sexta-feira, 28 de junho de 2013

O valor das pequenas grandes coisas


Nós seres humanos, temos um coração incansável. Nunca temos o suficiente, nunca somos felizes o bastante. Pensamos na vida como uma fonte inesgotável e nos tornamos cada vez mais insasiáveis. Quanto mais temos, quanto mais tiramos desse poço, mais pedimos. E então vamos nos esquecendo do que temos. Pequenas coisas que possuímos e que nos tornam pessoas ricas.

Se temos um teto, somos ricos; se temos uma família, somos ricos; se podemos fazer pelo menos uma refeição completa por dia, somos ricos; se podemos respirar normalmente, somos ricos. Se temos saúde, somos ricos; se temos amigos, também somos ricos. Temos braços, pernas, podemos andar, rir e cantar, somos ricos. Somos ricos de pequenos pedacinhos de felicidade que vão se acomodando dentro da gente de tal forma que acabamos nos esquecendo de pensar neles. As coisas que se tornam "naturais" na nossa vida diminuem o valor. E só percebemos isso no dia em que deixamos de ter, ou corremos o risco de perder.

A vida é preciosa demais!!! Infelizmente costumamos comparar nossa vida com a daqueles que possuem mais que a gente. Mas compare com quem tem menos. Assista uma reportagem na tv onde vê-se pessoas que não têm o que comer, ou vivem (independente delas) no meio de guerras, ou não têm saúde, nem medicamentos. Pergunte a uma pessoa cega quanto ela daria para ter a oportunidade de apreciar uma flor ou o infinito do mar; pergunte a um condenado quanto vale um minuto de vida; pergunte a um presidiário qual o valor da liberdade; pergunte a quem perdeu uma perna quanto vale ter duas.

Sim, somos pessoas ricas de coisas pequenininhas que, juntas, formam nosso tesouro. São nossas pequenas grandes coisas. Pra que buscar cada vez mais se não sabemos apreciar no seu valor justo o que já possuímos? É assim que encontramos resposta para muitas coisas que nos acontecem. Deus é tão maravilhoso que muitas vezes permite que alguma coisa nos aconteça para que aprendamos a apreciar o que já possuímos, gratuitamente. Por isso enfrentamos algumas dificuldades de vez em quando. Por isso ficamos doentes, perdemos isso ou aquilo. Só mesmo para darmos valor ao que possuímos.

Deus não quer pessoas feito crianças mimadas, que nunca estão satisfeitas e nunca estarão. Deus quer pessoas equilibradas, que sabem reconhecer o bem que possuem e fazem proveito disso. É isso o que chamamos felicidade. A felicidade não é utopia, não é para o futuro ou para quando tivermos isso ou aquilo.

Felicidade é olhar para dentro de si mesmo, fazer um "check-up" da própria vida e se contentar dos maravilhosos presentes que recebemos um dia e que não soubemos agradecer. E se sentir saciado. Se você ainda acha que tem pouco... pense na possibilidade de trocar de vida com quem tem menos... reflita... e depois agradeça a Deus por ter feito de você uma pessoa tão rica de pedacinhos de felicidade!

Letícia Thompson

quinta-feira, 27 de junho de 2013

Para o resto de nossas vidas

Existem coisas pequenas e grandes, coisas que levaremos para o resto de nossas vidas.
Talvez sejam poucas, quem sabe sejam muitas, depende de cada um, depende da vida de cada um de nós. Levaremos lembranças, coisas que sempre serão inesquecíveis para nós, coisas que nos marcaram e irão nos marcar, que irão mexer com a nossa existência em algum instante.

Provavelmente iremos pela vida afora colecionando essas ocorrências, colocando em ordem de grandeza cada detalhe que nos foi importante, cada momento que interferiu em nossos dias, que deixou marcas; cada instante que foi cravado no nosso peito como uma tatuagem. Marcas, isso, serão marcas. Umas mais profundas, outras superficiais, porém, com algum significado também.

Serão detalhes que guardaremos dentro de nós e que se contarmos para terceiros, talvez não tenham a menor importância, pois só nós saberemos o quanto foi incrível vivê-los.
Poderá ser uma música, quem sabe um livro, talvez uma poesia, uma carta, um e-mail, uma viagem, uma frase que alguém tenha nos dito num determinado momento.
Poderá ser um raiar de sol, um buquê de flores que se recebeu, um cartão de Natal, uma palavra amiga num momento preciso.

Talvez venha a ser um sentimento que foi abandonado, uma decepção, a perda de alguém querido, um certo encontro casual, um desencontro proposital.
Quem sabe uma amizade incomparável, um sonho que foi alcançado após muita luta, um que deixou de existir por puro fracasso. Pode ser simplesmente um instante, um olhar, um sorriso, um perfume, um beijo.

Para o resto de nossas vidas levaremos pessoas guardadas em nossas memórias.
Umas porque nos dedicaram um carinho enorme, outras porque foram objeto do nosso amor e, ainda outras por terem nos magoado profundamente – essas que aguardam nosso perdão.
Lá na frente é que poderemos realmente saber a qualidade de vida que tivemos, a quantidade de marcas que conseguimos carregar conosco e a riqueza que cada uma delas guardou dentro de si.

Bem lá na frente é que poderemos avaliar do que exatamente foi feita a nossa vida, se de amor ou de rancor, se de alegrias ou de tristezas, se de vitórias ou derrotas, se de ilusões ou de realidades. Pensemos sempre que hoje é só o começo de tudo, e que se houver algo de errado, ainda está em tempo de ser mudado, e que o resto de nossas vidas de certa forma ainda está em nossas mãos.

A vida não é uma correnteza bravia que nos leva adiante, ou, pelo menos, não deveria ser.
Precisamos saber que estamos no comando de nossa embarcação, e que somos nós que escolhemos as direções, as velocidades, os destinos.
Não nos deixemos levar pelo transcorrer dos dias. Não deixemos a vida passar por nós e, sim, passemos pela vida, conscientes de tudo, do que devemos fazer, de quem precisamos amar, de quem precisamos perdoar.

A vida não é uma correnteza bravia que nos leva adiante, é o rio que vislumbramos do alto da cabine de comando de nosso Espírito, o rio que devemos percorrer empregando todo o nosso esforço

quarta-feira, 26 de junho de 2013

Aqui dentro...

Você não sabe o bem que me faz, você é a única pessoa que me entende de verdade, a única pessoa que me faz sorrir, a única pessoa que só de estar do meu lado meu dia se colore, sua voz, seu cheiro, seu sorriso, seu jeito de ser, seu abraço, são únicos pra mim, você é único na minha vida, é o único na minha historia, foi o único e sempre será. Não tenho palavras que descrevam o quão importante você é pra mim, o quão importante você é na minha vida.
 
Nada acontece por acaso, nada e se você entrou no meu caminho era pra me fazer feliz independente do tempo, era pra me ensinar o motivo de varias coisas, era pra me ensinar o que é um amor verdadeiro. Muitos passaram pela minha historia mais você foi o único que ficou nela como o motivo dela ser escrita dia-a-dia.
 
Não me importa o que os outros pensam, falam ou fazem o que importa é o que sinto aqui, o que importa é esse sentimento que me domina a cada dia, a cada hora e a cada segundo, não me importa mais nada, eu sei que só serei feliz ao seu lado, pois é só você que me completa, é só você que me faz bem. Independente do que aconteceu ou até mesmo do que aconteça daqui pra frente, se seguiremos caminhos separados ou um caminho junto, quero que saiba que você é e sempre será o único e verdadeiro amor que eu senti, nada e ninguém podem mudar isso.
 
Nada e ninguém vai tirar isso de mim, as coisas podem mudar, como já mudou muitas vezes, o sentimento pode adormecer, amadurecer ou até mesmo se congelar, pode ser que pessoas e coisas novas apareçam na minha vida, pode ser que a vida me mude mais ou até que ela me leve pra bem distante daqui, não sei o que o destino me planejou e reservou, mas hoje eu tenho a completa certeza de que pode passar o tempo que tiver que passar, mas você nunca, nunca será apagado ou esquecido da minha historia.
 
Você foi o único que me mostrou o que é ser forte, o que é ter coragem de seguir em frente, o único que me mostrou que não se pode desistir de nada, o único que me mostrou que tenho que seguir meu coração, seguir o que me faz bem, você foi o único que cuidou de mim, que me protegeu e que esteve comigo nos momentos mais difíceis, mesmo muitas vezes eu não tendo dado valor, mesmo muitas vezes eu não tendo te agradecido, você sempre esteve comigo, mesmo de longe, mesmo do outro lado, como foi muitas vezes, eu agradeço a Deus por ter te colocado na minha vida, agradeço a Deus por ter me dado você, me dado um amigo, um irmão, um anjo da guarda, um porto seguro.
 
Apesar do que aconteceu, ou melhor, do que está acontecendo, da distancia, enfim, te agradeço por não ter me abandonado mesmo depois de ter mudado muita coisa ai, agradeço por ter comprido sua promessa de nunca me abandonar, Obrigada !

terça-feira, 25 de junho de 2013

Os nós e nós

Quando queremos que alguma coisa fique ancorada à nossa vida, fazemos de tudo para mantê-la presa à nós. Criamos laços e os apertamos com todo nosso coração.
Os nós fazem parte de nós.

Infelizmente, nem tudo o que se apega a nós é bom e útil. Se prezamos ter laços afetivos e pedaços de memórias agarradas definitivamente à nossa pele, há aqueles nós que se apegam sem que nossa permissão seja pedida e sem que tenhamos forças para desatá-los. Esses nos acompanham e nos adoecem.

Viver com nós na garganta, que não descem e nem saem, nos deixa deficientes. Avançamos em algumas outras coisas, mas o não resolvido fica, como um espinho na carne.
Aquilo que não conseguimos engolir é o perdão que não conseguimos oferecer, é o esclarecimento que nunca nos foi dado, são os porquês nunca respondidos.

A gente caminha, mas sente que algo ficou pra trás e muitas das dores de garganta que não conseguimos curar são emoções presas das quais não soubemos nos livrar. O que fica atravessado diante de nós é o peso que carregamos por vezes por anos e anos.
O dia bendito em que conseguimos colocar em palavras e lágrimas aquilo que nos ofendeu, entrou em nós e ficou, o sol desponta no horizonte como se fosse seu primeiro dia.

Ah, Deus, se tivéssemos sempre a coragem de abrir nosso coração e gritar nossa mágoa, quão mais leves e sãos poderíamos viver!
Por que esse medo de expôr o que nos desagrada? Por que temer ferir o outro quando estamos, nós mesmos e inteiramente, sangrando? Por que a felicidade alheia, se felicidade alheia há, é mais importante que a nossa?

Grande parte dos nossos problemas, das nossas doenças até físicas, são falta de comunicação. Por que não dizemos, não passamos ao outro o que sentimos, não falamos do sentimento de injustiça que sentimos e do quanto isso nos abala.
Falar é importante. No bom momento, claro, que com sabedoria deve ser escolhido, mas é muito importante. O que não dizemos, o outro não é obrigado a adivinhar e isso nunca podemos cobrar.

Os nós não resolvidos atam nossa vida a um certo momento. Não crescemos como convém e mesmo nosso riso é sempre manchado por uma pinta de tristeza que traduz nosso olhar.
Quando sentiu que tinha que se revoltar no Templo, Jesus se revoltou, nenhuma palavra poupou; quando a dor e tristeza foram grandes demais no seu seio, Ele chorou; quando o cálice tornou-se por demais amargo, falou com o Pai...

A liberdade só nos chega quando liberamos nosso ser, quando oferecemos ao outro o direito de ouvir, perdoamos o que deve ser perdoado e aceitamos o que deve ser aceitado.
Se criamos a coragem de desatar, devagar, certo, mas desatar, um a um os laços que nos incomodam, liberamos uma a uma as ansiedades, os males que nos doem física e psicologicamente.
Nessas horas nosso coração bate de maneira diferente, respiramos mais ar puro e nossos olhos se abrem para novos horizontes. Só um pequeno passo, um muito de coragem e uma nova vida pode começar.

segunda-feira, 24 de junho de 2013

Nosso problema sempre é o maior

Ele era jovem, bonito e herdeiro de vasta fortuna. Requisitado pelas moças, por onde quer que transitasse. Algumas, porque lhe admiravam a juventude, o cavalheirismo, a beleza.
Outras, porque nele vislumbravam a segurança econômica, que poderia ser alcançada por meio de vantajoso consórcio matrimonial.
Transcorriam felizes os dias até o momento em que um acidente lhe retirou a capacidade visual.
A revolta se instalou. Como viver sem o precioso sentido da visão?
Os médicos consultados não foram unânimes em seus prognósticos. Uns afirmaram que a questão era irreversível. Outros acenaram-lhe com a possibilidade de tornar a ver.
Como o tempo se arrastasse, sem alteração do quadro e desejando que o filho se adequasse à nova realidade, o pai contratou profissional orientadora.
A senhora, amadurecida na experiência, pacientemente foi vencendo a revolta do jovem e lhe mostrou como ele poderia se locomover pela casa, subindo e descendo as escadas, transitando de um aposento a outro.
Convidou-o a aguçar a audição e lhe demonstrou a diferença entre o ruído do café sendo despejado na xícara vazia e quando estava quase cheia.
Ensinou-o a reconhecer, pelo tato, móveis e objetos, burilando-lhe a capacidade de percepção.
Ante fracassos, pequenas quedas ou a incapacidade de realizar algo que desejava, o jovem ficava muito angustiado, em quase desespero.
Achava-se um inútil. Nessas horas, a bondosa professora lhe falava com calma, incentivando-o a tudo superar.
Irritado, ele respondia de forma grosseira e lhe dizia que para ela tudo era muito fácil, pois podia enxergar.
Sem se alterar, ela prosseguia no seu ensino.
Então, um dia, algo inusitado aconteceu. Ele percebeu um raio de sol lhe ferindo os olhos.
Infinitamente alegre, deu-se conta que voltara a enxergar. Entre gritos de alegrias, chamou o pai, o irmão, comemorando com efusivos abraços a ventura.
Por fim, lembrou-se da orientadora e correu a dar-lhe a notícia.
Então, e somente então, descobriu: aquela a quem tantas vezes ele ofendera, com palavras ásperas, dizendo que para ela tudo era fácil por poder enxergar, era uma senhora totalmente cega.
Arrependido, abraçou-a e lhe rogou perdão...
*  *   *  
Quantas vezes teremos agido como esse jovem? Quantas vezes, em repartições públicas, teremos dito a quem nos atende que ele não pode aquilatar do nosso problema porque ele não os tem?
Quantas vezes, em ambientes hospitalares, para atendentes e enfermeiros, teremos manifestado nossa revolta, dizendo que eles não sabem o que é estar doente ou sentir dor?
Quantas vezes teremos ferido um coração em chaga viva, dizendo que ele é insensível e não pode nos entender porque nunca sofreu na vida?
*   *   *
Não sabemos quanta dor esconde um sorriso. O profissional de qualquer área sofre tanto ou mais do que nós mesmos.
E se não esbraveja, nem manifesta sua problemática, é porque aprendeu a se superar, para melhor servir.
Aprendeu a represar as lágrimas para enxugar o pranto alheio. Exercitou-se no suportar agruras a fim de estender o bálsamo nas alheias dores.
Pensemos nisso. As aparências nem sempre demonstram a realidade e onde pensamos que somente haja felicidade, escondem-se, por vezes, dolorosas chagas.

sexta-feira, 21 de junho de 2013

Erga-se


Sabe aquele momento que a gente pensa que chegou no limite das próprias forças e que não vai mais conseguir avançar? Quando não contemos as lágrimas (e nem devemos!) e tudo parece um grande vazio...
Esse momento que, não importa a nossa idade, pensamos que já é o fim... e um desânimo enorme toma conta da gente...
Esse momento, ao contrário do que parece, é justamente o ponto de partida!!!
Se chegamos a um estado em que não avançamos mais, é que devemos provavelmente tomar uma outra direção.
Quando chegamos a esse ponto de tal insatisfação é sinal de que alguma coisa deve ser feita.
Não espere que os outros construam pra você, planeje e faça! Você é responsável pelos próprios sonhos e pela realização destes. Nas obras da vida não precisamos de arquitetos para planejar por nós. Com um pouco de imaginação e um muito de boa vontade podemos reconstruir sozinhos a casa que vamos morar e o futuro que nos oferecemos.
É humano se sentir fragilizado às vezes e mesmo necessário para que tenhamos consciência que não somos infalíveis, não somos super-heróis, mas seria desumano parar por aí. E injusto. Para os outros, mas principalmente para consigo mesmo.
Recomeçar é a palavra! Recomeçar cada vez, a cada queda, a cada fim de uma estrada! Insistir!...
Se alguém te feriu, cure-se!
Se te derrubaram, levante-se!
Se te odeiam, ame!
Erga-se! Erga a cabeça!
Olhando pra baixo só podemos ver os próprios pés. É preciso olhar pra frente.
Plante uma árvore, faça um gesto gentil, tenha um atitude positiva. É sempre possível fazer alguma coisa!
Não culpe os outros pelas próprias desilusões, pelos próprios fracassos. Se somos nossos próprios donos para as nossas vitórias, por que não seríamos para as nossas derrotas?
Onde errou, não erre mais! Onde caiu, não caia mais! Se você já passou por determinado caminho, deve ter aprendido a evitar certas armadilhas.
Então, siga!
Não se esqueça de uma grande promessa feita na Bíblia:
"Esforça-te e eu te ajudarei."
Dê o primeiro passo... depois caminhe!!!
Tenho certeza que a felicidade não mora ao seu lado, nem à sua frente, ela está junto de você!
Descubra-se, faça-se feliz e tenha um lindo dia!

© Letícia Thompson

quinta-feira, 20 de junho de 2013

Nosso Everest

Edmund Hillary foi o primeiro homem a escalar o Everest. Seu feito coincidiu com a coroação da rainha Elizabeth, a quem dedicou a conquista, e de quem recebeu o título de Cavalheiro pertencente à nobreza.
Um ano antes da conquista, Hillary já havia tentado a escalada e fracassara por completo. Mesmo assim, os ingleses reconheceram seu esforço e o convidaram para falar a uma numerosa plateia.
O alpinista começou a descrever suas dificuldades e, apesar dos aplausos, dizia sentir-se frustrado e incapaz.
Em dado momento, porém, largou o microfone, aproximou-se da enorme gravura que ilustrava seu percurso e gritou:
Monte Everest, você me venceu esta primeira vez. Mas eu irei vencê-lo no próximo ano, por uma razão muito simples: você já chegou ao máximo de sua altura, enquanto eu ainda estou crescendo!

Todos precisamos ter, em nossas vidas, os nossos próprios Everestes, isto é, objetivos a alcançar, metas a atingir.
Sem ter um alvo, um fim, torna-se bastante difícil a caminhada, pois não saberíamos para onde ir, e onde aplicar os nossos esforços.
Lemos, certa feita, um pensamento que dizia o seguinte:
Para uma nau sem direção, todo vento é sempre contra.
Se não sabemos que direção tomar, nunca buscaremos aproveitar os acontecimentos que vêm a nosso favor e as ajudas que recebemos.
Para traçar esses objetivos faz-se necessária uma análise profunda de nossos valores, do que sentimos, e se o que fazemos é realmente importante para nós, Espíritos imortais.
Dessa forma, não corremos o risco de criar metas ilusórias, como os sucessos passageiros do mundo, ou como a riqueza vazia que ainda seduz tanto nossos sentidos.
É possível almejar, sim, o crescimento financeiro, as conquistas materiais em família, o conforto, mas, não podemos esquecer de desejar também o crescimento espiritual, a possibilidade de ajudar os necessitados, a conquista da harmonia entre os familiares.
Após desejar e ter certeza de que esse desejo é nobre, é chegado o momento de correr em busca do objetivo, empregando o esforço, a persistência, sempre amparado pela amiga indispensável – a esperança.
Virão momentos de desânimo, em que seremos convidados a desistir da caminhada.
Encontraremos dificuldades diversas, que nos farão voltar à base da montanha, exaustos.
Mas nunca nos permitamos abandonar a certeza de que podemos nos superar, e que todas as adversidades nos fazem mais fortes, mais previdentes para uma próxima tentativa.
O pico da montanha estará sempre lá, estático, enquanto nossa vontade, nossas forças, jamais terão limites. Chegar ao topo é uma questão de tempo e de perseverança.
Se as conquistas importantes não fossem assim, não teríamos mérito algum em alcançá-las.

Uma técnica muito útil para alcançarmos nossos objetivos é a da visualização.
Criamos imagens, cenas em nossa mente, projetando como seria a conquista dessa meta, imaginando-nos lá, no futuro, comemorando o fim atingido.
Isso nos faz mais fortes, mais empolgados, e combate seriamente o desânimo destruidor.
Para muitos, essa técnica é conhecida apenas como sonhar.
Jamais deixemos de sonhar.

quarta-feira, 19 de junho de 2013

Pra Sempre


"É teu. Cada sorriso, cada gesto, cada olhar é teu. Corpo, alma e coração é teu. Tudo que há em mim pertence a você e se queres saber a verdade, não sei se isto é bom ou ruim. Chegar, entregar toda a minha ternura para alguém que no fundo, não vai fazer o mesmo.

No fundo, sei que não passamos de dois velhos amigos querendo esconder uma relação de homem e mulher. Dois amantes. Um cheio de amor para dar e outro louco para receber. Um querendo amar sem medidas e o outro escondendo as medidas. Um louco de paixão e outro de prazer.

Nem tudo é perfeito e não somos. Mas acredite, tento ser para ti cada dia melhor. E faço de tudo para superar o que fui ontem, para ser melhor hoje. Pra você. Hoje, amanhã e sempre. Sei que isto vai soar muito clichê, mas você é o homem da minha vida. É pra você que eu abri sonhos, histórias, loucuras, medos, aventuras, segredos (…) Foi com você que eu vivi cada dia de amor, ternura e prazer. Foi em você que eu pensei quando me disseram pra fazer feliz aquilo que me faz feliz.

Foi você, é você e vai continuar sendo você. Não importa que rumo vamos tomar daqui a dois ou três anos. Não importa se um dia a distância vai separar nós dois, tudo aqui dentro vai ficar guardado. Cada sorriso, cada beijo, cada abraço, cada desabafo de amigo, cada gargalhada… Vou guardar para sempre esses momentos, como se fosse o último. E espero nunca me arrepender de tudo que fiz por ti, para ti. E que eu me orgulhe das coisas que fui capaz, por amor. Que ao deitar na cama eu não sinta arrependimento e sim orgulho. Por ter feito isso para uma pessoa que eu amo, pela qual eu daria a minha vida.

Por isso, te peço, nunca destrua o carinho que eu sinto por você. Nunca pense em destruir cada coisinha mínima que um dia eu fiz por amor. É, por amor. E não venha me dizer que não foi. Porque é. E sempre vai ser. E quero te levar aqui dentro pra sempre, poder virar para as pessoas daqui a alguns anos e dizer que você foi o homem que mais amei na vida. Que você além de ter sido o único, foi um grande amigo. Um grande irmão. Acima de qualquer coisa. E que eu sinta alegria ao lembrar de você, e não tristeza.

E que a nossa saudade seja algo bonito de sentir, que não sufoque. Que não aperte o fundo do peito. Porque dói. E não pode doer. A saudade que um dia vamos sentir um do outro não vai doer. Eu sei que não vai. E você vai lembrar de mim como a unica que cometeu as maiores loucuras, por amor. Você vai lembrar de mim como a unica que te amava, te ama. De verdade. Pra valer. E vai se arrepender por não ter dado tanto valor antes. Vai se arrepender por não ter sido mais do que você me ofereceu. Você vai perceber que o amor não é só corpo, mas também é coração.

Amor não é só prazer, e sim companheirismo. Amor é muito mais do que algumas linhas de um texto. Amor é pra sempre, e quem diz que não é, é porque nunca amou. Nunca sentiu a ponta dos dedos tremendo. O coração na boca. A maldita borboleta no estômago. As mãos quentes e suadas. Quem nunca amou, não sabe o que é adrenalina. Não sabe o que é sentir o teu mundo, na palma das tuas mãos (…) Quando se ama, tudo é motivo pra acreditar. Até mesmo uma música que ele posta no twitter ou no facebook. Qualquer indireta, sinal, voz é algo para ficar atenta. Ah, como é bom sentir essas coisas!

Como é bom descobrir em uma só pessoa o sentido da vida. Como é bom ter alguém para amar. (…) E penso que daqui a alguns anos vou rir de tudo isso. Dessas coisinhas que sinto hoje. Dos ciúmes que eu sinto quando alguma outra chega querendo tomar o meu lugar ou até mesmo o meu orgulho em falar com você. Vou achar graça disso tudo e vou sentir falta, muita falta. E vou lembrar que nenhum, vai substituir o homem da minha vida. Nem hoje, nem amanhã, nem daqui a 10 anos eu vou encontrar alguém igual a você.

Quando eu disse que você era único, é porque você é, é porque você era. Pra sempre. O teu lugar vai ficar guardado aqui dentro pra sempre. Te amo!"

* Izabela Bastos.

terça-feira, 18 de junho de 2013

Empatia II


Um ancião que estava para morrer procurou um jovem e narrou uma história de heroísmo:
Durante a guerra, ajudou um homem a fugir. Deu-lhe abrigo, alimento e proteção.
Quando já estavam chegando a um lugar seguro, esse homem decidiu traí-lo e entregá-lo ao inimigo.
E como você escapou? – Perguntou o jovem.
Não escapei. Eu sou o outro, sou aquele que traiu. – Diz o velho. Mas, ao contar esta história como se fosse o herói, posso compreender tudo o que ele fez por mim.

A sabedoria deste conto nos fala sobre a empatia, essa ação de nos colocarmos no lugar do outro, de procurar sentir o que o outro sente.
A empatia nos torna menos orgulhosos e egoístas, pois faz com que pensemos não só em nossos pontos de vista, em como estamos nos sentindo, mas também na vida alheia, no que se passa no íntimo de alguém.
Quando nos colocamos no lugar do outro, a compreensão se torna mais fácil de ser alcançada, e nossos corações se sentem mais aptos a perdoar.
Quando nos colocamos no lugar do outro, temos a oportunidade de acalmar a raiva e de evitar a vingança.
Quando nos colocamos no lugar do outro, desenvolvemos a compaixão, e procuramos fazer algo para amenizar o sofrimento do próximo.
Quando nos colocamos no lugar do outro, expandimos nossa capacidade de amar e de entender que precisamos viver em família para realizar nosso crescimento.
Quando nos colocamos no lugar do outro, preparamos nossa intimidade para receber as sementes da humildade, descobrindo a verdade de que somos todos irmãos, e que precisamos uns dos outros para colher os bons frutos da felicidade futura.
A empatia nos torna mais humanos, mais próximos da realidade do outro, de suas dificuldades e de seu caminho.
Passamos a analisar a vida através de outros pontos de vista, de outros ângulos e, assim, nos tornamos mais sábios, mais maduros.
O hábito de nos colocarmos no sentimento de alguém é um grande recurso de que dispomos para nossas conquistas espirituais elevadas.
O coração que se isola, que vê somente o que seus olhos permitem e não partilha da vida de seu próximo, está estacionado nas trilhas do tempo.
É chegado o momento das grandes modificações, das grandes revoluções no interior do homem, e a empatia aí está, como excelente agente de transformação moral. 

Fazei aos homens tudo o que desejai que eles vos façam, pois é nisto que consistem a lei e os profetas.

O médico das almas, Jesus, sempre buscou mostrar os caminhos mais seguros para nossas vidas. Nesta máxima revolucionária e, ao mesmo tempo, simples, introduz na Terra o conceito de empatia, de agir conforme aquilo que desejamos para nós mesmos.
As verdades estão conosco. É tempo de instituí-las em nossos dias.

segunda-feira, 17 de junho de 2013

Que as lágrimas não nos impeçam de nos lembrar...

Que as lágrimas não nos impeçam de nos lembrar que uma pessoa que chega na nossa vida é um presente que nos foi oferto.
Há presentes assim valiosos que não duram muito, quando nossos corações desejariam que durassem eternamente e ignoramos por que eles se vão quando a vida parece apenas começar.

Mas se nos perdemos nesse mundo de questões sem respostas, a dor será muito maior que as lembranças de tudo o que a vida nos permitiu juntos enquanto durou a caminhada na terra.

Se tivéssemos que voltar atrás, teríamos preferido não ter encontrado, não ter conhecido, somente por que não pudemos guardá-lo no nosso seio mais tempo?
Não...

O vento passa, mas nos refresca; a chuva vem e vai, mas sacia a terra. O importante mesmo não é a quantidade de tempo que as coisas ou pessoas duram, mas a riqueza que elas trazem à nossa alma, o amor que nos permitimos dar e o que aceitamos receber.
As dores das partidas definifivas são indizíveis, indefiníveis, mas que elas nunca nos impeçam de nos lembrar da vida compartilhada.

Que as lágrimas não nos impeçam de sorrir novamente um dia quando a dor for mais amena e as lembranças felizes começarem a voltar, como as flores no jardim a cada primavera.
A eternidade existe para que esperemos por ela, para que tenhamos o consolo de saber que um dia, se o Deus-Pai permitir, Ele que nos ama de amor infinito, poderemos novamente nos encontrar.

Letícia Thompson

sexta-feira, 14 de junho de 2013

Questão de fé


Uma diferença básica entre quem tem fé e quem não tem, é que quem tem possui mesmo sem ter e quem não tem, mesmo tendo, jamais possuirá. É a ponte que separa o negativo do positivo.

Segundo a Bíblia o povo de Israel andou quarenta anos no deserto em busca de Canaã; eles avistaram a terra prometida, mas jamais a possuíram, por causa de murmurações, de atitudes negativas.

Ansiedade, medo, inquietação e insegurança são sinais de falta de fé. Quem acredita e espera não desfalece.

É possível se sentir fragilizado e cansado. É até possível chorar nos momentos difíceis. Isso não é fraqueza, é perfeitamente humano, pois somos feitos de carne e emoções que, querendo ou não, mexem com a gente. Ninguém pode dizer que possui uma fé suficientemente forte pra nunca ter se sentido sozinho e fraco.

O que é preciso evitar é que esses sentimentos fiquem tempo bastante para que criem raízes. Aí sim, temos um problema. 

Mas uma pessoa que possui um mínimo de fé vai sempre erguer a cabeça, nunca vai desanimar. Ela sabe, de antemão, que aquilo é passageiro, pois há Alguém bem maior do que qualquer problema que pode nos atingir.

Não é por que perdemos uma batalha que perdemos a guerra; não é por que não chegamos em primeiro lugar que podemos deixar de chegar. Cada coisa no seu tempo. A questão é saber esperar, com confiança
.
A fé remove montanhas? Remove sim. Montanhas de desespero; montanhas de noites mal dormidas e sonhos desfeitos; montanhas de rostos tristes e rios de lágrimas.

Só a fé pode trazer coisas construtivas para a nossa vida. É por isso mesmo que sem ela é impossível agradar a Deus, pois só Ele se agrada de pessoas que sabem e confiam que Ele nunca vai abandoná-las.

 © Letícia Thompson

quinta-feira, 13 de junho de 2013

Amor interminável


Em um de seus poemas, Vinicius de Moraes escreveu: Seja o amor eterno enquanto dure...
O verso tem fornecido oportunidade para que os que dizem amar, rapidamente desfaçam laços que parecia iriam ultrapassar os tempos.
Tem se tornado comum dizer que o amor passa. E nos indagamos: Será mesmo?
Será o amor assim tão efêmero, passageiro?

A história de Mary e Tom Fish demonstra que o verdadeiro amor resiste a tudo.

Eles se casaram num dia de maio de 1994 e, nos primeiros meses, tudo era um mar de rosas. Juntos pintaram, decoraram e mobiliaram a casa.
Mary fez as cortinas, Tom plantou rosas. Ele era um homem atlético e, quando mais jovem, adorara escalar montanhas.
Mary, despreocupada e satisfeita, esperava que os desafios que tivessem que enfrentar juntos viessem sob a forma de filhos e mudanças de vida.
Mas, em fevereiro do ano seguinte, Tom começou a não se sentir bem. Ele estava no trabalho, tentou tirar um refrigerante da geladeira, mas não conseguiu levar a mão à porta.
Exames médicos indicaram dois tumores cerebrais muito agressivos. O médico anunciou a gravidade, marcou a cirurgia para o início da semana seguinte e descreveu, com voz fria, os procedimentos.
O casal olhou um para o outro. Tom começou a dizer: Desculpe, desculpe. Como se desejasse expressar o quanto sentia estar causando a ela tanta preocupação.
Ele passou por cirurgias, radioterapia e quimioterapia, alternando momentos bons com outros bem difíceis, em que tinha dificuldade para pronunciar certas palavras e Mary precisava descobrir o que ele desejava dizer.
Voltaram-se para Deus, em oração. Certo dia, Mary sugeriu que eles recitassem em voz alta os votos matrimoniais que tinham escrito.
Enquanto ela se esforçava para recordar o que escrevera, Tom recitou: Eu, Tom, aceito você, Mary Catherine, tesouro de meu coração e minha companheira querida, para ser minha mulher, amante e amiga, para viajar pela vida comigo, até além do fim do caminho.
Eu a amarei, consolarei e honrarei, na alegria e na tristeza, todos os meus dias.
Um dia, fazendo a maior bagunça para se alimentar, ele perguntou: Amor, como você se sente diante da possibilidade de eu me tornar deficiente?
Com sinceridade absoluta, ela falou: Meu amor, você é a minha vida. Tudo que eu quero é que você continue comigo. Posso enfrentar qualquer problema.
Comemoraram um ano de sua união, comendo a parte de cima do bolo da festa do casamento, que haviam guardado, no congelador, especialmente para a ocasião.
No começo, ela desejou que ele voltasse a ser saudável; depois, pedia que ele vivesse mesmo com as deficiências; então, precisou aceitar o fato que ele iria morrer.
Finalmente, Mary se deu conta de que tudo que podia fazer era ajudá-lo espiritualmente.
Quando Tom se foi, ela escreveu: Sei que o amor resiste à dor e ao infortúnio. Se fôssemos capazes de escolher um sentimento que perdurasse acima de todos os outros, haveria escolha melhor?
Pensemos nisso: o amor é o maior dos sentimentos. O amor nunca acaba.

quarta-feira, 12 de junho de 2013

Sem mais..


Não sei explicar como, mas foi acontecendo, foi mudando, você foi conquistando aos poucos o seu lugar, seu lugar certo, aqui ao meu lado.
Você foi apagando as magoas do meu passado, tirando meus medos, colocando sorriso onde só avisa lagrimas, foi com você que tive meus melhores momentos e estero ter bem mais, foi com você as aventuras mais loucas, é com você que a minha felicidade se encontra.
Não canso de dizer que você é a melhor coisa que aconteceu na minha vida, porque você me mostrou que o amor não machuca, me mostrou o quanto é bom estar do lado de alguém que nos faz bem e hoje te agradeço por ter entrado na minha vida aos poucos e por deixar que tudo acontecesse sem que nos importássemos com o que estava havendo.
Lembro-me que me perguntava todos os dias, porque você? porque do nada você apareceu e me fez sentir assim, com os pés fora do chão, porque você me fez se apaixonar tão rápido  por que você com esse jeitinho me fez a mulher mais feliz nesse tempo, eu não imaginava e sem que você e nem ninguém imaginava também.
A gente se encontrou em momentos iguais, momento em qual eu tinha medo de sofre e você medo de machucar, mais foi acontecendo e quando vimos já estamos mais ligados um ao outro.
Hoje digo que a segunda chance da felicidade existe sim e você foi minha segunda chance e é a melhor opção que eu escolhe, o melhor caminho que segui, te agradeço por estar comigo , por ser meu melhor amigo, minha melhor companhia, o sorriso que colore meus dias e só de acordar todos os dias e lembrar que tenho você ao meu lado me sinto recompensado, obrigado por ser você meu amor !

terça-feira, 11 de junho de 2013

Grãos de areia


Somos todos tão iguais e nos vemos tão diferentes! E quando nossos sentimentos se cruzam com o que lemos ficamos surpresos...
Não somos os únicos a sentir dor; não somos os únicos a sentir medo, insegurança... não somos os únicos a temer o desconhecido, a sentir decepção, a chorar de tristeza, a ficar na dúvida, a não saber que decisão tomar e recear ter feito a escolha errada...

Sofremos mais porque nos vemos sós. Porque temos dificuldade em imaginar que outras pessoas passem por caminhos parecidos com os nossos. Porque nos fechamos no nosso quarto e em nós... nos sentimos tão miúdos que dificilmente imaginamos que fora da nossa janela outros seres sentem-se pequenininhos também, cada qual sozinho na sua dor e solidão. A auto-piedade que nos devasta, assola milhares de eus espalhados por aí.

Vistos do alto, somos apenas pequenos pontos, grãos de areia no mar da vida, tremendamente parecidos. E a chuva, quando rega a terra, não escolhe cabeça; o sol ilumina tudo por igual e a lua pode encantar qualquer um.
Somos todos sim iguais na alma, na pequenez e na grandeza; Eu choro também, me comovo, morro um pouquinho a cada dia e renasço na minha fé. Desanimo de vez em quando e ergo a cabeça logo depois; espero impaciente o nascer do dia e faço planos pro dia seguinte. Me faço mil perguntas para as quais não encontro respostas.

Somos assim, tão iguais eu e você e tantos outros!... A prova disso é que você se identifica com o que digo.
Se a emoção que aperta meu peito, aperta o peito de quem me lê, é porque somos feitos do mesmo barro. E se posso ver e crer na vitória e ultrapassar meus limites é porque todo mundo, cada um pode. Podemos conjugar todos os verbos em todos os tempos!

É verdade que o sol não nasce e não se põe pra nós no mesmo momento, mas isso não muda em nada a verdade de que somos assim maravilhosos e importantes grãozinhos de areia aos olhos de Deus.


Letícia Thompson

segunda-feira, 10 de junho de 2013

Dias de desafios

Quem de nós não desejaria que a existência transcorresse à semelhança de um rio calmo, onde a barca de nossa vida singrasse por águas tranquilas e serenas?
Todos temos o desejo de que, na vida, os embates não surjam, as dificuldades não se apresentem, e as dores não ocupem espaço em nosso caminhar.
Contudo, viver é muito mais do que atender ao escoar dos dias, ou esperar a velhice chegar e a morte encerre a vida do corpo físico.
Temos o desafio, a cada vez que nascemos, a cada vez que nos vestimos de carne, de que novos aprendizados se façam.
Esse é o propósito da Divindade para conosco: que o corpo físico seja a possibilidade de progresso para a alma.
Assim, naturalmente haverá dias mais amargos em nossa jornada.
Ocorrerão fases em que o peso sobre nossos ombros se avolumará, e os problemas se apresentarão mais complexos.
Passaremos por dias tumultuosos, em que seremos testados em nossos valores, nossa perseverança, nossa fé.
Surgirão situações de grande monta, exigindo que desenvolvamos capacidades morais de que não dispúnhamos ou nem imaginávamos dispor.
Haverá situações nas quais a prova se mostrará mais rude, em que enfrentaremos nossos limites morais, em que bordejaremos o extremo de nossa capacidade.
Nada disso acontecerá, no entanto, sem a plena anuência da Divindade. Nenhuma sem o pleno conhecimento da Providência Divina.
Deus tem total ciência de tudo que nos sucede.
Nada que nos ocorra é inútil ou destituído de alguma razão, mesmo que de momento não consigamos entender o propósito.
Contrariando o adágio popular, podemos dizer que Deus escreve certo por linhas retas.
Nós é que somos, algumas vezes, os míopes que não conseguimos ver o amor e sabedoria de Seus desígnios.
Assim, se os dias se mostram desafiadores, ali está a bondade de Deus nos oferecendo o aprendizado.
Para alguns, o desafio é lidar com o retorno do ser amado à pátria espiritual, deixando o rastro das saudades e uma imensa ausência.
Para outros, é a dor, a doença, as deformidades, as limitações físicas que chegam inesperadamente, provocando desequilíbrio em seus dias.
Para muitos, é a família a se desarticular, pela inconstância de uns, despautério de outros, desestruturando relações de alegria e fraternidade.
Assim é nossa jornada. Feita de desafios e lições.
Quando essas nos chegam, na forma da dor ou da saudade, da doença ou de alguma carência qualquer, é sempre o convite para aprender.
Vistamo-nos de coragem e fé. Enfrentemos o que nos chegue com a serenidade daqueles que entendem os desafios como necessários ao crescimento moral.
E não nos esqueçamos de que teremos sempre Jesus, o Bom Pastor, a nos amparar a todos, cansados e aflitos, em Seu regaço amoroso.
*   *   *
Os desafios existenciais fazem parte da vida. Sem eles, o homem seria destruído pela paralisia da vontade, dos membros, das aspirações, que se transformariam em doentia aceitação dos níveis inferiores do estágio da evolução.
Enriquecer-se com a luz do discernimento elevado é a finalidade essencial da vida.

sexta-feira, 7 de junho de 2013

O sentimento de culpa


Existem as culpas pequenas e as grandes. As que ficam por algumas horas e as que perseguem para o resto da vida. As primeiras são os pequenos pecados do dia-a-dia, as mentiras bobas, os deslizes, que até nos impedem de dormir muitas vezes... mas são passageiras e acabam tornando-se banais e nem se pensa muito. As últimas são terrivelmente pesadas de se carregar, elas podem destruir a vida toda de uma pessoa.

São raras as pessoas que recebem uma condenação de outros por algum ato cometido, que não tentem se defender ou se justificar. Mas não há quem se condena a si mesmo que procure aliviar sua culpa com desculpas.
 
A questão não está nas coisas sem conseqüências. Essas coisas fazem parte das marés do dia-a-dia e perdoamo-nos tão facilmente como cometemos os erros. A questão está nas culpas que chegam sozinhas, os acidentes pelos quais as pessoas se responsabilizam, as perdas e sofrimentos os quais as pessoas se dizem que poderiam ter evitado se tivessem feito isso ou aquilo e se condenam a cada instante.
 
As auto-punições não resolvem. O recusar-se a felicidade não corrige erros, não compensa as dores. O abandonar-se não faz ir adiante. Dormir mais horas para não ver passar o tempo não vai diminuir o tempo determinado por Deus para a vida de cada um. E tentar encurtar esse tempo, dom de Deus, pelos próprios meios, só pode trazer uma condenação eterna, que ninguém merece.
 
Somos nós nossos juízes mais severos se somos também nossos promotores mais duros. Mesmo com toda compreensão, com todo amor, toda ajuda possível, não podemos nos livrar de culpas se essa libertação não vem do nosso interior, se ela não vem com a ajuda dAquele que sendo tudo, ainda nos prometeu um coração novo.
 
Então... o Anjo que o Senhor prometeu estar à nossa volta, nos diz isso:
 
Não importa em quantos pedaços seu coração foi quebrado, Jesus pode restaurá-lo.
Não importa o que você fez, onde você andou, nem os caminhos que escolheu, Jesus ama você acima das suas escolhas.
Não importa quantas vezes você caiu e quantas se levantou, Jesus pode levantar você de uma vez por todas.
Não importa qual foi seu pecado, se os homens te condenaram ou absolveram, Deus te absolve.
E se Deus absolve... acredite nEle: você é livre!

quinta-feira, 6 de junho de 2013

Enganar-se


Todo mundo se engana um dia ou outro,
mas ninguém gosta de admitir.
Admitir para os outros, dói.
Mas admitir para si mesmo é ainda pior.
Enganar-se é mentir-se e nem sempre estamos
conscientes de que nosso mundo,
ou o que vivemos, é bem real.


Perdemos um tempo enorme lutando pelas
nossas idéias, nossas crenças,
nosso amor e chega um dia que precisamos
baixar os braços.
A realidade muitas vezes chega de forma brutal e
se joga sobre nós sem piedade.
É nesses momentos que o mundo perde todo o sentido,
que queríamos fechar os olhos e tentar fazer
com que nada tivesse acontecido,

queríamos dormir e dormir até que pudéssemos acordar para chegar à conclusão que
tudo não passou de um pesadelo.
Pior mesmo é quando se trata de amor.
Acreditamos cegamente no sentimento e defendemos
uma pessoa de todo nosso ser, nos sentimos capazes
de morrer por ela, nos colocamos contra o mundo todo
e depois temos que admitir que nos enganamos.
Essa descoberta nos paralisa, paralisa nossos
sonhos e nossos sentidos.
Bloqueia nosso coração.
Só mesmo depois de muitas lágrimas derramadas
e noite mal dormidas é que conseguimos colocar
nossas idéias em ordem.
E ainda assim tentamos achar desculpas,
razões que justifiquem nossa cegueira,
nosso erro,
nosso engano.
Mas não há justificativas.
Todo mundo erra e isso faz parte do nosso
aprendizado da vida.
Enganar-se, mesmo se doloroso, é humano.
Muitas vezes quando tropeçamos não caímos,
mas damos dois ou três passos à frente.
Na vida é a mesma coisa.
Uma pessoa que fracassa não é um fracassado por inteiro.
É apenas um ser humano com um coração infantil.
E se ele for capaz de ultrapassar essas barreiras e
dar a volta por cima, será um alguém rico
de experiências e que saberá melhor que qualquer
outra pessoa a fazer suas escolhas e ter o
discernimento para saber qual o melhor
caminho a tomar.

*Letícia Thompson

quarta-feira, 5 de junho de 2013

Sempre foi Você


É difícil de mudar o que já esta escrito, o que já esta predestinado a ser, eles se amam, mas não assumem, eles não vivem mais sem a companhia do outro, mais se negam a acreditar que seja amor, eles dizem que não se passa de amizade, uma amizade muito da colorida, mas apenas isso, todos vêem que existe algo a mais, o brilho nos olhos, os sorrisos e olhares que se cruzam se ao menos perceber, esta no ar, Sim, eles tem uma ligação inexplicável.
 
Pessoas dizem que o verdadeiro nunca morre, eles até concordam que isso possa ser verdade, mas não acreditam no para sempre e não enxerga que existe entre eles os mais verdadeiros sentimentos, amor, amizade, alegria, companheirismo, paixão, irmandade, enfim. Todos ao redor esperam que um dia eles percebam o quão perfeitos são juntos, esperam que percebam o encaixe que eles tem e que um dia possam acreditar QUE O VERDADEIRO AMOR NUNCA MORRE.
 
Tudo aconteceu de repente, não esperava que eu iria gostar de você, muito menos te amar, simplesmente aconteceu, você apareceu na minha vida a hora que eu mais precisava de alguém, a hora que eu estava mais sozinho, você me dava carinho quando ninguém mais dava, você me entendia quando ninguém me entendia, você me falava a palavra certa na hora certa e acima de tudo você foi meu melhor amigo, meu protetor.
 
E dentro disso foi surgindo um sentimento incondicional, você foi se aconchegando num cantinho no meu coração que ninguém tinha se aconchegado antes, você me mostrou que em um relacionamento a amizade prevalece, com você eu cresci, mudei meus conceitos, mudei minhas prioridades e hoje sei que só com você  aprendi a ser feliz.
 
E é em você que penso ao acordar, e é você que mesmo estando longe esta tão perto, e é você que tira os sorriso mais sinceros meus, e é você que me faz cada dia mais feliz, e é com você que me sinto completa, e é você em colore minha vida e desenha meus dias, e é você que tem meu coração, e sempre será você aqui, sempre foi você !

terça-feira, 4 de junho de 2013

Culpas e desculpas

Há os que viajam para os desertos para encontrar a paz, fogem das grandes cidades, do barulho e cortam qualquer tipo de comunicação; outros fecham-se em si e a procuram nas meditações e reflexões do sentido da vida; há ainda aqueles que negam qualquer tipo de culpabilidade, como se negação fosse sinônimo de libertação.

Se tivéssemos a possibilidade de correr o mundo inteiro, viajar todos os mares e subir as mais altas montanhas, atravessar o espaço e ir além das estrelas, ainda assim não poderíamos apagar quem somos, nem o que vivemos, não nos tornaríamos melhores e nem maiores.

Somente um olhar para dentro de si mesmo, um reconhecimento de total condição humana e dependência do Pai pode nos libertar e colocar nas nossas mãos a paz que tanto almejamos.
Ser honesto consigo é ser honesto com o mundo inteiro. Quem se engana a si mesmo, comete o maior dos enganos. Nunca, aqui na terra, seremos grandes, bons e perfeitos o bastante para dizer que não temos mais nada para aprender.
Aprendemos a cada dia, às vezes com lágrimas e dor no coração. Não nos livramos das culpas quando fugimos delas e as desculpas não agem como sabão.

Se quisermos dar passos ao encontro do caminho da paz e de um mundo melhor, devemos aprender a aceitar certas coisas:

- Não sabemos tudo;
- O outro pode perfeitamente ter razão;
- Devemos assumir nossas culpas sem nos refugiar nas desculpas e isso não nos impedirá de olhar para a frente;
- Os erros que cometemos não devem nos amarrar definitivamente ao passado;
- O direito que temos de errar, outros também têm e fracassar uma vez não é fracassar para a vida toda;
- Os pais também se enganam e mesmo quando isso acontece é que desejam o melhor para os seus filhos;
- Cortar os pontos com alguém é cortar pontes onde nós e os outros poderíamos atravessar e viver isolado não é a melhor solução para resolver problemas;
- A comunicação é importante para evitar mal-entendidos;
- Franqueza e doçura não precisam estar dissociados;
- Evitar uma briga vale mais que ter razão;
- Os gestos valem tanto quanto palavras;
- Não é só a intenção que conta, mas ela conta muito;
- Brincar não é privilégio das crianças;
- Devemos perdoar até setenta vezes sete;
- Ninguém é melhor que ninguém;
- Somos todos moldados do mesmo barro e o mesmo Deus que soprou nas minhas narinas,  soprou nas narinas do meu irmão;
- Todos temos pecados;
- Jesus também chorou, Ele foi crucificado, mas nunca crucificou.
- Podemos estar na mais alta montanha, no mais longíquo dos desertos e ainda assim estar longe de Deus.
- Aquele que busca a Verdade, encontra a Paz.
- Se somos herdeiros do pecado e herdeiros do bem. São as sementes desse último que devemos deixar ao longo da nossa passagem.

*Letícia Thompson

segunda-feira, 3 de junho de 2013

Por onde começar

Sonhos, planos e objetivos temos aos montes. O que nos falta, nos dizemos, são as oportunidades para realizá-los, falta o começo do fio, o primeiro degrau, o primeiro caminho de uma estrada que prevemos longa e rica.

Perdemos um grande tempo por que nos conhecemos o bastante para saber quais são nossos desejos, mas não o suficiente para acreditar que podemos chegar ao fim deles. Claro, essa regra não se aplica a todo mundo e é por isso que o mundo continua a andar.

Há quem chegue a uma certa idade e se ache velho demais para construir. Essas pessoas olham para trás e admiram os que consideram fortes e determinados e se dizem que tudo o que eles mesmos fizeram foi viver o dia-a-dia como o mais comum dos mortais. E mesmo se os sonhos não morreram em si, acham que agora é tarde para tentar encontrar o caminho ao qual teriam dado o primeiro passo.

Claro, voltar atrás é impossível. O que é possível ainda é não se considerar velho demais e nem morto em vida, é saber que o mundo continua enquanto nós continuamos e que, mesmo se precisamos rever nossos planos e traçar outros, sempre é tempo de começar algo.
Não é por que corremos o risco de nunca ver as flores que devemos deixar de plantá-las. Se não alcançarmos a bênção de vê-las floridas, outros o farão, sentirão seu perfume e pensarão em nós.

Os que esperam o tempo de saber onde começar nunca fazem nada, porque a idéia já é o começo e as atitudes a serem tomadas para dar vida a ela são os passos seguintes.
Quando não sabemos por onde começar, devemos começar pelo que sabemos, nos aplicar nas pequenas coisas e pequenos detalhes que, juntos, poderão realizar grandes coisas.

Se você tem planos no fundo do seu coração para fazer o bem, a caridade e não começa por que não sabe por onde, comece com seu irmão, a casa do seu vizinho ou com seu colega de trabalho. A gentileza, o dom sincero de si e a bondade, são recursos que temos naturalmente.
O que você parece insignificante, para uma outra pessoa pode ser o ponto que vai transformar sua vida.

Quaisquer que sejam nossos projetos, comecemos pela fé de que se realizarão. Depois podemos olhar para nossas mãos e ver o que já possuímos, o que pode ser aproveitado.
O fato é que de braços cruzados nunca chegaremos a voar por nós mesmos. Mesmo os pássaros quando voam e procuram alimentos estão sempre de asas abertas, observam o mundo, o movimento e descobrem onde podem pousar.

Ponha amor nas mãos e mãos à obra! É bem conhecido que grandes feitos sempre começaram por pequenos passos*.

*Letícia Thompson

Se for para somar, fique. Se não for, boa sorte…

Hoje a minha despensa emocional está arrumada e limpa, já não guardo mais rancores, nem amores que já passaram do prazo de validade. Não t...