quarta-feira, 28 de fevereiro de 2018

NÃO INSISTA NAQUILO QUE NÃO TEM FUTURO!

Se o que importa é ser feliz, jamais seremos felizes gastando nossa vitalidade e nossas energias com coisas e com pessoas que não merecem um pingo de nossa atenção.

Não podemos nos desanimar frente aos obstáculos que se interpõem entre nós e a realização de nossos sonhos; isso é fato. No entanto, depositar esperanças demasiadas em pessoas e em situações que sabemos que não mudarão, que resistirão a qualquer tipo de avanço, é como alimentar-se de vento. Temos que sonhar, sim, pensar sempre no melhor, mas com os pés firmes no chão das possibilidades palpáveis.

Não espere que o outro irá mudar com o tempo, que deixará de lado certas atitudes, que revisará seu estilo de vida e modificará os comportamentos, a fim de atender às suas vontades. Ou aceitamos o outro, em tudo o que ele oferece, ou viveremos acompanhados de frustrações e de esperanças quebradas. Ajustamos, sim, nossas condutas em favor de nosso parceiro, mas nossa essência permanece e é com ela que teremos de lidar.

Esqueça aquela história de que com o tempo você será reconhecido por todo o esforço e por toda a dedicação com que efetua seu trabalho. Ninguém fica acumulando elogios, para dali a um tempo vir demonstrar satisfação e gratidão. Caso não nos sintamos realizados e valorizados pelo que fazemos, apesar do melhor com que realizamos nossas tarefas, teremos de pensar em novas perspectivas, direcionando nossas ambições em outra ocupação, em outro lugar.

Reveja essa ideia de que encontrará o príncipe ou a princesa encantada. Preste atenção no tipo de pessoas que anda atraindo para sua vida, pois somos responsáveis por tudo aquilo que trazemos para junto de nós, tanto as coisas boas quanto as ruins. É preciso que estejamos dispostos a nos entregar verdadeiramente, para que possamos mergulhar ao encontro de certezas que condizem com o nosso estilo de vida. Não podemos aceitar menos do que merecemos, mas temos que fazer por merecer o que nos cabe.

Liberte-se do papel de vítima e tome as rédeas do rumo de sua vida, impondo-se como alguém que tem muito a oferecer e muito merece receber em troca. Assumir a responsabilidade por aquilo de que constitui a nossa jornada é imprescindível para que mudemos em nós, primeiramente, aquilo que nos emperra o caminhar tranquilo. Somente depois de analisarmos nossas ações com propriedade é que teremos discernimento suficiente para cobrar do outro alguma coisa. Saber quando temos de partir para outra nos evitará aborrecimentos e desgastes inúteis.

Os sonhos, as esperanças e os ideais são inegavelmente combustíveis de vida, uma vez que são eles que nos sustentam o olhar positivo a partir do momento em que acordamos e saímos à luta em busca de nossa felicidade. No entanto, investir tempo, dinheiro e energia em algo que no fundo sabemos ser quase impossível de se efetivar acabará nos emperrando os passos e nublando a lucidez necessária ao nosso aprimoramento diário. Afinal, o que importa é ser feliz, e jamais seremos felizes gastando nossa vitalidade e nossas energias com coisas e com pessoas que não merecem um pingo de nossa atenção. Fato.

Prof. Marcel Camargo

terça-feira, 27 de fevereiro de 2018

A INUTILIDADE E O VERDADEIRO AMOR...

A velhice é o tempo em que vivemos a doce inutilidade. Porque mais cedo ou mais tarde iremos experimentar esse território desconcertante da inutilidade. Esse é o movimento natural da vida. Perder a juventude é você perder a sua utilidade, é uma conseqüência natural da idade que chega. O sol do amanhã... Sob o olhar de uma cuidadora... Como você decide viver é o que faz a diferença no momento das provações, nos diz Padre Fábio de Melo, falando sobre a velhice... Quem tiver a oportunidade de assistir ao seu DVD “No meu interior tem Deus”, não deixe de ver e principalmente de ouvir com o “coração”. Vale muito a pena!!! Aqui vai um trechinho...
“... A velhice nos trás direitos maravilhosos. Enquanto a juventude é cheia de obrigações. A velhice é o tempo em que passa a utilidade e aí fica somente o significado da pessoa. É o momento que a gente se purifica. É o momento que a gente vai tendo a oportunidade de saber quem nos ama de verdade. Porque só nos ama pra ficar até o fim aquele que, depois da nossa utilidade, descobriu o nosso significado. É por isso que sempre rezo para envelhecer ao lado de quem me ama. Para poder ter a tranqüilidade de não ser útil, mas ao mesmo tempo não perder o valor. Se você quiser saber se alguém te ama de verdade, é só identificar se ele seria capaz de tolerar a sua inutilidade. Quer saber se você ama alguém? Pergunte a si mesmo, quem nesta vida que pode ficar inútil pra você sem que você sinta o desejo de jogá-lo fora. E é assim que nós descobrimos o significado do amor... Só o amor nos dá condições de cuidar do outro até o fim! Feliz daquele que tem ao fim da vida a graça de ser olhado nos olhos, e ouvir a fala que diz: - Você não serve pra nada, mas eu não sei viver sem você!”
O que falta muitas vezes para poder resolver os nossos problemas é a simplicidade em enxergá-los. Devemos retirar os excessos. Não permitir que os nossos excessos venham obscurecer a nossa visão, ou até mesmo de nos impedir de encaminhar uma solução para aquilo que nos faz sofrer. Isso é ter fé. É a gente acreditar que Deus está ao nosso lado no momento da nossa luta, no momento da nossa dor. E que, portanto, a gente tem o direito de ser simples.
É interessante observar os movimentos de nossas mudanças interiores. Nem sempre sabemos identificar o nascimento da inadequação que gera todo o processo. O fato é que um dia a gente acorda e percebe que a roupa não nos serve mais. Como se no curto espaço do descanso de uma noite a alma sofresse dilatação, deixando de caber no espaço antigo onde antes tão bem se acomodava. É inevitável. Mais cedo ou mais tarde, os sonhos da juventude perdem o viço. O que antes nos causava gozo, aos poucos, bem ao poucos deixa de causar. Nossos valores vão se tornando mais consistentes.
Mas não precisamos necessariamente chegar à velhice extrema, para entendermos o sentido da inutilidade que leva ao amor... Perder tempo, gastar tempo, ou melhor dizendo “Ter a utilidade do seu tempo” para as coisas que nos levam aos verdadeiros sentimentos... Se permitir “jogar conversa fora” com seus filhos, seus amigos, fazer piqueniques e voltar a ser criança, andar na chuva, sentir o cheiro da terra molhada, passear na praça, na praia, no bosque... sentir a liberdade do rosto te acariciando a pele... jogar frescobol, voleibol, “buraco”, seja o que for, apenas com o intuito de reunir os amigos, e a família... Assim como faziam os homens das cavernas. Ascendiam a fogueira e ao seu redor conversavam, conversavam e conversavam... e assim os laços iam se tecendo, os abraços se alongavam e a vida mesmo na rusticidade daqueles tempos, era aconchegante!!!  Tempo... sempre o tempo do Senhor a nos ensinar... Assim como na história de Alice no País das Maravilhas em que seu coelho, corria com o relógio pendurado atrás do tempo... Estamos hoje nós a fazer o mesmo... Que o tempo da inutilidade amorosa, possa ser constante no tempo de nossa utilidade existencial. Que a simplicidade faça morada em nossos corações, atitudes e sentimentos. E que nossos sentimentos estejam sempre no ritmo e no compasso do “amor inútil” aquele que traz pleno significado. Que saibamos respeitar a dor de cada hora, a esperança de cada momento, sendo ao mesmo tempo de Aço e de Flores... Que neste tempo de Quaresma, possamos sentir a esperança brotar de cada coração, nos fazendo pessoas melhores, menos complicadas, de aço, para enfrentar os desafios, mas sem perder a doçura de ser simplesmente humano... Um tempo para nos purificar... Primeiro consigo mesmo, pois muitas vezes somos nosso maior carrasco e depois com todas as pessoas que nos cercam. É essa sensibilidade de enxergar cada tempo com sabedoria, que nos levará a conhecer o significado do amor...

*Beth Landim

segunda-feira, 26 de fevereiro de 2018

Nem sempre será do jeito que a gente quer, mas a gente aceita do jeito que Deus faz

Sou grato a mim mesmo por nunca desistir de tentar, acreditar e me manter firme na fé de que Deus tudo provê.
Tem dias que eu paro e fico a refletir, olho para a minha vida e tento compreender como vim parar aqui. Tenho mais do que pensei em ter, sou quem jamais pensei que poderia ser.
Sou grato a mim mesmo por nunca desistir de tentar, acreditar e me manter firme na fé de que Deus tudo provê. Sempre fui presenteado com bênçãos, sempre tive meus sonhos, organizei meus pensamentos e tracei meus caminhos para chegar naquilo que imaginei construir.
Por mais vezes que em minha mente se passaram coisas que não poderiam ter passado, pela força do meu coração, eu consegui fazer tudo ir para frente. Venci, corrigi meus erros, minhas faltas, fraquezas e falas carregadas de dúvidas.
Inúmeras foram as vezes que terminei sem escutar minhas próprias respostas certas, incompreendido por mim mesmo.
Mas, quando a gente chega ao ponto de acreditar nas próprias palavras, a gente para de fugir de alguns medos e de se esconder de várias coisas. Essa certeza faz a gente se sentir bem melhor. Faz a autoestima crescer. Mas, é certo que sempre surgirão coisas que não precisam ser vistas, frases que não devem ser ditas e quadros que não serão pintados para todos verem.
Descartar algumas vontades e mudar algumas estradas faz a gente encontrar melhores destinos. Essa multiplicidade de escolhas nos faz ser quem somos. Devemos ter discernimento e sabedoria para fazê-las acontecer corretamente, dia após dia.
Alguns momentos eu sei que passarão e nem nos daremos conta de que estamos ignorando os tantos sinais que surgem em nossas janelas.
Aprenda a abrir as cortinas que o impedem de ver o céu e procure por encantos através das estrelas. É no infinito que moram os melhores desejos.
Devemos utilizar o tempo marcado em nossos relógios de forma a nunca se arrepender e querer fazê-los girar para trás. O que passou é passado e a vida acontece a todo instante, deste ponto para frente e todo momento é hora de viver, pois o tempo continua passando, implacavelmente, e nessa estrada não temos caminhos para voltar. Decisões, tempo e caminhos: isto é a bagagem que a gente tem que carregar. Faça-a leve, pois é responsabilidade nossa levá-la por toda uma vida.
Para muitos é difícil chegar onde se ambicionou chegar, eu sei. Mas, não perca a fé quando moverem a linha de chegada para além do quanto consegue ir.
Persista, siga, firme o passo, respire fundo e faça valer o tudo que já percorreu. Meio caminho andado não leva a lugar nenhum. Nunca subestime sua força e trate com seriedade seus obstáculos e se puder escolher, escolha sempre os mais difíceis, pois facilidades não enriquecem nossa história, não fortalecem nosso corpo e nem alimentam nossa alma.
Pense que toda dificuldade traz mudança e toda mudança nos faz crescer. Prove da doçura do vinho, do calor do café, da saudade de casa, do calor de um amor, mas experimente também do amargo da derrota, do azedo do descaso e de um pouco de cada dor. Tudo fortalece quando a gente não esmorece. Tudo é lição. Tudo é escada (acima ou abaixo), escolha que degraus quer usar. A vista que você vai ter é do lugar aonde chegar. E nem imagine quantos queriam estar em seu lugar, são muitos!
Nem sempre vai ser do jeito que a gente quer, mas a gente sempre aceita do jeito que Deus faz. Viva a vida que você fez para si. É a mais perfeita. Tenho certeza que sim.

*Cleonio Dourado

sexta-feira, 23 de fevereiro de 2018

Um brinde ao inesperado e às diversas formas de seguir em frente!

O segredo da cura está em você! Um brinde ao inesperado e às diversas formas de seguir em frente!
O essencial da vida começa no que há de mais simples que habita em mim. Eu mesma. Cada um oferece o que transborda do que não cabe mais em si.  E ao nos encontrarmos nos tornamos diferentes. Mas em essência sempre permaneceremos os mesmos. Nos conhecemos realmente? Nos reconhecemos ao longo do dia? O nosso parceiro nos conhece ou nos reconhece?
Não falta amor, O problema é que confundimos amor com perfeição. Não é possível lidar com a idealização do amor romântico. O que vai na nossa imaginação não corresponde ao que vai no real. Começa por nós… Não somos exatamente como pensamos. Já parou pra pensar como causamos impressões diferentes em cada pessoa que conhecemos?
Já parou pra pensar no quanto cada uma dessas impressões são versões diferentes e do quanto muitas vezes estão longe do que achamos que somos?
Quando estamos olhando para fora, nós estamos nos iludindo. Não são os outros. Somos nós. Quando passamos a olhar para dentro, despertamos. E essa atitude rasga a nossa alma mas dá lugar ao que há de mais verdadeiro em nós: a nossa essência. Aquela que facilmente podemos reconhecer depois dessa atitude corajosa, na água mais límpida que mirarmos.
Vai ver que o que nos impede é o medo do inesperado ao despertarmos. Mas prefiro lutar contra esse medo e mandá-lo de volta para o nada de onde veio. Porque o medo não é para nos paralisar é apenas o sinal de alerta de que devemos estar atentos ao que se passa.
Um brinde ao inesperado e às diversas formas de seguir em frente! Olhe para trás como despedida, mas não se demore! Acredite no que está além e mais à frente!
Há pessoas que o melhor que podem fazer é desaparecer da nossa vida. Para todo o sempre. Novo ano! Corte fora o que não tem mais sentido na sua caminhada. Não divida a sua vida nem o seu espaço com mais ninguém além de você mesmo antes de reformar o que precisa. Permita-se ser feliz outra vez!
Existem duas coisas essenciais na nossa vida que precisamos estar atentos: o motivo e o momento. Todos os dias se repete o mesmo motivo. Mas nunca teremos o mesmo momento. Esse não se repete. Não do mesmo jeito, nem no mesmo tempo. É um momento, que escorre como areia entre os nossos dedos. E se vai.
 É simples: se damos confiança, confiança recebemos; se damos desconfiança, o terreno está armado contra tudo e contra todos. Arrisque-se porque tudo começa com um pouco de medo. E esse frio na barriga é combustível e motivação. Não dá pra viver achando que vamos viver para sempre. Também não dá pra viver achando que a vida acaba ao final do dia. Mas tenho certeza, a cada dia mais, que viver intensamente e fazer escolhas sem adiar a decisão de ser feliz é uma boa maneira de demonstrar gratidão pela oportunidade de estar aqui.
As pessoas já não me desiludem, apenas confirmam que são feitas de humanidade. O segredo é o exercício de olhar pelos olhos do outro.
Mas tenha uma certeza: Há grande chance de doer. Muito. E daí? Nada é pra sempre. Nem a dor. E eu me proponho a ser feliz. Hoje. Agora. Sempre. O medo está aqui. Mas a coragem é maior e o desejo de mudança, transborda. Vamos juntos?

*Isa Pitanga

quinta-feira, 22 de fevereiro de 2018

Somos Seres em Construção!

Durante a nossa vida causamos transtornos na
vida de muitas pessoas,
porque somos imperfeitos.

Nas esquinas da vida, pronunciamos palavras inadequadas,
falamos sem necessidade,igreja-02-robson
incomodamos.

Nas relações mais próximas, agredimos sem intenção ou intencionalmente.
Mas agredimos.

Não respeitamos o
tempo do outro,
a história do outro.

Parece que o mundo gira
em torno dos nossos desejos
e o outro é apenas
um detalhe.

E, assim, vamos causando transtornos.

Esses tantos transtornos mostram que não estamos prontos, mas em construção.

Tijolo a tijolo, o templo da nossa história vai ganhando forma.

O outro também está em construção e também causa transtornos.

E, às vezes,
um tijolo cai e nos machuca.
Outras vezes,
é a cal ou o cimento que suja nosso rosto.
E quando não é um,
é outro.
E o tempo todo nós temos que nos limpar e cuidar das feridas, assim como os outros que convivem conosco
também têm de fazer.

Os erros dos outros,
os meus erros.
Os meus erros,
os erros dos outros.

Esta é uma conclusão essencial:
Todas as pessoas erram.
A partir dessa conclusão, chegamos a uma necessidade
humana e cristã:
o perdão.

Perdoar é cuidar das feridas e sujeiras.
É compreender que os
transtornos são muitas vezes involuntários.

Que os erros dos outros são
semelhantes aos meus erros e que,
como caminhantes de uma jornada,
é preciso olhar adiante.

Se nos preocupamos com
o que passou,
com a poeira,
com o tijolo caído,
o horizonte deixará de ser contemplado.
E será um desperdício.

O convite que faço é que você experimente a beleza
do perdão.
É um banho na alma!
Deixa leve!

Se eu errei,
se eu o magoei,
se eu o julguei mal,
desculpe-me por todos
esses transtornos…
Estou em construção!

*PAPA FRANCISCO

quarta-feira, 21 de fevereiro de 2018

Simpatia para o amor durar…

“O Ministério do Amor adverte: não há resultados comprovados para a aplicação de simpatias nos relacionamentos. No caso de falha do produto, recomendamos substituir o sim pelo em.
Boa sorte!”

Simpatia para o amor durar

Você encontrou aquela pessoa especial e não quer que ela desapareça da sua vida por nada nesse mundo? Fizeram planos de compartilharem a velhice, bodas de ouro, verem os netos crescendo?
Todos aqueles filmes e músicas românticas, mensagens fofinhas e apaixonadas caem como uma luva para vocês?
Vocês se surpreendem com o quanto são compatíveis, com a maneira como até as brigas parecem aproximá-los mais e como tudo parece meio vazio quando o outro não está?
Parabéns! Você tem grandes chances de ter encontrado o amor da sua vida e agora, não o deixe escapar!
Como? Fácil, fácil! Siga as dicas dessa simpatia infalível!

Durante sete dias, toda vez que a irritação, raiva, ciúmes (bobo ou com motivo), insegurança, frustração, grude e qualquer coisa negativa surgir entre vocês, coloque-se no lugar da outra pessoa. Tente pensar no que ela está pensando. Tente imaginar como funciona a cabeça dela, a visão de mundo e de vida. Faça isso por sete minutos.
Passados os sete dias, estenda o exercício por sete semanas, diariamente, procurando sempre enxergar com os olhos e coração da pessoa amada. Aquele aniversário de namoro, casamento esquecido? Talvez ela se importe mais com a pessoa envolvida do que com a data. Ela voltou para você no final do dia? Bem… será que isso não é mais significativo do que a data, em si? As flores que nunca vieram, o cafuné que faltou? Será que ela sabe o quanto isso é importante para você? Que tal falar (com calma), das coisas que são importantes para você?

Então, durante sete semanas, além de tentar pensar como a outra pessoa, permita que ela o conheça melhor. Não faça cobranças, nem esfregue seu manual na cara dela. Apenas permita-se conhecer, apresente-se, pois, salvo a pessoa amada ser uma privilegiada leitora de mentes, não há como ela saber o que está se passando dentro de você!

Encerradas as sete semanas, pelos sete meses seguintes você repetirá todo o processo e, não importando quantas vezes você repita que seu prato predileto é lasanha e sua cor é o amarelo, fale de novo e de novo e de novo, sorria para seu amor e depois dê um beijo no sorriso de cabeça oca e esquecida dele. Ache graça naquilo que não pode ser mudado!
Se vocês tiverem superado os sete dias, as sete semanas e os sete meses, é provável que entrem na fase dos sete anos.
Esqueça a baboseira de que o sétimo ano é o mais difícil. O mais difícil é o dia, em qualquer das semanas, meses ou anos, em que vocês não se permitam o respeito mútuo e a prática do amor abnegado.

Então, no sétimo ano, multiplique esses anos por sete e com o resultado, siga no exercício dessa empatia, com essa pessoa especial com a qual fez planos de compartilharem a velhice, bodas de ouro, verem os netos crescendo e com quem os filmes e músicas (românticas ou não), mensagens fofinhas e apaixonadas (ou não) caíram sempre como uma luva, nos mais variados contextos da história que tenho certeza, construíram juntos.
Acenda velas nos jantares. Peçam uma pizza se a comida ficar horrível.
Tomem banho de pétalas de rosa juntos. Ou só de chuveiro mesmo, no box apertado, molhando o banheiro todo.
Sujem-se de brigadeiro na cozinha. Limpem a cozinha juntos.
Briguem por ciúmes. Entendam o ciúme do outro.
Façam planos para o futuro. Discutam sobre a divergência de opiniões.
Ceda um pouco daqui, enquanto o outro cede um pouco de lá.
Olhe… simpatia não sei fazer, não, senhores. Mas sou muito adepta da empatia e, desconfiada de que elas são parentes (dada a semelhança do sobrenome), acredito que praticando as duas com fé, existam, sim, grandes chances de seu amor durar… por sete vezes sete!
Se, de tudo, as simpatias que aprender não funcionarem, confie, a empatia não falha, jamais!
Boa sorte!

*Luciana Marques

terça-feira, 20 de fevereiro de 2018

Não desista de você!

Dias difíceis, quem nunca passou por eles? Provações, quem nunca experimentou suas amargas questões?
Todos nós, temos que enfrentar as dificuldades da vida, cheias de obstáculos, desafios, e incógnitas que devemos decifrar, para saber o que realmente a vida espera de nós.
O que ela quer, provavelmente, é que sejamos fortes e perseverantes, para que assim possamos resistir cada prova de fogo. E saber lidar com as mais diversas circunstâncias, e assim contornar cada barreira.
É sempre uma fácil tarefa? Não. Mas, algumas são um pouco mais fáceis, outras estão no nível “hard” super difíceis mesmo. O que na certa fará você acreditar que seja impossível. Mas vale lembrar que não há questões impossíveis para nós humanos, pois, se nossos problemas são de natureza humana, o provável é que o impossível seja inacessível.
Os nossos problemas são difíceis, mas não impossíveis para se resolver. Porém, há algo que eu tenho que lembrar: “ Você provavelmente estará sozinho, pois ninguém vai ajudá-lo a carregar sua cruz “ Mas isso vai depender da qualidade de amigos que você tem, isso mesmo, qualidade, esqueça a quantidade! Pois são nesses momentos que você realmente percebe que apenas conhece muitas pessoas.
Acostume-se com o fato de que muitos o verão afogar-se, e nenhum vai lhe jogar uma boia, nem que seja uma corda, um galho seco para estender e salvar. Não espere o socorro de ninguém, use sua força, mais provavelmente a força da coragem e determinação, para aprender a nadar. Também não espere que enquanto você estiver em queda livre, alguém possa ampará-lo, você vai cair, e só você mesmo vai se levantar.
Estou sendo pessimista em relação às amizades? Talvez sim, até porque esse caso não se aplica a todos, ainda há muitas amizades verdadeiras por aí, muitos ainda se importam, sempre há um ombro amigo e disponível; assim como também, alguns ouvidos atentos para emprestar as suas lamúrias e abraços confortantes, palavras carinhosas de encorajamento, pessoas que se importam e querem que você saiba que elas estão ali, prontas para ajudar a resolver alguns desafios com você…
Mas, nem sempre será assim, ouso dizer que, o que descrevi agora, são exceção. Pois, há muitos amigos na alegria, para desfrutar da mansidão da vida e aproveitar a brisa, sob a sombra. Mas ai de você quando estiver em tempos ruins, quando o céu escurecer, as águas se agitarem, e a vida colocá-lo de vez em plena tempestade, mais precisamente, no olho do furacão.
Esses amigos somem, esquecem seu nome, respondem suas mensagens com respostas curtas e secas, com um básico “ sim ou não “. E, de repente, você se torna um leproso da Galileia. É quando mais do que nunca, você não deve e nem pode desistir de você.
É duro não encontrar apoio e ter que caminhar sozinho, é doloroso não achar um descanso de um auxilio amigo, mas é preciso continuar seguindo em frente.

Na hora do sufoco, é só você por você mesmo. E aí, você vai se abandonar agora? Vai desistir de tudo, jogar a toalha e dar-se por vencido?
Não se enterre em vida. Lembre-se que você ainda tem 2 pés para atravessar o caminho, e cruzar abismos, mesmo sozinho. Quantos grandes vencedores do esporte, da música, do show business, empreendedores, deram a volta por cima, em um momento em que ninguém mais dava nada por eles – e esses exemplos são muitos, todos nós conhecemos algum. Agora, você imagine se essas pessoas tivessem desistido por falta de apoio, compreensão, ajuda, amizades…
Só você poderá vencer por si mesmo, não espere nada dos outros, espere e confie em sua determinação!
Mesmo que lhe falte forças para continuar, continue andando, mesmo que rastejando, mas não pare, ande o quanto puder, faça uma pausa e respire para recuperar o fôlego, mas continue seguindo em frente. Não dê atenção às chacotas, faça-se de desentendido a elas, ignore os deboches, perdoe os ingratos, mas continue sua jornada, pois o acreditar fará você alcançar. É difícil quando estamos desvalidos até para nossos pais, mas o essencial é que você ainda signifique algo para si próprio. O que não podemos perder, de jeito nenhum, é a confiança em nós mesmo.
Não importa quantos dias essa tempestade insista em ficar, porque em determinado momento, ela enfraquece e para de chover, o céu se abre, o pássaros cantam e o arco-íris resplandece.
É preciso existir noite para haver dia, até as trevas antecederam a criação da luz. Esse temporal vai passar e o que a vida quer, é a sua aposta em si mesmo, pois nada é para sempre, nem mesmo nossos problemas. Se tudo tem um fim, a sua provação também será finalizada.
Se não há prolongamento infinito dos dias ruins, é porque os bons também precisam chegar.

*Alfreda Veríssimo

segunda-feira, 19 de fevereiro de 2018

Leia esse texto!

Somos tão pequenos e nos achamos tão grandes! Acredite, temos bem menos importância do que achamos que temos. Sempre haverá outros encantamentos além do nosso umbigo.
A oferta do limão não é apenas para o dono do limoeiro, mas para qualquer um que assim quiser aproveitá-lo. Os raios quentes do sol aquecem a pele do bom e do ruim, do corrupto e do honesto.
O coração não bate menos ou mais pela cor que você tem, nem seus pulmões respiram melhor pelo valor do seu cheque especial.  As flores nascem nas casas mais pobres, nas mais ricas e, às vezes, no meio do nada só para brilhar os olhos daqueles que passam pela rua. A morte recolhe todo tipo de gente, de recém-nascidos aos centenários homens de fé – que garantem que só chegaram aos cem por conta do bacon do café da manhã.
Por sabermos disso, e por algumas outras razões nem tão óbvias, somos tão ignorantes ao viver a vida. Somos tão pequenos e nos achamos tão grandes. Acredite, temos bem menos importância do que achamos que temos. Sempre haverá outros encantamentos além do nosso umbigo.
Somos um grão de arroz que somente juntos servimos o jantar. Somos um pedacinho de terra que com outro pedacinho de terra, enchemos um pequeno vasinho de hortelã.
Aí queremos ficar desvendando os mistérios do mundo, complicando sentimentos, querendo entender porque o céu é azul. E nessas de querer entender porque o céu é azul, sabe o que acontece? Passamos a vida sem admirar o céu azul.
Quanto mais pensamos, mais complicamos e menos vivemos. Não temos o controle do tempo. Eu, você, sua mãe, seu marido, seu vizinho, nós não temos o controle do tempo.
É num piscar de olhar, talvez menos do que isso, que somos levados para outro plano, e aí vamos prestar contas do que fizemos aqui. Vivemos? Amamos? Doamos?
Procuramos a pessoa certa a vida inteira, mas já sabemos que a pessoa certa não existe. Existe a pessoa que nos faz feliz, que nos dá segurança, que nos concede força para admirar o azul do céu ao invés de procurar nos livros sagrados as respostas de tudo.
E aí, meus amigos, o egoísmo natural e quase inconsciente que todos nós padecemos nos faz trocar os valores daquele amor que queríamos tanto.
E o que é importante mesmo encontrar na pessoa que poderia passar a vida nos dando vida, simplesmente deixa ser o que interessa.
Na frustrada tentativa de entender a razão das coisas, esquecemos que os processos – os bons e os nem tão bons – são todos gratuitos.
Porém, ainda que haja gratuidade em tudo que se provoca em si e no outro, o universo busca somente merecedores. E essa é a liberdade tão sonhada por todos nós.

*Ju Farias

sexta-feira, 16 de fevereiro de 2018

Lute pelas coisas possíveis…

Água mole em pedra dura, tanto bate até que fura.
Essa frase decerto lhe é bastante familiar, não é? O que você talvez não saiba é que a sua possível origem está na obra do grande poeta romano Ovídio (43 a.C.-18 d.C.), onde encontramos algo como: “A água mole cava a pedra dura.”
Como a criação de rimas é um artifício comumente utilizado em diversas culturas com vista à memorização de determinados saberes, não é de surpreender que por aqui tenhamos chegado ao famigerado “Água mole em pedra dura, tanto bate até que fura”.
Neste ponto, porém, me vem à pergunta: é verdadeira essa frase? Bom, se tomamos esse provérbio como uma exaltação à persistência enquanto virtude capaz de vencer os obstáculos, não há dúvida de que o ditado procede. Não havemos de esquecer, no entanto, que a mesma sabedoria popular que afirma que “água mole em pedra dura, tanto bate até que fura” também nos orienta a “parar de dar murro em ponta de faca”.
O que essa contradição significa? Bom, basicamente significa que os ditos populares, bem como os textos da internet e as mensagens carregadas de sabedoria compartilhadas nas mídias sociais, podem, sim, nos apontar caminhos, mas, no frigir dos ovos, caberá a você, e somente a você, fazer uma escolha. E não duvide: desistir não raro se mostra como a mais acertada dentre as inúmeras escolhas possíveis. Afinal, “o que não tem solução, solucionado está”.
Há muitos anos, quando mais jovem, eu fiquei muito irritado quando, após confidenciar a um amigo um objetivo que eu vinha perseguindo, ele disse: “Lute pelas coisas possíveis, Alex”.
Na ocasião, ele me pareceu insensível, pessimista e até invejoso, de modo que optei por seguir firme rumo ao meu objetivo. O resultado? Acabei me ferrando. E foi me ferrando que eu pude me dar conta do quão certo e empenhado em me ajudar o meu amigo estava. Pois é bem isso. De um ponto de vista mais imparcial, a gente assiste a pessoas insistindo em coisas que, notoriamente, não têm futuro, mas elas, envolvidas que estão, comumente não conseguem ou não querem enxergar o óbvio. E os frutos que, inevitavelmente, se pode colher disso são a ansiedade, a frustração, a raiva, a depressão…
Não estou dizendo que você deva persistir ou desistir das coisas tomando opiniões alheias como base. Até porque, além dos bons amigos dispostos a nos auxiliar, há também muita gente má intencionada que, ao nos ver trilhar um caminho correto, se dedica a tentar nos desviar. Tampouco lhe posso sugerir uma estratégia infalível para que possa fazer suas escolhas. Tudo o que posso dizer é que determinadas situações exigem certa racionalidade, devendo ser encaradas sem aquele romantismo que tanto nos prega peças.
A tomada de decisões exige uma análise mais fria, uma confiança em nossa sabedoria interna e, acima de tudo, honestidade para com nós mesmos, pois “o pior cego é aquele que não quer ver”.
Na escola da vida, os relacionamentos costumam ser excelentes professores tanto na arte da persistência como na arte da desistência, e, se formos alunos realmente disciplinados, muito aprenderemos sobre nós mesmos por meio desses sábios instrutores que os amores são. E se por um lado eu sou um crítico severo da facilidade com que os relacionamentos atuais se desfazem diante da primeira dificuldade, por outro eu também critico a masoquista insistência de algumas pessoas em coisas que visivelmente não têm futuro. E pior do que isso só mesmo aquelas pessoas que ousam chamar de persistência a sua obstinação doentia em fazer o outro mudar.
Gente, insistir quando outro não quer não é persistência, não. É burrice mesmo. E passar a vida tentando fazer com que o outro mude ou lhe dê o que você quer está longe de ser amor. Isso é só vaidade, carência, vontade de ganhar. Enfim, sofrimento garantido. É isso que você quer? É claro que muitas das camadas que nos encobrem ainda insistem no autoflagelo, mas tenho como certo que a parte mais recôndita de você deseja se livrar de tais camadas, ansiando, fervorosamente, por ser feliz.
Assim sendo, se há ainda aquela tristeza motivada por alguém que nos ignora, se há ainda aquela vontade de moldar o outro de modo que ele possa nos dar o que queremos numa relação, mergulhemos nisso, então. Esse mergulho, porém, nada tem a ver com insistência, o que seria o mesmo que fazer sangrar ainda mais a ferida. Tem a ver com olharmos a situação de fora, como se fôssemos espectadores da nossa própria vida, tentando, assim, entender as origens do nosso sofrimento e das nossas demandas afetivas.

Eu disse em um artigo anterior que não existe relacionamento fracassado, e insisto nisso. Veja bem: mesmo que marcado pelos desencontros, pelas idas e vindas, aquele relacionamento nos possibilita conhecer mais sobre nós mesmos, o que exige de nós muito empenho, honestidade, e autorresponsabilidade. A compreensão, portanto, é o que nos mostra que ele cumpriu com o seu papel.
E neste ponto, talvez você me pergunte: “Mas, Alex, e em relação ao outro, o que é que eu faço?”. E a resposta é simples: não faça nada. Desista. Simplesmente desista. E não dê ouvidos a essa voz que afirma que o outro vai acabar cedendo se você tentar mais um pouquinho. A não ser, claro, que você já tenha visto água furando pedra por aí. Essa voz é só a sua carência falando, e não tem origem de partes elevadas do seu ser. Portanto, desista e abra mão de sofrer.
Eu sei que desistir exige coragem e está longe de ser indolor. Essa, porém, é uma dor de curto prazo, diferente daquela que se arrasta por anos a fio quando você insiste em uma situação que em nada resulta.
Portanto, desista daquele relacionamento no qual só você dá, só você se esforça, só você abre mão das coisas para fazer dar certo. Desista daquele amor que só lhe entrega migalhas.
Desista daquela pessoa cuja pele você vive tentando salvar, mas que nunca se mostra inclinada a ajudar a si mesma. Desista daquele que não lhe dá respostas, que nem sequer curte os posts que você faz para impressionar e tampouco se manifesta nas datas e ocasiões importantes na sua vida. Desista do que não rende frutos, do que não lhe traz alento, do que não te faz feliz.
Adélia Prado (1935-) tem um poema maravilhoso intitulado “Pranto para Comover Jonathan”, no qual o eu-lírico expressa a força e a beleza de um amor que transcende todas as coisas. É, no entanto, um amor “mais desesperançado / do que a onda batendo no rochedo, / mais tenaz que o rochedo. / Ama e nem sabe mais o que ama.” Vê como é extremamente significativo? Por mais pertinaz que seja a onda, o rochedo permanece imóvel diante dela, que segue desesperançada naquele movimento que, bem sabemos, sempre a manda de volta para o mesmo lugar. E é pra lá de pertinente o verso que encerra o texto, dado que a perda da identidade e do amor-próprio é a consequência primeira de uma vida dedicada a bater em uma pedra ciente de jamais poder penetrá-la. “Ama e nem sabe mais o que ama”. Diante disso, peço-lhe que, por favor, não seja essa onda. Há por esse mundo afora outros seres desejosos de serem inundados pelas suas águas.
Portanto, tenha um ato de amor por si mesmo, desista do que o faz sofrer e, de uma vez por todas, lute pelas coisas possíveis

*Alex Gabriel

quinta-feira, 15 de fevereiro de 2018

Mudar é necessário, seguir é preciso, recomeçar é sempre possível!

Mudar é necessário, crescer, evoluir. Nunca perca as esperanças! Nada volta, mas seguir é preciso, recomeçar sempre é possível!
Nossa vida é feita de fases, recomeços, idas e vindas. Estamos envoltos em diversos pensamentos, sonhos, desejos buscamos alternativas para concretizá-los adquirindo experiências, aprendizados.
Muitas vezes, as coisas não saem como planejamos e não conseguimos aceitar que não deram certo, que erramos, que um dia se perde e em outro se ganha. Percebemos que a vida não é só de alegrias mas de lutas, desacertos, inúmeras tentativas, recomeços.
Precisamos entender que falhas fazem parte do nosso desenvolvimento, elas acontecem para nos mostrar onde é necessário melhorar já que quase tudo na vida tem margem de erro e acerto.
Portanto, é normal recomeçar, tentar outro caminho, aceitar que algo precisa ser aperfeiçoado para alcançar progresso.
Não podemos baixar a cabeça, contar com a sorte, temos que buscar, desejar reverter a situação, lutar para retomar a confiança pois sempre é tempo de perseverar. Quando as coisas dão errado, o insucesso vem ao nosso encontro e nos dá a oportunidade de reavaliar nossos esforços, investimentos com mais empenho, concentração, inteligência  para reerguer. O insucesso é como um barco à deriva carregado de angústia, á procura de equilíbrio, direção, força para levantar âncoras, içar velas, ganhar velocidade.
Assim é a vida, cheia de incertezas, percalços pois até o caminho do sucesso, os obstáculos são muitos. Nada como um dia após o outro para tentar novamente, pois é só tentando que viabiliza o acerto almejado. Por isso, melhor é se posicionar, tomar iniciativas, ter novas ideias, agendar estratégias, buscar recursos, contar com muita determinação. Todos temos dias bons, ruins mas o que muda a situação é a forma como reagimos, lidamos com o inesperado, convertemos o aprendizado para reconstrução. Aprendemos que as coisas mudam e com a gente não é diferente: o  importante é ter fé, ser positivo, manter-se de pé, firmar o corpo, encarar o desafio, não entregar os pontos, persistir para que aconteçam novas conquistas, descobertas.
Alguns podem até opinar, ir contra nossas ideias mas o que importa não é dar crédito à opinião dos outros e sim às nossas. Não podemos permitir que o desânimo tome posse de nossas escolhas, autoconfiança, enfrentando aflições, perdas, bloqueios, defendendo nossos planos futuros.
Recomeçar é sobre não desistir, não se abater, enfrentar o comodismo, admitir que tem direito de errar, querer mais da vida, dar um sim às oportunidades.  Persistindo conseguimos prosseguir.
Que possamos viver cada dia de uma vez, sem estresse, porque a vida dá voltas e nos ensina que todos os dias são válidos, são um presente, uma chance a mais para acertar e que, de uma forma ou outra vamos conseguir chegar ao nosso destino, vivendo, aprendendo e recomeçando. Mudar é necessário, crescer, evoluir. Nunca perca as esperanças!
Nada volta, mas seguir é preciso, recomeçar sempre é possível!

*Leide Vieira Nascimento

quarta-feira, 14 de fevereiro de 2018

O que você fez com seu coração?

Escute a voz do seu coração…
O que se leva da vida não é o carro que se tem, a casa na praia ou o passaporte cheio de histórias para contar. O que se leva da vida, meu amigo, é o amor que se deu, que se recebeu, que lhe arrancou sorrisos e uma porção de borboletas no estômago.
O que se leva da vida são as mãos entrelaçadas, os pés colados na hora daquele filminho água com açúcar. O que se leva da vida são as formas infinitas de se dizer “eu te amo” e de praticar todas elas com verdade e sabedoria.
O que se leva da vida não são as dores vividas, nem as derrotas guardadas a sete chaves dentro do armário. O que se leva da vida não são as quedas, as tantas quedas ao longo do caminho, mas o que conseguimos aprender com elas.
Não são os erros, as atitudes egoístas, as duras verdades escondidas. Nada disso, meu amigo. O que se leva da vida são os abraços não desperdiçados, não sonegados, nem negados pela falta de tempo.
Aliás, o que se leva da vida não é o tempo que passou voando, mas o quanto aproveitamos essa louca aventura que o próprio tempo nos proporciona. O que se leva da vida não são os livros que lemos, mas o quanto cada história fez diferença naquilo que achamos que somos.
O que se leva da vida não é a matemática aprendida na escola que, aliás, só faz subtrair abraços em prol do tempo que segue na sua velocidade célere. Enquanto isso, vejam só, nós seguimos tentando entender o amor e fazemos isso mais lentos que o sol, que leva 200 milhões de anos para completar uma órbita em torno do centro da galáxia.
O problema é que nós não duramos tudo isso e sempre corremos o risco de irmos embora sem termos aprendido que o amor não é para ser entendido. O amor é para ser vivido. Aí, vamos perdendo aquele cara bacana só porque não suportamos que ele seja diferente de nós.
E aí, vamos deixando para trás aquela moça bonita, aquela que nos ensinava o poder da gratidão, só porque não sobra muito tempo para agradecer. E vamos seguindo em frente sozinhos, afinal de contas, nascemos sozinhos, não é assim que se diz?
Bom, hoje eu queria dizer para vocês que não, que não nascemos sozinhos. Nascemos cheios de oportunidades de encontrarmos pessoas pelo caminho. Gente como a gente que também busca uma mão para que a caminhada seja leve.
E aí buscamos um amor verdadeiro, que nos abrace, que nos acalme, que aceite seguir em frente conosco – apesar das nossas mazelas.  Alguém que aceite andar de mãos dadas para que a maré não nos derrube.
Porém, na bem da verdade, nós não buscamos um amor verdadeiro, porque quando o encontramos não sabemos como segurá-lo.
E sabe o que isso significa? Que até agora não entendemos que amor não se segura. Amor se acolhe, se afaga, se coloca no colo antes que a tempestade o leve para longe, para outro porto, para outro ninho, para outros braços.
É carnaval e o povo todo vai para rua gritar as marchas de alegria. E quando voltam da praia, da serra e da rua, mal sabem onde deixaram o coração. Hoje eu queria pedir que você abrace o seu amor, mas abrace forte para que ele (ou ela) compreenda que é no seu peito que encontrará a paz.
E você que ainda não o achou, acredite em mim, ele está mais perto do que você imagina. Às vezes, quase sempre, é só uma questão de não dar bola para o que o tempo diz e escutar apenas a voz do coração.
Repito, escutar apenas a voz do coração. Afinal de contas, o que se leva daqui é justamente o que você fez com ele na sua oportunidade de estar vivo.

*Ju Farias

terça-feira, 13 de fevereiro de 2018

NÃO PRECISA VIR EM UM CAVALO BRANCO, SÓ NÃO SEJA UM CAVALO

A maturidade de saber que a vida não é fácil nem nunca será, por mais que lutemos e nos comportemos eticamente, acabará por nos proteger de criarmos ilusões fantasiosas sobre um mundo de faz-de-conta, bem como de aceitarmos qualquer um em nossas vidas.

Contos de fadas são passados e repassados às crianças, pontuados por finais felizes e harmoniosos para sempre, fazendo com que o imaginário de todos se recheiem com a possibilidade de viver uma vida cor de rosa, como aquelas das princesas da Disney. Esperar pelo príncipe encantado, no entanto, é permanecer na infância, tal qual uma garotinha insegura que espera um super herói que a proteja do mundo, da vida em si.

Não existe felicidade eterna, simplesmente porque ser feliz é um objetivo, não uma constante. A felicidade é o caminho que percorremos enquanto tentamos realizar nossas metas, enquanto ultrapassamos obstáculos, vencemos dores, sobrevivemos às perdas mais duras. Ninguém é feliz o tempo todo, uma vez que, caso alcançássemos a satisfação plena e última de nossa vida, o amanhã nem teria mais sentido.

O mais saudável é sorver os momentos felizes que encontramos em nossa jornada, esparsos, mas intensos; breves, porém mágicos. Com todos é assim, ou seja, esperar que o outro nos traga o que supostamente nos falta só nos servirá como prolongamento de decepções. O outro também vem com felicidade a ser procurada, com sonhos e ideais ainda distantes, portanto, não será capaz de ser um escudo, uma muralha que nos livre de passar pelo que é só nosso.

Tendo consciência de que ainda haverá muito a ser vivido e conquistado, seguiremos mais conformados com a incompletude que nos serve como motivação a jamais parar no mesmo lugar, a prosseguir, trôpegos que seja, mas seguindo em frente. Assim, ninguém esperará por um príncipe encantado que venha suprir as carências de ninguém, pois seremos fortes o bastante para entender que somos nós os atores principais do roteiro de nossas vidas.

A maturidade de saber que a vida não é fácil nem nunca será, por mais que lutemos e nos comportemos eticamente, acabará por nos proteger de criarmos ilusões fantasiosas sobre um mundo de faz-de-conta, onde a felicidade é plena e as pessoas são cordiais e transparentes. Da mesma forma, esse equilíbrio não nos permitirá aceitar em nossas vidas pessoas que trazem somente dor e sofrimento, subtração, agressão e covardia.

Porque, então, estaremos prontos tanto para receber o que fizemos por merecer, quanto para fechar as portas de nossa essência a tudo aquilo que entristece e a todos que tentarem nos diminuir e tentarem fazer com que nos sintamos menos gente, menos pessoa, menos amor. E sorrir com a alma é o que nos manterá confiantes e seguros, rumo ao que faz o nosso coração vibrar.

Prof. Marcel Camargo

segunda-feira, 12 de fevereiro de 2018

Somos do Tamanho dos Nossos Sonhos

Sempre é preciso saber quando uma etapa chega ao final…

Se insistirmos em permanecer nela mais do que o tempo necessário, perdemos a alegria e o sentido das outras etapas que precisamos viver.
Encerrando ciclos, fechando portas, terminando capítulos. Não importa o nome que damos, o que importa é deixar no passado os momentos da vida que já se acabaram.
Foi despedido do trabalho? Terminou uma relação? Deixou a casa dos pais? Partiu para viver em outro país? A amizade tão longamente cultivada desapareceu sem explicações?
Você pode passar muito tempo se perguntando por que isso aconteceu…
Pode dizer para si mesmo que não dará mais um passo enquanto não entender as razões que levaram certas coisas, que eram tão importantes e sólidas em sua vida, serem subitamente transformadas em pó. Mas tal atitude será um desgaste imenso para todos: seus pais, seus amigos, seus filhos, seus irmãos, todos estarão encerrando capítulos, virando a folha, seguindo adiante, e todos sofrerão ao ver que você está parado.
Ninguém pode estar ao mesmo tempo no presente e no passado, nem mesmo quando tentamos entender as coisas que acontecem conosco.
O que passou não voltará: não podemos ser eternamente meninos, adolescentes tardios, filhos que se sentem culpados ou rancorosos com os pais, amantes que revivem noite e dia uma ligação com quem já foi embora e não tem a menor intenção de voltar.
As coisas passam, e o melhor que fazemos é deixar que elas realmente possam ir embora…
Por isso é tão importante (por mais doloroso que seja!) destruir recordações, mudar de casa, dar muitas coisas para orfanatos, vender ou doar os livros que tem.

Tudo neste mundo visível é uma manifestação do mundo invisível, do que está acontecendo em nosso coração… e o desfazer-se de certas lembranças significa também abrir espaço para que outras tomem o seu lugar.
Deixar ir embora. Soltar. Desprender-se.
Ninguém está jogando nesta vida com cartas marcadas, portanto às vezes ganhamos, e às vezes perdemos.
Não espere que devolvam algo, não espere que reconheçam seu esforço, que descubram seu gênio, que entendam seu amor. Pare de ligar sua televisão emocional e assistir sempre ao mesmo programa, que mostra como você sofreu com determinada perda: isso o estará apenas envenenando, e nada mais.
Não há nada mais perigoso que rompimentos amorosos que não são aceitos, promessas de emprego que não têm data marcada para começar, decisões que sempre são adiadas em nome do “momento ideal”.
Antes de começar um capítulo novo, é preciso terminar o antigo: diga a si mesmo que o que passou, jamais voltará!
Lembre-se de que houve uma época em que podia viver sem aquilo, sem aquela pessoa – nada é insubstituível, um hábito não é uma necessidade.
Pode parecer óbvio, pode mesmo ser difícil, mas é muito importante.
Encerrando ciclos. Não por causa do orgulho, por incapacidade, ou por soberba, mas porque simplesmente aquilo já não se encaixa mais na sua vida.
Feche a porta, mude o disco, limpe a casa, sacuda a poeira. Deixe de ser quem era, e se transforme em quem é! Torna-te uma pessoa melhor e assegura-te de que sabes bem quem és tu próprio, antes de conheceres alguém e de esperares que ele veja quem tu és…
E lembra-te:
Tudo o que chega, chega sempre por alguma razão!

*Jader Menezes

sexta-feira, 9 de fevereiro de 2018

Aprenda a não revidar, deixe que a vida faça isso por você

Aprenda a não revidar, deixe que a vida faça isso por você. E ela sempre fará, porque ninguém sai dessa vida sem pagar a devida conta de seus atos. Quando o erro não é seu, apenas relaxe.

Não é fácil mantermos a calma quando existe alguém nos incomodando com maldade, agressividade, falsidade ou tudo isso junto. Parece que a energia negativa da pessoa contamina o ambiente e quem estiver por perto, fazendo com que todo mundo ao seu redor fique se rebaixando ao seu nível. E isso não faz bem para ninguém.

Um dos maiores favores que conseguiremos fazer para nós mesmos será conseguirmos ignorar, deixar quieto, deixar pra lá. Silenciarmos, enquanto o outro espera que gritemos e nos desequilibremos, tem uma incrível capacidade de neutralizar o peso que gente ruim carrega para lá e para cá. Como ocorre com tudo nessa vida, o mal, ao não encontrar reciprocidade, vai embora.

A vida anda difícil, sobrecarregada, retirando-nos as forças, enquanto nos equilibramos em meio à correria célere do cotidiano esmagador que nos preenche os dias. Poucos conseguem obter real prazer enquanto se dedica ao trabalho, num ambiente em que as pessoas estão se tornando cada vez mais complicadas. O mundo policia cada um de nossos atos, cada palavra que falamos e escrevemos, aguardando algum possível deslize que possa ser usado contra nós.

Com isso, confiamos pouco no outro, quase não nos abrimos com as pessoas, por medo, insegurança e cautela. E isso tudo vai se acumulando dentro da gente, tornando nossos passos cada vez mais pesados e solitários. A gente acaba não aguentando tanto sentimento represado dentro do peito e, muitas vezes, desconta em quem não merece. A gente se isola e vive a solidão em meio a uma multidão solitária.


Isso contribui para que laços afetivos não se firmem, ou seja, não construímos um relacionamento verdadeiro com as pessoas. Assim, pouco nos importamos com os sentimentos do outro, pouco nos colocamos no lugar de alguém, pouco nos importa que magoemos as pessoas. Para muitos, o outro é apenas alguém que pode vir a ser interessante, caso possa ser usado em seu favor de alguma forma.
Há, como se vê, uma urgente necessidade de não propagar essa ausência de afeto que paira sobre nós, não entrando no jogo de quem só quer disseminar discórdia. Aprenda a não revidar, deixe que a vida faça isso por você. E ela sempre fará, porque ninguém sai dessa vida sem pagar a devida conta de seus atos. Quando o erro não é seu, apenas relaxe.

*Prof. Marcel Camargo

quinta-feira, 8 de fevereiro de 2018

Pare de pensar negativo!

Por que é tão fácil pensar negativamente? O que é que faz com que a maioria das pessoas vivam com uma mentalidade de “copo meio vazio”, em oposição a um “copo meio cheio”? O pensamento negativo é um hábito, que ao longo do tempo, se torna um vício e pensar negativamente  é que nos impede de tornar-se real aquilo que sonhamos.É verdade, o pensamento negativo é um hábito e, sim, todos nos tornamos viciados, com exceção de poucos sortudos que conseguiram romper essa barreira. Apesar de toda a beleza magnífica que o mundo tem para oferecer, a humanidade decidiu transformar a negatividade em uma arte. Esse pensamento negativo  esta em toda, quando ligamos a TV, lemos um jornal, a mídia acaba destacando o que o ser humano tem de pior e vende, e o pior e que compramos essa ideia todos os dias, e assim fica difícil de escapar da negatividade não e verdade?
Uma das chaves para evitar o pensamento negativo,  é reduzir a sua exposição às influências negativas ao seu redor. Pare de permitir que outros empilhem negatividade em seus ombros. Quando alguém chega até você e começa reclamando ou fofocando, tente  mudar de assunto imediatamente.Você vai  privar sua mente  de mais coisas que ativam o hábito negativo e assim as raízes desse  hábito irão enfraquecer. Quanto mais você evitar as más notícias e as pessoas negativas,  mais perto  você vai estar de trocar  o pensamento negativo para o bem.
copocheioComo o cérebro humano só pode se concentrar em um pensamento de cada vez, uma maneira eficaz de controlar seus pensamentos é substituí-los por seu oposto, assim que eles aparecem.  A mente subconsciente depende de você para dar-lhe a entrada que necessita para formar e regular hábitos, portanto, comece a tirar esse negativismo e substituí-lo por pensamentos positivos. Se você ensina seu subconsciente corretamente, você simplesmente vai parar de pensar negativamente gradualmente através da prática. Uma vez que você substitua pensamentos negativos por positivos, você vai começar a ter resultados positivos.
Lembre-se que a felicidade é uma escolha! A razão pela qual tantas pessoas lutam desesperadamente para encontrar a felicidade é porque se esquecem de que é realmente uma escolha. A maneira mais eficaz para se tornar uma pessoa feliz e positiva é  parar de culpar as circunstâncias externas  pelos seus problemas e sentimentos.A felicidade começa no interior. Existem dois lados da moeda, embora muitas pessoas andarem  por aí com uma dessas moedas truque que têm o mesmo símbolo em ambos os lados e ainda não sabem disso. Nao se engane!

“Seus pensamentos se transformam em suas palavras. Suas palavras tornam-se suas ações. Suas ações tornam-se seus hábitos. Seus hábitos se tornam seu caráter. Seu carater se torna o seu destino. “

* *Jader Menezes

quarta-feira, 7 de fevereiro de 2018

Quando o sentimento é verdadeiro e cativante, ele não morre!

Hoje durante o trabalho me veio uma velha e famosa frase de um livro muito conhecido ao redor do mundo; a frase diz “tu te tornas eternamente responsável por aquilo que cativas”.

Quando o sentimento é verdadeiro e cativante, ele não morre, transforma-se como todo o resto…
Cativar no dicionário quer dizer impressionar, conservar, e logo me veio à cabeça a lembrança de uma pessoa querida que há alguns anos me cativou de maneira tão profunda que até hoje, anos e distâncias depois, nutro e guardo meus sentimentos e uma única foto que temos juntos na minha carteira.

Já ouvi tanta gente falar que se esqueceu do primeiro amor, ou que esse não teve importância alguma, ou ainda pior, que o amor atual nem é assim tão bom mas é cômodo e por isso é melhor que assim fique.

Isso não é amor, é carência, comodismo, temor da solidão e da vida. Dizemos sempre que amamos, mas nunca paramos para pensar no real significado da palavra.

Amar sem cativar não é amar; amor é conquista, afeto, carinho, paciência, respeito e tolerância. Cativar é prender a atenção, dar seu tempo, seu pensamento, seu respeito, seu sorriso e seu coração; é como se uma coisa estivesse entrelaçada a outra.

Amor não é apenas fogo, desejo e paixão. Amor é calmaria, delicadeza, detalhe, gentileza e sutileza. É tocar a alma do outro com um olhar e fazer com que o mundo pare de girar no instante de um abraço.

Nós sempre vamos nos lembrar daqueles que passaram, mesmo que rapidamente, por nossas vidas e que com um gesto, por menor que tenha sido, nos cativou.

Ainda que os anos passem, que as circunstâncias e os sentimentos mudem, quando alguém cativa nosso coração ele sempre vai saber agradecer e preservar esse sentimento de carinho e tranquilidade.
Quando o sentimento é verdadeiro e cativante, ele não morre, transforma-se como todo o resto, mas vai estar sempre ali para ser lembrado com doçura e pronto a trazer sorrisos na escuridão dos nossos dias.

*Caroline Misokane

terça-feira, 6 de fevereiro de 2018

E se em vez de reclamar, fôssemos mais gratos?

E se em vez de reclamar, fôssemos mais gratos? E se tentássemos ser menos estressados e impacientes e aproveitássemos mais cada momento? E se não fôssemos tão pessimistas. Se não odiássemos tanto o próximo?
E se?
Hoje me dei conta da bagunça que o mundo se tornou. Não vou generalizar, claro, mas grande parte do que vejo se resume a isso:  raiva, intolerância, falta de amor ao próximo, violência e, a lista só aumenta.
Fico me perguntando onde iremos chegar agindo desta maneira, mas não consigo encontrar uma resposta.
Precisamos competir e derrubar o próximo para sermos íntegros e pessoas de sucesso, quando podemos fazer o bem e crescer com dignidade, elevando conosco aqueles que estão ao nosso lado?
É tão difícil pensar nos outros com compaixão, estender a mão e olhar com carinho, sem julgamentos?
Somos rivais e estamos sempre apostando para ver quem pode mais.
Estamos aborrecidos, temos tudo, mas continuamos vazios por dentro. Ilustramos e exibimos a nossa casca quando nosso interior se encontra despedaçado.
Somos intolerantes e sempre disparamos palavras de ódio e raiva em uma fila ou congestionamento.
O mundo virtual é um escape. Permite sermos aquilo que não temos coragem de mostrar na realidade.
As fotos comprovam a vida perfeita que temos, mas ninguém vê a angústia e as brigas constantes que ocorrem por trás dela.
E quem não curtir as fotos será logo excluído e substituído por novos “amigos” que você nunca ouviu falar, mas que fará parte do falso mundo perfeito.
É isso…
Se fôssemos avaliar cada coisa que está acontecendo no mundo ficaríamos horas e horas refletindo sobre nossas atitudes. Acredito que já temos o suficiente para começar.
Diante disso, retorno a questionar: e se?! E se mudássemos nossas atitudes e trabalhássemos para ser melhores como seres humanos; que erram, lutam e amam.
Deixássemos de agir como robôs que vivem atrás da tela de um computador e parássemos de fechar os olhos para o mundo e fingir que nada está acontecendo.
São tantas coisas que podiam ser feitas diariamente.
Coisas simples. Um bom dia com sorriso, ao invés da velha cara mal-humorada e a boca cheia de reclamações.
Muitas vezes perdemos a vontade até de sair de casa com medo do que podemos encontrar.
Roubo, violência, assédio.  E olha que nem sempre precisamos pôr os pés para fora para ver tudo isso. Basta ligar a televisão que surge um rol de coisas ruins para você se espantar. E o resultado disto será mais medo, depressão, síndrome do pânico.
E aqueles que fazem o bem, onde estão? Não existem mais?
Sim, existem. Entretanto, não renderia audiência falar sobre essas almas bondosas. As pessoas não querem saber das boas ações que alguém fez, ou se aquele indivíduo arriscou a própria vida tentando ajudar o outro sem receber nada em troca. Pois hoje é assim, tudo o que fizermos tem que ser recompensado, não é mesmo?!
Olha que interessante, pense nos policiais, ganham tão pouco, mas se arriscam tanto em prol da coletividade. E então, logo você pensa: mas e aqueles que matam para depois perguntar o que estava havendo? Sim, é óbvio que há aqueles que usam seu poder e autoridade para o mal. Mas viu só? Quando começamos a ver algo bom, logo surge o ruim na história.
Há pessoas destruindo lares acabando com famílias, e o que estamos fazendo? Nada, absolutamente nada.
Agora, escutem: precisamos espalhar o bem, o amor ao próximo.
Chega de rancor e ódio. Chega de alimentar sua alma de raiva, tristeza, pessimismo e coisas supérfluas. Alimente-se de bondade, amor, alegria, conhecimento, preencha-se com tudo o que for bom. Prestem a atenção nas crianças. Elas são o futuro!
Devem ser regadas diariamente com amor, conhecimento, sabedoria. Pare de disparar palavras ruins e maldosas contra esses pequenos seres que nada entendem. Devemos cuidar deles e protegê-los. Estamos fazendo o oposto.
Não espalhe o ódio, transforme todo o rancor que há dentro de você em amor. Transborde-o.
Doe sorrisos, não importa a quem. Isso pode mudar o dia de alguém, sabia?!
Seja gentil, respeite. Saia do mundo virtual e veja o que o espera.
Há mundo ainda a se viver. Não vamos nos perder.  Reencontre-se em meio a essa confusão, diante de todo esse barulho. Faça o certo.
E, o que acha de tentar ser alguém melhor todas as manhãs e começar sendo agora?

*Mariana Oliveira

segunda-feira, 5 de fevereiro de 2018

Não dê ouvidos aos apagadores de sonhos. Escute a voz do seu coração…

E mesmo com todos os bons conselhos do mundo, escute sempre a voz do seu coração.
“Quem fala que você não vai conseguir, normalmente tem medo que você consiga.” (Autor Desconhecido).
Eu não sei de quem é essa frase, só sei que tem muita verdade nela.
Eu aprendi que o nome dessas pessoas são os “apagadores de sonhos”.
Eles surgem o tempo todo em nossas vidas. Principalmente quando estamos nos desafiando, quando estamos decididos.
Os apagadores de sonhos têm medo de que você realize tudo o que eles sempre sonharam, mas que nunca realmente se dispuseram a pagar o preço do sonho realizado.
E até é compreensível que eles não queiram ver você “lá”. Dói demais neles ver alguém realizando os seus sonhos.
Então ao invés de incentivar, eles vão “aconselhar”. E falando sobre conselhos, sim, eles são bons.
Mas quando for dar ouvidos a alguém que o aconselha, olhe primeiro para a vida dessa pessoa, olhe para as realizações e resultados que esta pessoa vive. Um médico não pode opinar em um processo jurídico e nem um advogado pode dizer qual é a melhor técnica de ponte de safena. Logo, alguém que o aconselha tem que, no mínimo, viver tudo aquilo que quer “vender” para você.
E mesmo com todos os bons conselhos do mundo, escute sempre a voz do seu coração. Não silencie essa voz que diz o tempo todo para você o que realmente importa na sua vida.
Aquiete a mente e escute o coração. Essa é a voz mais sábia a que você pode dar ouvidos. Quando você respeita e segue a voz que vem do coração, as coisas acontecem. Simples assim.
Não deixe que o barulho dos outros o perturbe! Mas por favor, não me interprete mal, não estou dizendo para ouvir a voz do coração e agir apenas com a emoção, no impulso. “Escute a voz do seu coração” quer dizer: ouça o que o seu coração lhe diz, perceba qual a emoção que está por trás disso e aja com consciência, acima de tudo respeitando a sua essência e as suas vontades.
Nem só razão, nem só emoção, o equilíbrio sempre é a melhor escolha.

*Ângela Braun

sexta-feira, 2 de fevereiro de 2018

Entregue-se ao desconhecido e surpreenda-se!

As pessoas estão sempre tentando manter o controle das coisas, passam a vida se escondendo das pessoas e morrem de medo do desconhecido.
É meio assustador saber que precisamos sair da zona de conforto e se entregar para um novo começo, uma nova história, um novo relacionamento, mas ninguém consegue evitar o novo sempre que lhe bate a porta, pois a vida se encarrega de nos oferecer um novo caminho.
Seria mesmo mais fácil ficar na mesma e não se arriscar ao que é misterioso, mas pare para pensar em tudo que você está perdendo dizendo “não” às infinitas possibilidades que a vida tem a lhe dar, olhe para trás e veja quantas vezes você já se surpreendeu com situações que nunca achava ter importância ou que nunca teriam acontecido se você tivesse pensado a respeito antes de ter feito.
A vida é uma loucura, vive tentando nos colocar em “becos sem saída”, tudo para nos levar a ter uma nova visão sobre o mundo e às pessoas. Ela está sempre tentando nos levar a enxergar certas coisas por um outro ângulo, está sempre tentando nos tirar a razão e fazer com que perdemos o controle de nossas vidas.
Isso nos força a mudar, isso nos obriga a transcender velhos conceitos pré-estabelecidos e desconstruir padrões já formados, para podermos aceitar as diferenças nas pessoas, para superar nossos medos e limitações, para abalar a estrutura e nos levar para dentro de nós, para que possamos descobrir o caminho da verdade e do amor.
Solte-se, a vida é incrível quando você a deixa guiá-lo, a vida está a todo momento guiando-nos para algo muito mais além do que somos capazes de enxergar, ela quer que você aceite, que se aceite e aceite cada um como é, sem julgamentos e estereótipos, para que você possa olhar o interior de cada um e veja que cada um é especial à sua maneira.
Não se apegue a rótulos! As pessoas são muito mais profundas do que você imagina e elas podem surpreendê-lo a todo instante e, então, você encontrará almas cheias de luz e não apenas carcaças robotizadas e subtituladas a grupos sociais. Cada ser é único e cada ser tem a capacidade de nos trazer um aprendizado, uma lição ou uma benção.
Entregue-se ao desconhecido e você se surpreenderá. O novo pode nos transformar, pode nos acolher e mostrar como você estava se escondendo da vida, como você estava fugindo de si mesmo ao fugir dos outros.
Não diga não sobre o que parece estranho para você, experimente mudar, faça coisas novas sempre que as oportunidades aparecerem. Elas provavelmente o farão crescer e vão tirá-lo do comum.
A felicidade não tem um padrão, não tem uma fórmula para ser seguida, ela não é uma receitinha de bolo que fará você seguir passos como todos os outros. Ela é intuitiva, ela é um mistério que só você pode encontrar, e só você se arriscando e se aventurando a coisas novas e “estranhas” é que podem lhe mostrar o caminho.
Arrisque-se mais, abra a mente para novas ideias! O desconhecido pode ser incrível, se você deixá-lo vir até você!
Permita-se fazer algo novo a cada dia. Permita-se escutar sem criticar as diferentes opiniões das pessoas. Cada um é único e cada um pode lhe trazer algo positivo para transformá-lo e fazê-lo ter outra percepção da realidade.
Se não houvesse as diferenças, tudo seria muito fácil, mas a vida não é para ser fácil; mas ela pode ser simples, se você se der a permissão de encarar o novo e de aceitar as pessoas como elas são, aceitar a vida como ela é, sem controle, sem medo, apenas recebendo tudo que a vida oferece com gratidão e um coração cheio de amor para dar.

*Bruna Tonholli

quinta-feira, 1 de fevereiro de 2018

A vida é curta, viva o hoje

Eu só queria te dizer pra aproveitar melhor sua vida.
Cada pedacinho dela.
Dos grandes eventos às coisas pequenas do dia a dia.
Você precisa notar mais os detalhes, viver de verdade o momento.
Para de viver no automático.

Queria te dizer pra não perder tempo com o que não te faz bem.
Por que insiste nisso?
Por que gasta seu tempo, a coisa mais rara, a única que não volta, com o que te faz mal?
Você não deveria gastar seu tempo assim.
Prioriza melhor as coisas.

E queria dizer também pra não deixar passarem as oportunidades de ser feliz.

Porque hoje você vive como se fosse viver pra sempre.
E  prova isso em cada momento que você não vive ao máximo.
Em cada chance que você ignora, em cada vez que adia alguma coisa.
E em cada vez que você se fecha pra algo ou alguém.

Você tem que parar de viver como se tivesse todo tempo do mundo.
Você não tem!
Você pode não estar mais aqui amanhã.
As pessoas que você ama podem não estar mais aqui.
Então por que você depende tanto assim do amanhã?

Não chegue no final da vida com arrependimentos.
Não olhe pra trás se lamentando do que não fez, dos momentos que não viveu, das atitudes que não teve.
Não dê chance a esse gosto amargo na boca.
Viva da forma que seu eu do futuro tenha orgulho de quem você foi e de quem você é.
Chegue lá com ótimas histórias pra contar, com as lembranças mais gostosas.

Seja hoje a pessoa que você quer ser.
Corre atrás hoje do que você quer.
Planeja logo a viagem que você quer e não faz.
Manda logo a mensagem que você pensa e não manda.
Diz o “te amo” que você sente e não diz.

Você tem que dizer (e mostrar!) que ama todos os dias.
Dê um abraço forte em quem você tem carinho.

Vai chegar o dia que você não vai poder mais fazer essas coisas.
E a gente nunca sabe quando é esse dia, pode ser amanhã!
Não perca isso. Não deixa isso acontecer.
Seja feliz agora. Viva hoje.

A vida pode ser maravilhosa e cabê a você fazer com que seja.
Sem desculpas, sem adiamentos, sem justificativas, sem culpar outros.

Você é a única pessoa responsável pela sua felicidade.
Não está nos outros, está em você.
Viva mais, ame mais, seja mais.
Só depende de você, então vai lá.
Vai ser feliz hoje!
A vida é tão curta.
A vida é tão rara.
Não deixa seu tempo passar, não deixa a vida te levar.

*Hudson Baroni

Aprendi a não bater de frente com quem só entende o que lhe convém

Uma das coisas mais desagradáveis que ocorrem é sermos mal entendidos, quando o outro deturpa nossas palavras ou nossas atitudes, desconte...