luz, ao amanhecer de nossa alma. É preciso que nos acomodemos nos ambientes em que, mais do que conforto, haja sorrisos sinceros e admiração mútua, onde podemos ser e aparentar tudo o que temos dentro de nós e mesmo assim obter aceitação sincera.


Nada nos fará mais falta na vida do que tudo aquilo que pudemos ter sem precisar comprar, porque é isso que nos acalentará durante as duras despedidas que a vida nos obriga a vivenciar. Porque então o amor vencerá tudo, até mesmo a dor da morte.


*Prof. Marcel Camargo

segunda-feira, 12 de outubro de 2020

Nossa Senhora, guie os meus passos e proteja-me com seu manto de amor


Nossa Senhora, guie-me pela vida, esteja ao meu lado a cada passo do meu caminho e proteja-me da maldade deste mundo com o seu manto de amor infinito.

 

Mãezinha do Céu, você está ao meu lado, acompanhando-me desde o meu primeiro dia de vida. Cuida de mim com todo o amor e zelo possíveis, intercede por mim junto a Deus e sempre tranquiliza o meu coração nos momentos mais difíceis da minha vida.


Eu a considero a minha melhor amiga, porque sei que não importam quais erros eu cometa em minha caminhada, você seguirá me amando e cuidando de mim, sem julgar minhas atitudes e mantendo os braços abertos para mim em todos os momentos.


Sei que não sou o filho perfeito, que em vários momentos eu me esqueço de todas as lições que você me ensinou em todos esses anos e que posso decepcioná-la, mas gostaria de lhe pedir que não desistisse de mim, porque eu estou em constante luta para tornar-me uma pessoa melhor.

 

Preciso de sua ajuda, mãezinha, para enfrentar os desafios em meu caminho com sabedoria e maturidade, e para encarar cada dificuldade como uma oportunidade de me aperfeiçoar e ser uma pessoa melhor, que a orgulha.

Nossa Senhora, segure a minha mão quando o caminho estiver escuro demais e me guie em paz aonde você me deseja levar.


Seja a minha guia pela vida, esteja ao meu lado a cada passo do meu caminho e proteja-me da maldade deste mundo com o seu manto de amor infinito. Eu não tenho poder para controlar a minha vida sozinho mas, com a sua presença, consigo ir além do que posso imaginar.


Esteja ao meu lado, quando eu me deparar com a maldade de pessoas arrogantes e quando tiver de superar as perdas doloridas da vida. Dê-me forças, quando eu pensar em desistir e me traga inspiração para continuar, quando tudo o que eu enxergar for triste.

 

Nossa Senhora, rogo pela sua companhia, pela sua orientação e pelo seu amor, para que me enxergue como uma obra em progresso e que nunca deixe de acreditar em mim.


Eu lhe rogo que enxergue os meus acertos mais do que os meus erros, e me ajude a conquistar a vida que Deus preparou para mim.


Nossa Senhora, seja a minha amiga de jornada e me ajude a atingir os objetivos que farão a minha vida valer a pena.


Isso é o que eu lhe peço com amor e gratidão. Amém.


*Luiza Fletcher


 Direitos autorais da imagem de capa licenciada para o site O Segredo: Richard Faenza/123RF Imagens.

sexta-feira, 9 de outubro de 2020

Só nos resta entregar nossas vidas a Deus e confiar que certamente ele fará o melhor.


Nessa vida tem de tudo. “Tem doido para tudo” e ficamos sem entender. Fazemos parte do mundo das diferenças. Ninguém é igual a ninguém e num mundo de infinitas possibilidades, cada ser humano de acordo com sua individualidade, fruto de tudo que viveu e aprendeu no decorrer de uma vida inteira, age de acordo com suas convicções e livre arbítrio.

É em vão tentar convencer que determinada pessoa aja de determinada forma que achamos, na nossa pequenez, ser certo e correto. Toda moeda tem os dois lados e tentar convencer de que os dois lados da moeda são iguais é causa de grande sofrimento para ambos os lados. Por mais que achemos que o outro é esquisito e incompreensível, não importa.

O fato é que existem duas realidades distintas que apesar de não se toparem cara a cara, no tal chamado afinidades, ambas se complementam e são necessárias para que algo maior aconteça. Deus escreve certo por linhas tortas.

Dar murro em ponto de faca para tentar entender e tentar impôr uma visão limitada das coisas, só trará o sentimento de revolta e sofrimento que não será capaz de mudará nada e muito menos a personalidade a tempos já formada de alguém. O melhor a fazer é deixar para lá e acima de tudo respeitar as diferenças.

Como exemplo podemos citar a harmonia de uma orquestra formada por vários e diversos tipos de instrumentos musicais.

Cada um emitindo um som diferente é capaz de formar uma linda melodia.

Para quem está de fora, como expectador, não vai entender como funcionou nos bastidores para se chegar ao grande final, mas com certeza demandou do regente, muito estudo, dedicação, talento e sabedoria para comandar todo o conjunto. E assim funciona nossa vida.

Muitas vezes ficamos sem entender o que está conhecendo em nossas vidas e ao buscarmos uma explicação plausível e sensata, geralmente ficamos frustrados sem uma resposta que nos convença sob a ótica da razão.

A vida é cheia dos mistérios e ao final, ao concluirmos que nunca achamos uma resposta, passamos a aceitar tudo e entregamos nossas vidas ao maior dos regentes, pois sabemos que ao final sempre haverá um triunfo que sem sabermos como opera, nos surpreenderá ao acontecer sem nossa intervenção.

Então, para que tentar perder tempo com perguntas sem respostas?

COM O INEXPLICÁVEL E LINDO SHOW DA VIDA, SÓ NOS RESTA CONFIAR QUE TUDO DARÁ CERTO.

Sempre há uma explicação e um porquê bem maior que nossa visão visão limitada é capaz de compreender e que não nos cabe saber.

Apesar de todos os enigmas que nos cercam, somos capazes de entender que tudo favorece para um grande final feliz e isso é tudo no universo do nada sei, que se resume numa única palavra: fé!

Só nos resta entregar nossas vidas a Deus e confiar que certamente ele fará o melhor.


*Idelma da Costa


*FOTO: de Mayur Gala em Unsplash

quinta-feira, 8 de outubro de 2020

Às vezes, você não conseguiu o que queria porque merece algo melhor


Às vezes, você não conseguiu o que queria porque merece algo melhor.


O que não conseguimos foi livramento. Quando andamos com uma vibe positiva, a vida tende a conspirar em nosso favor. Isso não é utopia, é energia.


A gente tem cada decepção nessa vida, com pessoas, com sentimentos, com tudo. É o emprego que não vem, é o concurso em que reprovamos, é a traição de quem amamos, é aquela sensação de fracasso. Parece que a gente chegou aos trinta, quarenta, cinquenta anos e não conseguiu nada.


São tantas regras por aí, em livros, sites, redes sociais, motivando as pessoas a vencerem na vida, que a gente se sente obrigado a isso.


No entanto, na maioria das vezes, o sucesso veiculado pela mídia está atrelado aos bens materiais que conseguimos comprar, muito mais do que ao que se passa dentro de cada um. A vitória parece ser medida pelo sucesso de nosso poder de compra. E isso acaba sendo muito cruel.


Nem todo mundo vai conseguir um cargo altíssimo numa multinacional.


Nem todo mundo vai conseguir um carro zerinho anualmente.


Nem todo mundo vai conseguir a casa própria aos trinta.


Nem todo mundo vai viajar para outros países. E isso não deve ser parâmetro de sucesso e felicidade. Se quisermos seguir sãos, precisamos olhar para dentro.


A FELICIDADE VEM DE DENTRO.


É dentro da gente que a vida acontece primeiro, para então ocorrer lá fora.


A forma como nos sentimos e sentimos o mundo é que determina, em grande parte, a vida que teremos.


Não adianta ser rodeado de objetos luxuosos e se sentir vazio de sentimentos.


QUANDO A ESSÊNCIA PADECE, O MUNDO LÁ FORA PADECE JUNTO.

 

Quando nosso íntimo se incomoda, não nos sentiremos confortáveis em lugar algum.


Além disso, é preciso manter pensamentos positivos e ser grato, afinal, se prestarmos atenção em nossas vidas, veremos o quanto somos afortunados, perceberemos o tanto de coisas boas e de pessoas especiais que fazem parte de nossa jornada.


O QUE NÃO CHEGOU NÃO ERA PARA TER SIDO. O QUE NÃO CONSEGUIMOS FOI LIVRAMENTO.


Quando andamos com uma vibe positiva, a vida tende a conspirar em nosso favor. Isso não é utopia, é energia.


Não podemos é desanimar, pois sempre haverá ainda muito a ser caminhado, muito a ser conquistado, muito a ser vivido.


Às vezes, o que a gente queria nem era o melhor para ter acontecido, ou seja, tem coisa melhor nos aguardando. Não perca a esperança de ser feliz, porque colheremos o que plantarmos.


Se você não tem medo do que a vida devolverá, porque sempre agiu com verdade e ética, aguarde.


Sua colheita virá em abundância e será lindo. Lindo de viver.


*Prof. Marcel Camargo


*Foto de Priscilla Du Preez no Unsplash


quarta-feira, 7 de outubro de 2020

APAIXONE-SE POR ALGUÉM QUE ADORE A SUA COMPANHIA…


Outro dia li uma frase que dizia mais ou menos assim: “Não trate como prioridade quem só te trata como opção”, e fiquei pensando nos amores rasos que de vez em quando vejo por aí.


Tenho visto muita relação desigual, e por mais que um dos lados viva de esperanças, na expectativa infantil de que tudo pode mudar num piscar de olhos, é preciso enxergar os fatos como eles são.


Já ouvi muito a história: “A gente não escolhe quem vai amar”, mas será que é isso mesmo? Será que não podemos escolher o que fazer de nós mesmos quando estamos amando?


Nem sempre o coração está certo, e podemos entrar numa “canoa furada” pela simples dificuldade de sermos amorosos com nós mesmos.


Amor nenhum deveria doer. Amor nenhum deveria impor angústia e sofrimento. Amor nenhum deveria fazer você duvidar se o outro sente amor e alegria na sua companhia.


Acredito sim que a gente escolhe quem amar. E muitas vezes repetimos erros porque não aprendemos a ser gentis e generosos com aqueles que deveríamos colocar em primeiro lugar: nós mesmos.


Apaixone-se por alguém que adore a sua companhia e escolha estar com você sob o sol forte ou embaixo de uma chuva fria. Alguém que sinta a sua falta e demonstre que precisa do seu abraço a qualquer hora do dia.


Apaixone-se por alguém que goste do seu cheiro, que aprecia suas ideias e admira suas atitudes. Alguém que não titubeie ao andar ao seu lado nem tenha a intenção de guarda-la só para si.


Apaixone-se por alguém que assuma que lhe ama, alguém que tenha orgulho de ter sido cativado por você.


Apaixone-se por alguém que valorize seus gestos e escute sua opinião. Alguém que lhe queira sempre por perto, e que sinta saudades se você demora.


Apaixone-se por alguém que lhe dê segurança, alguém cujas atitudes dizem mais que mil “eu te amo” recitados da boca pra fora; alguém que faça valer a pena, pois sabe que não é todo dia que é possível encontrar alguém como você.


Apaixone-se por alguém que ame a sua risada e queira ter consigo todas as suas manias; alguém que lhe enxergue como uma pessoa especial e não vacile na hora de ter você como companhia.


Apaixone-se por alguém que releve suas variações de humor e se divirta com sua euforia; alguém que segure forte a sua mão numa turbulência e comemore as vitórias com alegria.


Apaixone-se por alguém que não tenha medo de se comprometer e amar; alguém que não tenha dívidas nem dúvidas, e que esteja disposto a fazer do encontro de vocês uma história especial.


Apaixone-se por alguém que não desista de você quando faltar grana, quando a receita daquela torta der errado, quando você passar mal, quando uma briga boba afastar vocês dois.


Apaixone-se por alguém com quem você não precise insistir para ficar; alguém que deseje estar ao seu lado por vontade e prazer; alguém que tenha a definitiva certeza de que fez a escolha certa ao querer você…


*Fabíola Simões


sexta-feira, 2 de outubro de 2020

Aceite os “nãos” de Deus, pois ele sabe o que é melhor para você. Não duvide disso!


Seja sábio o suficiente para ouvir e aceitar os “nãos” de Deus, só assim você passará a enxergar os “sins” que


Sabe quando as falhas se repetem? Você tenta, tenta e tenta fazer algo, mas nada flui, os ventos sopram em direção contrária, muitas pedras aparecem no seu caminho, e tudo isso o tem impedido de chegar aonde almeja. Talvez o problema não sejam os caminhos que você escolheu, mas o fato de que eles simplesmente não são para você, então eles nunca lhe trarão felicidade.


E você tem preferido insistir, batido à porta de Deus, rogando-Lhe que o ajude a conquistar aquilo pelo qual resolveu lutar mas, apesar disso, as coisas não acontecem, e isso o tem levado a frustrações, dúvidas e, muitas vezes, ao desespero. E se pergunta: por quê?


Pode ser que você tenha muita fé, mas ainda não aprendeu a ouvir o que Deus está lhe dizendo. Não insista nos fracassos; se os seus caminhos estão fechados, é porque Deus quer lhe abrir outras portas, essa não é para você. E, se insistir mais, acabará deixando escaparem as bênçãos que Deus tem lhe reservado.


Ouça e acolha os “sins” e os “nãos” divinos


Seja sábio o suficiente para ouvir e aceitar os “nãos” de Deus, só assim você passará a enxergar os “sins” que Ele tem para você. Seus planos estão totalmente concluídos para nós, tudo de bom Deus tem reservado para nos entregar, mas é preciso nos entregarmos a Deus para aceitar que Ele seja o nosso guia, isso inclui deixá-Lo nos mostrar quais são Suas escolhas para nós. Isso sim é ter e praticar a fé.


Por isso, saiba aceitar os “nãos” de Deus, pois Ele sabe o que é melhor para você. Não duvide disso. A única dúvida que você deve ter é sobre suas escolhas, mas isso é necessário para que passe a agarrar com as duas mãos as certezas de Deus para a sua vida.


Insista na fé, insista em acreditar que Deus sabe o que faz e que tem o melhor para a sua vida, insista em ouvir aquilo que Deus está lhe mostrando de muitas maneiras, mas que você insiste em não querer ver. Quando as portas se fecham, outros caminhos estão abertos, novas possibilidades estão à sua disposição, e Deus quer que você enxergue isso.


Ele permite que você se desgaste tanto quando insiste no que não é seu e no que não é para você.


Reconheça a verdade que Deus lhe mostra e simplesmente a aceite, você só tem a ganhar se decidir acatar a vontade do Senhor.


Assim, em vez de ficar pedindo para Deus coisas que não são para você, passe a orar para que Deus lhe dê entendimento para enxergar aquilo que lhe oferece, os caminhos que Ele tem para você, as pessoas que devem estar ao seu lado e aquelas das quais você deve se afastar.


Quando ouvimos Deus, nunca nos arrependemos. Aprenda a ouvir e você passará a enxergar Seus milagres em cada passo que der na direção certa.


 *Patrícia Regina de Souza



Direitos autorais da imagem de capa licenciada para o site O Segredo: 123RF Imagens.

quinta-feira, 1 de outubro de 2020

Valorize o que é importante para você. Valorize quem o valoriza


Valorize quem lhe faz bem nessa vida. Valorize quem precisa de você, pois você é a luz que conhecem.


Valorize quem se importa com você. Valorize os recomeços, todos são uma primeira vez. Valorize o continuar, jamais desista. Valorize suas existências e vivências.


Valorize suas fases, os ciclos, pois todos estamos bem no meio de um deles.


Valorize as novas energias. Valorize os milagres de cada momento.


Valorize, se for necessário, o que é dolorido e que envolveu algum sofrimento, pois tudo é um grande aprendizado.


Valorize as perdas, assim como as conquistas, pois as perdas se tornam possibilidades e as conquistas têm seu mérito.


Valorize a capacidade de amar.


Valorize o sentir do Sol, o mar e as estrelas a brilhar. Valorize o deitar, o relaxar. Valorize o vagar, o seguir e o deixar fluir.


Valorize suas fraquezas e sua coragem. Valorize permitir-se renascer, mesmo sem ter morrido, e viva o hoje!


Valorize as asas do destino, seja uma borboleta ou uma gaivota.


Valorize no horizonte o direito de reconstruir seu ser.


Valorize as novas verdades, os novos valores e os novos conceitos, mesmo que venham a se queimar queimar, destruir, pois tudo muda.

Valorize cada manhã. Valorize as pedras que hoje surgem na sua jornada pois, ao vencer as pedras, sua caminhada será suave.


Valorize o amor que aumenta a cada dia. Valorize o coração que aguenta tanto esperar. Valorize quem faz a diferença na sua vida.


Valorize, mesmo distante, o calor e a atenção que lhe dão. Valorize o doar. Valorize o receber. Valorize quem lhe faz bem nessa vida. Valorize quem precisa de você, pois você é a luz que conhecem. Valorize os amigos e amigas.


Valorize o simples. Valorize o amor. Ame o ser.


*Euclydes Zanon Filho


Direitos autorais da imagem de capa licenciada para o site O Segredo: 123RF Imagens.

“Graças a Deus algumas coisas não deram certo, para que tantas outras melhores viessem”.

E assim começamos o nosso artigo de hoje, lembrando-nos de todas as vezes que algo em nossas vidas não fluiu. Podemos trazer para o momento,...