quarta-feira, 25 de setembro de 2013

Onda (Wave)

Carlos Jobim em sua sensibilidade única uma certa vez cantou: "O amor se deixa surpreender" 
O melhor amor, é aquele que te surpreende. Aquele que você não está procurando e de repente, não mais que de repente, ele te encontra. 
Você nem o percebe a primeiro momento, mais aos poucos e bem rápido ele vai entrando, pedindo licença e você sem entender nada, vai deixando ele entrar, vai sendo surpreendido.
O verdadeiro amor você não o acha, você é achado. Em alguns casos não existem grandes esforços, tudo vai sendo compreendido, correspondido, como diz Arnaldo Jabor "[O amor] ... não obedece à razão. 
O verdadeiro amor acontece por empatia, por magnetismo, por conjunção estelar." Tudo fica implícito em olhares que se encontram, em mãos que se percebem, em corações que se sentem, não sei dizer como isso acontece, mais o amor é isso, ama-se justamente pelo que o amor tem de indefinível.

Sua chegada não é triunfal, mais a sua manifestação é arrebatadora. Esse sentimento é sem dúvida admirável, indefinível e imprevisível. Preveja o amor e você perderá sua essência, limite-o e perderá seu brilho, racionalize-o e você perderá o que ele tem de grande e magnífico. O amor está além de nossos métodos e formulas matemáticas. Ele não é uma cotação financeira e nem um produto de supermercado. 
Ah o amor  é tudo que eu não sei contar, é tudo que não sei dizer, é tudo que não posso imaginar. Desculpe-me todas as outras coisas mas "fundamental é mesmo o amor, é impossível ser feliz sozinho". (Deivyd Cavalcante)

"Amar não requer conhecimento prévio nem consulta ao SPC. Ama-se justamente pelo que o Amor tem de indefinível." (Arnaldo Jabor)

* romantico rebelde

“Cada próximo passo da sua vida vai exigir um novo você. E algumas vezes precisamos ser quebrados para nos tornarmos uma nova versão de nós mesmos”

Você já parou para pensar que as experiências que a gente vive, por mais turbulentas ou dolorosas que sejam, talvez tenham acontecido para n...