sexta-feira, 2 de agosto de 2013

Andar sobre as águas



Quantas coisas Jesus fez que nós não seríamos capazes, com nossa incredulidade e nossa falível fé?
Se começarmos a contar, nos sentiremos ainda menores do que já somos.
Não, nós mesmos não podemos realizar milagres, curar uma ferida ou alcançar salvação para nossa alma. 
Nós mesmos não somos capazes de plantar uma árvore e nem fazer florescer uma flor. 
Não podemos parar a chuva e nem fazer acalmar-se um revoltado mar. Não... nós não podemos... mas Deus pode!

E o que diferencia uma pessoa que alcança suas vitórias e outra que vive dando voltas sem chegar a lugar nenhum não é a capacidade de uma de fazer coisas extraordinárias e da outra de perder-se: é a fé que possuem no Deus (o mesmo!!!) que as criou.

É evidente que Pedro afundaria andando sobre as águas. Conhecendo seu caráter impulsivo que o fez tomar atitudes impensadas, não podemos nos surpreender. Ele andava com Jesus, mas não O conhecia o bastante para saber que quando nossos limites começam, Deus se coloca no nosso lugar e faz por nós.

Aprender a andar sobre as águas deve ser o mais difícil de todos os exercícios que Deus pede de nós. Isso significa esquecer nosso peso, nossas falhas, nossos erros já perdoados, nossa condição humana.

Significa saber que se nós podemos afundar, Deus pode nos sustentar. Nosso corpo é pesado, mas nossa alma é leve. Nosso corpo perece, mas nossa alma permanece.
Quando as dificuldades te alcançarem e você sentir que a terra firme começa a mexer sob seus pés, não olhe para eles e não pense na sua condição. Olhe para a frente e pense nAquele que até o vento e o mar obedecem. No que transformou água em vinho, levantou um morto, fez andar um paralítico e alimentou pessoas no deserto. 
 
A terra de vez em quando parece desmoronar-se para todos nós. As lágrimas e o desânimo não poupam ninguém... 
 
Mas Jesus andou sobre as águas e não há nada no mundo que possa nos impedir de seguir Seus passos. 
 

Letícia Thompson

Tem gente que está na pior e quer te ver pior que ela

A pessoa achou que sabia de tudo. Bateu no peito e gritou. Disse ser a dona da verdade. Taxou suas palavras como ofensivas, pois não se alin...