SEJA BEM VINDO AO NOSSO BLOG.

SEJA BEM VINDO AO NOSSO BLOG.

OBRIGADO POR SUA VISITA, SE POSSÍVEL COMPARTILHE COM SEUS AMIGOS E VOLTE SEMPRE!!!

Cesar





FIQUE LIGADO!

quinta-feira, 19 de janeiro de 2017

DEUS DEU UMA VIDA PARA CADA UM CUIDAR DA SUA!

Falar de coisas ruins, tragédias, mortes...fazer sensacionalismo dá IBOPE. Ainda assim eu prefiro falar de coisas boas, Acrescentar algo BOM á vida das pessoas. Obrigado por também ser uma pessoa do bem e estar aqui. BOM DIA !

César

A vida é minha, isso ninguém me falou: Quando eu cansei de te agradar.
Eu estou em mau humor tão grande que se essa mulher soubesse, não andava lerdamente na minha frente, por que as pessoas passeiam no mercado? Enfim…
Eu tenho um grande problema com os palpites alheios, os detesto. Deus deu uma vida para cada um cuidar da sua, mas as pessoas querem cuidar da do amiguinho, no caso eu. Se não fosse educada, te mandaria para um lugar tão, tão distante. Quer saber? Vai lá! Vai!
Engraçado como as pessoas sempre sabem o que você deve fazer, na sua saúde, na sua profissão, no seu peso, na educação dos seus filhos, se você deve ter filhos, quem devo amar, se devo amar, até a hora de casar, por mais que a vida delas estejam de cabeça para baixo, elas sempre sabem o melhor para você, tenha santa paciência! Deixa a minha vida. Pratica o desapego comigo!
Eu sempre quis ser melhor do que eu sou hoje, no sentido de evolução mesmo, melhor como pessoa, e por muito tempo eu achei que iria conseguir ouvindo as pessoas, achando mesmo que todo mundo me ama e queria me ver bem.

Lição 1: Se palpite fosse bom não se dava, vendia.

Lição 2: As pessoas querem te ver bem, mas nunca melhor que elas.

Lição 3: Se quer ser feliz de verdade, cala-te.

Não! Não é um palpite, foi o que eu descobri com a vida. Após anos ouvindo as pessoas, a única coisa que eu ganhei foram crises de ansiedade, pois eu queria simplesmente agradar a todos, e claro, eu nunca conseguia, e nisso tudo eu esqueci a única pessoa que importava para minha felicidade: eu.
Eu esqueci que a vida era minha. Colocava milhões de metas na minha vida, as quais no fundo não desejava, que eu sabia que não iria dar certo, não por incapacidade, porque não queria e ponto. Eu sabia das minhas limitações, mas não as assumia, aliás para uma menina de coração de gelo, ser feita de aço seria só mais uma consequência.
Mas eu não era de aço, não tinha coração de gelo, pelo contrário: eu era flor despetalada por dentro, que perdia a vida como uma flor que perde a seiva ao ser arrancada da terra. Quando todo mundo dormia eu chorava, no banho eu chorava, eu olhava fixamente os faróis altos do ônibus em alta velocidade, calculava a força do impacto sobre meus ossos. Seria mesmo feita de aço? Ou de sentimentos de aço?
Eu não sabia mais quem era, uma vida para agradar aos outros, tentando provar a todo tempo isso ou aquilo, por mais que não fosse importante para mim. Então eu vi que não estava abandonada por essa ou aquela pessoa, que não era Deus que tinha me abandonado, era eu a única culpada pela solidão e o vazio que me consumia a alma. Era eu, apenas eu, sempre fui eu.
Era eu que odiava minha imagem, meu peso, sempre achava que fazia as escolhas erradas, que talvez devesse comer fígado, tentava sempre alcançar além do que meu braço permitia, era eu… Que ouvia todas as críticas, acreditava e me corroia em uma agonia desejando sempre ser alguém menos ser eu.
E então eu comecei a olhar mais para as marcas que fiz, comecei a me aceitar, amar estar comigo, passei a gostar mais de minha companhia, algumas pessoas me olham torto com olhar de tristeza achando que é solidão, eu amo meus amigos, mas amo estar comigo também. E então passei a me amar de verdade, e o melhor amar quem eu era.
Os palpites continuam chegando, de todos os lados, sobre todas as coisas. Você pode escutar, mas não ouvir tudo, fique com o que é bom, mas lembre-se: ninguém sabe o caminho da sua felicidade a não ser você. E quando se sentir perdido escute a sua alma, ela costuma gritar a direção correta nessas horas, basta ouvir. Agora sei que só eu posso dizer o que, ou quem me faz feliz, a vida é minha, e isso ninguém me falou.

*Luciana Fernandes

quarta-feira, 18 de janeiro de 2017

É ASSIM QUE OS RELACIONAMENTOS TERMINAM…

Os relacionamentos terminam quando você para de se comunicar.

Quando você para de dizer as coisas boas e difíceis, quando você para de dizer ao seu parceiro o quanto o aprecia, e quando você para de dizer-lhe o que te perturba, e começa a engarrafar suas emoções. Os relacionamentos terminam quando você começa a falar com todos sobre seus problemas, e se esquece de falar com seu parceiro primeiro, os relacionamentos terminam quando vocês não se explicam um ao outro, e você começa a explicar a si mesmo para outra pessoa.

Os relacionamentos terminam quando vocês param de mostrar amor e carinho um ao outro.

Quando você acha que o romance tem uma data de validade, quando você fica muito confortável e se esquece de mostrar ao outro o quanto se importa, quando você se torna tão certo de que seu parceiro não vai a lugar algum que para de mostrar apreciação ou se esforçar. Quando você começa a desvalorizá-lo, quando para de agradecer-lhe pelo o que faz e por quem ele é. Os relacionamentos terminam quando você mata o amor com suas próprias mãos, quando você afirma que o amor eventualmente desaparece e não há nada que você possa fazer sobre isso.

Os relacionamentos terminam quando vocês param de tentar entender um ao outro.

Quando você para de tentar estar lá para o outro, e quando você para de fazer todas as pequenas coisas que importam, as pequenas coisas que fazem do mundo um lugar melhor, como um sorriso genuíno, um toque de amor, uma palavra amável e deixar alguém saber que não tem que estar sozinho. Os relacionamentos terminam quando você estende as diferenças entre você e seu parceiro e acaba se sentindo sozinho.

Os relacionamentos terminam quando você decide não ser vulnerável.

Quando você não mostra a alguém seu verdadeiro eu, incluindo seus medos, inseguranças e todas as suas cicatrizes. Terminam quando seu parceiro sabe somente uma versão de você, quando você não o deixa ver as partes mais macias, mais delicadas de si mesmo. As partes que você não mostra a mais ninguém – as partes que ele poderia machucar. Terminam quando você tem medo de mostrar-lhe o quanto precisa dele ou como não pode imaginar sua vida sem ele. Terminam quando o ego substitui o coração.

Às vezes, os relacionamentos terminam porque não era para ser, mas às vezes terminam muito cedo, terminam por todas as razões erradas, terminam mesmo que pudessem ter durado, e terminam porque as duas pessoas eram muito teimosas, orgulhosas, assustadas e guardadas para se abrirem.

Alguns relacionamentos acabam porque eram um pouco difíceis, mas relacionamentos não devem ser fáceis, não devem ser perfeitos. Talvez a expectativa de que eles têm de ser perfeitos é o que os arruína.

Os relacionamentos terminam quando você os deixa morrer em vez de trabalhar duro para salvá-los.

*Luiza Fletcher

terça-feira, 17 de janeiro de 2017

A VIDA SE TRANSFORMA E SE RENOVA… TUDO MUDA E MUDAMOS COM ELA…

O que me preocupa não é o grito dos maus. É o silêncio dos bons.
Martin Luther King

Bom dia, abaixo a mensagem do dia de hoje!

César


Desapego…

Curiosamente, dentro da expressão Apego, existe a palavra Ego. E enquanto arrumamos o mundo fora de nós, dando novo rumo, organizamos o universo interior. Cada partida abre espaço para uma nova chegada. E porque temos tanta dificuldade de jogar fora, doar ou vender as coisas? Porque impregnamos tudo que faz parte de nossa vida do Ego, o eco do Eu. Dizemos para nós mesmo: “Posso precisar algum dia”, mas no fundo, sentimos intimamente: “é parte de quem sou”. No entanto, as velhas cartas seguem mofadas na caixinha, os livros empoeirados na estante… Tudo preso há um instante, em algum canto do pensamento que mal visitamos, na tranquilidade de estar acessível às mãos… Basta querer (ainda que não queiramos).

Este medo de esquecer de algo que foi importante é o nosso medo de ficarmos ausentes de nós mesmos. De vasculhar as lembranças e não nos acharmos na frase escutada no momento certo, na surpresa que mudou um dia,…Aliás, vai além, medo de mexermos no nosso conforto, na nossa comodidade e na segurança do que já conhecemos. O novo sempre nos assusta!

Mas a vida se transforma, se renova, tudo muda de sentido e significado, porque mudamos com ela. Ah, e como mudamos! O excesso de acumular esconde o vazio de não preencher. Porque quanto mais preenchidos, menos coisas precisamos.

Ao encararmos a necessidade de nos abrir à um novo tempo, uma nova situação, uma nova condição, precisamos abrir espaço nas prateleiras, nos armários, nas gavetas também… A casa é apenas um espelho do que somos, como o caramujo que carrega a sua nas costas! É preciso que ela esteja leve ou corremos o risco de sermos esmagados ou sentirmos um peso maior do que deveríamos realmente comportar.

Recicle os papéis criando uma folha em branco para novas escritas… Doe os livros para que outros possam ter o conhecimento que já adquiriu… Jogue fora as velhas cartas, escreva novas para quem está ao seu lado e que esquecemos de dizer o quanto nos importam.

E se ainda assim guardar alguma coisa, que seja unicamente, aquilo que faça seu presente impulsionar o seu futuro!

*Fernando Suhet

segunda-feira, 16 de janeiro de 2017

SE VOCÊ FOI NOVAMENTE COLOCADO À PROVA É PORQUE DEUS QUER MAIS DE VOCÊ!

Você percebe como a vida acontece? Percebe que de uma hora pra outra as coisas mudam de lugar?

Sentimentos, passagens, dias e tempo?

Tudo é mutável e inesperado. E se você foi novamente colocado à prova é porque Deus quer mais de você.

Ele sabe que você consegue. Você conseguirá superar e surpreender. Não é hora de se lamentar.  É hora de ousar, é hora de suprir aquilo que sente falta.

Revigore-se, e sinalize o que deseja. Só assim a vida conseguirá te seguir.

É tempo de reconstrução  Eleve sua gratidão ao alto e sorria. Mentalize a paz e a felicidade que você merece ter.

Ele só quer que teus sonhos se realizem onde o destino puder te levar.

Então, vá em paz. Vá saboreando as coisas que lhe oferecerem com amor pelo caminho. Vá aprendendo, reaprendendo.

É assim que dentro de você tudo começará a entrar nos eixos.

Engatinhe se preciso.  Não se irrite, não jogue o que é seu em cima de ninguém. Distraia-se e vá criando novos laços com esse infinito de possibilidades. Diga a si mesmo que tudo ficará bem, porque você deseja que tudo fique bem.

Às vezes tudo parece andar certinho demais, parece se encaixar como um quebra cabeça.

De repente as peças se desprendem e se perdem e você precisa voltar a procurar até novamente se encontrar.

Faz parte do aprendizado. Pode ser lento, rápido. Mas é seu! Vá ao seu tempo. No seu limite.

Tudo é obra do que Ele te escolheu. Sinta que existe uma travessia a ser feita. Sinta que precisa colocar energia e foco nela.

Sinta que precisa ter fé para que a luz do alto ilumine sua alma.

Viver já é um bom motivo pra tentar ser feliz.

Que você opte em nome da própria capacidade de amar.

*Sil Guidorizzi

sexta-feira, 13 de janeiro de 2017

QUERIDO DEUS, OBRIGADO(A)

Obrigada por este coração.

Por este pequeno músculo batendo dentro do meu peito. Obrigada pela sua resistência, pela sua força. Obrigada por ajudá-lo a bater através de cada cena aterrorizante em um filme assustador, através de cada beijo, através de todas as manhãs em que eu estava tão cansada, e não queria enfrentar o mundo. Obrigada por me dar força física – para superar obstáculos, para seguir em frente, para nunca parar. Obrigada pela minha força emocional – para permitir que as pessoas me conheçam, para perdoar, para compartilhar o amor com os outros. Às vezes eu me esqueço de quão incrível é este músculo, trazendo oxigênio para o meu corpo, mantendo-me viva, lembrando-me que mesmo na minha humanidade, eu sou poderosa. E me ajudando a amar, e continuar amando. Então, obrigada.

Obrigada pelas minhas mãos.

Mãos para tocar, segurar, abraçar, amar. Obrigada pelos momentos em que meus pais seguraram minhas mãos na deles, pelas vezes em que eu pude escovar o cabelo da minha irmã. Obrigada por minhas mãos terem sarado, pelos caminhos que elas aprenderam, pelas ligações que fizeram com outras mãos e me fizeram ver a beleza na imperfeição.

Obrigada por amar.

Pela capacidade de sentir, abrir, doar. Pelas maneiras através das quais você me mostrou o amor e me deu amor das pessoas ao meu redor. Obrigada pela minha família, meus amigos, meus colegas de trabalho, pelos estranhos, pelos amantes. Obrigada pelas vezes que você mostrou ao meu coração como é ser cuidado. Obrigada por me ensinar a me doar, totalmente, aos outros.

Obrigada pela dor.

Obrigada por todas as noites em que minhas lágrimas se misturaram as gotas de água dos meus banhos, as noites em que me senti sozinha e incompreendida. Obrigada pelo desgosto, pelas lições difíceis, pela exaustão e quebrantamento. Porque eu aprendi que estou inteira em você.

Obrigada pelas noites solitárias.

As noites em que eu ficava acordada até tarde, assistindo faróis dançarem através da janela do meu quarto. Obrigada por me mostrar como curar e como estar sozinha. Obrigada por construir minha força, dia a dia, mesmo quando sentia que estava ficando cada vez mais fraca. Obrigada por me lembrar que o vazio é temporário, e que eu posso sempre ser preenchida com o seu amor.

Obrigada pelos que partiram.

No momento de sua partida, senti-me traída, eu pensei que você tinha virado as costas para mim. Mas você estava me mostrando quem era temporário, e quem estava lá para ficar. Você estava me mostrando que eu não posso colocar minha fé em pessoas pecadoras, não posso depender delas como fonte de felicidade, mas posso, em vez disso, me apoiar em você. E você não vai embora. Obrigada por nunca partir, e prometer ficar ao meu lado para sempre.

Obrigada pelas orações sem resposta.

Porque esta vida não é sobre receber o que eu peço, não é sobre basear meu relacionamento com você no que eu recebo, não é sobre desejos sendo concedidos e receber as coisas à minha maneira. Porque o teu plano é maior do que o meu jamais será. E cada oração sem resposta era uma bênção disfarçada.

Obrigada por ser tudo o que eu precisava.

Por escutar quando derramei meu coração, por me guiar quando perdi meu equilíbrio, por ser uma fonte de inspiração e confiança, por me lembrar que sou tua, para sempre. E que eu sou amada. Obrigada por ficar quando o mundo virou as costas. Obrigada por me lembrar que, não importa o quão dura seja essa vida, você sempre estará aqui. Obrigada por dar o seu filho pelos meus pecados.

Obrigada pelo perdão.

Por me perdoar, por me ajudar a aprender a perdoar, pelo modo como o perdão cura e salva e nos permite começar de novo com nova esperança. Obrigada por fazer meu coração voltar à sua força total. Obrigada por me mostrar como a vida pode ser linda quando deixamos ir. Obrigada por oportunidades, por novos começos.

Obrigada pela esperança.

*Luiza Fletcher

quinta-feira, 12 de janeiro de 2017

OPTE PELO SILÊNCIO FRENTE AO BARULHO, PELO AMOR FRENTE AO DESAMOR, PELA GRATIDÃO FRENTE A RECLAMAÇÃO!

Mas afinal, o que é ser feliz?

Esta é uma pergunta que não quer calar nos últimos tempos.

Nós,  seres humanos, aprendemos a falar, criamos línguas, métodos de comunicação, aprendermos a caçar, a cozinhar. Criamos civilizações.

Exploramos a ciência, criamos a tecnologia e descobrimos até mesmo o poder dos átomos.

Criamos a bomba atômica.

Conquistamos vários mundos viajando rapidamente de um país ao outro e de repente, num piscar de olhos (ou melhor, em alguns cliques) estamos dentro da casa de um ente querido do outro lado do mundo pelo Skype.

A nossa humanidade evolui, e muito, a sua vida na terra, e ultimamente temos falado muito em felicidade.

Seria a tecnologia a vilã da nossa infelicidade? Ou seria então a correria do dia a dia?

Independente da resposta que ecoe mais alto no seu coração, quero deixar com você uma pequena reflexão: como é mesmo ser feliz?

Acredito que para respondermos esta pergunta, precisamos responder algumas outras antes: Quem sou eu? Porque eu nasci? Quais são os meus dons e meus talentos?

O Eu, que tem um nome, uma profissão, uma história não é o seu Eu superior.

O porque você nasceu, se você imagina que foi obra do acaso, também não é uma resposta da sua verdadeira identidade.

Os seus dons e seus talentos são a forma que você expressa o amor no mundo. São as formas únicas que só você sabe amar. É  forma que você planejou para expressar o Divino através de você antes de embarcar nesta viagem chamada vida terrena.

Se engana quem pensa que a felicidade está nos bens materiais.

Quando giramos a chave da nossa consciência, a de que nós somos seres espirituais vivendo num corpo físico, e não o contrário, damos início ao belo processo de descoberta e exploração da nossa felicidade.

A vida faz mais sentido quando frente a um problema, temos a consciência que podemos transformá-lo em uma oportunidade de crescimento, ou então, quando temos uma grande alegria, percebemos que foi fruto de um crescimento interno.

O seu mundo exterior muda, quando você muda o seu mundo interior. Isso é felicidade.

Tenho praticado colocar em minha mente, a cada vez que algo que poderia me “tirar do sério” acontece, os seguintes questionamentos: por que isso esta acontecendo? Qual aprendizado devo tirar desta situação? O meu stress neste momento vai resolver esta situação?  Que atitudes no passado eu tomei que me trouxeram para este resultado?

Por muitas vezes insistimos em culpar o outro, ou algum acontecimento externo pelo nosso sofrimento.

Isso é normal pois é a nossa auto defesa.  Temos esta incrível mania de querermos ficar “bem na fita” com a gente mesmo, pelo simples medo de não sermos amados.

Assumir a responsabilidade de absolutamente todos os acontecimentos da vida traz paz.

A felicidade é uma emoção, e emoções são passageiras. A plenitude contudo,  é um estado de espirito, alcançado pelos corajosos que não culpam o ambiente externo pelo seu caos interno.

Lembre-se todos os dias que o seu objetivo é levar “para o lado de lá” depois que você morrer, uma bagagem cheia de aprendizados, colaboração, amor e desenvolvimento moral.

Procure seguir o seu Eu superior, conhecendo suas paixões, seus dons, e o que faz o seu coração vibrar.

Faça mais do que te faz feliz. Experimente também o novo. A gente só sabe o que realmente gosta quando temos várias experiências anteriores para sentirmos o que faz o nosso coração bater mais forte.

Lembre-se que o que te diferencia dos outros seres vivos na terra é a sua capacidade de amar conscientemente. Escolha amar. Escolha o amor.
Opte pelo diálogo frente à discussão.

Opte pelo silêncio frente ao barulho.

Opte pelo amor frente ao desamor.

Opte pela gratidão ao invés da reclamação.

A sua felicidade será constante quando estiver no caminho da sua alma. É assim que encontrei minha plenitude.

Namastê!

* Ana Stier

quarta-feira, 11 de janeiro de 2017

GOSTO DO SEU JEITO… DOS SEUS DETALHES… GOSTO DE VOCÊ!

Hummm...chegou a quarta-feira. Dia de falar de amor na vang.
Abaixo a mensagem do dia de hoje...Daqui a pouco, tem a tradução do dia. Não perca!

César

Gosto de você…

E quando falo que gosto, é gostar no mais puro dos sentidos.
Gosto do seu jeito, dos seus detalhes.
Gosto dessa sua beleza que me deixa tonto.
Gosto do seu cheiro.
Gosto desse seu sorriso sempre envergonhado.
Gosto do seu cabelo todo encaracolado.
Gosto principalmente do que você representa em minha vida.
Gosto dos momentos incríveis que você me faz viver.
Se eu te amo? Eu não sei.
Também não sei se você me ama.
Mas não precisa ser amor ainda, realmente não precisa. O amor é lindo, mas é complicado.
O gostar é mais leve, a paixão é mais intensa e pura.
O que eu quero? Que aproveitemos esse nosso nada, que é tudo pra mim.
Essa nossa relação sem rótulos, sem saber muito o que é, e o que queremos do futuro. Aliás, o que eu quero hoje e que eu sei que quero amanhã também, é bem simples, é você. É a maior das minhas certezas.
Quero nossos abraços cheios de saudade, mesmo que tenhamos nos visto a pouco tempo.
Quero beijos intensos e sem pressa de acabar.
Quero curtir os momentos com você, cada momentinho que me faz imensamente feliz. Quero te fazer feliz, e quero que me faça feliz também.
Que seja leve, sem cobranças por enquanto.
Não quero me ligar nesse lance de tempo, isso não é certo.
Quero aproveitar a leveza do não-namoro.
Quero aproveitar a liberdade que temos.
Aproveitar o frio na barriga, porque tudo isso, são coisas da paixão, do gostar.
Com o amor fica diferente. Não fica melhor ou pior, apenas diferente.
Quero estar com você, quero simplesmente gostar de você e de cada detalhe teu, que te faz tão você, me deixando tão eu. Um eu que gosta tanto de você.

*Thalyta Souza