sexta-feira, 30 de março de 2018

E essa foi a grande mensagem da Páscoa

Reflexão da Páscoa: Morte e Ressurreição, entender isso é o fim do sofrimento
Páscoa é momento de reflexão, de falar de um assunto que não agrada a ninguém: a MORTE. Mas por que é um tema tão assustador se através dela Jesus anunciou a RESSURREIÇÃO?
Na sua visão, o que será de nós quando morrermos? Será que não seremos nada, do pó viemos e ao pó retornaremos? Ou deixamos um corpo e após um tempo voltamos em outro corpo também mortal? Mas até quando? Ou você acha que o corpo se separa da alma e vai para o inferno ou paraíso dependendo das ações de cada um? Será que ficaremos sentados à direita de Deus Pai ou simplesmente nosso espírito vai entrar na presença Dele?
Nossa!!! Tantas dúvidas e questionamentos!
Seja como for é difícil imaginar qualquer cena menos esperançosa do que a visão triste de um enterro. Isso acontece porque vemos um ser formado por sistemas biológicos, carne, ossos e sangue, no qual o corpo é a única realidade que conseguimos enxergar. Sofremos porque não conseguimos contemplar um mundo à parte disso e vivemos o fantasma da morte constantemente, seja através do medo, da raiva, da falta de confiança, da preocupação excessiva.
Por que sofremos e tememos tanto a morte se além dela está a Vida Eterna?
Esse cenário apenas muda quando nos remetemos à ressurreição de Cristo. E nisso a Páscoa é maravilhosa!!! Ela nos ajuda a lembrar da nossa verdadeira natureza, que é eterna. A Páscoa nos ensina que, uma vez que Cristo foi ressuscitado entre os mortos, a morte não tem mais domínio sobre ele. Nos mostra que a morte é a maior de todas as ilusões que vivemos nesse mundo de imagens e aparências.
Mostra que aquilo que tem valor não se perde com a morte. O que importa continua ao seu alcance, pois é seu. E o que é seu se mantém após deixar o corpo físico.
Vou repetir: Tudo o que você conquistou no mundo e que a morte pode tirar de você NÃO É SEU. Porque o que é seu a morte não tira. Tudo o que é seu vai com você seja pra onde for. O que não vai com você não existe para o seu SER REAL.
Por que empreender tanto esforço naquilo que você vai perder quando morrer?
Por que você acha que isso merece tanto investimento e sacrifício se não há ganhos reais? Se você quer investir em você de fato, invista naquilo que transcende a morte.
Nascimento e morte dizem respeito apenas ao corpo, e dão origem à ilusão de que o nascimento e a morte se relacionam com o real Ser.
A primeira vinda de Cristo representa a criação, pois Jesus é o filho de Deus. A segunda vinda de Cristo é a ressurreição e traz consigo o anúncio da vida eterna. Peça e permita que Jesus trabalhe na sua mente, pois você ainda está confuso para descobrir que o verdadeiro significado da ressurreição é a imortalidade.
E essa foi a grande mensagem da Páscoa.
Quando Jesus “morreu crucificado”, ele voltou mostrando que apesar de tudo o que aconteceu com ele, todo aquele calvário, ele estava VIVO. Jesus teve danos irreparáveis em seu corpo mas ele voltou e mostrou que ele vive. Ele mostrou e disse isso em palavras. “Porque eu vivo, vós também vivereis.” João 14:19

*Elaine Silveira


quinta-feira, 29 de março de 2018

Quantas vezes pensamos ser o fim, mas Deus nos mostra que é apenas um novo começo…

Lembra-se de quantas vezes você pensou que fosse o fim, mas Deus lhe mostrou que era apenas um novo começo?
Você se lembra de quando pensou que não ia passar por aquelas dificuldades? Tudo parecia impossível, a dor o consumia, a desesperança batia à sua porta. Parecia ser o fim, mas você deixou que sua fé fosse maior do que os seus problemas, e foi aí que você passou a ter novos horizontes. Percebeu que, de fato, tudo passa e que aqueles dias difíceis eram apenas a prova final que o levaria a um novo patamar.
Deus testa se estamos preparados para “passar de fase” e, quando nos encontra capazes, com a nossa fé maior do que os obstáculos, Ele nos mostra que certas situações não são o fim, mas apenas um novo começo.
A vida é assim, imediatista: os problemas nos pegam de surpresa, as dificuldades vêm quando menos esperamos e as dores sempre surgem, mas, se confiamos em Deus, nada é o suficiente para nos fazer desistir.
Ele silencia os nossos problemas, nos faz fortes para vencer as nossas dificuldades e arranca as nossas dores com as Suas próprias mãos. Deus é o socorro, sempre presente, daqueles que n’Ele acreditam.
Às vezes, os sofrimentos são a melhor prova de amor que podemos dar a Deus. Quando somos postos à prova é que mostramos o que temos dentro de nós: se o que tivermos em nosso interior for a fé inabalável, tudo servirá apenas para nos fortificar e fortalecer ainda mais a nossa crença nos caminhos de Deus, mas, se não, a alternativa das pessoas é se distanciar de Deus e culpá-lo pelo sofrimento que estão passando. E essa segunda alternativa é a prova de que certas pessoas só pregam a crença no Senhor quando tudo vai bem e isso é sinônimo de ingratidão.
Deus é amor, mas não pode ser culpado por todas as dores que o homem causa na terra, o livre-arbítrio dos homens O impede que faça do mundo apenas aquilo que traz felicidade.
Por isso, independente de todos os problemas e dificuldades que surgem no meu caminho, eu nunca perco a fé que tenho dentro de mim porque é ela quem me sustenta em todos os momentos da minha vida, principalmente nos mais difíceis nos quais o meu consolo sempre é Deus.
Devemos ser pessoas plenas de tudo aquilo que nos sustenta: cheios de fé e de confiança em Deus, porque só Ele pode nos mostrar que tudo pelo qual passamos é uma lição.
Tudo nos traz aprendizados e Deus é o mestre em nos ensinar. Com Suas lições aprendemos a confiar n’Ele; aprendemos que enfrentar certas situações é provar que elas nunca serão maiores do que o nosso Deus; aprendemos que não importa as nossas fraquezas porque, quando cremos em Deus, Ele é a nossa força.
Deus ensina a todo aquele que tem a paciência de escutá-lo, a fé de acreditar no que ouve e a alegria em saber que temos ao nosso lado todo poderoso, Aquele que nos sustenta sempre.

*Patrícia Regina de Souza


quarta-feira, 28 de março de 2018

Nada que começa com um “vamos dar um tempo” pode dar certo

No termo técnico, “stand by” significa deixar um aparelho ser movido com pouca energia, mas não desligá-lo totalmente. Isso permite que, a qualquer momento, você pode ligá-lo rapidamente, sem precisar esperar o carregamento dos servidores de energia. Quando trazemos o termo “stand by” para os relacionamentos, a definição não é tão boa assim.

Provavelmente, se me pedissem um conselho no meio da rua sobre o tema, eu diria que essa conversa de “dar um tempo” é a maior palhaçada que existe, mas, nos textos, a mensagem deve ser mais leve. Então, que assim seja.

Sejamos realistas: essa história de “dar um tempo” no relacionamento não existe. Na verdade, os adeptos da situação, são pessoas convenientes que preferem deixar o parceiro à espera da sua decisão, enquanto aproveitam o melhor da vida de solteiro. E, o pior é que, a sociedade, parece encarar como normal essa atitude e denomina o famoso “tempo”, como um “suspiro de vida” para o relacionamento”.

Não me leve a mal, mas na vida, há verdades que precisam ser ditas e “toda vez que alguém quiser deixar o relacionamento em stand by, está na hora de seguir sozinho” é uma delas.

Atualmente o “vamos dar um tempo” está modernizado. Disfarçado de “não sei o que estou sentindo” ou “preciso colocar na balança o que sinto”, acorrenta vítimas e deixa presas pessoas maravilhosas que deveriam estar livres para amar.

Pela razão “tempo” é a única coisa que não deveria ser pedido, nem deveria ser dado, até porque, não o temos. Ninguém sabe o amanha. A vida acontece hoje! Mas, os audaciosos de plantão trabalham com o tema como se fossem donos dele.

Pare de carregar culpas que não são suas. O fato do relacionamento não estar dando certo, nem sempre tem motivos palpáveis. O problema não é você, são as migalhas que você aceita. Não é ser tratada como segunda opção, é aceitar isso. Está na hora de entender que há coisas que valem a pena e coisas que não. Perder a própria paz esperando o outro decidir o rumo do relacionamento é, no mínimo, loucura.

Amar é transbordar. É querer estar perto. É, como dizia Antonie de Saint- Exupéry, “olhar juntos na mesma direção”. Quando o amor não acontece em toda a sua totalidade, não merece continuar. Entenda que é melhor investir tempo se curando, do que perder tempo de iludindo.

*Por Pamela Camocardi

terça-feira, 27 de março de 2018

De vez em quando um “deixa pra lá” faz milagres, e nos liberta a prosseguir

Faço o tipo certinha. Preocupada em não levantar polêmicas, me desviar de discussões acaloradas e tentar não desagradar ninguém. Prefiro o comodismo da imparcialidade à agitação do enfrentamento. Troco a necessidade de ter razão pela minha paz, e evito ao máximo me expor de forma que possa me arrepender depois. Porém, todo comportamento tem um preço. E o ônus de ser tão ajustada é sofrer quando alguma coisa sai dos eixos, e não ter a ginga necessária para sair ilesa de situações inesperadas, que invariavelmente ocorrerão.

Como boas meninas e bons meninos, fomos educados a não responder, a sermos cordiais e obedientes, a aceitar as frustrações com resignação, a controlar nosso gênio indomável, a engolir sapos e abrir mão de nossas indignações. Ninguém nos ensinou a chutar o pau da barraca, a dar de ombros, a tapar os ouvidos e exorcizar nossos incômodos. Porém, de vez em quando é necessário. De vez em quando um “deixa pra lá” faz milagres, e nos liberta a prosseguir.

Dia desses me deparei com uma música ótima da Lily Allen e não me contive. Dancei no mais alto som dentro do meu quarto, como não fazia há tempos. De porta fechada, cantei o refrão com vontade, dando um “deixa pra lá” a tudo o que ainda me afeta de forma desproporcional. Pra uma pessoa certinha como eu, foi uma libertação. A música, intitulada “Fuck you”, (com o perdão da palavra), foi feita para o ex presidente dos Estados Unidos, George W Bush; mas Lily incentiva a todos a entrarem no clima, como uma catarse. Juro que me senti mais leve; cantando, dançando, gesticulando e pensando em tudo aquilo que eu queria deixar pra trás.

Tudo tem um limite. E de repente, num dia qualquer, você acorda e se pergunta porque ainda dá tanta importância àquilo que te magoou, oprimiu ou te prende a um passado que não existe mais. Você começa a questionar as razões de ser tão perversa consigo mesma; de deixar que bobagens tão pequenas lhe tirem a leveza; de autorizar que minúsculos acidentes lhe desviem do curso perfeito de sua vida.

É preciso redimensionar os fatos. Parar de fazer “tempestade em copo d’água” por pouca coisa e tratar de atribuir menor significado aos acontecimentos ruins. Se fulano não te quis e isso está te dilacerando por dentro, comece a prestar atenção ao valor que você está dando a ele. Será que ele é tanta areia assim? Será que você não está supervalorizando alguém que não vale nenhuma lágrima sua? Será que não é hora de deixar pra lá? Simplesmente deixar pra lá?

Somente quando nos permitimos “deixar pra lá”, percebemos nossa força, nossa própria luz, nossa confiança e capacidade de superação. Descobrimos, com uma ponta de admiração, que sobrevivemos, que esquecemos, que seguimos adiante.

O problema é que muitas vezes nos apegamos às dores, mágoas, tristezas e traumas, como se isso desse significado a nossa vida. Planejamos pequenas vingancinhas, desejamos estar fortes para revidar, amarguramos palavras não ditas e cultivamos ressentimentos sem nos dar conta que o lado bom da vida só vai ter espaço em nossos dias se a gente deixar. Se a gente conseguir “deixar pra lá”, mandar tudo “praquele lugar”, dançar até ficar sem folego e enfim desapegar.

Quero ter ginga e jogo de cintura para sair ilesa dos pequenos arranhões da vida. Quero aprender a rir das pequenas peças que o destino me pregar e conseguir ter molejo diante das travessuras da existência. Quero valorizar o que merece ser reverenciado e conseguir dar um basta ao que me aprisiona, magoa ou fere. Que minha busca por leveza me liberte dos antigos nós e que, cheia de bom humor e renovada coragem, eu possa chutar o pau da barraca, dançar de olhos fechados, e finalmente repetir em alto e bom som o refrão de Lily Allen que diz: “Fuck you”…

*Por Fabíola Simões

segunda-feira, 26 de março de 2018

Nada é permanente, as despedidas são necessárias. Outros passageiros virão…

Nada é permanente, mas aprendemos que as despedidas são necessárias, outros passageiros virão através de algumas saídas…
Toda morte súbita nos traz choque, principalmente quando existe envolvimento, quando é um ente da família, alguém do nosso círculo de amigos, seja próximo ou até não.
A tristeza é lenta. Imagine para quem ainda ama, uma dor que por vezes parece não ter fim. Por que não fomos preparados para nos despedir? Por que se foi assim? Que injusto? Quanta covardia!
E agora, como seguir adiante sem a presença de uma pessoa tão especial?
As lembranças. As memórias dos momentos juntos…
O Luto, parece não ter fim. Noites interrompidas, desejo que tudo seja apenas um grande sonho ou um engano. Pensa se pudessem voltar os momentos, como poderia ter sido diferente, ter feito algo para ele ou ela não morrer, ou ter sido uma pessoa melhor em sua permanência, o último café, sorrisos, conversa, abraço!
As vezes que falou algo por ter desejado apenas o melhor e faria mais, muito mais se recebesse mais. E agora, tudo acabou, não importa mais, não adianta mais.
A vida é breve, amigos! O amor é a única coisa mais linda desse mundo, não levamos mais nada.
 Por isso aproveite tudo da melhor forma, aja corretamente com o próximo, não espere nada em troca. Passamos por momentos de fragilidades e, às vezes, contamos com a ajuda do outro, esperando demais, mas tudo passa e crescemos, nos fortalecemos e a jornada é individual, somente compartilhada para aprendermos mais.
Melhor do que uma partida súbita é a convivência, os momentos vividos honestamente. Fale o quanto ama, diga o que sente, faça o que puder em vida, depois é tarde. 
As verdades machucam, porém, são as que curam, reparam e, talvez, preparem, não pense somente em você.
Esperamos que seja feito o que fizemos ao outro, e não sabemos o dia de amanhã. Deixamos assim de fazer o que realmente podemos fazer e ser o de melhor hoje, por vivermos na mesquinhez, no pouco da nossa infinita individualidade. Amanhã você pode não estar vivo ou, então, receber a notícia de que ele ou ela não está mais presente.
E nunca mais estará, pois o tempo é esse. Nada é permanente, mas aprendemos que as despedidas são necessárias, outros passageiros virão através de algumas saídas.
Aquele lugar ou pessoa terá por um tempo uma ocupação grandiosa no coração, porém o universo, Deus ou a sua fé, seja em que acreditar, trará o conforto e tudo aquilo que você vibrou de melhor para nascer algo que sane este espaço.
Apenas agradeça a oportunidade que lhe foi dada pelo aprendizado de conhecer uma pessoa especial. Ore e deixe-o (a) ir… e aproveite quem está vivo e presente ao seu lado.  

*Dhaniella Stella

sexta-feira, 23 de março de 2018

Não é a sorte que abre portas. É a gratidão!

Gratidão é um substantivo feminino que tem seu significado definido mais por ações do que por palavras. Shakespeare dizia que “a gratidão é o único tesouro dos humildes” e, convenhamos, o escritor estava certo.

Ser grato é diferente de ser agradecido. Pessoas gratas reconhecem a beleza e a importância dos detalhes. São doces, guerreiras, simples e fazem de cada conquista um motivo especial de comemoração. Já as pessoas agradecidas apenas reconhecem um bem recebido e não veem nos detalhes a beleza da vida.

Diferente do que as pessoas pensam, a gratidão é um exercício diário que deve ser realizado com muita disciplina. Não é fácil ser grato na dor, no término de um relacionamento, nem na perda de quem se ama, mas, acredite, é possível. O filósofo André Comte-Sponville dizia que “a gratidão é a mais agradável das virtudes; não é, no entanto, a mais fácil” .

Por não ter uma prática fácil, muitas vezes, muitos preferem deixar de lado a gratidão e fazer da própria vida uma rotina de pequenas reclamações. A chuva que caiu na hora errada, a balança que insiste no peso exagerado e o relacionamento que “nunca” dá certo são alguns dos motivos que viciem pessoas inteligentes em ingratidão eterna.

O viciado em infelicidade coloca-se como vítima de todas as situações. Não enxerga beleza na rotina, alegria na saúde, nem felicidade no relacionamento. Além de se julgar autossuficiente e capaz de decidir o destino de todos. Em outras palavras: pessoas ingratas são chatas demais!

Exercitar a gratidão não é clichê. Ser grato é ser capaz de ver além das aparências, de ter fé quando tudo diz não e ser feliz com o que a vida nos dá. Ser grato, meu caro, é a forma mais pura de oração.

Pouco importa se você vive na igreja, mas reclama de tudo. Se tem o salário dos sonhos, mas não sabe administrá-lo. Se tem uma saúde de ferro, mas reclamar de ir à padaria a pé. A gratidão é mais sobre as atitudes que você toma do que sobre as orações que faz.

A gratidão é a mola que impulsiona a vida. É através dela que os milagres acontecem, que o amor prevalece e que os sonhos se realizam. Portanto, é preciso aprender a agradecer mais do que pedir. É preciso agradecer pela vida, pela família, pela prosperidade, pelas amizades perdidas, pelos foras recebidos e, até, pelas traições. Afinal, a gente precisa desses tapas na cara para dar valor ao que realmente importa.

*Pamela Camocardi

quinta-feira, 22 de março de 2018

Pare de carregar culpas que não são suas

Vamos admitir logo de cara: assumir os próprios erros é um ato de coragem, mas carregar culpas que não são suas, um ato de desequilíbrio.

Por mais bem intencionado que alguém seja, algumas relações não foram feitas para durar. Elas passam por nossas vidas apenas para nos ensinar que alguns sentimentos não valem a pena. Trata-se, nesses casos, da oferta do conhecimento empírico, de um jeito nada convencional.

Assumir falhas, terminar relacionamentos e colocar um ponto final em situações abusivas deveriam ser encaradas como naturais. O que não significa ser algo fácil de ser realizado, já que a prática, nem sempre, está associada ao discurso.

Somos orgulhosos por natureza e medrosos por opção. Por medo da solidão, frequentemente causamos danos à própria alma e perdemos a noção dos próprios limites, do respeito mútuo e do amor recíproco. Achamos melhor carregar fardos de culpas desnecessárias do que encaramos um fim de relacionamento. O problema é quem com isso, nos distanciamos da própria personalidade e comprometemos a própria felicidade.

Encare a verdade: há situações que não há culpados e a solução de todos os problemas não está em suas mãos. Então, apenas relaxe e deixe as coisas acontecerem. O fato do relacionamento não ter dado certo, do seu melhor amigo se afastar ou de você ter sido traído, não deveria te abalar. As atitudes revelam o comportamento de quem as cometem e não de quem as sofre.

Não será pela sua aparência, nem por algo que você disse que fará alguém te trair ou se afastar de você. As pessoas agem conforme o próprio interesse e algumas coisas não acontecem porque, simplesmente, não eram para ser.

Para sermos, verdadeiramente, felizes precisamos encarar os erros como aprendizagens e não como uma condenação de infelicidade eterna. Viver a traição, o término ou a decepção como experiências é ter a oportunidade ser feliz sem traumas. É ter autonomia para decidir o que queremos, e o que não, para a própria vida. É entender que bagagem pesada a gente leva na viagem, não na vida.

Por hoje, apenas relaxe. Peso não é interessante nem no corpo, imagine na alma.

*Pamela Camocardi

quarta-feira, 21 de março de 2018

Te escolhi porque você é a resposta mais linda e exata das minhas orações…

Eu escolhi você, porque, desde quando entrou na minha vida, o meu mundo em preto e branco tomou cor. Eu escolhi você, porque meus domingos à tarde deixaram de ser tediosos e eu passei a gostar de ficar no sábado à noite em casa com o meu pijama velho, vendo um filme qualquer ao seu lado

Eu escolhi você, porque eu aprendi que posso ser muito e que melhorar algumas coisas em nós é preciso e faz parte do nosso crescimento. Eu, com você, sou mais. Eu, com você, sou soma e não divisão.

Eu escolhi você porque meu riso toma forma de amor e minha alma fica leve quando estou com você.
Eu te escolhi, porque meu primeiro e último pensamento do dia continua sendo você. Eu escolhi você, porque as despedidas, por mais simples que sejam, são sempre dolorosas e logo me sinto invadida pela tal da saudade.

Eu o escolhi, porque você é a primeira pessoa que eu procuro quando algo de bom me acontece, é a primeira pessoa que eu procuro quando não estou bem e preciso de um abraço, desses que sufocam a gente de tanto amor.

Escolhi você porque, mesmo depois de tanto tempo juntos, meu coração ainda acelera quando o vê e ainda fico ansiosa, com aquele friozinho na barriga, toda vez que sei que vou encontrá-lo.

Escolhi, porque você é a resposta mais linda e exata das minhas orações, todas as vezes em que eu achava não ter saída e pedia a Deus alguém para cuidar de mim e não das minhas dores. E então Deus cuidou das minhas feridas e preparou o meu coração para a sua chegada e, mesmo com todos os bloqueios e medos, eu fui cada vez mais me envolvendo nessa história. E então você veio e, em vez

de quebrar o meu coração, como já haviam feito antes, você quebrou as barreiras e bloqueios que eu mesma criara depois de tantas feridas. Você cuidou de mim todas as vezes em que fiquei doente, cuidou de mim quando eu queria desistir, você cuidou de me amar e de não perder o encanto nunca.

Eu escolhi você, porque, quando tento expressar o que sinto, as palavras engasgam, trombam e eu acabo não conseguindo definir o que sinto.

Escolhi, porque nunca ninguém me mostrou o quanto o amor pode ser bondoso e paciente, o quanto ele pode e deve não arder em ciúmes e que é preciso manter o respeito sempre. Eu escolhi você, porque seu sorriso ainda mexe comigo e o seu toque faz meu corpo balançar.

Eu escolhi você, porque amo andar de mãos dadas e amo os seus beijos na testa enquanto esperamos o elevador. Eu escolhi, porque ainda acho lindo o jeito que você me olha e porque seu abraço continua sendo o melhor do mundo, ele é o meu abrigo.

Eu escolhi você e continuarei o escolhendo todos os dias, porque, antes de escolher, Deus já o tinha escolhido pra mim. Ele pensou em cada detalhe, Ele pensou em cada ponto que eu precisava melhorar e em quem poderia me ajudar a me tornar uma pessoa melhor. Ele sabia quem iria me ensinar e também quem queria aprender. Ele sabia exatamente quem iria despertar meu riso solto e fazer meus olhos brilharem de tanto amor.

Ele sabia quem iria amar os meus exageros, quem não iria se importar com a minha risada escandalosa e quem iria me achar linda logo pela manhã. Ele sabia quem iria me admirar e sentir orgulho de cada conquista minha; quem iria aplaudir minhas vitórias e estar do meu lado nos fracassos. Ele sabia quem iria gostar do meu jeito desarrumado e desastrado de ser. Ele sabia quem iria transbordar, quem viria para somar e quem seria o melhor pra mim. Valeu a pena ter esperado, valeu a pena ter orado. Você é a minha melhor escolha.

Por Thamilly Rozendo

terça-feira, 20 de março de 2018

Confie desconfiando… Decepção só vem de quem menos esperamos.

Eu tenho um coração mole. Desses que apanham, mas não deixam de acreditar. Um coração capaz de desculpar, de relevar e sempre recomeçar. Geralmente, ele é equilibrado, mas eu confesso que me sinto ainda mais viva, quando ele acelera e consegue transformar a razão em emoção.

Eu não sabia que uma paixão poderia mudar completamente o meu comportamento e pensamento. O que eu vou contar nesse texto, não tem absolutamente nenhuma relação com ingenuidade. Muito pelo contrário, são através das experiências, positivas ou negativas, que adquirimos maturidade. E, assim, como todo ser humano, eu tenho as minhas falhas, deslizes, erros e acertos.

Com o passar do tempo, estou apenas estipulando prioridades e, sinceramente, encontrar o amor da minha vida tornou-se o último item da minha lista. É triste olhar para o lado e perceber, aliás, enxergar com os próprios olhos que o egoísmo está sendo predominante nos relacionamentos amorosos. O próprio umbigo tornou-se o centro da covardia. Portanto, o que o outro sente, não tem valor ou reconhecimento.

Não é questão de sorte ou azar, mas sim, de muita gente procurando algo qualquer, sem saber o que realmente buscam para si. Quando encontram e a carência se faz presente, tudo serve. Mas convenhamos, que forçar a barra não é saudável. Portanto, saiba os seus limites e, dessa forma, encontre alguém que se encaixe e faça morada na sua vida.

Quem muito quebrou a cara, dificilmente segue com os padrões originais de fábrica. Um coração partido não se reconstrói. Perder a confiança é alimentar-se de paranóias. Mentiras, quando descobertas, são verdades dolorosas. Omissão é antônimo da transparência. Segundas chances cabem aos corajosos. Desistência aos perdidos. O amor não é um jogo de vencedores ou perdedores.

Muito pelo contrário, o amor é um lugar seguro para os feridos. A decepção não mata, mas faz morrer sentimentos e crenças. Por vezes, depositamos em alguém a responsabilidade da nossa própria felicidade, mas devemos ter em mente que escolhas são renúncias. A sentença pode custar muito caro, invista em sorrisos.

Decepções nos revelam o que é ilusão ou realidade. Você aprende a não se decepcionar quando aceita as surpresas da vida. Quando liberta-se de expectativas, afinal, ninguém será exatamente do jeito que desejamos. Não espere consideração, reconhecimento ou que os outros façam o que você faria. Não queira nada em troca, faça para sentir-se bem e não para impressionar ou querer chamar atenção.

Por fim, compreenda que as pessoas não nos decepcionam, elas apenas oferecem o que são, de fato, para aqueles que aceitam merecer e se conformam com o recebido. Decepções são inevitáveis. A única coisa que mantemos sob controle, é a ilusão de que temos controle sobre alguma coisa. Liberte-se da consciência pesada e saiba que você nunca será bom o suficiente para todos, porém, será perfeito para aquela pessoa que te merece.

Estou me afastando de tudo o que me atrasa, me engana, me segura e me retém. Querendo ou não, eu sou assim: deposito confiança no incerto, mantenho a esperança no improvável, aposto em fraquezas. Acredito em amores inexistentes, em palavras que não fazem o menor sentido, em atitudes que nunca tomaram forma.

Eu fantasio coisas na minha cabeça, ilusões e mais ilusões, com intenção de fugir da realidade que me destrói, cada vez mais, todos os dias. Compreendi, então, que substituir pessoas que já me substituíram é uma forma de cautela, para nunca decepcionar alguém que faria de tudo por mim. Afinal, essa seria a maior burrice: encontrar alguém que valha a pena, e perder por não saber tomar decisões corretas.

Quando eu comecei a escrever, afirmei que encontrar alguém não estava nas minhas prioridades. Mas agora percebo que, não importa o que aconteça, nos imprevistos, altos e baixos que passei até chegar aqui, eu nunca deixei de acreditar no amor e nos seus infinitos benefícios.

Pense bem antes de agir, só isso…

A dor que hoje me machuca, é a mesma que amanhã me ensina e fortalece.

*Jéssica Pellegrini

segunda-feira, 19 de março de 2018

Eu aprendi que Deus não tira nada de nós, pois Ele não nos presenteia com coisas passageiras…

Eu aprendi que Deus não tira nada de nós, porque ele não nos presenteia com coisas passageiras. Tudo que vem d’Ele é verdadeiro e dura para sempre. Deus tem um propósito para tudo e para todos e devemos apenas confiar.
Ele não nos engana com ilusões passageiras, porque a verdade que há em Deus e nas coisas que nos dá é a única e não tem nenhuma linha ou face de mentira ou ilusão.
Por isso, Deus não tira algo de nós para nos dar algo melhor, porque, na verdade, Ele só nos dá o que é o melhor, aquilo que nos arranca sorrisos e suspiros e não aquilo que nos faz sofrer e derramar lágrimas.
Deus não nos quer ver tristes e por isso não coloca em nosso caminho o que nos faz sofrer. Se algo saiu da nossa vida é porque nós fizemos entrar à força, somos nós quem plantamos certas coisas em nosso destino porque queríamos aquilo e não nos importamos com a voz de Deus nos mostrando que aquilo não era para nós.
Então, se perdemos algo, não devemos culpar a Deus, Ele não tem nada a ver com isso. Se tiver um culpado na história, esse alguém somos nós mesmos.
Quando aprendemos a confiar em Deus, Ele nos ensina que não precisamos nos precipitar em nada porque, no tempo certo, ele coloca cada coisa em seu lugar e tudo o que for para ser nosso, Ele, gentilmente, coloca em nossas mãos.
Existem certas coisas que Deus planta em nossa vida e pode ser que as percamos porque elas cumpriram o seu papel e voaram para outra missão, mas tenha a certeza de que isso não fará com que elas saiam do nosso coração e nele durarão para sempre.
Mesmo que certas coisas estejam ausentes fisicamente, elas estão guardadas na nossa alma e mais do que vivas em nosso interior. Por isso, não devemos reclamar e nem questionar os caminhos que seguiram.
Deus tem um propósito para tudo e para todos e devemos apenas confiar.

O grande segredo dos que têm sucesso é que depositam a sua confiança em Deus, pois não existem batalhas que Ele perca. Por isso, todos os dias em minhas orações, eu entrego a minha vida a Deus e a Ele confio os meus caminhos, porque sei que, agindo por mim, não poderei chegar ao caminho certo, mas confiando em Deus, sei que ele me mostrará os caminhos que eu devo seguir.
Ando mais paciente e calma, aguardando os planos de Deus para a minha vida, projeto os meus sonhos e luto por eles, mas aguardo a concretização deles no tempo certo segundo a vontade de Deus.
Sei que é melhor esperar um pouco por algo que seja duradouro, permanente e que me traga felicidade, do que me precipitar e plantar em minha vida certos espinhos que me trarão sofrimento.
Por isso, se me perguntarem qual é o grande segredo para que as coisas aconteçam e deem certo na minha vida, simplesmente respondo que o grande segredo é a fé e a luta e, para além disso, a confiança em Deus e a certeza de que tudo que vem d’Ele permanece.
Não me cansarei de esperar pelo que é verdadeiro, aquilo que Ele plantará em minha vida…

*Patrícia Regina de Souza

quinta-feira, 15 de março de 2018

TEM GENTE QUE É TÃO POBRE, QUE SÓ TEM DINHEIRO

Hoje, em época de valores invertidos, o status conferido à riqueza material é um chamariz que promove a ostentação desmedida e a busca pelo sucesso a qualquer preço. Na ânsia de transparecer posses monetárias, perdem-se, em muito, os traços de humanidade de que deveriam se revestir as atitudes e comportamentos em sociedade. Confunde-se, assim, posses com virtude, salário alto com realização pessoal, conforto material com felicidade plena, o que nem sempre corresponde à realidade dos fatos.

Rico é quem faz aquilo de que gosta, sentindo-se realizado ao trabalhar e tendo certeza de que o que produz é útil não somente a si mesmo. Quem acorda feliz por ter o emprego em que as horas não se arrastarão, quem sente prazer com aquilo que faz. Pobre é quem trabalha com cara amarrada, sem olhar para o lado, sem saber o nome de ninguém das mesas ao lado, por maior que sejam os seus proventos.

Rico é quem está junto à pessoa que ama, sentindo-se amado todos os dias, sorrindo ao olhar nos olhos do amor de sua vida, sempre encontrando as mãos certas para entrelaçar as suas. Quem valoriza e é valorizado pelo companheiro, quem encontra em casa o bálsamo diário às atribulações que a vida traz. Pobre é quem conquista alguém em razão de sua conta bancária, tendo que sustentar aparências pelo resto de seus dias.

Rico é quem tem ao menos um amigo com quem possa contar, alguém que jamais se negará a ajudar, a escutar, apoiar, ou seja, um amigo de verdade. Quem também é esse amigo para o outro, dispondo-se sempre a acolher junto a si tudo a pessoa traz, aconselhando, compartilhando alegrias que se multiplicam e tristezas que se tronam então mais leves. Pobre é quem vive rodeado de pessoas interesseiras e vazias, com quem não troca nada de útil.

Rico é quem consegue ser grato à vida, à família, aos amigos, quem valoriza o que já alcançou na vida, sem se comparar com ninguém. Quem leva a gratidão no coração, valorizando cada passo dado, a saúde, os amores em sua vida, de forma a bastar-se a si mesmo, sem ter tempo para invejar a vida alheia. Quem não tem tempo para prestar atenção naquilo que não lhe diz respeito, pois se encontra ocupado em ser e em fazer gente feliz. Pobre é quem tem tempo de sobra para deturpar a vida de todo mundo.

Rico é quem preza, acima de tudo, o amor por si mesmo e por quem caminha ali juntinho. Quem não se deixa abalar por miudezas, quem não sucumbe aos tombos, nem perde a fé e as esperanças que motivam a sua jornada. Quem emana energia positiva, pois sabe que devemos trocar positividade com gente do bem, afastando-nos de pessoas negativas e mesquinhas. Pobre é quem semeia o ódio e a desesperança.

Infelizmente, muitas amizades, casamentos e relacionamentos em geral vêm se pautando pela valorização dos bens e do que o outro possa oferecer em troca em termos monetários. Na verdade, o que torna tudo melhor é o amor que carregamos enquanto vivemos e nos relacionamos, pois tudo o mais pouco durará, caso não seja construído sobre sentimentos verdadeiros. Porque será sempre o amor que nos sustentará e nos dará a força necessária ao ir em frente, mesmo que de ônibus, a pé, não importa. Quem ama e é amado, afinal, já encontrou o maior tesouro de sua vida.

*Prof. Marcel Camargo

quarta-feira, 14 de março de 2018

Quem espera uma vida fácil não precisa de um amor. Precisa ganhar na loteria

Amar dá o maior trabalho. E como qualquer outro ofício, às vezes significa sofrimento, sim! Porque por mais que você adore o que você faz ou com quem você está, sempre há de existir uma chateação ou duas na sua lida de um dia depois do outro

Cá entre nós, viver nunca foi a coisa mais fácil da vida. Há quem responda “é fácil, sim. A gente é que complica tudo!”. Concordo, mas mesmo tentando não complicar nada, ainda assim viver é coisa delicada. Quase sempre, exige de nós muito mais do que temos a dar no momento. E, vai entender, ainda assim viver é a melhor coisa da vida. A melhor e a mais difícil. Pronto.

Quando o caso é viver com amor, então, põe dificuldade nisso. Quem tem certeza de que o amor não dá trabalho, não requer esforço, que vem de graça e se não “fluir tranquilo” não é amor, como se esse “fluir tranquilo” fosse coisa parecida com um mar de benesses infinitas, uma vida de passeios no sol e carinhos pra lá e pra cá sem nenhuma aporrinhação, estudar matemática com uma criança de oito anos é uma boa chance de repensar essa convicção.

Se essa criança for o seu filho, o sujeito que você mais ama na vida, aí a prova é ainda mais contundente e irrefutável. Amar dá trabalho, sim!

Seu filho, que não gosta nem um pouco de somar, subtrair, multiplicar e dividir, pelo menos não tanto quanto ele adora os videogames, faz birra, corpo mole, resiste, grita, chora. Porque ele não quer estudar matemática no sábado e no domingo, mesmo sabendo que vai ter prova na semana. Cabe a você, que o ama, contornar essa resistência com todo amor do mundo, persistir e dar um jeito, estudar com ele, ficar perto, acompanhá-lo. Mesmo que a sua vontade às vezes, depois da segunda malcriação, seja tirá-lo da escola que custa uma fortuna e empregá-lo numa mina de carvão.

Porque você o ama, você persiste. Mas nem sempre é bom! Nem sempre é tranquilo.

Com os casais deve ser mais ou menos assim. Nem sempre é agradável passar o domingo na casa da sua sogra, ir ao aniversário da tia do seu namorado. Viajar à praia com a família inteira do seu marido. Nem sempre é bom. Mas são concessões que todos os amantes fazem.

Quem não está disposto a conceder, talvez não ame mais, ué. É muito simples. Nesse caso, abandonar o barco é o que de mais sincero se pode fazer. Há muito mais dignidade em deixar o seu parceiro ser amado por alguém com a disposição que você não tem do que infernizar a vida dele para sempre. Por outro lado, é muito mais honesto seguir em frente só do que passar os próprios sentimentos para trás.

Amar dá o maior trabalho. E como qualquer outro ofício, às vezes significa sofrimento, sim! Porque por mais que você adore o que você faz ou com quem você está, sempre há de existir uma chateação ou duas na sua lida de um dia depois do outro. Por mais que um professor idolatre suas próprias aulas, lá pelas tantas ele vai se aborrecer por corrigir tanta prova no fim de semana. E corrigir provas é inevitável para a qualidade do seu trabalho. Médicos, advogados, engenheiros, artistas. Nenhum deles está livre de aborrecimentos. Se quiserem continuar a exercer sua profissão, têm de encarar desgostos obrigatórios. Por mais que amem o que fazem, uma hora seu ofício vai trazer uma dose de sofrimento! Mais para uns, menos para outros. E para levar seu trabalho adiante é preciso empenho, labuta, dedicação. Isso tudo de quando em vez dá um cansaço enorme e uma dor nas costas insuportável.

O tamanho, a qualidade e a força do nosso amor deviam ser medidos, então, pela extensão da nossa boa vontade e da nossa disposição para, uma hora ou outra, sofrer.

Se ninguém é perfeito, logo o amor que nasce de cada um de nós também não há de ser. Essa ilusão da perfeição, da facilidade dos relacionamentos ideais só tem gerado frustração e nos transformado em preguiçosos amorosos, sentimentalóides reclamões e mal amados, sentados sobre a nossa pretensa perfeição inútil, esperando o amor incondicional do parceiro impecável, a família irretocável, o trabalho que só traz alegria e o filho que nunca faz malcriação.

Eu tenho a impressão de que a leveza divina dos nossos amores – seja o amor dos pais por seus filhos, o amor por um ofício, o amor entre casais ou o amor universal pelo próximo – essa leveza só vem acompanhada de muito trabalho pesado.

Amor, esse que chega e só fica quando a gente cuida, dá um trabalhão danado. Sejamos honestos com ele. E vamos ao trabalho, que amanhã tem sempre uma nova prova à espera.

* André J. Gomes

terça-feira, 13 de março de 2018

A PIOR SOLIDÃO É A QUE SENTIMOS QUANDO NÃO ESTAMOS SOZINHOS

Solidão é estar ao lado de quem não nos percebe, é passar o dia esperando em vão, olhar o horizonte e não vislumbrar novos caminhos. Solidão é tristeza, desamparo, é a falta do que temos sem possuir, do que se vê sem existir. Solidão é estar acompanhado por quem não está verdadeiramente junto.

A solidão tem muito mais relação com o tipo de companhia que nos acompanha do que com a ausência de alguém ao nosso lado. Podemos nos sentir solitários mesmo em meio a multidões, mesmo que estejamos com amigos à nossa volta, mesmo que tenhamos um companheiro vivendo conosco.

Isso porque as pessoas podem estar por perto, mas sem estar juntas de verdade; elas podem estar próximas fisicamente, porém distantes afetivamente. Isso é solidão do mesmo jeito.

Solidão é estar ao lado de quem não nos percebe, não nos valoriza, não conversa conosco nem se interessa de verdade pela nossa vida. É acordar esperando ao menos por um olhar, por uma palavra, por um convite; é sentir a frieza do vazio que nossas mãos encontram ao procurar pelas mãos de quem a gente ama sem ter retorno.

Solidão é passar o dia esperando, em vão, por uma mensagem de carinho e de consideração, um telefonema, um sinal afetivo, um carinho qualquer. É não receber nada em troca, enquanto se doa, enquanto se dedica, enquanto se entrega com inteireza e sinceridade, enquanto se cultiva o apego ao que fora prometido, às palavras e promessas ditas lá atrás ou ontem mesmo.

Solidão é olhar o horizonte e não vislumbrar novos caminhos, é sonhar com falsas esperanças, é agarrar-se a um passado que não teve futuro, é esperar cada amanhã com desesperança, tendo os olhos marejados enquanto se enxergam somente nãos. É manter expectativas insustentáveis, valer-se da utopia para poder sobreviver sem sucumbir ao desânimo e ao amargor da derrota, da falência dos sentimentos.

Solidão é ausentar-se de si mesmo, como que se afastando de tudo aquilo que fere, machuca, ressente, na tentativa de escapar de um vazio que sufoca e grita por atitudes e por mudanças que teimamos em evitar. É viver no passado que foi melhor e sobreviver de um futuro que não tem chances de se concretizar. Solidão é tristeza, desamparo, é a falta do que temos sem possuir, do que se vê sem existir.

Todos, portanto, temos que estar bem seguros quanto ao que queremos de nossas vidas, quanto ao tipo de amor e de amizades que nos fazem bem, para que não aceitemos migalhas de quem não está nem aí para nossos sentimentos. É difícil romper definitivamente com o que nos faz mal, porém, libertar-se do que é inútil e danoso será uma das melhores maneiras de se alcançar a felicidade completa e verdadeira que todos merecemos em vida, com ou sem alguém ao nosso lado. 

*Prof. Marcel Camargo

segunda-feira, 12 de março de 2018

O TEMPO COLOCA CADA REI NO SEU TRONO E CADA PALHAÇO NO SEU CIRCO

Caso estejamos seguros quanto ao que fazemos e a como agimos, caso tenhamos pautado nossas ações pela retidão e pela ética, obviamente colheremos bons frutos futuramente, pois uma coisa que a vida possui é gratidão.

Por mais que a vida nos prove que não existe mal que dure para sempre, tampouco caráter que não se desmascare ao longo dos dias, teimamos em focar nossa atenção somente no hoje, no agora, querendo que as coisas se resolvam para ontem, que as pessoas sejam conhecidas o mais rápido possível, que tudo se ajeite rapidamente.

E, enquanto ruminamos o que ainda não ocorreu, vamos perdendo chances preciosas de desfrutar tudo o que já é, já está, já acontece.

Em primeiro lugar, nem tudo aquilo em que acreditamos é real, é o correto, é o merecido. Nossas verdades não são absolutas, ou seja, poderemos estar criticando alguém através de suposições infundadas, bem como poderemos estar esperando acontecer alguma coisa que jamais terá condições de se concretizar. Nem sempre estaremos certos, nem sempre nossos julgamentos terão fundamento, nem sempre mereceremos obter o que pensamos ser nosso por sei lá qual direito.

Criamos expectativas muitas vezes inalcançáveis, à medida que não movemos uma palha para realizar nossos desejos, não saímos de nossa zona de conforto, nem oferecemos algo que possa vir a retornar algo em nosso favor. Nesses casos, muitos continuam agindo da mesma forma, esperando resultados novos; permanecem se sentindo injustiçados e inutilizados, sem nem ao menos tentar mostrar o potencial que pensam possuir.

Estamos tão presos ao que o outro tem, inebriados que somos pelos apelos midiáticos que atrelam o sucesso ao acúmulo de bens materiais, dissolvendo valores éticos em meio a valores de mercado, que mal olhamos para nós mesmos e ao que fazemos de nossas vidas. Esperar pelos ajustamentos que o tempo sempre traz não significa, portanto, que seremos agraciados caso não mereçamos, ou que o outro não receberá o que nós achamos que ele não mereça.

Caso estejamos seguros quanto ao que vimos fazendo, caso tenhamos pautado nossas ações pela retidão e pela ética, obviamente colheremos bons frutos futuramente, pois uma coisa que a vida possui é gratidão. Da mesma forma, todos aqueles que agirem de forma vil, semeando discórdia e vendavais, acabarão encontrando as consequências com as quais arcarão às duras penas. O tempo, a vida, o universo, tudo concorre ao ajustamento das ações e das omissões de cada um. E assistir a isso sempre será um prazer inenarrável.

*Prof. Marcel Camargo

sexta-feira, 9 de março de 2018

A VIDA SERIA MAIS SIMPLES SE AS PESSOAS NÃO VOMITASSEM FELICIDADE FALSA

Sim, a vida seria bem mais simples e espontânea se as pessoas não vomitassem felicidade falsa nem tentassem o tempo todo provar um equilíbrio que elas não têm. Ninguém acorda super bem todos os dias. Ninguém se sente disposto para uma cerveja depois do expediente todos os dias. Ás vezes a gente fica mal mesmo, lembra de um monte de fatos trash e quer chorar na cama que é lugar quente. Ás vezes as coisas não parecem fazer muito sentido e a gente quer ficar fechadinho dentro da gente mesmo.

A gente não é obrigado a ficar feliz e comemorar porque é Natal, réveillon ou dia dos namorados. A gente não precisa necessariamente sorrir e querer curtir porque faz sol, porque a gente está na praia ou porque disseram que a vida é simples e é o ser humano que complica.

A gente não precisa rejeitar a tristeza como se fosse uma doença pestilenta. Ela faz parte da vida como a alegria. Só precisamos tomar cuidado para não transformá-la em um hábito ou nos esconder atrás dela por medo de ser feliz ou ainda dar importância demais a problemas e principalmente à pessoas pequenas. Este é um exercício e tanto que pode levar anos ou a vida inteira. Mas me parece que vale a pena.

A vida seria mais simples se as pessoas fossem mais elas mesmas. Se elas olhassem nos olhos dos outros e falassem sobre seus problemas, seus medos. A vida seria mais simples se a gente não precisasse provar que é bem-sucedido o tempo todo. Seria mais simples se a gente pudesse gostar das pessoas independentemente da vida que elas levam. Se a gente pudesse dizer sem constrangimento algum que está se sentindo um monte de merda e que a vida pode ser bem complicada sim. Talvez, se admitíssemos mais o caos que é viver, não sofreríamos tanto. Talvez, se desfocássemos mais daquilo que dizem que é importante , mas que não faz sentido para nós, fôssemos mais bem sucedidos num sentido mais amplo.

Talvez se mostrássemos mais os nossos rostos demaquilados e nossas almas nuas, se não nos defendêssemos tanto uns dos outros, se não nos importássemos tanto em mostrar que somos melhores do que os outros, pudéssemos ser mais unidos, mais solidários, mais amados, mais amantes.

Se a gente entendesse que todo mundo está no mesmo barco…Rogo pelo dia em que as mulheres casadas se assumam sozinhas e mal amadas. Rogo pelo dia em que as mulheres solteiras confessem que uma companhia faz falta sim e que fazer tudo sozinha pode ser muito triste. Rogo pelo dia em que os homens tanto casados como solteiros afirmem com todas as letras que morrem de medo das mulheres e que nunca deixam de ser meninões. Rogo pelo dia em que as mães gritem desesperadas o quanto estão cansadas e as que não têm filhos lamentem esta lacuna em suas vidas. Que os crentes reclamem dos grilhões da fé e que os ateus lamentem não crer. Que todos se assumam meio perdidos, meio sozinhos nesta vida louca. Rogo para que as pessoas assumam como o passado é doloroso e o futuro incerto. E depois de tantas confissões acaloradas, que elas possam respirar fundo, sorrir umas para as outra e seguir em frente cheias de coragem. Que depois de tudo, a gente pudesse cantar juntos I will survive e nos sentir intimamente ligados ao outro por meio da nossa vulnerabilidade, por meio da nossa capacidade irrestrita e desgovernada de dar e receber amor.

*Sílvia Marques

quinta-feira, 8 de março de 2018

Tem gente que não acredita em muita coisa e acaba duvidando de si...

Tem gente que não acredita em muita coisa e acaba duvidando de si, tem gente que acredita no noticiário e em tudo que tá escrito ou é falado lá, mas desconfia da sua própria intuição

Dizem por aí que a felicidade é coisa difícil demais, que viver não está nada fácil, que o mundo parece que está chegando ao fim. Dizem que dinheiro não traz felicidade, que homem bom e mulher direita não se encontra em qualquer esquina e que é preciso estudar muito para ser alguém na vida.

Dizem que casamento tinha saído de moda, mas agora voltou e o legal é ficar casado a vida toda, algumas pessoas falam em equilíbrio, mas não conseguem manter seus pés na corda bamba e como gostam de dizer qualquer coisa, desconversam qualquer coisa sobre o tempo: será que chove hoje? Alguém diz que não e pronto, chegou no andar e um impulso do pensamento diz baixinho pra sua consciência: hoje não vamos falar sobre o tempo.

Se você prestar atenção, vai ouvir por aí, que o tempo tá voando e que todo mundo tá correndo pra algum lugar que ninguém sabe onde é, mas sabe-se que o tempo é consumido nessa correria e que no fim das contas, o lugar pra onde todo mundo vive correndo, é o mesmo pra todos. Dizem também que aquele sorriso meio amarelo que denota alegria na foto exposta em vitrines virtuais, está mentindo, assim como mente o amor que tem medo de partir e acaba ficando por não saber dizer a verdade.

Você pode ouvir por aí que tem gente demais tentando a vida dos sonhos e que gente sonhadora vive com a cabeça na lua, que não é real viver fazendo o que ama e sempre que alguém lhe oferecer o ombro pra um afago, é melhor você pensar bem se deve aceitar ou não, contato pessoal pode deixar resquícios de amor e isso pode gerar dor e sofrimento, porque dizem que amar é sinônimo de sofrer.

Algumas pessoas concordam que os amigos virtuais são mais interessantes e conversam com eles a distância de um clique enquanto deixam a mesa da cozinha vazia, ainda que rodeada de pessoas com mentes roubadas pelos cliques de curtidas que, dizem por aí, traz uma felicidade repentina carregada por algum hormônio.

Tem gente que não acredita em muita coisa e acaba duvidando de si, tem gente que acredita no noticiário e em tudo que tá escrito ou é falado lá, mas desconfia da sua própria intuição, acha que intuição é coisa de gente doida. Falta coerência e sobra ironia. Dizem que o filme é chato, que a comida é ruim, que o café tá muito forte, que bebida faz mal a saúde e que não há mais nada a ser feito quando a velhice chega.

Quando começamos a pensar, bem lá no fundo, a gente começa a entender que todo esse diz que diz não vale de nada, simplesmente porque não dá pra saber o que é de verdade, porque cada um carrega a sua, mas sempre tem alguém que acha que a sua verdade é bem mais verdadeira que a do outro.

E no meio disso tudo, tem gente que acaba esquecendo de viver o trajeto, não vive as flores, não sente o sol, não aprecia a chuva e nem agradece ao vento, não olha nem um segundo pra dentro de si, sua atenção está lá no topo da montanha com um diamante brilhando anunciando o futuro, e na verdade, a gente nem sabe se o futuro será o topo da montanha. E se a gente precisa de uma comparação como essa pra entender que a vida é muito mais a subida do que o topo, é porque ainda tem muita gente que precisa entender um bocado sobre a viagem. Mas esse assunto é pra outra história.

*Carol Daimond

quarta-feira, 7 de março de 2018

Sinto medo de te perder…

Eu sinto medo de te perder, sempre durante os finais de semana e feriados que nós simplesmente, pelo motivo que bem sabemos, não podemos estar juntos.
Sinto medo de te perder nas horas que ficamos sem nos falar nos dias da semana, e também na falta das suas ligações pela manhã.
Sinto medo de te perder todas as noites antes de dormir, por pensar que no dia seguinte você simplesmente pode não querer falar comigo, por algum motivo que eu desconheça, ou por algum acontecimento que eu nem se quer tenha conhecimento.
Sinto medo de te perder quando tenho tantas coisas para dizer, mas acabo não dizendo, porque você pode, de repente, interpretar de outra maneira.
Sinto medo de te perder, quando não posso estar ao seu lado quando precisa. Quando não posso cuidar de uma dor que esteja sentindo, quando não posso te por no meu colo, e, te fazer cafuné e também quando não posso apenas não fazer nada, com você.
Sinto medo que, mais ou menos dia, você deixe de notar quando não está tudo bem, pelo tom da minha voz. Medo de não ser mais o seu primeiro e último pensamento do dia.
Sinto medo de não ver mais o seu amor por mim quando me olha nos olhos. Me dá medo quando ouço algum “trocadilho” que despeje em mim a insegurança.
Sinto medo de não ser olhada por você do mesmo jeito sempre. Medo de não ouvir mais as pessoas dizerem como é nitido o amor que sente por mim, só pela maneira de me olhar quando estou distraída. E também como era possível sentir todo amor,carinho e cumplicidade que existe entre nós, só de estarmos perto um do outro.
Sinto medo por, ás vezes, me sentir tão insegura, me sentir por um fio. Não me entenda mal, não é que eu esteja paranóica, nem dependente de ti. Mas sabemos das turbulências que passamos. Apenas não quero que se perca de mim. Apenas não quero sentir que não sou mais tão importante assim para você. Não são bons esses medos todos, eu sei. E não gosto de senti-los. Mas, por favor, me entenda.
Eu só quero ter a certeza de que se uma tempestade vier, você não vai simplesmente, me deixar. Se os dias ficarem ruins, não vai fugir.
Quero ter a certeza de que não importa o que aconteça, não vai simplesmente, desistir. Que vai tentar consertar sempre. Que vai me dar as mãos quando me faltarem forças. Que vai continuar a cantar para mim e me fazer rir de pequenas bobagens. Que vai sempre me contar como foi o seu dia em detalhes e se preocupar com o que eu comi ou não. Que não será um incomodo se eu estiver quieta, mas que vai sempre tentar descobrir o motivo do meu silêncio.
Que você entenda que,ás vezes, eu só preciso de um carinho teu e que este pode vir através mesmo, de uma simples mensagem, uma palavra. Coisas pequenas, você sabe, não preciso de muito.
Que você tenha paciência com as minhas chatices, e aguente meus dias ruins, meus momentos de crise.
Que você saiba que tenho defeitos, mas que tento ser melhor possível por mim e por você.
Que não deixe de reparar em mim. Que não me queira longe. Que não deixe de se esforçar para podermos estar juntos. Já são muitas as coisas entre nós, mas que nada seja tão grande a ponto de desfazer o que temos.
Que não haja a necessidade de promessas, por tudo ser dito no silêncio de um olhar. Que não haja dúvidas. Que não deixe existir dúvidas. Que quando eu sentir tanto medo assim, você simplesmente, me ame mais. Que sua paciência seja grande. Seu tempo seja maior ao meu lado. Que seu carinho e cuidado se façam mais presente. E que saiba que, as vezes não gosto de te amar tanto assim. Mas que nunca vou deixar de amar. Que eu preciso sempre ouvir tuas histórias e tuas músicas preferidas. Que quero sempre poder te contar meus planos e meus pensamentos inúteis. Sabendo que vai sempre me escutar. Que eu espero sempre poder compartilhar com você minhas conquistas e chorar do outro lado do telefone se algo der errado, sem me envergonhar disso.
Quero que saiba sempre que é você a razão do brilho que vem da alma, e da alegria que me transborda. Não porque não haja ninguém melhor que você, mas porque não há, ninguém, que possa ao menos, se comparar a você.

*Aline Melhado

(“…Que eu saiba sempre, no fundo do meu coração. Que não importa o que cause nossa separação. Nós sempre acharemos um jeito de reatar…”).

terça-feira, 6 de março de 2018

Oração para superar momentos difíceis da vida

Quem nunca vivenciou momentos difíceis e desafiadores? Com certeza todos nós, em maior ou menor intensidade, passamos por alguma situação ruim.
Histórias e casos pesados, marcantes e constrangedores deixam marcas emocionais profundas. Esta carga emocional negativa pode provocar reações diferentes em cada pessoa.
Cada um rege sua dor de forma particular e geralmente negativa. São dores que chegam a alma, causam tristeza, provocam a perda da fé, causam desânimo e podem provocar doenças graves, como a depressão.
Corte o não de sua vida e pense que você pode fazer.
Muitas pessoas ficam descrentes na felicidade. Deixam de acreditar que a vida é bela. Fecham-se para as boas energias do universo. Ficam sérias, duras e se fecham para não sofrer novamente, perdendo a emoção. Quando isso acontece, a pessoa se fecha para a própria vida e dá as costas para o que o Universo quer mostrar de bom para ela.
Pessoas magoadas, com suas almas doentes e em sofrimento se fecham para a vida, perdem o poder se sorrir e passam a desacreditam no amor, perdendo a fé no amor do universo, do próximo e que cura. Quem chega a este ponto, deve tomar uma importante decisão: ou aceita a dor que sofre e procura ajuda para voltar a viver, ou sofre por ficar nas sombras assistindo a vida passar.
A decisão sobre o lado, escuro ou de luz, é de cada um. Muitos precisam de ajuda, que pode vir de um ombro amigo ou de um terapeuta.
Tem gente que precisa só de “15 minutos” de luto para chorar suas perdas e voltar a viver aos poucos com alegria. Eventualmente, lembranças da perda causarão dores, mas para estas pessoas a dor será superada e a vida será retomada com força total.
Faz parte do crescimento de qualquer pessoa a alegria, a perda, a vida e a morte. Enquanto você reflete sobre como superar as pedras de sua vida, deixo com você uma Oração para superar momentos difíceis.

Oração para superar momentos difíceis da vida

Santíssimo Deus, onipresença de força e misericórdia, ceda-me hoje a imensidão do Teu amor e a presença em cada passo da minha vida. Neste momento tão difícil que hoje enfrento, sei que conseguirei vencer as barreiras e seguir erguido na luta somente com Tua assistência.

Teu manto sagrado me acoberta e afasta de mim o medo da derrota e a dúvida da vitória. Que o espírito santo resplandeça dentro de mim, da mesma forma que resplandeceu o Teu amado filho Jesus Cristo na Terra. Permita-me sentir a Tua presença em mim para que, através da sua grandiosidade, eu consiga me alimentar da força de que tanto preciso hoje na minha vida.

O que mais lhe peço nesta oração é poder escutar a Tua voz através do meu coração, conduzindo-me nas melhores decisões que preciso tomar neste momento dífícil. A Tua palavra é arma, é poder e instrumento de conquista de milagres inimagináveis. Sei que a fé que eu tenho por Ti, amado pai, rompe barreiras e me faz a creditar que o melhor está por vir.

Meu pai, se eu cair, me apoie, me levante e me erga. Entrego a Ti todos os meus problemas e confiarei, pois somente com o Senhor sou capaz da vitória. Se eu estiver abatido, dê-me a dose maior do poder do Espírito Santo. Se eu estiver cansado, abrace-me e carregue-me no caminho mais difícil.
Quero experimentar a graça divina de que tanto desejo. Tu, meu Deus, que têm o poder sobre todas as coisas, liberta-me de todo o mal e renove em cada dia as minhas esperanças.
Meu pai, se eu cair, me apoie, me levante e me erga. Entrego a Ti todos os meus problemas e confiarei, pois somente com o Senhor sou capaz da vitória.

Supero este momento com a força do Salmo 91:

1. Aquele que habita no esconderijo do Altíssimo, à sombra do Onipotente descansará.
2. Direi do Senhor: Ele é o meu Deus, o meu refúgio, a minha fortaleza, e nele confiarei.
3. Porque ele te livrará do laço do passarinheiro, e da peste perniciosa.
4. Ele te cobrirá com as suas penas, e debaixo das suas asas te confiarás; a sua verdade será o teu escudo e broquel.
5. Não terás medo do terror de noite nem da seta que voa de dia,.
6. Nem da peste que anda na escuridão, nem da mortandade que assola ao meio-dia.
7. Mil cairão ao teu lado, e dez mil à tua direita, mas não chegará a ti.

Amém

*Franco Guizzetti 

segunda-feira, 5 de março de 2018

O tempo oferece soluções doces para nossos problemas mais amargos

O tempo nos ajuda a encontrar as melhores soluções para nossos problemas.
Quando enfrentamos dificuldades na vida, muitas vezes pensamos que não seremos fortes o suficiente para superá-las. No entanto, o tempo pode ser um grande aliado. Seguimos nossas vidas mesmo em meio às incertezas, e de repente, quando menos esperamos, as coisas começam a ir bem. Acordamos mais felizes e recuperamos o desejo de lutar por nossas vidas.
O tempo nos ajuda a encontrar as melhores soluções para nossos problemas. Depois de toda tempestade, sempre nasce um sol brilhante, e assim percebemos que o mais importante é vivermos no agora, sem pressa, e aproveitarmos tudo aquilo que a vida tem para nos oferecer.
As coisas boas podem demorar, mas sempre chegam
É importante aprendermos a esperar, porque as coisas nunca acontecem em nosso tempo. A paciência é uma virtude e seus frutos são doces.
Por mais que as coisas estejam parecendo ruins agora, e você não veja uma maneira de se libertar, espere. As melhores coisas da vida estão destinadas para aqueles que sabem esperar sem perder a fé.
As coisas que mais valem a pena na vida são aquelas pelas quais mais devemos esperar
Na vida temos que esperar o tempo certo para que o nosso objetivo seja alcançado. Todas as coisas que desejamos e pelas quais nos esforçamos acabam conquistando um espaço muito grande em nossa lista de objetivos e metas pessoais, seja um relacionamento, um trabalho, uma amizade, um bem material.
No entanto, quando não agimos com equilíbrio, podemos nos perder, transformando todas as nossas esperanças em escuridão.
Tudo está em constante transformação
Todas as coisas que queremos acabarão por se manifestar em nossas vidas de uma maneira ou de outra. Por isso, precisamos sempre nos lembrar de que tudo é temporário, inclusive nossas dores, não há nenhum mal que perdure para sempre.
As pessoas persistentes são aquelas que atingem seus objetivos exatamente porque entendem que a vida é feita de ciclos. No entanto, elas também sabem que precisamos controlar nossas expectativas.
Existem alguns exercícios que nos ajudam a gerir esse sentimento de urgência dentro de nós mesmos. Citamos alguns deles abaixo.
Trabalhar sua respiração de forma consciente, permitindo-se tempo para reflexão e alívio.
Identificar aquilo que mais desperta sua ansiedade e reorganizar sua vida de acordo com suas prioridades; aprendendo a controlar suas expectativas.
Refletir sobre o papel das expectativas em sua vida. Elas estão realmente ajudando ou apenas te deixando mais ansioso?
Praticar a aceitação. Nem sempre a vida agirá conforme nossa vontade, mas sempre nos oferecerá uma maneira de evoluir.
Aprenda a ser mais paciente e a confiar que o tempo o ajudará a lidar com seus problemas de uma maneira muito mais sábia e madura. Cultive suas esperanças e nunca deixe de acreditar na lei da vida, tudo está em constante transformação para o nosso bem maior.

*Luiza Fletcher

sexta-feira, 2 de março de 2018

Prossiga...

Conta-se que vários bichos decidiram fundar uma escola. Reuniram-se e começaram a escolher as disciplinas. O pássaro insistiu para que o vôo entrasse. O peixe, para que o nado fizesse parte do currículo também. A toupeira achou que cavar buracos era fundamental. O coelho queria de qualquer jeito a corrida. O esquilo achou que a subida perpendicular em árvores era fundamental. E assim foi...
Incluíram tudo, mas cometeram um grande erro. Insistiram para que todos os bichos praticassem todas as disciplinas. O coelho foi magnífico na corrida, ninguém corria como ele. Mas queriam ensiná-lo a voar. Colocaram-no numa árvore e disseram: - Voa, coelho! Ele saltou lá de cima e quebrou as pernas. Não aprendeu a voar e acabou sem poder correr também. O pássaro voava como nenhum outro, mas o obrigaram a cavar buracos como uma toupeira. Quebrou o bico e as asas, e depois não conseguia voar tão bem, nem cavar buracos.
Moral da história: Todos nós somos diferentes. Cada um tem uma coisa de bom. Não podemos forçar os outros a serem parecidos conosco. Desta forma, acabaremos fazendo com que eles sofram, e no final, não serão nem o que nós queríamos, nem o que eles eram em sua essência.
Pois no mundo dinâmico em que vivemos, cada vez mais temos a certeza de que não vivemos a era do “ou”, e sim do “e”. Não podemos permitir a radicalidade em nossos pensamentos e atitudes, “ou” isto “ou” aquilo. A filosofia do “e” agrega. Nos ensina a respeitar as diferenças, e como em uma orquestra, nos ensina que a diversidade e as diferenças é que fazem o conjunto ficar cada vez mais lindo. Se tivéssemos uma nota só, as músicas seriam entediantes. Assim é a vida... Podemos aprender com o exemplo dos bichos, com o exemplo natureza que nos proporciona a cada entrada de estação uma beleza indescritível. Ora sentimos a luminosidade intensa do sol com o seu calor que nos aquece, ora sentimos o frescor do outono que chega de mansinho, ora sentimos o frio do inverno que nos faz aconchegar, ora sentimos o desabrochar da primavera que vem colorir as nossas vidas e mostrar que a vida é viver e nascer todo dia um pouquinho... Concluindo, podemos aprender pelo amor ou pela dor. Porém, a beleza está em apreciar a caminhada nos espinhos e nas flores... Porque por maior que seja a nossa caminhada, ela começa sempre com um primeiro passo... Existem pessoas que se habituam a planejar, projetar mil idéias e, no entanto, nada sai do campo das intenções. Em suas mentes os planos mais mirabolantes são possíveis, e os projetos mais complicados são factíveis, desde que outros os assumam.
São pessoas que se esquecem que, se planejar é indispensável para o bom andamento e provável sucesso da empreitada, nada se concretizará de fato, se não derem o primeiro passo. Por mais difícil que possa parecer inicialmente a realização de um projeto, de um desejo, de um plano, somente após ter dado o primeiro passo em sua direção é que podemos realmente avaliar sua viabilidade. Há uma certa distância entre o pensar e o fazer, embora estejam interligados e um dependa do outro. O primeiro passo implica certamente um risco, mas sem ele nada poderá ser realmente levado adiante.
Às vezes, as pessoas que são criticadas são as que mais tentam fazer algo construtivo em suas vidas. Espanta-me como as pessoas que não fazem nada querem criticar aqueles que tentam fazer alguma coisa. Depois de muitos anos sofrendo com as críticas das pessoas e tentar ganhar a sua aprovação, eu finalmente decidi que, se minha consciência está em paz comigo, isto é suficiente. Cada vez que alguém critica você, tente fazer uma afirmação positiva sobre si mesmo e para si mesmo. Não fique perto e absorva tudo que alguém queira despejar sobre você. Estabeleça a independência! Tenha sua própria atitude sobre si mesmo e não seja derrotado pela crítica. Winston Churchill foi primeiro-ministro britânico por duas vezes (1940-45 e 1951-55). Orador e estadista notável, ele também foi oficial no Exército Britânico, historiador, escritor e artista. É o único primeiro-ministro britânico a ter recebido o Prêmio Nobel de Literatura e a cidadania honorária dos Estados Unidos. Certa feita freqüentou uma cerimônia oficial. Várias filas atrás dele dois senhores começaram a murmurar. “Eles dizem que Churchill está ficando velho.” “Eles dizem que ele deveria se afastar e deixar o funcionamento da nação aos homens mais dinâmicos e capazes.” Quando a cerimônia terminou, Churchill voltou-se para os homens e disse: “Senhores, eles também dizem que ele é surdo!” Portanto, Prossiga. Por mais que lhe falem de tristeza... prossiga sorrindo! Por mais que lhe demonstrem rancor... prossiga perdoando! Por mais que lhe tragam decepções... prossiga confiando! Por mais que lhe ameacem de fracasso... prossiga apostando na vitória! Por mais que lhe apontem erros... prossiga com os seus acertos! Por mais que discursem sobre a ingratidão... prossiga ajudando! Por mais que noticiem a miséria... prossiga crendo na prosperidade! Por mais que lhe mostrem destruições... prossiga na construção! Por mais que acenem doenças... prossiga vibrando saúde! Por mais que exibam ignorância... prossiga exercitando sua inteligência! Por mais que o assustem com a velhice... prossiga sentindo-se jovem! Por mais que plantem o mal... prossiga semeando o bem! Por mais que sua luta seja grande... DEUS é maior!

Com afeto,

*Beth Landim

Aprendi a não bater de frente com quem só entende o que lhe convém

Uma das coisas mais desagradáveis que ocorrem é sermos mal entendidos, quando o outro deturpa nossas palavras ou nossas atitudes, desconte...