terça-feira, 29 de outubro de 2013

Entre a cruz e a espada …ou entre a cruz e a estrela?


Imagine que você se encontra diante de uma decisão importante que pode mudar toda a sua vida. Alguém se aproxima e lhe diz: “Não há como fugir. Você precisa escolher. Terá que fazer sua opção”. Você se sente, então, entre a cruz e a espada. E as circunstâncias se agravam ainda mais se a sua decisão envolver outras pessoas.
 

Em momentos assim escolher pode tornar-se muito difícil, uma verdadeira arte. Seria muito bom se essas escolhas não comportassem uma certa carga de angústia. Mas escolher dói, causa inquietação, medo, insônia, porque escolher significa também abrir mão de algo.
  
Toda escolha implica também uma renúncia. Ao escolher uma estrada, você desiste de caminhar por todas as outras. Ao escolher uma esposa ou um marido você dispensa todos os outros possíveis candidatos. É a encruzilhada da vida. Mas é isso que torna linda a história, e que a faz única, irrepetível e merecedora do nosso amor.  
 
Porque a gente ama não é uma vida sem erros, mas uma vida de possibilidades e de escolhas. A gente ama ser livres. E, por piores que as opções pareçam, mesmo que a gente se veja sem saída, ainda nos resta escolher o que vamos fazer na situação difícil. Se vamos lutar ou nos entregar. 

É justamente aqui que jorra uma força, uma energia, um poder – um milagre acontece cada vez que alguém se supera e tira o bem de onde os outros só viam maldades ou não viam nada. O céu faz uma festa quando a gente se recusa a ser escravo da tristeza e da depressão. Deus salta de alegria quando a gente escolhe se levantar mesmo contra as expectativas de todos à nossa volta.

Se alguém diz a uma pessoa de fé que não existem mais saídas, ela dobra os seus joelhos até que uma porta nova se abra. Não faz por pirraça, faz por amor; porque a fé faz brotar o amor. E o amor nos faz enfrentar os problemas – ele mesmo nos dá a vitória sobre os males. Viver assim é perigoso, é subversivo. Viver assim é comprometer-se, é abraçar a cruz de uma vida levada a sério, vivida sem medo até às últimas consequências.   

E a morte não tem poder sobre uma vida assim. A dor e o sofrimento jamais terão vitória sobre o amor, porque quando o amor se torna a medida de cada decisão, toda morte termina em ressurreição. 

Ao terceiro dia, o corpo de Jesus, qual uma estrela, pulsou no sepulcro; e a morte explodiu na primavera de uma nova vida – se a cruz é sinal de morte e sacrifício, a estrela é sinal de vida e ressurreição. Tudo o que fazemos está compreendido entre “uma estrela e uma cruz” ou se preferir entre “uma cruz e uma estrela”, que é o tempo que passamos sobre essa terra. Que marca a duração da nossa vida.  
 
Por isso se a gente se sentir apertado, constrangido, encurralado pelas escolhas da vida, precisamos lembrar que mais do que entre a “cruz e a espada”, tudo se dá entre a “cruz e a estrela”. Cruz de uma vida sofrida. Estrela da ressurreição prometida. Porque o amor é imortal. Quando a gente tem certeza disso…e pode ter certeza porque é verdade – aí sim…os sacrifícios valem a pena e os sofrimentos já não são insuportáveis. 

*por Marcio Mendes

Descanse a mente e o coração. Se for de Deus, vai dar certo!

Precisamos nos permitir confiar em que Deus está fazendo o seu trabalho e o melhor da vida nos chegará no momento certo. Muitas vezes, quand...