quarta-feira, 13 de julho de 2011

Páginas de um Livro

Poderia ser apenas mais um livro, com páginas escritas sobre algo que me despertou a atenção. Poderia ter sido uma leitura rápida ou meras frases que se esquecem rapidamente, mas não foi o que aconteceu. As páginas em branco com letras em azuis trouxeram até mim a tua presença que eu há muito tentava esquecer e que por sua vez, tinha sempre perguntas sem respostas, por mais que as procurasse nos dias em que sentia imenso a tua falta. Eram nesses dias que eu pedia de novo o teu abraço, queria que as noites que passávamos juntos voltassem, os sorrisos estampados no meu rosto quando me chamavas de amor. Ouvia interminavelmente as nossas músicas, que deixaram de ser nossas e passaram a ser apenas as minhas músicas. Até que o fim chegou.


Não sei se a vontade foi minha, se foi a tua ou se foi dos dois que tudo terminasse da forma como acabou. Se tinha que ser assim, apenas pedia que tivesse sido outro fim, aquele que poderia ter sido mais triste, mais doloroso, mas que colocasse um ponto final. A única certeza que ficou foi aquela em que fomos capazes de colocar reticências, essas mesmas que podem significar um fim, mas que também podem dizer que um dia quem sabe tudo terá continuação. Por momentos acreditei que sim, essa foi a razão que continuei à tua espera. Foram meses, anos onde sempre alimentei a esperança que um dia voltasses, não me interessava sobre de que forma, com que intenções ou o que irias ter para me dizer, desejei apenas sentir-te de novo junto a mim. Até que a partir de hoje deixarei de alimentar essa esperança, deixarei de modo definitivo estar “preso” ao cais onde tantas vezes assistíamos ao pôr-do-sol. Eu sei que já escrevi isto muitas vezes, sei que estas mesmas intenções foram ditas outras tantas vezes e eu continuei à tua espera nesse mesmo cais. Mas hoje consigo desprender-me não só de ti, como também me desprendo de um passado. Tenho de libertar o amor preso dentro de mim, não somente irá modificar o meu bem-estar, como também irá tornar-me uma pessoa diferente. Se me lês ou não, poderás ficar feliz com esta decisão e uma vez mais, repito que a mesma foi baseada nas linhas escritas contidas no e-mail que me chegou até às mãos, dando-me a principal resposta que há muito procurava.

Durante o tempo que convivemos acreditei que sentia amor verdadeiro por ti. Sem convivermos continuei acreditar nesse amor, razão de continuar a querer-te como no primeiro dia. Só que hoje percebi que o amor verdadeiro não permite que exista sofrimento e eu sei o quanto sofri. Tu também sofreste, presumo que sim, só que pelo menos dizias que não era amor o que sentias e se falavas a verdade, apenas tu podes saber o que sentias. Por momentos, no turbilhão de emoções o meu amor por ti transformou-se em ódio nos dias seguintes ao fim. Assim como a alegria que sentia ao estar ao teu lado, logo passou a um estado de sofrimento e um amor verdadeiro não tem estes contornos. Esse amor eu nunca senti, mas aproximou-se bastante. Mesmo dentro de uma relação “normal” de dependência, é possível haver momentos onde podemos sentir a presença de algo genuíno, inalterável. Mas será apenas uma manifestação rápida e brilhante de um dia encoberto pela interferência da mente. Eu podia ficar com a impressão de que tive algo muito valioso e esse algo, refiro-me a ti, mas que perdi, ou a minha mente pode convencer-me de que tudo não passou de uma ilusão. A verdade é que não foi uma ilusão e eu também não perdi nada, não te perdi. Esse algo valioso é parte do meu estado natural – pode estar encoberto, mas nunca ser destruído pela mente. Mesmo quando o céu está totalmente coberto, o sol não desapareceu. Ainda está lá, por trás das nuvens. Assim como tu podes ter desaparecido, sei que tu estás atrás de um lugar qualquer.

Seria fácil dizer que o destino foi o culpado pelo nosso afastamento ou inventar motivos sem fins. Podia lamentar-me o porquê de muitas relações sem amor verdadeiro, conseguem disfarçar vidas felizes entre duas pessoas e nas nossas não foi tão bem assim. Pagou-se o preço por não haver amor verdadeiro, acredito que esta é a chave que abre a caixa de todas as dúvidas. A dor ou o sofrimento surge através de desejos ou anseios, e para libertar da dor necessitamos romper as amarras do desejo. São essas mesmas amarras que rompo e todos os meus desejos de ti, ficam por aqui…estas mesmas reticências dizem que se quiseres vir ao meu encontro e se conseguires ouvir o bater do meu coração, terei com toda a certeza todas as condições de amar-te verdadeiramente, assim tu queiras.
Escrito em: muito tempo atrás...

Talvez você esteja exigindo demais

Querer é um direito seu, ter é um privilégio. Até que ponto vale a pena fazer a vida parar só para que ela aconteça exatamente do jeito que ...