quinta-feira, 8 de agosto de 2013

O Filho Pródigo

É possível que de todas as parábolas, seja a mais incompreendida, por que nos vemos sempre no lugar do filho que ficou, nunca do que partiu.
Como um filho que abandonou tudo e seguiu sua vida, cometeu seus erros e certamente pagou por eles, pode ser recebido com festas, como se fosse o rei voltando ao trono?

Não, não poderemos compreender tanto que nosso coração estiver focalizado na condição humana e nas supostas injustiças da vida.
Não poderemos compreender tanto que nos consideramos como seres perfeitos, que nunca saíram da linha e nunca necessitaram de braços abertos que o recebam e o perdão de um coração sincero.

Só a vida nos ensina certas coisas. Só mais tarde, sendo pais, tendo filhos, diferentes, mas todos descendendes de igual medida, é que podemos entender que desenvolvemos nosso cuidado segundo a necessidade de cada filho.

Não é a criança doente que carece de mais atenção? Não é ao lado dela que passamos a noite toda, verificando se tudo vai bem? A possibilidade de perder o que quer que seja, nos aproxima dessa mesma coisa, como uma tentativa de agarrá-la. Sabemos que o filho que dorme no outro quarto e que vai bem não merece menos atenção e por ele nosso coração pede cada dia ao Pai para que permaneça assim, que seja guardado das doenças e dos maus caminhos.

Um filho que escolhe outros caminhos da vida, não é um filho que se perde. É um filho que seguiu outra estrada. E cada dia os pais pensam e esperam. E se ele volta, que seja festa sim, que se cante e que se ria, por que o que estava perdido, finalmente foi achado.

Somos todos, sem exceção possível, filhos pródigos de Deus. Escolhemos um caminho aqui, retomamos ali, voltamos, Ele nos acolhe e no dia seguinte partimos de novo. E a cada retorno é uma nova festa, por que Deus tem os braços abertos e Ele não pergunta por onde andamos e nem o que fizemos, Ele pensa simplesmente: meu filho amado voltou!

© Letícia Thompson

“Cada próximo passo da sua vida vai exigir um novo você. E algumas vezes precisamos ser quebrados para nos tornarmos uma nova versão de nós mesmos”

Você já parou para pensar que as experiências que a gente vive, por mais turbulentas ou dolorosas que sejam, talvez tenham acontecido para n...