quarta-feira, 3 de agosto de 2011

O QUE FAZER?

Você parece não existir,é aquela pessoa que tem meu manual,revira meus pensamentos,mexe com todos os meus sentimentos,você é meu pacote completo,amiga e amor ao mesmo tempo.Você me faz ser egoísta,e não querer compartilhar nem seu olhar, com você descobri que se apaixonar é inevitável, que a pessoa que nunca te liga é a que mais pensa em você,eu te amo e vou manter isso num código secreto pra que ninguém mais tenho de saber,só você saberá que a cada segundo que eu respirar eu te amarei mais , a cada minuto da minha existência eu te amarei mais e mais.

Você nunca gritará meu nome,nem precisará pedir ajuda,eu sempre estarei do seu lado,vou te levar a um caminho que você esteja sempre feliz pra me fazer feliz,porque por tudo que eu sinto por, eu roubarei todas as suas lágrimas pra ver você bem, e sofrer em silêncio por você.

Enquanto esse sentimento durar,você estará entranhada em mim,me prendendo a um mundo que obviamente não pertenço, esse mundo me faz mudar e me adaptar a sua vida,não percebe que eu estou vivendo sua vida pra você,isso me deixa mal mas quando eu voltar pra minha vida todos vão notar,aí quem sabe você percebe que estamos nos destruindo,brincando de relacionamento em nossas próprias ruínas,aí já não amo mais você como antes e não sentimos nada que nossos corações não queiram.
Eu sempre te dei tudo e isso pode se esgotar,mas eu não vou levar a culpa , você já me levou tudo

O que fazer das sobras do amor?
O que fazer das lembranças do cheiro, da voz, do toque, dos olhos, das cócegas, dos risos, das viagens, das imagens?
O que fazer das lembranças do abraço, das mãos, do carinho sutil, do carinho voraz, do banho, do café à mesa, dos filmes vistos, criticados, admirados, inacabados?
O que fazer da música escolhida, do beijo prolongado, roubado, do amor no carro, na sala, no quarto?
O que fazer quando o telefone toca e do outro lado não se ouve mais a mesma voz?
O que fazer das mensagens gravadas, das cartas escritas, dos sentimentos impressos, dos presentes guardados?
Mas o que fazer também das ofensas do amor?
O que fazer das lembranças dos gritos, das afrontas, dos olhos marejados, decepcionados, das palavras cortantes, do filme repetido, dos sonhos ruídos, da sensação do desconhecido?
O que fazer com a sensação de culpa, fracasso, impotência, incoerência?
O que fazer dos sentimentos revirados, transformados, do ódio repentino, do amor estilhaçado, quebrado, tantas vezes remendado?
O que fazer da ausência que se sente? Ausência de paz, ausência da ausência, ausência de si mesmo?
O que fazer?
Talvez o tempo se encarregue de apagar as lembranças, de mudar o cenário, de reinventar o passado...Por hoje, não sei o que fazer com tudo isso...

Talvez você esteja exigindo demais

Querer é um direito seu, ter é um privilégio. Até que ponto vale a pena fazer a vida parar só para que ela aconteça exatamente do jeito que ...