quarta-feira, 2 de fevereiro de 2011

Como Vivo

Deixa-me que te conte como vivo. Ao longo destes anos nunca tive essa oportunidade por razões bem diferentes das de hoje. Estarás feliz, rodeada das pessoas de quem mais gostas e também daquelas que também de ti gostam, mas não estás comigo e eu ainda te amo. Provavelmente outro alguém habita nesse teu coração e eu vivo contigo no meu.

Vivo a perguntar se ainda existo nesse coração que por inúmeras vezes senti o seu bater ao compasso do meu quando os nossos corpos se uniram e se fundiram num só. Vivo porque ainda não aprendi a esquecer-te por ainda recordar cada momento que era só nosso. Momentos esses onde me perco quando primo a tecla do retroceder da minha vida e vejo e revejo tudo aquilo que eu antes não soube valorizar, por não imaginar que pudesse um dia viver apenas destas recordações e faltarem-me oportunidades para viver tantas outras contigo.

Vivo porque em cada palavra que escrevo, todas falam de ti e desta saudade que sinto por viver longe de ti. Vivo mesmo sem a esperança que um dia possas regressar, mas vivo também a acreditar que uma vez mais nos encontraremos, mesmo que esse encontro seja casual. Não me importarei se nesse momento souber que será a última vez que me é permitido desfrutar da tua companhia. Após, será um desprender das nossas vidas e o que viesse depois acontecer, seria para mim o culminar daquele que foi o grande amor da minha vida. Vivo a olhar para o celular esperando que ele toque e do outro lado ouça a tua voz a chamar de “meu amor” como tantas vezes me chamavas e estivesse onde estivesse eu sorria por me sentir o homem mais feliz do mundo.

Vivo com aquelas imagens que ficaram gravadas, entre outras, aquelas que podia constatar como o brilho nos teus olhos que me mostravam esse amor que sempre foi para mim em tantos dias da minha vida a força para eu enfrentar e vencer os problemas. Foi também esse amor que me fez pedir-te em casamento naquela noite de lua cheia e respondeste que sim, casavas comigo.
Como deves imaginar foram esses os sonhos mais bonitos e mais pretensioso que um dia possa ter sonhado. A felicidade que seria ouvir de ti um “sim” e eu como prova de todo o meu amor, responderia também “sim” e que iria amar-te todos os dias da minha vida. Nada disso aconteceu e hoje vivo com um vazio dentro de mim ao saber que algum canto deste planeta tu estás presente, mas não ao meu lado como sempre quis.

Vivo também quando penso por diversas vezes o quanto fui injusto contigo e te magoei quando o céu se pintou de cinzento para os nossos lados e pairava no ar o que veio a ser o fim do nosso relacionamento. Quero que me desculpes por ter sido aquilo que nunca esperavas que fosse. Costuma-se dizer que se o arrependimento matasse, por certo eu já estaria morto há muito tempo. Se assim fosse, quem sabe não seria mais fácil acabar com a saudade dos teus beijos, de andar de mão dada contigo na rua ou apenas olhar-te em silêncio e concluir que não existe nenhuma outra mulher mais bonita que tu em todo o universo, sabes porquê? Porque eu amo-te e quando assim é, tudo se torna o mais bonito de tudo. Vivo porque te amo e se amo é porque ainda vivo esta vida mesmo sem ti…vem fazer-me de novo feliz.

Sobre os ciclos e recomeços da vida…

Nossa vida é uma eterna construção, mesmo quando erramos, algo está sendo construído. Toda construção requer tempo e mais do que qualquer ou...