quinta-feira, 30 de abril de 2015

Voltei para perguntar...

O que deixo, o que marco em sua vida, quando eu passo por você? 
O que os meus olhos confessam, quando encontram com os seus? 
Se eu deixo uma saudade boa para lembrar? 
O que fica de mim? 
Eu pergunto se valeu a pena, ter deixado ir além, ter entrado aí na sua casa dividindo o que é seu, 
essa vida vai muito depressa e é bom saber o que deixei de mim. 
Pode ser que nesta vida eu não possa mais voltar, para amar quem não amei, consertar o que estraguei, 
o perdão que não pedi, a solidão que não desfiz, o sorriso que neguei e aquele esforço que não fiz, 
eu sei que o tempo vai passar, as pessoas vão e vem, mas sei que algumas vão ficar, pelo mal ou pelo bem, 
não morrerá quem soube amar e que seja sempre assim, que eu deixe só o bem que existe em mim, se com você não consegui, eu voltei quem sabe assim, a gente possa se olhar, como quem nunca se viu, e no perdão recomeçar, para depois reconhecer: minha vida é bem melhor por ter você.

*Por Padre Fábio de Melo

quarta-feira, 29 de abril de 2015

Como curtir um amor muito intenso

"Ah... o amor, " este fogo que arde sem se ver" (CAMÕES) realmente nos deixa cegos pela intensidade da luz que dele parte e atinge plenamente nossos corações e 'derrete' nosso cérebro.

Viver um amor com intensidade exige isso mesmo, que não se pense, mas viva-se com a intensidade e profundidade da nossa alma até a mais íntima parte de nós mesmos. 

Não importa o futuro, o passado nem se lembra, viva o presente e se deixe consumir à exaustão pela felicidade do compartilhar.

Se tudo acabar em trevas, não desanime, pois logo haverá nova luz, novo fogo e, mais uma vez, conseguiremos seguir adiante, fortalecidos simplesmente por termos vivido um grande amor!

*por Eduardo Ferreira Santos

terça-feira, 28 de abril de 2015

Aprenda a não se aborrecer

Não se desgaste por coisas que não merecem tanta atenção. Não guarde raiva porque alguém lhe deu uma fechada no trânsito ou foi indelicado com você. Em vez de ficar remoendo esses acontecimentos, e até falando sobre isso para os outros, simplesmente esqueça. Deixe lá no passado onde aconteceu.

Em vez de se aborrecer com as críticas injustas, com as palavras ásperas, com a incompreensão, pense que o outro não está bem e pode estar passando por alguma dor física ou psicológica. Em vez de considerar uma ofensa, tente sentir compreensão por essa pessoa.

Não incorpore o problema dos outros e mantenha seu próprio equilíbrio. Aprenda a não se aborrecer. Desenvolva tolerância e paciência e perceba como vai ter mais disposição e energia.

Contemple: Para que perder sua energia e bom humor superdimensionando pequenos problemas ou guardando mágoas?

Se tiver alguma discussão com seu marido ou esposa, namorado, amigo ou parente, procure dialogar quando os ânimos estiverem calmos. Não deixe que o orgulho e o ego negativo dominem criando mais conflitos. Não durma com raiva. Peça desculpas ou converse calmamente.

Cultive delicadeza, amabilidade, simpatia e abra seu coração para o bem-estar e alegria. Quando você ajuda alguém ou é amável, você está fazendo bem a si mesmo.

No Yoga dizemos: “Obrigado por eu poder lhe servir.” Compreendemos que ao ajudar alguém, nós nos libertamos de nosso sofrimento, saímos do egoísmo que tanta dor pode nos causar. Compreendemos também que ao fazer um ato bom, adquirimos méritos devido à lei de causa e efeito.

Egoísmo exagerado causa sofrimento

Se você fica perdido em seus problemas, achando que sofre mais do que qualquer um, entenda que seu maior sofrimento é o egoísmo exagerado. Se esquecer um pouco de si mesmo, se dedicar-se a alguma obra assistencial ou altruística, se procurar ajudar mais as pessoas ao seu redor, verá como sua infelicidade, sua depressão e tristeza vão se dissolvendo.

Em vez de sentir tão carente e querer sempre receber carinho e atenção, experimente desenvolver afeto e manifestar carinho. Transforme sua atitude egoísta e infantil, por maturidade e gentileza.

Você vai ter uma mente mais clara e, com discernimento, vai descobrir soluções. Vai perceber que estava fazendo tempestade em copo d’água, como diziam nossos pais.

Muitas vezes os problemas são criados pela mente e verdadeiramente não existem. Pare de pensar negativamente. Pare de imaginar e fantasiar o que não existe. Pare de ficar sempre falando sobre seus conflitos e você vai parar de sofrer tanto.

Não fique reclamando, se lastimando e culpando os outros. Reflita sobre seus erros e como você pode mudar em vez de apenas ver os defeitos das outras pessoas.

Às vezes, é bom desabafar com algum amigo, mas não deixe que isso se torne uma constante em sua vida. Não fique contando para as outras pessoas sobre seus problemas, pois além de aborrecer lembrando-se deles, você coloca mais energia negativa em vez de solucioná-los.

Não fique tão apegado aos próprios problemas e limitações, dizendo que não existe saída para você, que esses conflitos internos não têm soluções.

Compreenda como disse o escritor de autoajuda Lauro Trevisan: “Pode quem pensa que pode.”

Você pode impedir que problemas ou acontecimentos insignificantes dominem sua vida. Pode cultivar pensamentos bons, positivos. Pode escolher ser mais feliz e tranquilo. É uma opção sua. Compreenda que cada pensamento molda sua vida e que você só pode sentir o que pensa.

Fique em paz! Namastê! Deus em mim saúda Deus em você! 

por Emilce Shrividya Starling

segunda-feira, 27 de abril de 2015

Somente o necessário...

Embora as pessoas reclamem com imensa frequência daquilo que não possuem, existe outra questão que merece toda a nossa atenção: aquilo que possuímos em excesso.

Aliás, os excessos costumam ser mais prejudiciais que as faltas, mas demoram mais para serem percebidos. As faltas nós notamos imediatamente, os excessos só quando despertam a nossa consciência. 

Comemos em excesso (observe você mesmo), trabalhamos em excesso (anda cansado, não é?), guardamos coisas em excesso (dê uma olhada em suas gavetas), nos importamos em excesso com a opinião dos outros...
Há um excesso de preocupações e acúmulo de “gorduras” em diversas áreas de nossas vidas. 

Em geral, possuímos mais do que necessitamos para ser feliz, mas continuamos insistindo na desculpa de que não somos felizes porque nos falta alguma coisa. E de fato falta: falta assumirmos um estilo de vida mais franco, sincero e liberto.

Tudo o que temos em excesso demanda tempo e energia para ser administrado. Roupas demais, CDs demais, bagunça demais, lembranças demais (fique com as que valem a pena, pelo aprendizado ou felicidade que trouxeram), compromissos demais, pressa demais.

Todos nos beneficiaremos com a prática de determinado nível de minimalismo (sem excessos, porque isso também pode ser demais). Podemos reinventar nossa maneira de viver para viver com o necessário. Não precisa ser o mínimo necessário, pode haver algumas sobras, mas sem os exageros de costume.

Viver melhor com menos. Isso traz uma sensação de leveza e felicidade tão maravilhosa que todos devemos, ao menos, experimentar. Na melhor das hipóteses, aprendemos e adotamos um novo estilo de vida.

Quem está em processo de mudança, reconhece rápido o quanto acumulou de coisas em excesso, e aprende que pode viver tão bem, ou melhor, com muito menos!

Se vamos acampar, somos felizes apenas com uma mochila...

Liberte-se dos excessos de todo o tipo: excesso de informação (aliás, muita coisa é só ruído, nem mereceria sua atenção); excesso de produtos e serviços (consumismo é uma válvula de escape para não olharmos para nossa própria existência e para o vazio que buscamos inutilmente preencher com compras); excesso de relacionamentos (nem todos valem a pena, não é verdade?). Viva mais com menos, experimente algum nível de minimalismo. Permita-se sentir-se livre dos acúmulos e excessos.

Nada é mais gratificante que a liberdade, a sensação de que você se basta sem precisar de um arsenal de coisas, sons e cores a seu redor. Dedique-se a experimentar essa libertadora sensação. Quem sabe viver com pouco, sempre saberá viver em quaisquer situações, mas aqueles que só sabem viver com muito, nas mínimas provações e ausências sofrem e se desesperam. Esses últimos se confundiram com seus excessos... e na falta deles, não se reconhecem.

Nunca sabemos se viveremos com o que temos, com mais ou menos no dia de amanhã, mas se aprendermos a viver com o que é essencial, viveremos sempre bem. 

Todo excesso é energia acumulada em local inapropriado, estagnando o fluxo da vida. Excesso de excessos corresponde à falta de si mesmo. E se o que te falta é você, nada poderá preencher esse vazio...

sexta-feira, 24 de abril de 2015

Quem busca um amor perfeito não tem maturidade

Quer um amor perfeito? Só se for a flor!
Você já viu aquela florzinha que chamamos popularmente de amor perfeito? Longe da perfeição, é uma flor pequena, delicada, às vezes me lembra uma carinha risonha, talvez rindo dessa nossa busca infantil e infrutífera pela perfeição no amor.

Se antes as pessoas suportavam coisas demais em nome do amor, até mais do que deveriam, mais do que seria saudável; hoje nada suportam. Basta uma palavra aparentemente inadequada ou mal colocada, um gesto mal cuidado, um erro, uma roupa desencontrada, um sapato mais brilhante do que supostamente deveria ser, e o outro já é descartado. Não se aceita nada menos do que a perfeição. 

Para desistirmos de alguém basta perceber que esse alguém é de carne e osso e que, além de alegria, sente também tristeza ; basta descobrir que o outro, como qualquer ser humano, tem problemas, dificuldades, se afastando do ideal de perfeição tão cuidadosamente traçado. Hoje em dia descartamos as pessoas como se faz com brinquedos estragados em uma linha de produção. 

Queremos que tudo seja rápido e absolutamente perfeito. Não há mais espaço para a conquista sadia, para o caminho de conhecimento mútuo que acontece aos poucos, para a parceria, para a construção conjunta. Queremos o produto acabado e sem defeitos. Não há espaço para que o amor possa acontecer. As avaliações são superficiais, afinal não temos tempo a perder.

- Ou serve ou não serve!

E se achamos, após algumas horas e um tanto de impressões superficiais, que aquela pessoa não serve, a jogamos fora, como fazemos com os arquivos da lixeira de nosso computador. Apertamos a tecla” Del” e seguimos em frente sem nem mesmo olhar para trás, muitas vezes deixando um rastro desastroso por nosso caminho.
Não é de se estranhar ver tanta gente sozinha. 

Cada vez mais aumenta o número de pessoas insatisfeitas no amor. São homens e mulheres, em sua maioria gente bacana, tentando encontrar alguém com quem possam compartilhar o que tem de melhor. Mas, como uma ironia do destino, mesmo quando duas pessoas bacanas se encontram, acabam não tendo tempo de perceber isso. Estragam as coisas antes mesmo que as coisas tenham tempo de existir. A pressa, a ansiedade, a falta de paciência, são como uma foice, cortando o brotinho que ingenuamente se dispunha a crescer.

Por que fazemos isso?

Creio que nunca estivemos tão assustados como agora. Temos medo. Não apenas do outro, mas temos medo de nós mesmos, medo de não sermos capazes de atingir a perfeição autoexigida. Temos medo de que, ao entrarmos em um relacionamento, enxerguemos no outro (que é como um espelho gigante) , as nossas próprias imperfeições. E para não quebrarmos essa ilusão de que somos perfeitos, nos mantemos longe dos espelhos, longe dos relacionamentos.

É preferível acreditar que o problema está no outro. É o outro que está gordo demais, ou é inteligente de menos, ou usa roupas feias, ou cheira a mel estragado, ou sei lá o que mais formos capazes de inventar. Tudo para nos afastar da possibilidade de olhar para nossas próprias falhas e feridas.

Se o amor não é perfeito, muito menos somos nós.

Só quando aceitarmos a nós mesmos exatamente como somos, essa linda somatória de qualidades e defeitos, seremos capazes de abrir nosso coração para uma pessoa de verdade, de carne e osso, dessas que nem sempre combinam com as páginas de revistas ou personagens românticos de filmes e novelas.

Enquanto isso, continuamos trancados, fechados para o amor, atropelando as pessoas bacanas que tanto queremos encontrar, sem nem mesmo perceber a nossa responsabilidade no rastro de destroços que deixamos para trás. 

por Patricia Gebrim

quinta-feira, 23 de abril de 2015

O que fazer quando o cinza toma conta de sua vida?

Qualquer um de nós pode ser, vez ou outra na vida, tomado por um lado sombrio que torna tudo cinza ao nosso redor.
Quando isso acontece, como se estivéssemos doentes de alma, enxergamos sempre o pior de cada situação. Nesse panorama sombrio, nos sentimos aprisionados, encurralados, como se na vida não houvesse saída.

Você já encontrou alguém assim? A pessoa fica tão paralisada naquele lugarzinho apertado dentro de seu próprio sistema de crenças que, por mais que tentemos lhe dar opções, ela sempre responde com: 

- Pode ser que você esteja certo, mas...

Olhando de fora vemos que existem sim saídas, e percebemos que as coisas não são tão negras como aquela pessoa parece acreditar. Mas, por mais que tentemos aliviar o peso da situação ou sugerir caminhos para uma melhora, a pessoa parece não ser capaz de enxergá-los. Responde sempre com um “mas”, seguido de uma justificativa que inviabiliza a solução. É como se, de alguma forma, ela quisesse permanecer lá, naquele lugar horrendo de dor e frustração. E nós, que tentamos exaustivamente ajudar, acabamos por nos sentir frustrados, quando não irritados... e muitas vezes acabamos por desistir de ajudar. Como se a pessoa fosse um saco sem fundo, vemos que nossas sugestões são tragadas, uma a uma, caindo num buraco negro que existe lá no fundo do saco. (Devem estar flutuando em algum canto do Universo numa hora dessas...) Ah... que cansaço isso dá!

Sabemos que para sair desse buraco é necessário que se mantenha o equilíbrio, que se tenha paz para raciocinar com clareza, que se tenha atenção para pescar uma solução criativa nesse rico mar que é nosso inconsciente, cheio de belezas e tesouros. É preciso compreender que de nada adianta sobrecarregar a própria vida com esse peso mortal que destrói a leveza das ideias, que afasta de nós toda a alegria e o encantamento.

Quando tornamos tudo sério e grave dentro de nós, acabamos por projetar essa carga ao nosso redor, e logo nos percebemos rodeados por uma sensação densa e ruim, oprimidos e esmagados por uma realidade que nós mesmos criamos. Logo estamos nos sentindo completamente desesperançosos, impacientes com tudo e com todos, nos tornando parecidos com máquinas ambulantes produtoras de reclamações e mau humor. O brilho de nossos olhos se apaga e ganhamos uma espécie de peso, como se estivéssemos atados a enormes bolas de ferro que nos prendem cada vez mais ao chão, nos afastando do suave mundo onde pulsam infinitas soluções criativas, nos afastando daquela camada sutil cheia de novas ideias que flutua leve, bem acima de nossas cabeças e que poderia nos tirar desse estado incômodo e assustador.

Se ao menos fôssemos capazes de olhar para cima, se parássemos de, obsessivamente, catalogar as pedras e obstáculos ao nosso redor, enxergaríamos saídas, seríamos ajudados a flutuar e, como leves pássaros, seríamos soprados em direção a outras realidades, mais amenas, mais gentis, mais livres.

Se você quer mudar sua vida, precisa concordar em abandonar essa atitude que tem mantido você atado a uma vida que não lhe traz felicidade, Não importa o que você tenha criado em sua vida, a solução reside em uma palavra: desapego. Você não pode mudar o passado, mas pode se desapegar dele, deixá-lo para trás. Não perca tempo tentando entender, catalogando tudo, ou recriminando a si mesmo pelas escolhas errôneas que fez em sua vida. Isso de nada ajuda! Foque-se completamente no presente, seja amoroso e compassivo para com seu próprio Eu. Perdoe as atitudes que tenha tomado e que lhe tenham feito mal. Isso já passou. Olhe para cima, para o novo e permita-se construir uma nova realidade onde se sinta mais leve. 

O mundo terá a gravidade que você decidir lhe dar. Você não precisa mudar o mundo. Mude a si mesmo, e o mundo se transformará antes que você consiga compreender como isso pode ter acontecido. 

*por Patricia Gebrim

quarta-feira, 22 de abril de 2015

Quando sofrer é útil

Qual a razão do sofrimento na Terra?

Não há filósofo que não tenha se debruçado sobre esta pergunta, a fim de buscar alguma resposta.

Não há nenhum de nós que, em um dia de sofrimento, não tenha voltado os olhos aos céus fazendo esta indagação.

Por que, afinal, o sofrimento?

A vida na Terra é um grande aprendizado.

Nenhum de nós foi convidado a retornar às lides terrenas sem esse objetivo maior.

Afinal, a maior lei da vida é o amor, asseverou Jesus, cabendo-nos, portanto, o seu exercício pleno.

Por isso tantas experiências nos acontecem. Por isso o suceder de vidas. Para que aprendamos a amar.

Estamos na Terra para exercitar esse sentimento.

Porém, cada um de nós tem a opção de escolher os caminhos e as maneiras de realizar esse aprendizado.

Escolhemos a estrada, a velocidade dos passos, aqueles que irão nos acompanhar.

E, para Deus, não importa como, por onde e com quem caminhamos.

Ele entende que todas as opções que fazemos, mesmo as mais equivocadas, ainda assim são lições preciosas para nossa alma.

Esse o motivo pelo qual nos permite livres escolhas na vida.

Naturalmente, por ser bom e justo, estabelece que arquemos com as consequências de nossas opções.

Opções difíceis, resultados problemáticos. Dores semeadas, dores colhidas.

Isso ocorre não por castigo, não por punição, mas para aprendizado.

Todas as dores que hoje encontramos em nossa estrada, são o resultado de ações anteriores.

São reflexos dos momentos em que agimos abrindo mão do amor.

E como optamos pelo não-amor, a vida nos oferece a dor como ferramenta de educação moral para alcançarmos o progresso.

Isso equivale a dizer que toda vez que o amor não for nossa opção, a dor nos chega.

Como mestra silenciosa, convida-nos à reflexão íntima, à análise profunda de nossa alma.

Carregamos crenças e valores, por vezes, dissonantes com a lei de amor.

Somos avaros, ciumentos, possessivos, até orgulhosos e vaidosos. Todos sentimentos que dificultam nosso progresso.

Se insistimos em sua manutenção, os planos da vida estabelecem caminhos de dor.

E, como terapia extrema de tratamento, ela vai nos conduzir à reflexão e análise, para que, amadurecidos, possamos modificar nossa postura.

Só assim podemos entender o valor do sofrimento. É útil sofrer quando a dor passa a ser entendida como grande mestra.

Se a dor desperta em nós a revolta, a amargura, a lição não foi bem compreendida.

É apenas convite amoroso de aprendizado.

E se nos chega violenta e avassaladora, é porque assim a semeamos, abrindo mão de amar.

Depois de um processo intenso de doença, muitos de nós nos tornamos mais dóceis.

Depois que a morte nos arranca dos braços um grande amor, tantos nos modificamos para melhor.

Na iminência da morte, muitos retificamos nossa atitude perante a vida.

Somos, então, aqueles que bem sofreram, que tornaram a dor nossa oportunidade de progresso.

Portanto, quando o sofrimento nos chegar, que o entendamos como convite bendito, que Deus envia aos Seus eleitos.

Pensemos nisso.

segunda-feira, 20 de abril de 2015

Faça o possível, isso já é muito

Eu sempre fui de admirar pessoas que conseguem fazer coisas que acabam por transformar o mundo. Seja um escritor, um artista plástico, um músico, um professor, um esportista...
Aquelas pessoas que parecem ter algo de especial, um brilho, uma espécie de magia impossível de passar despercebida.

O que seria de nosso mundo sem a beleza? Sem aquelas coisas que nos tocam a alma, sem a inspiração que recebemos daqueles que mergulham dentro de si mesmos e saem de lá com um tesouro em mãos, esse tesouro que compartilham conosco, amenizando a secura de nossas vidas?

Pensando nisso, me ocorreu escrever e dizer a você, que me lê neste exato momento, que, assim como aquelas pessoas iluminadas que você tanto admira, existe, agora mesmo, um tesouro esperando para ser descoberto.

Onde? No seu íntimo!

Não é preciso ter nome famoso, a esperteza da raposa dourada ou a pena sagrada de uma rara espécie de pavão para que você faça diferença neste mundo. Cada um de nós tem algo muito precioso e especial a compartilhar com a humanidade. Acredite, você também!

Muitas vezes desqualificamos a nós mesmos, como se fosse necessário ser uma espécie de semideus para criar algo de significativo. Não é verdade!

Todas as pessoas que você admira, famosas ou não, são apenas... humanas. Não há nada nelas que não exista em você. A não ser, talvez, a coragem de arriscar. A leveza de se lançar, de brincar, de expressar a si mesma.

Se você esperar atingir a perfeição para só então revelar seu potencial, talvez acabe por perder a chance de manifestar a beleza do seu ser. Seria um desperdício! Não é preciso ser perfeito para tornar o mundo um lugar melhor, acredite.

Você pode não entender nada de jardinagem, mas se escolher um pedacinho de uma praça e se permitir acreditar que pode tornar aquele lugar melhor, eu estou certa de que conseguirá. Basta arrancar as ervas daninhas, regar a terra, plantar algumas sementinhas, um pouco da sua sensibilidade com certeza já fará daquele cantinho um lugar mais agradável e acolhedor. Não precisa ser um jardim perfeito, com a perfeita escolha de cada planta, com a adubação perfeita. Basta que derrame sobre aquele pedaço de terra seu carinho, sua atenção.

Isso vale para muitas coisas. Não importa para onde decida ir, vá inteiro e sem medo. Em cada relação, em cada escolha, em cada tentativa de sua vida, faça o seu melhor. Dedique-se, regue sua vida com delicadeza, acredite em si mesmo. Faça o possível, isso já é muito.

Coisas maravilhosas acontecem quando nos esquecemos que somos apenas meros mortais condenados à mediocridade de uma vida limitada, repetitiva e tediosa. Arrisque sonhar! Pense nisso: talvez você seja um ser maravilhoso, dotado das mais incríveis capacidades à espera de serem descobertas. Talvez você seja mais do que já tenha sequer imaginado. Talvez o mundo esteja à sua espera. 

*por Patricia Gebrim

sexta-feira, 17 de abril de 2015

O que fazer quando tudo dá errado em nossa vida?


A vida é irônica às vezes... como se estivesse entediada, às vezes a vida nos prega peças, nos pega de surpresa. De um momento para outro, sem avisar, invade nossa casa, sacode tudo e de repente nos percebemos de pernas para o ar.
Num supetão nossos planos são frustrados, nossos sonhos são roubados e a gente fica lá, com cara de tacho, tentando encontrar alguma lógica no que parece não ter sentido algum.

São muitos os sentimentos que nos visitam nessa situação. Frustração, raiva, tristeza. Vem também um cansaço, afinal tínhamos dado o nosso melhor, tentando finalmente acertar! Tínhamos nos esmerado em fazer tudo certo, como manda o figurino, colocado em nossa vida as melhores intenções, cheios de planos de sucesso e felicidade. E de repente tudo ruiu bem em frente aos nosso olhos, mil pedacinhos espalhados aos nossos pés... uma vez mais.

Haja força para sermos capazes de levantar de novo, sem perder o senso de humor, haja coragem para sermos capazes de continuar, sem jogar a toalha, sem cair no tentador papel de vítima. Aliás, tem coisa mais chata do que gente que se vitimiza?

Quem não se lembra da pessimista hiena Hardy do desenho animado?: 

- Oh Céus... Oh vida... Oh azaaaar...

O que ajuda em momentos assim?

Vou lhes dizer... não é fácil, mas ajuda se formos capazes de concordar em mudar de rota sem perder a confiança na vida, se formos capazes de abrir mão de nosso roteiro tão milimetricamente planejado, se cedermos ao fato de que muitas vezes as coisas seguem por caminhos inesperados que não poderemos prever ou controlar. Se arriscarmos pensar que, talvez, exista um sentido escondido por trás dos cacos, por trás da aparente falta de sentido. Se formos capazes de fazer isso, talvez consigamos encontrar a força para recomeçar.

Momentos assim requerem jogo de cintura, criatividade, leveza. Mas nada disso vem se não tivermos sabedoria.

Sem sabedoria levamos tudo a sério demais. Por isso se diz que os sábios se aproximam das crianças. Pois, tal como as crianças, os sábios sabem que neste mundo nada é definitivo. Os sábios, tal como as crianças, encaram os imprevistos da vida como uma chance de brincar de algo diferente. Muitas vezes, sem sabedoria, nos fixamos no momento presente e esquecemos de que aquele momento é apenas um pedacinho de um quadro muito maior. Nos esquecemos de que, muitas vezes, o que parecia um verdadeiro desastre era, na verdade, um movimento protetor, nos empurrando em direção a um lugar muito melhor.

Acredite no que digo ou não, a verdade é que só lhe restam duas opções.

Desistir, como fazia a hiena do desenho, que sempre dizia : “ isso não vai dar certo!”.

Ou bater a poeira e recomeçar. Com sabedoria. Para onde tiver de ser. Para onde a vida nos permitir continuar a caminhar!

Sempre existe um caminho a ser trilhado, e acreditem, o importante não é chegar a algum lugar específico, e sim sermos capazes de manter a alegria ao caminhar, seja lá para onde for!

* por Patricia Gebrim

quinta-feira, 16 de abril de 2015

Atitudes apaixonadas podem...

Muitas mulheres se deixam envolver nas fases de namoro e paixão por atitudes de seus parceiros que elas traduzem por "ciúmes de quem está gostando!"

O problema é que a maioria das mulheres, independente de ser jovens adolescentes ou até mesmo mulheres de 25, 30 ou 35/40 anos, quando estão carentes de afeto, acabam se deixando envolver e interpretam erroneamente atitudes possessivas de caráter agressivo e até discriminatório.

Comportamentos que demonstram potencial tendência à possessividade e à agressividade:

- Criticar ou impedir o uso de shorts, vestidos ou minissaia; 
- Criticar ou impedir uso de blusas justas, decotadas ou de cores chamativas; 
- Impedir ou proibir de sair com amigas;
- Impedir ou proibir de cumprimentar amigos, vizinhos, primos com beijo e/ou abraço; 
- Impedir ou criar dificuldades para frequentar festas, bares ou encontros com amigos de colégio, faculdade, pós-graduação ou do local de trabalho;
- Impedir ou criar dificuldades para que a parceira estude - vá para colégio, faculdade ou outros cursos;
- Exigir senha de acesso às redes sociais da namorada com discurso que entre casal "não pode haver segredo";
- Querem colocar (ou tentam instalar escondido) nos celulares programas de rastreadores, mas que, no caso dele, quase sempre "está fora de área"; 
- Exigir que fotos do ex sejam deletadas, jogadas fora.

Se você se enxergar em um relacionamento em que você identificou quatro ou mais desses itens presentes, comece a ficar mais esperta, ligue o neurônio da lucidez e preste atenção: você corre um sério risco de estar entrando ou já estar mergulhada numa relação de violência.

Não vou me estender com a discussão de gênero ou com conceitos feministas. Minha preocupação é que a mulher não se submeta cegamente a relações afetivas destrutivas em nome de um desejo de se sentir querida.

Sei que esses verbos - criticar, impedir, proibir, dificultar - são agressivos, autoritários e, num primeiro momento, muitas mulheres ao ler irão dizer: "mas meu namorado/ficante/parceiro não faz assim", e eu acredito que não seja mesmo!

Processo de dominação começa em tom apaixonante

No início dos relacionamentos as falas são sedutoras, podem ter tom cuidadoso ou de alguém inseguro com receio de se sentir ameaçado por outros homens, ou que ama/deseja muito e não quer "perder a cabeça". É nesse tom quase apaixonante que começa o processo de dominação, aí depois de algum tempo, as demonstrações vão se tornando mais frias ou irritadiças, chegando a quadros de muito controle e possessividade, que sempre esbarram na violência moral e até física. 

Viver uma paixão ou um grande amor pode ser delicioso e faz parte dos desejos femininos sempre, mas perder a individualidade (só você deve saber suas senhas), sem ter que para isso abandonar relacionamentos sociais ou gostos pessoais.

Me preocupa ver adolescentes achando lindo esses controles, mulheres se sentindo encantadas com "tamanha demonstração de atenção e cuidado".

A carência afetiva de muitas mulheres as tornam cegas para relações de submissão e de violência.

Pense bem, e se puder evite relacionamentos que irão trazer muitos prejuízos à sua autoestima e sua integridade física, moral e psicológica.

*por Arlete Gavranic

quarta-feira, 15 de abril de 2015

O amor é mais

A cada sorriso teu que vejo, sinto que tudo mudou, e nada é como antes, você tem sua vida com um outro alguém, e toda nossa historia chegou ao fim agora, quando olho em teus olhos, não consigo mais enxergar tua alma, meus pensamentos agora estão muito confusos, e sem nenhuma expressão neste mero papel, através de palavras tento dizer um pouco do que sinto mas, é tudo em vão; não sei mais o porque de tudo isso estar acontecendo, mal sei o porque de termos nos afastado assim, porem talvez assim seja melhor, mesmo que nem amigos possamos ser agora, eu acho bem melhor que tudo fique assim como esta. Se você me pedir se pode voltar, por mais impossível que isso pareça, eu vou lhe responder ‘não’, meu corpo e minha mente, já não necessitam mais de você, e mesmo com o meu coração transparecendo por meu olhar e lhe mostrando que ainda preciso de você, eu juro que não voltarei, não desta vez, tudo o que represento a você, são meras lembranças, lembranças que você finge querer esquecer, mas eu sei que bem no fundo, a verdade você esconde, a verdade de que senti minha falta. 
Aos ventos que agora sopram, eu grito e tento que me escute, mas você parece morto, deve estar desacordado, pois não me responde, nem ao menos olha pra lua no céu pra lembrar de mim, meu corpo esta vagando solitário a procura do teu calor, mas você não esta , simplesmente esta caído no chão, lotado de heroína, esta cheio de magoa, e suas lagrimas se espalham com as gotas da chuva, eu ainda estão tentando te achar, mas não consigo te enxergar, parece que tudo esta sombrio, que a escuridão esta escondendo teu corpo como um manto, mas eu sei que você esta ali, e eu vou até você para te erguer e te dizer, que não importa o tão baixo e caído que você estiver, eu sempre estarei ali para te erguer novamente e te colocar de pé, nunca eu deixarei você caído, as cores estão voltando aos seus olhos, e você me olha como se soubesse o que estou pensando, como se quisesse parar o tempo ali, naquele momento, pra que ele dure mais que um simples momento, como se tudo e todos não importassem mais, e que apenas nos dois fossemos o mundo, e por um instante sinto que mesmo sem pronunciar uma única palavra, você esta ali me olhando e me sentindo, como eu o sinto, então as gotas da chuva molham nossos rostos, que se aproximam cada vez mais, e nossos lábios se tocam, todo o barulho existente dos carros desesperados ao redor, ou da gritaria que a naquele lugar, somo, tudo ao nosso redor desaparece, e o calor volta em mim, e te aquece, como se aquele fosse o ultimo momento de nossas vidas, este foi o mais intenso e aquecedor, beijo, e então a chuva continua a cair, e então nos afastamos por alguns centímetros, e derrepente ainda me vejo mergulhada no teu olhar fascinante e que me faz bem, então olho para tua boca, e apenas uma frase você consegue pronunciar, ‘eu te amo’, pode ser a frase mais comum de se ouvir, porem nunca havia sido pronunciada com tanta verdade escondida, incrível não, apenas uma frase pode mudar completamente o rumo da tua vida, e então você deixa a heroína e vem comigo, e então, partimos para um futuro obscuro e sem regras, onde o que mais importa é o simples fato de sermos quem somos, e amarmos quem nosso coração escolhe!

*Por Yara Thaine Bass

terça-feira, 14 de abril de 2015

Deixe escapar a emoção

O que eu posso, eu não posso como quero! 
Eu posso com menos possibilidades.
Se eu não posso modificar a vida, quero deixar que a vida me modifique.
Se eu não posso mudar o acontecimento,
então eu quero que o acontecimento me modifique.
Isso é reconciliar os contrários.
Isso é descobrir a sabedoria da possibilidade. 
Não é do jeito que eu quero, 
mas vai ser o jeito que pode!
E aí o meu coração se meche assim como o organismo busca forças 
para reconciliar a carne e cicatrizar aquele lugar que está ferido. 
Todo o meu organismo se meche, 
se volta para aquela urgência. Todo o meu coração se move na tentativa de descobrir
o significado para a vida naquele instante. 
E se a gente obedece a essa regra da cicatrização do momento,
a gente acorda melhor no outro dia. Sabe porquê? 
Porque a ferida parou de sangrar um pouco. 
Não significa que a dor deixou de existir dentro de nós, 
não significa que o problema deixou de existir, não! 
Só que há um jeito diferente de lidar com ele agora, 
e eu preciso descobrir que em cada momento da minha vida
há uma ferida a ser cicatrizada,
há uma reconciliação a ser realizada. 
E essa é a sabedoria do Evangelho.
Abrir os nossos olhos para que nós possamos descobrir
qual é a necessidade de cicatrizar hoje. 
O que dentro de mim, hoje, eu não tenho direito que amanheça amanhã sangrando
Porque eu preciso cuidar!
Hoje você não tem o direito de ir dormir sem pensar naquilo que você precisa cicatrizar dentro de você. 
Mova seu coração, mova os seus sentimentos, mova sua inteligência na direção daquilo que em você precisa ser cicatrizado. 
Não amanheça amanhã do mesmo jeito que você amanheceu hoje. 
Não permita que a vida aconteça amanhã para você e que ela lhe encontre do mesmo jeito que você estava hoje. 
Permita o movimento da cicatrização!
Permita o movimento da reconciliação!

*Por Padre Fábio de Melo

segunda-feira, 13 de abril de 2015

A arte de ser encontrado por Deus

Enquanto nós fingirmos para nós mesmos, nós não iremos a lugar algum; enquanto não reconhecermos as nossas necessidades, as nossas lutas, os nossos males, enquanto não dermos nomes aos nossos inimigos e olhar nos olhos deles, ele serão maiores do que nós; enquanto a gente temer os malefícios da manhã, nós não seremos capazes de entrar na tarde com as cores de ressurreição. 

Quanto mais você conhece a Deus, mais você se torna exigente. 

É impossível amar o outro se antes o amor de Jesus não estiver amando em nós, não estiver nos devolvendo o tempo todo a nós mesmos. Quando a gente se ama o que na verdade estamos fazendo não é trazendo o outro para nós – isto é equivoco, isso é manhã que não deu certo. Amor de ressuscitados, amor de homens e mulheres que acreditam em Deus, não é amor que retém, é amor que devolve ele a ele mesmo. 


Amor humano é devolução, é restituição. E aquele que aceita qualquer coisa, também será deixado por qualquer coisa. 

Jesus é a Palavra. Aqui entra o poder redentor de Deus através do seu Filho Jesus. E o poder do olhar que restitui, faz com que aquela mulher possa descobrir as forças que antes ela não sabia que tinha e assumir que a vida não tinha dado certo. 

Quantos de nós temos que passar pelo duro aprendizado de dizer "não deu certo". Por orgulho a gente mente para o outro. Jesus deu a força para aquela mulher de reconhecer: “Eu não nasci para viver essa condição de miserável eternamente”. 

Eu preciso reconhecer que quem me leva para frente é o amor de Deus. Essa é a coragem de olhar para mim e reconhecer: "Não deu certo, mas ainda pode dar". Como eu disse, Deus não facilita as coisas, porque se Ele facilita Ele tira a sua parte, que só você pode realizar. 

Sempre que eu ouvia esta música, a imagem que me vinha era da minha mãe, e eu fiz um esforço para não mostrar como eu estava frágil. Como é bom encontrar com olhos que nos reinaugura. Na vida de um cristão a vida está sempre recomeçando. 

Na sua vida você faz a experiência de encontrar e de ser encontrado. Tantas vezes você esbarra naquele irmão que você já não vê há trinta anos, e que você já não sente mais nada. Quantas relações humanas estão falidas porque as pessoas não conseguem mais reinaugurar um ao outro. 

Irmãos que há tanto tempo não se encontram, porque não têm a coragem de contar a sede que têm e o outro não sabe que você está sedento. 

O mundo começa na palavra que a gente diz. Faça a experiência do silêncio e o mundo começará a partir da palavra que você vai dizer daqui a pouco. 

Sempre tem um "espírito de porco" para nos lembrar o que a gente fez de errado ou daquilo que a gente não fez. E quantas vezes nós somos desumanos. Às vezes, somos especialistas em colocar os olhos somente naquilo que não deu certo em nós. Gente que assume a postura de acusador. 

Muitas vezes, a pessoa está fazendo tudo errado, mas o que você não pode esquecer é que o diabo não tem o direito de dizer que você é errado, porque ele só sabe mentir. Por que você é pessoa certa, só que está no lugar errado; pessoas certas vivendo na vida errada. É igual a um diamante que está sujo de barro, mas não deixa de ser diamante.

*Por Padre Fábio de Melo

sexta-feira, 10 de abril de 2015

A ratoeira

Preocupadíssimo, o rato viu que o dono da fazenda havia comprado uma ratoeira: estava decidido a matá-lo!

Começou a alertar todos os outros animais:

- Cuidado com a ratoeira! Cuidado com a ratoeira!

A galinha, ouvindo os gritos, pediu que ficasse calado:

- Meu caro rato, sei que isso é um problema para você, mas não me afetará de maneira nenhuma ,portanto não faça tanto escândalo!

O rato foi conversar com o porco, que sentiu-se incomodado por ter seu sono interrompido.

- Há uma ratoeira na casa!

- Entendo sua preocupação, e estou solidário com você – respondeu o porco. – Portanto, garanto que você estará presente nas minhas preces esta noite; não posso fazer nada, além disso.

Mais solitário que nunca, o rato foi pedir ajuda à vaca.
- Meu caro rato, e o que eu tenho a ver com isso? Você já viu alguma vez uma vaca ser morta por uma ratoeira?

Vendo que não conseguia a solidariedade de ninguém, o rato voltou até a casa da fazenda, escondeu-se no seu buraco, e passou a noite inteira acordado, com medo que lhe acontecesse uma tragédia.

Durante a madrugada, ouviu-se um barulho: a ratoeira acabava de pegar alguma coisa!
A mulher do fazendeiro desceu para ver se o rato tinha sido morto. Como estava escuro, não percebeu que a armadilha tinha prendido apenas a cauda de uma serpente venenosa: quando se aproximou, foi mordida.

O fazendeiro, escutando os gritos da mulher, acordou e levou-a imediatamente ao hospital.
Ela foi tratada como devia, e voltou para casa.

Mas continuava com febre. Sabendo que não existe melhor remédio para os doentes que uma boa canja, o fazendeiro matou a galinha.

A mulher começou a se recuperar, e como os dois eram muito queridos na região, os vizinhos vieram visitá-los. Agradecido por tal demonstração de carinho, o fazendeiro matou o porco para poder servir aos seus amigos.

Finalmente, a mulher se recuperou, mas os custos com o tratamento foram muito altos. O fazendeiro enviou sua vaca ao matadouro, e usou o dinheiro arrecadado com a venda da carne para pagar todas as despesas.

O rato assistiu aquilo tudo, sempre pensando:

“Bem que eu avisei. Não teria sido muito melhor se a galinha, o porco e a vaca tivessem entendido que o problema de um de nós coloca todo mundo em risco?”

“Na próxima vez que você ouvir dizer que alguém está diante de um problema e acreditar que o problema não lhe diz respeito, lembre-se que quando há uma ratoeira na casa, toda fazenda corre risco. O problema de um é problema de todos.”

por Paulo Coelho

quinta-feira, 9 de abril de 2015

Silêncios e Palavras

Não diga as coisas com pressa. Mais vale um silêncio certo que uma palavra errada. Demora naquilo que você precisa dizer. Livre-se da pressa de querer dar ordens ao mundo. É mais fácil a gente se arrepender de uma palavra que de um silêncio. 

Palavra errada, na hora errada, pode se transformar em ferida naquele que disse, e também naquele que ouviu. Em muitos momentos da vida o silêncio é a resposta mais sábia que podemos dar a alguém. 

Por isso, prepara bem a palavra que será dita. Palavras apressadas não combinam com sabedoria. Os sábios preferem o silêncio. E nos seus poucos dizeres está condensada uma fonte inesgotável de sabedoria. 

Não caia na tentação do discurso banal, da explicação simplória. Queira a profundidade da fala que nos pede calma. Calma para dizer, calma para ouvir. 

Hoje, neste tempo de palavras muitas, queiramos a beleza dos silêncios poucos.

* Por Padre Fábio de Melo

Não existe falta de tempo, existe falta de interesse. Porque quando a gente quer mesmo, a madrugada vira dia. Quarta-feira vira sábado e um momento vira oportunidade...

quarta-feira, 8 de abril de 2015

ANJO...

Desde que você saiu da minha vida
Tudo mudou completamente;a forma como eu via o mundo
O meu sorriso já não se vêem mais;apenas em seu lugar um fio de lágrima a manchar-me a face
Simplesmente não porque deixei que a fraqueza tomasse conta de mim
Mas não tenho as forças que preciso para ir além
Tudo isso mostra que meu amor por você é verdadeiro
Tudo isso mostra que mesmo eu sofrendo,algo me diz para continuar do seu lado
Mesmo estando muito longe...Pois a força do amor me faz sentir que você irá precisar de mim
E eu estarei sempre lá!
Porque o amor de verdade supera tudo
Não há quem possa arrancar aquilo que nasceu dentro do coração e sabe que ali é o seu lugar."O amor é como uma semente que no lugar em que cai ali nasce;sendo no meio das pedras,dos espinhos,ou em boa terra ela nasce mesmo assim.Sem dificuldades alguma!
Com o passar do tempo essa planta poderá não resistir ao lugar e morrer.
E até em boa terra ela poderá vir a morrer.
Por isso o amor se compara;mas no instante em que esse amor nasce em um coração que mente,esse amor não prevalece.No instante em que esse amor nasce em um coração que brinca ou está vazio não permanece.Mas no instante em que a semente desse amor cai em um coração humilde e verdadeiro;ali està a certeza que ficará eternamente.Passe o tempo que for,a verdade nunca ficará oculta.
E enfim o amor é algo que jamais ficará oculto dos sentimentos do coração."
Em memória de qualquer lembrança,tudo pode passar,mas esse sentimento nunca.
Porque no momento em que te conheci,você fez nascer dentro de mim a planta mais importante do meu jardim.
Cultivo esse amor com as lágrimas de meu sofrimento e a faço sobreviver na sombra de meu silêncio.
Porque sei que no final essa planta será linda e forte,e estará em terra firme.
Te tenho em meu coração a todo o tempo e jamais esquecerei que deverei cuidar de um grande ser que habita dentro de mim.
O meu amor por você!
Maior e mais forte a cada dia.
Um dia unidos os dois corações serão o reflexo de um só.

Por DilmaMiranda22

terça-feira, 7 de abril de 2015

A T R I T O S

Ninguém muda ninguém;
ninguém muda sozinho;
nós mudamos nos encontros.
Simples, mas profundo, preciso.
É nos relacionamentos que nos transformamos.

Somos transformados a partir dos encontros, desde que estejamos abertos e livres para sermos impactados pela idéia e sentimento do outro.

Você já viu a diferença que há entre as pedras que estão na nascente de um rio, e as pedras que estão em sua foz?
As pedras na nascente são toscas,
pontiagudas, cheias de arestas.

À medida que elas vão sendo carregadas pelo rio sofrendo a ação da água e se atritando com as outras pedras, ao longo de muitos anos, elas vão sendo polidas, desbastadas.

Assim também agem nossos contatos humanos.
Sem eles, a vida seria monótona, árida.
A observação mais importante é constatar que não existem sentimentos, bons ou ruins,
sem a existência do outro, sem o seu contato.

Passar pela vida sem se permitir
um relacionamento próximo com o outro, é não crescer, não evoluir, não se transformar.
É começar e terminar a existência
com uma forma tosca, pontiaguda, amorfa.

Quando olho para trás,
vejo que hoje carrego em meu ser
várias marcas de pessoas 
extremamente importantes. 
Pessoas que, no contato com elas,
me permitiram ir dando forma ao que sou, eliminando arestas,
transformando-me em alguém melhor, mais suave, mais harmônico, mais integrado.

Outras, sem dúvidas,
com suas ações e palavras
me criaram novas arestas,
que precisaram ser desbastadas.

Faz parte...
Reveses momentâneos
servem para o crescimento.
A isso chamamos experiência.
Penso que existe algo mais profundo, ainda nessa análise.
Começamos a jornada da vida
como grandes pedras,
cheia de excessos.

Os seres de grande valor,
percebem que ao final da vida,
foram perdendo todos os excessos
que formavam suas arestas,
se aproximando cada vez mais de sua essência, e ficando cada vez menores, menores, menores...

Quando finalmente aceitamos
que somos pequenos, ínfimos,
dada a compreensão da existência
e importância do outro, e principalmente da grandeza de Deus, é que finalmente nos tornamos grandes em valor.

Já viu o tamanho do diamante polido, lapidado?
Sabemos quanto se tira de excesso para chegar ao seu âmago.

É lá que está o verdadeiro valor...
Pois, Deus fez a cada um de nós
com um âmago bem forte e muito parecido com o diamante bruto,
constituído de muitos elementos,
mas essencialmente de amor.
Deus deu a cada um de nós essa capacidade, a de amar...
Mas temos que aprender como.

Para chegarmos a esse âmago,
temos que nos permitir,
através dos relacionamentos,
ir desbastando todos os excessos
que nos impedem de usá-lo,
de fazê-lo brilhar

Por muito tempo em minha vida acreditei que amar significava evitar sentimentos ruins.
Não entendia que ferir e ser ferido,
ter e provocar raiva, ignorar e ser ignorado faz parte da construção do aprendizado do amor.

Não compreendia que se aprende a amar sentindo todos esses sentimentos contraditórios e...
os superando.

Ora, esse sentimentos simplesmente não ocorrem se não houver envolvimento...
E envolvimento gera atrito.
Minha palavra final: 
ATRITE-SE!

Não existe outra forma de descobrir o amor.
E sem ele a vida não tem significado.

*Por Roberto Crema

segunda-feira, 6 de abril de 2015

Uma Garota Cega

Havia uma garota cega que se odiava pelo fato de ser cega! 
Ela também odiava a todos exceto seu namorado! 
Um dia ela disse que se pudesse ver o mundo, ela se casaria 
com seu namorado. 
Em um dia de sorte, alguém doou um par de olhos a ela! 
Então o seu namorado perguntou a ela: 
- Agora que você pode ver,  você se casa comigo? 
A garota estava chocada quando ela viu que seu namorado era cego! 
Ela disse: 
- Eu sinto muito, mas não posso me casar com você porque você é cego! 
O namorado afastando-se dela em lágrimas disse: 
- Por favor, apenas cuide bem dos meus olhos, eles eram muito importantes pra mim... 

Nunca despreze quem ama!!! 

As vezes as pessoas fazem certos sacrifícios e nós nem ligamos...
Só o amor da sua vida, faz o impossível por você, para estar com você.
E ele nem sempre se apresentará como você quer e espera.
Observe, sinto os detalhes... pode estar mais perto de você do que imagina.

sexta-feira, 3 de abril de 2015

Caminhada

Às vezes nos sentimos meio perdidos,  
Sozinhos e sentimos a necessidade de buscar novos  Caminhos para nossas vidas...
Nessa caminhada, encontramos muitas pedras  
Que lapidadas transformam-se em  
Uma jóia preciosa: a experiência!
Encontraremos pessoas mais novas...  
E com elas reaprenderemos a inocência perdida...
Encontraremos pessoas mais idosas... 
E com elas aprenderemos a ser maduros...
Aprenderemos que o fogo que queima  
Também esquenta as noites de frio...
Em algum momento nossa caminhada  
Será interrompida e aprenderemos que foi apenas  
Uma pausa  para o descanso da alma...
Às vezes achamos que perdemos algumas pessoas,  
Mais depois percebemos que elas é que nos perderam.
Sentiremos medo e solidão,  
Mas encontraremos sempre a mão amiga  
Daquele que foi crucificado por nós...
E se achamos que a caminhada é longa demais,
 Temos a garantia do abraço sempre aconchegante  Daqueles que também dariam a vida por nós: 
nossos pais.
Ao final desta grande caminhada que se chama VIDA, Perceberemos que o que realmente importa 
São aquelas coisas que podemos carregar  
Dentro de nossos corações.
Portanto, guarde somente os bons sentimentos.
 Assim chegaremos com o coração leve  
E a mala cheia de boas lembranças...

quinta-feira, 2 de abril de 2015

Oi...Sou JESUS

Eu estou ao seu lado 
e sou aquele que nunca desacredita dos seus sonhos.
Sou eu que as vezes altero seu itinerário, e até 
atraso seus horários para evitar acidentes ou 
encontros desagradáveis. 
Sim, sou eu que falo ao seu ouvido aquelas 
"inspirações" que você acredita que acabou de ter
como "grande idéia". 
Sou eu quem lhe causa aqueles arrepios quando você se 
aproxima de lugares ou situações que vão lhe fazer mal.
E sou eu quem chora por você quando você com a sua 
teimosia insiste em fazer tudo ao contrário só para 
desafiar o mundo. 
Quantas noites passei na cabeceira de sua cama velando 
por sua saúde, cuidando de sua febre e renovando suas 
energias. 
Quantos dias eu lhe segurei para que você não entrasse 
naquele ônibus, carro e até avião? 
Quantas ruas escuras eu lhe guiei em segurança? 
Não sei, perdi a conta, e isso não importa. 
O que realmente importa, e o que me deixa triste e
preocupado, é quando você assume a postura de vítima 
do mundo, quando você não acredita na sua capacidade de 
resolver os problemas, quando você aceita as situações 
como insolúveis, quando você pára de "lutar" e 
simplesmente reclama de tudo e de todos ,
quando você desiste de ser feliz e culpa outra pessoa pela sua 
infelicidade, quando você deixa de sorrir e assume que 
não há motivos para rir, quando o mundo está repleto 
de coisas maravilhosas, quando se esquece até de mim.
Eu sou Jesus, aquele que Deus deu para morrer em seu lugar na cruz do calvário, em sacrifício, para que os pecados do mundo fossem perdoados. 
Já que me deixaram falar diretamente com você,
gostaria de lhe lembrar, que estou ao seu lado sempre, 
mesmo quando você acredita estar totalmente só e abandonado, até neste momento eu estou segurando a 
sua mão, eu estou consolando seu coração, eu estou lhe
olhando, e por lhe amar demais, fico triste com a sua 
tristeza, mas, como eu sei que você nasceu para adorar meu pai que está nos céus, eu agradeço a Ele a oportunidade bendita de lhe conhecer e cuidar de você, porque você é realmente muito especial para mim. 
Sou Jesus acredito em você! 
- Ore, Louve, agradeça, Eu estou ai com você, lhe ouvindo: 
"Santo Deus, Senhor meu, zeloso guardador, 
se a você me confiou a conhecer-lhe, rege minha vida, me guarde e me ilumine Amém!"

Aprendi a não bater de frente com quem só entende o que lhe convém

Uma das coisas mais desagradáveis que ocorrem é sermos mal entendidos, quando o outro deturpa nossas palavras ou nossas atitudes, desconte...