segunda-feira, 27 de maio de 2019

Há quem não mova uma palha, enquanto outros movem o mundo para nos ver felizes

É bom demais entender que existem pessoas dispostas a darem um pouco de si, disponíveis para os gestos mais simples, mas que são gigantes dentro do nosso coração.

Frequentemente, questiono o que faz uma pessoa generosa ou egoísta. Como podemos ter mundos tão diferentes de concepção da vida, de aptidão para o altruísmo e para a empatia? Todos nós um dia já nos deparamos com uma situação onde somos paralisados pela sensação de: “como ela pode fazer isso?”

Sim, às vezes, é difícil entender tamanha maldade. E a bondade está tão fora de moda que quando acontece vira notícia nos jornais.

Quantos favores simples já nos foram negados? Um telefonema ou só cinco minutos, mas as pessoas declinam em auxiliar e a gente fica pasmo sem saber o porquê.

Por outro lado, algumas pessoas param seu dia para nos ajudar a resolver um problema. Nosso coração se enche de alegria e, principalmente, de otimismo em relação à humanidade.

É bom demais entender que existem pessoas dispostas a darem um pouco de si, a ceder o lugar, quebrar um galho e dar uma força. Disponíveis para os gestos mais simples, mas que são gigantes dentro do nosso coração.

Bom, apesar de todas as influências que o nosso coração sofre durante a vida, a decisão final, de ter determinada atitude ou não, sempre será nossa. Como no caso das famílias que passavam por um inverno bem rigoroso numa cidade gelada entre as montanhas. Logo que o sol caía, via-se, pela chaminé do vizinho da casa amarela, a fumaça de seu fogão a lenha que aquecia a casa toda. Porém, os últimos verões tinham sido bem difíceis para os vizinhos da casa azul e da casa verde, que não conseguiam acumular lenha e buscavam outras formas nada eficientes para se aquecerem.

Certo dia, quando saíam de suas casas, os três vizinhos se encontraram.
– Como foi a noite, vizinhos?

– Fria.

– Muito fria.

– Imagino. Que o próximo verão seja bem mais proveitoso para todos nós. Replicava o vizinho da casa amarela.

Então, o verão chegou e os vizinhos das casas azul e verde acumularam lenha suficiente para além da temporada e, dessa vez, não passariam frio. Já o vizinho da casa amarela, por sua vez, viu sua lenha acabar logo no início do inverno seguinte.

Na casa azul, a mulher do vizinho sugeriu:

– Marido, o vizinho do meio deve estar sem lenha. E nós temos de sobra.

– Ano passado não tínhamos lenha e ele não nos ajudou. Não vou dar minha lenha para ele.

Na casa verde, o filho do vizinho indagou:

– Pai, onde o senhor vai com toda essa lenha?

– Levar para o vizinho da casa amarela.

– Mas, no inverno passado, ele não nos deu nada!

– Se não nos ajudou, meu filho, é porque não tinha o suficiente, tanto que acabou.

Então, o vizinho da casa verde saiu no frio congelante carregando sua lenha, enquanto o vizinho da casa azul repousava em sua poltrona com a casa aquecida. O vizinho da casa amarela não pode conter a emoção de ver a lenha que lhe era ofertada, pois seus filhos tremiam de frio. E o abraço apertado entre os dois selou o sentido da vida.

MORAL DA HISTÓRIA

O egoísta sempre tem uma desculpa. E o generoso também.

Portanto, em um mundo onde você pode ser qualquer coisa, escolha ser legal!


*Luciano Cazz

sexta-feira, 24 de maio de 2019

Aprendi que o “nunca mais” nunca é cumprido, e o “para sempre” sempre acaba

A vida é efêmera e muda num piscar de olhos. Sabendo disso, temos que fazer o nosso melhor todos os dias para aproveitarmos ao máximo e vivermos sem arrependimentos.

A vida tem sua própria maneira de nos mostrar que as coisas estão constantemente mudando, e nossas realidades, por mais que nos façam felizes, não duram para sempre. Tanto as fases ruins quanto as boas em algum momento têm um fim, nada permanece da mesma forma por muito tempo, porque, se assim fosse, estaríamos condenados a sempre viver a mesma vida, sem nenhuma evolução ou inspiração.

O mundo que conhecemos hoje, provavelmente, já não será o mesmo amanhã. As pessoas que conhecemos e amamos agora, daqui há algum tempo podem se tornar nada além de desconhecidas para nós, e até mesmo nossos sentimentos e sonhos podem sofrer uma grande mudança rapidamente.

Isso pode ser assustador, mas a verdade é que quando entendemos o quanto a vida muda e nos educamos para respeitar esse ciclo, vivemos com mais tranquilidade e confiança, compreendendo que as coisas sempre conspirarão para o nosso bem e evolução.

A vida é efêmera e muda num piscar de olhos. Sabendo disso, temos que fazer o nosso melhor todos os dias para aproveitarmos ao máximo e vivermos sem arrependimentos.

Devemos viver com autenticidade, fazendo com que cada uma de nossas atitudes seja uma manifestação de quem realmente somos, esforçando-nos para que nossas ações valham mais do que nossas palavras.

Precisamos assumir a responsabilidade por nossas vidas e fortalecer nossas habilidades para que possamos sempre estar preparados para abraçar todas as oportunidades que surgirem em nossos caminhos.
Entenda que as palavras, por mais bonitas que sejam, não podem guiar as nossas vidas, porque a todo momento podem ser levadas pelo vento.  Todos os “nunca mais” em algum momento se repetem e os “para sempre” se acabam.

No entanto, não devemos nos prender em nós mesmos pelo medo de não sermos valorizados. O que realmente devemos fazer é valorizar mais as atitudes, as demonstrações de amor, interesse, afeto. Devemos fazer com que o nosso momento, o nosso hoje, realmente valha à pena.

O amanhã pode nos guiar para um caminho totalmente diferente do que estamos hoje, e no final só ficaremos com as lembranças do tempo vivido. É por isso que devemos nos esforçar hoje para que tenhamos boas memórias, boas coisas para recordar. Nossas vidas são muito mais significativas quando podemos nos recordar daquilo que já vivemos, com alegria e gratidão.

Portanto, viva o seu hoje com atitude e responsabilidade. Faça da sua vida uma grande experiência que lhe mostre como ser melhor a cada dia e criar momentos únicos, que o acompanharão por toda a sua jornada. Aprenda a preencher cada espaço de sua história com sentimentos positivos e boas companhias, e não se esqueça que as atitudes permanecem, e devem ser tomadas com muito cuidado e dedicação.

Faça a sua parte para que, apesar de as coisas estarem mudando constantemente, sua vida seja sempre uma fonte de gratidão e sabedoria.

*Luiza Fletcher

quinta-feira, 23 de maio de 2019

Deus quer que você faça a coisa certa para poder lhe ajudar

Muitas vezes, Deus o coloca em uma situação difícil, esperando que você faça a coisa certa. Por isso, lute, supere e vença com integridade para que Ele possa auxiliá-lo a conquistar seus sonhos.   
         
Existe um mundo lindo e perfeito esperando por todos nós. Existe uma vida repleta de felicidades no final do túnel. Tudo que se precisa fazer para alcançá-la é seguir o amor que cabe no coração. Deus preparou uma vida paradisíaca para ser desfrutada, apenas espera que a pessoa faça a coisa certa para colocá-la um passo mais próximo do que significa ser feliz.

Entretanto, cada vez que alguém comete um deslize de caráter, que mente ou engana, seu caminho é desviado e nasce um grande risco de se perder. Cada vez que a raiva e o rancor falam mais alto dentro do peito, surgem curvas sinuosas e estradas esburacadas no caminho. Quando sucumbimos à preguiça ou deixamos a tristeza falar mais alto, a estrada do destino fica sombria e nebulosa. Deixar que o egoísmo tome conta de decisões é colocar mais obstáculos e empecilhos antes de chegar naquele lugar maravilhoso que Deus reservou para você.

Muitas vezes, Deus o coloca em uma situação difícil, esperando que você faça a coisa certa. Por isso, lute, supere e vença com integridade para que Ele possa auxiliá-lo a conquistar seus sonhos.

Pode ser que uma pessoa cruze seu caminho precisando de ajuda, ou que seu amigo bata à sua porta para lhe pedir perdão. Lembre-se, será Deus esperando que você acorde o seu lindo coração para o qual Ele já escreveu um destino magnífico, aguardando o seu entendimento de que o sentido da vida é ser forte e resiliente diante das negatividades que existem na vida e no coração para que a felicidade possa brilhar na sua face sorridente que vislumbra um destino repleto de alegrias e muita abundância.

Mesmo quando ninguém estiver olhando, Deus estará ao seu lado, esperando que você faça a coisa certa. Por isso, tome a decisão que enaltece seu caráter, que enche seu coração de bondade e altruísmo. Ele acredita na sua capacidade de ser digno, na sua garra e no tanto de amor que carrega em seu peito. Ele sabe que você é um ser de luz. Que no fundo tudo que você quer é amar e ser amado.

Fazendo o que é certo, seguimos a verdade da existência. Então, entramos em sintonia com a natureza do universo, atraindo as mais sublimes dádivas para a nossa vida.

Alinhamos nossos movimentos com os dos astros e abrimos o portal de uma energia edificante, imbatível e um poder de realização incrível. Desta forma, não há depressão, pois os problemas diminuem, as dificuldades são amenizadas, as dores desaparecem e um passado dolorido pode ser transformado no mais lindo futuro abençoado pelo criador da vida e comandante do destino. Muitos dirão que é sorte, mas você saberá que está fazendo a coisa certa, vibrando em energias positivas e atraindo tudo de melhor para sua existência.


*Luciano Cazz

quarta-feira, 22 de maio de 2019

Precisamos cuidar do nosso amor

Desde já, e para sempre

Antes que seja tarde

Enquanto ainda vale a pena

Enquanto ele ainda está aqui.

Precisamos voltar a nos olhar como sempre nos olhamos

Com ternura, com admiração, com sentimento

Como no tempo em que, mesmo que achássemos, não tínhamos grandes preocupações

O tempo em que não éramos responsáveis pelo nosso sustento, nossa estabilidade, por “dar certo na vida”

Em que não nos era exigida uma postura de “gente grande”…

Precisamos voltar a nos tratar como namorados em êxtase

Como naquela época em que éramos dois descobridores, explorando um ao outro

Desvendando anseios, modos de ser, trejeitos, manias, defeitos

Como quando buscávamos nos agradar o tempo inteiro

Com as mais singelas ou as mais elaboradas atitudes.

Precisamos voltar a sentir a necessidade de investir na relação

Como naquele tempo em que ainda não nos considerávamos conquistados,

Em que precisávamos mostrar o melhor de nós

Conter nossas imperfeições, nossos desgostos com a vida

E separar os problemas que possuíamos, para não “misturar as coisas”.

Precisamos parar de deixar para amanhã nos dedicarmos com mais afinco à nossa relação

Deixar de adiar a atenção que o relacionamento sempre merece

De fazer de conta que o amor supera tudo, e sempre se mantém intacto

E que alguns momentos de “lua de mel”, uma ou duas vezes por ano, tudo resolve

Pois sabemos, no fundo, que não é bem assim…

Precisamos, e antes que o sentimento atrofie, antes que fique em segundo plano

Antes que a rotina definitivamente camufle o que é realmente importante

E o cansaço termine de consumir a pouca energia que nos resta

Precisamos não deixar o nosso amor, de fato, adoecer…

E necessitamos de atitudes concretas, não apenas do reconhecimento do problema

Precisamos ser diligentes um com o outro, prestar atenção, agir

Como no tempo em que o aniversário das coisas mais simples (como o do primeiro beijo) era comemorado como um grande acontecimento

Como no tempo em que nos surpreendíamos com declarações sem motivo específico

E em que fazíamos questão de demonstrar o amor que sentíamos das mais diversas formas.

Precisamos voltar a apoiar as maluquices um do outro

A encorajar os sonhos e os desejos mais impossíveis ou improváveis

A incentivar nosso crescimento e nossa realização

A não levar a vida tão a sério

Precisamos, acima de tudo, resgatar a leveza, sempre tão essencial.

Precisamos

Para que não aconteça o que já vimos acontecer com tantos casais bacanas que possuíam um relacionamento promissor

Para vermos que os nossos sonhos adolescentes não estavam errados

Para congratular todos os momentos lindos que já vivemos

E todos ainda mais maravilhosos que, se assim quisermos, virão.


*Susiane Canal

terça-feira, 21 de maio de 2019

Cooperar é melhor do que competir

“O próximo grande salto evolutivo da humanidade será a descoberta de que cooperar é melhor do que competir.” (Pietro Ubaldi)


Não existe quem, em algum momento do dia, não se questione acerca da humanidade e de sua suposta evolução. Os noticiários trazem muitos fatos que comprovam o quanto algumas pessoas parecem desprovidas de senso, de discernimento, de amor no coração. Quanto mais avança a tecnologia, mais o homem retrocede por dentro, é o que concluímos em muitos momentos.

Talvez pelo alcance sem fronteiras que as notícias possuem através da rede virtual, talvez pela cultura da ostentação consumista, talvez por ausência de religião, pela impunidade, entre outros, fato é que somos cada vez mais surpreendidos pela desumanidade, pela falta de empatia, pela violência que permeia a sociedade. Violência explícita, violência velada, violência.

Soma-se a isso a competitividade exacerbada que baliza todos os setores da vida. Competimos no mercado de trabalho, na escola, na família, nas redes sociais, na vida em si. Nesse contexto, o outro dificilmente é visto como um amigo, porque pode vir a ser um oponente a qualquer instante. Fragilizam-se, assim, as interações sociais no que têm de mais humano, em tudo o que envolve lealdade, amizade, afeto e amor.

É preciso conscientizar-se de que cada um de nós terá a parte que lhe cabe sob o sol, pois todos possuímos algo de bom a oferecer ao mundo. É preciso olhar para fora de si, ajudando o outro, pois somos todos passageiros da mesma embarcação. Quando cooperamos, quando ajudamos, estamos ajudando a nós mesmos também, tornando-nos melhores e mais felizes. Ninguém consegue estar totalmente realizado enquanto pisa as pessoas para subir os degraus de sua jornada.

Você não precisa roubar o brilho de ninguém para emitir luz. Você não precisa diminuir ninguém para se tornar maior. Você não precisa destruir ninguém para construir o seu caminho. A gente vence no coletivo, enquanto dividimos o nosso melhor, compartilhamos conhecimento, ajudamos o próximo. Vencer de forma solitária e mesquinha dificilmente trará o contentamento que a vitória conjunta carrega. Competir saudavelmente, quando a situação o exigir, tudo bem. Deixar de cooperar, para brilhar sozinho, nada bem. O caminho é a convivência harmoniosa, porque quando várias pessoas sorriem, a sensação é maravilhosa. E os resultados práticos também.

Cooperar, mais do que competir. É isso.

*Prof. Marcel Camargo

segunda-feira, 20 de maio de 2019

Tem gente que perde pessoas incríveis por atitudes ridículas

Triste é ver gente boa saindo de nossas vidas em razão de nossos vacilos. Triste é perceber que não valorizamos quando deveríamos. Triste é notar que já é tarde demais. Como dói o tarde demais…

O ser humano parece ter uma capacidade única de ferrar com tudo, como se tivesse medo de ser feliz e partisse para a sabotagem de si mesmo. Muitos ficam correndo atrás de quem nem dá bola para eles, enquanto quem fica junto de verdade é deixado de lado. Muitos só ficam olhando para o que não têm, para o lá longe, mal se dando conta do tanto de afeto e de amor que já possuem em suas vidas.

Todos nós já temos quem torce pela nossa felicidade, pelas nossas conquistas, quem é amigo verdadeiro, quem ficou ali pertinho quando mais precisávamos. Mas muitos de nós não conseguimos nos contentar com o que já é, com as certezas, e queremos o que não chega junto, o que nunca nem nos percebeu como gente. Querer algo novo é bom, no entanto, isso não significa desprezar o que se tem ao lado.

Invejamos a grama do vizinho, desejamos participar das festas do fulano, queremos a amizade do beltrano. Enquanto isso, o verde do nosso jardim, os momentos de nossas vidas e os amigos que conquistamos vão se tornando diminutos, menores, menos visíveis. Regamos ilusões que nunca alcançamos, ao passo que a aridez afetiva assola tudo o que deveríamos regar de fato. E por esse descuido com nossos tesouros nos é cobrado um preço alto: o esvaziamento de nosso quintal.

Ninguém aguenta, por muito tempo, ser preterido, desprezado, ser alguém nulo, invisível, enquanto o outro corre atrás de outras pessoas, enquanto o outro nem se lembra de chamar para sair, para se divertir, enquanto o outro se distancia mais e mais. Ninguém suporta ser alguém inexistente. E então a gente se cansa de uma vez por todas e dá um basta. Aí já era, pois não haverá mais possibilidade de volta. Resultado: o outro fica sem o que já tinha e sem o que nunca teve.

É lógico que as pessoas saem de nossas vidas, por inúmeras razões, porém, perder alguém incrível por atitudes ridículas nos fará carregar uma culpa doída pelo resto de nossos dias. A alguns, essa dor servirá de lição; a outros, nem isso. Certas pessoas nunca conseguirão valorizar aquilo que realmente tem valor. Pois bem, o problema é delas. Sempre será.


*Por Prof. Marcel Camargo

sexta-feira, 17 de maio de 2019

Não deixe ninguém estragar o seu dia com problemas que não são seus

Não vivemos sozinhos, pois nossa vida encontra-se entrelaçada às vidas de quem está ao nosso lado, em casa, no trabalho, aonde quer que vamos. Com isso, acabamos nos envolvendo, em maior ou menor grau, com muitas coisas que, na verdade, não nos dizem respeito. Sendo assim, para que possamos seguir em frente sem carregar demais o peso de nossas passadas, é preciso que tenhamos a consciência de que nem tudo o que acontece tem a ver com o que a gente faz.


Embora seja difícil não nos envolvermos com o que acontece bem ali do nosso lado, principalmente quando se trata de algo relacionado a quem amamos, como, por exemplo, nossos familiares, deveremos conseguir guardar um espaço de calmaria dentro de nós, para que não estejamos sempre com o coração pesado. Caso contrário, não viveremos em paz em nenhum lugar, carregando uma carga negativa em todos os ambientes em que estivermos.


Existem pessoas que nunca estão tranquilas, como se precisassem de preocupação para poder viver. Não conseguem enxergar solução para nada e acabam destinadas a sofrer todos os dias, seja pela sujeira na calçada, por conta de um filho rebelde, da torneira que pinga, prendendo-se a qualquer dissabor, tornando-se presa somente do que não está dando certo. Jamais serão capazes de enxergar o tanto de coisas boas que possuem.



Além de se sentirem a pior das criaturas, tentarão, a todo custo, culpar o mundo por tudo o que lhes acontece, recusando-se a refletir sobre o papel delas próprias naquilo tudo. Muitas vezes, inclusive, elas culpam a nós por aquilo que elas mesmas provocaram, pois não aceitam que o outro não esteja tão infeliz quanto elas e querem nos levar para junto de sua própria escuridão. É assim que muitos parceiros, colegas de trabalho, amigos, acusam uns aos outros e é assim que os relacionamentos se deterioram e findam.


Portanto, é preciso que sempre estejamos fortalecidos e certos quanto ao que somos e fazemos, para que não sejamos influenciados com a negatividade dos outros. Sabermos o que é nosso e o que não nos diz respeito nos livrará da negatividade alheia, blindando-nos contra as tentativas de fora de nos puxar em direção à tristeza e à miséria que não são nossas. Já temos bagagens demais; desnecessário carregarmos as malas de quem só guarda quinquilharia emocional. Sejamos felizes, por causa de e apesar de certas pessoas. É isso.


*Marcel Camargo

quinta-feira, 16 de maio de 2019

Quero o meu chapéu de volta

Há livros infantis que são divertidos, outros vão um passo além: são sublimes e seus ensinamentos abrangem até mesmo os adultos. São livros que valem a pena, como as histórias de Jon Klassen, escritor e ilustrador canadense. 

“Quero o meu chapéu de volta”, Uma maravilhosa história ilustrada sobre o nosso maior erro em enfrentar os problemas da vida. Editado no Brasil pela WMF Martins Fonte, ( foi escolhido pelo New York Times Book Review como um dos dez melhores livros ilustrados do ano em que foi publicado, sendo um sucesso imediato. É um livro encantador e sombrio ao mesmo tempo, com uma narrativa sutil cujos protagonistas, a princípio inexpressivos, de repente revelam tudo o que está dentro deles, para que possamos nos identificar completamente com a suas situações.

A história começa com um urso que perde o chapéu.

Como é lógico, o urso quer encontrar seu chapéu. Sem o chapéu, ele se sente perdido e desesperado, então ele começa a procurá-lo.

Ele pergunta a cada um dos animais que encontra na floresta se eles o viram.

A raposa e o sapo não viram. A tartaruga não viu o chapéu, mas aceita a ajuda do urso para escalar uma rocha. A cobra uma vez viu um chapéu azul e redondo, mas esse não é o chapéu que nosso amigo está procurando, ele é vermelho e pontudo. O tatu nem sabe o que é um chapéu.

Ninguém parece ter visto o seu chapéu.

Até a lebre, que a usa, diz a ele que não a viu. Ela nega categoricamente: “Não, por que você me pergunta? Eu não vi chapéu nenhum por aí. Eu nunca ousaria roubar um chapéu. Pare de me fazer perguntas “, é a sua resposta.

Então Klassen nos dá o primeiro ensinamento do livro: quando estamos imbuídos demais em nosso mundo emocional, é como se tivéssemos vendas que nos impedissem de ver claramente ao nosso redor. Deixando as emoções assumirem, limita-nos de pensar claramente e aproveitar as oportunidades / soluções que estão bem na frente dos nossos olhos. É uma autêntica cegueira emocional.

A história continua.

A certa altura, já deprimido, o urso cai no chão e olha para o céu.

Então ele dá rédea solta ao seu diálogo interior: “Pobre chapéu, sinto tanto a falta dele”. Nesse momento, ele começa a imaginar o quanto se sentirá mal se não encontrar o chapéu, se deixar superar pelo desespero e pelo pensamento catastrófico, que o acrescentam cada vez mais em um laço de negatividade, situação em que todos os adultos e até mesmo crianças mais velhas irão identificar.

Depois de um tempo, aparece o cervo e lhe pergunta como é o seu chapéu. Quando o urso começar a descrever o chapéu, o cervo se recorda de onde o viu, ou melhor, com quem o viu. Então o urso se levanta de um salto e volta a correr pelo bosque, até chegar à lebre.

Então, finalmente, ele recupera o chapéu.

Através desta história simples, Klassen nos encoraja a refletir sobre as armadilhas emocionais e mentais que muitas vezes tendemos a nós mesmos e que nos impedem de encontrar rapidamente a melhor solução.

As emoções não são nossas inimigas. Elas são o sal da vida. Mas se permitirmos que ocorra um sequestro emocional, elas entrarão no curso de nosso pensamento, fazendo com que ele se direcione para reclamações e lamentações, o que nos leva cada vez mais longe da solução.

Sem dúvida, essa maravilhosa história de imagens minimalistas e cores sóbrias nos permite refletir sobre a atitude que assumimos diante dos problemas e é um excelente recurso didático para potencializar a Inteligência Emocional nas crianças.

*A Soma de Todos Afetos

https://www.asomadetodosafetos.com/2019/01/quero-o-meu-chapeu-de-volta-uma-maravilhosa-historia-ilustrada-sobre-o-nosso-maior-erro-em-enfrentar-os-problemas-da-vida.html

Traduzido e adaptado de Rincón de la Psicología, via Pensar Contemporâneo

quarta-feira, 15 de maio de 2019

Não deixe escapar as pessoas que fazem o seu mundo mais bonito

As pessoas que fazem o seu mundo bonito são aquelas que permanecem. Em outras palavras, aqueles que consolam você, fazem você sorrir, ajudam você a manter-se forte diante da vida. Com eles, o seu mundo fica recheado de relacionamentos belos, sólidos, consistentes e leais.

As pessoas que fazem o seu mundo bonito são as sinceras, as que apertam a mão e quando olham nos olhos, atingem o coração. Sua única presença excita, porque eles respeitam, porque não julgam e porque sempre mostram seus rostos. É por isso que eles são as pessoas que fazem o nosso mundo mais bonito.

Tenha cuidado e não os perca, não os deixe sair, não os jogue fora de sua vida. Não cometa o erro de abandoná-los quando algo te atormenta ou quando eles precisam de você. Fique, perdoe e esqueça.

Adoro você

Existem pessoas que amamos. Não por nada em particular, mas porque nos oferecem confiança e placidez porque são as pessoas que fazem o seu mundo, o nosso mundo lindo. São relacionamentos que são cultivados em pequenos detalhes, sinceros e verdadeiros. São aquelas que podem ser alimentadas com olhares de cumplicidade e pequenos gestos, pois cada detalhe se torna um ótimo trabalho.

Esses sentimentos tendem a ser recíprocos e existem certas regras não escritas que prevalecem entre eles. No entanto, muitas vezes esquecemos que o “eu te amo” também deve ser pronunciado e que a gratidão é o melhor alimento para a alma.

Por isso, muitas vezes negligenciamos algo tão importante e vital quanto a demonstração de afeto e atenção às necessidades emocionais de nossos parceiros nessa dança da vida. É por isso que as pessoas que fazem o seu mundo bonito também merecem torná-las bonitas.

O que é negligenciado, é perdido

Dizem que o amor dura enquanto cuidamos dele e cuidamos dele tanto quanto quisermos. Assim, apesar de sermos humanos e às vezes cometemos erros que podem levar a mal-entendidos em relação ao nosso carinho, a verdade é que não podemos permitir que pessoas valiosas escapem.

Infelizmente, é comum ignorarmos pessoas importantes por pura ociosidade, falta de tempo ou um certo desinteresse tingido de egoísmo. Muitas vezes cometemos o erro de não dedicar o tempo necessário para “demonstrar” a essas pessoas o quanto elas são importantes.

Como cuidar dos relacionamentos

Assim, também é provável que em algum momento nós sentimos que alguém nos deixa de lado e ficamos loucos tentando entender o que estava acontecendo. Esse sofrimento é desnecessário e podemos evitá-lo de várias maneiras. Vamos ver alguns:

. Normalmente, o suficiente com algumas palavras para fazer as pessoas entenderem que ausência ou distância não significa esquecer e que, apesar do “abandono temporário”, a presença permanece.

. Mesmo assim, mostrar a alguém que nos importamos é algo que leva tempo e deve ser construído com especial cuidado para que o relacionamento seja saudável e esteja longe de dependências e excessos emocionais.

. Cada tijolo deve ser feito com a máxima sinceridade; Isto é sem egoísmo ou segundas intenções. Então, temos que ter em mente que não devemos criar necessidades, nem mesmo a empresa.

. Isto é conseguido através da comunicação e expressão sincera dos nossos pensamentos e sentimentos. Como é natural, devemos sempre fazê-lo declarando que somos nós que nos sentimos assim, não a pessoa à nossa frente que é responsável pelo desconforto ou mesmo pelo bem-estar.

. Relacionamentos precisam de tempo e experiências para nutrir, sustentar e crescer. Se pararmos de gastar tempo, mostraremos falta de interesse e, consequentemente, afastaremos essas pessoas essenciais.

Nós não podemos deixar de ir aquelas pessoas que fazem o nosso mundo bonito. Com eles podemos ser nós mesmos em toda a nossa essência e com total liberdade, que é algo tão magnífico quanto incomum. Portanto, cuide-se e enriqueça seus relacionamentos, e sempre faça isso da mais absoluta sinceridade.

Não deixe as pessoas que fazem o seu mundo fugir…


*A Soma de Todos Afetos

terça-feira, 14 de maio de 2019

Não confunda o que você merece com o que você aceita

Talvez o conformismo exagerado, junto com o medo, sejam os maiores ladrões de sonhos da humanidade. Existem muitas coisas que não poderemos mudar e com as quais será necessário nos conformar, porém, sempre haverá muito a ser conquistado, ousado, ultrapassado, questionado, virado do avesso, porque é assim que tudo se movimenta para o amanhã. Para tanto, como diz Matheus Jacob, não podemos confundir o que merecemos com o que aceitamos.

Não podemos, jamais, aceitar ofensas gratuitas de quem mal nos conhece, nem mesmo de quem é próximo. Existem pessoas que descontam suas frustrações e sua covardia pessoal em quem não tem nada a ver com suas tempestades, distribuindo mau humor por onde passar. Não podemos aceitar isso.

Não podemos, de maneira alguma, aceitar qualquer violência, tampouco a psicológica, a que se esconde por trás de olhares, comportamentos, falas e silêncios. Existem pessoas que conseguem violentar com atitudes, muitas vezes de uma forma muito mais dolorosa do que a agressão física. Não podemos ser vítimas disso.

Não podemos, nunca, aceitar que confundam nossa solicitude com servidão, que escravizem nossa ajuda, que tornem nosso desprendimento uma obrigação perene. Existem pessoas que desconhecem a gratidão, querendo sempre mais, tirando tudo o que puderem de quem quiser ajudar, inclusive se revoltando caso não sejam atendidos todos os seus desejos. Não podemos ser coniventes com isso.

Não. Não podemos aceitar que o olhar do outro seja mais forte do que nossas verdades mais íntimas. Existem pessoas que jamais irão nos entender, ou ao menos tentar, rotulando cada atitude nossa pejorativamente, diminuindo nossos sonhos, nossas esperanças, nossas conquistas. Não podemos ficar junto de quem não torce por nós.

Não podemos, nem por um segundo, aceitar amor aos pedaços, migalhas de sentimentos, a ponto de ter que implorar por existir, por ser alguém. Existem pessoas que não se entregam, não se doam, presas que estão dentro dos muros do próprio mundinho, de onde nunca sairão, pois ali seu egoísmo se alimenta de si mesmo, sem interferências externas, que não são aceitáveis naquele orgulho todo. Não nos demoremos perto delas.

Se nos conformarmos com tudo, aceitando até mesmo o que faz mal e não foi trazido até nós porque pedimos, caminharemos vagarosos, incompletos e pela metade dos nossos sonhos, de nosso potencial. Aceitar o que não pode ser mudado é sabedoria, mas lutar pelo que pode ser muito melhor é protagonismo, é sobrevivência, é amor próprio. É o que nos salvará da morte em vida. Vivamos!

*Por Prof. Marcel Camargo

segunda-feira, 13 de maio de 2019

Absolutamente tudo o que te machuca, serve para te fortalecer.

De uma forma ou de outra, a vida nos fornece sinais. Alguns positivos, outros negativos, mas todos eles com recados subentendidos. Se andarmos demais na linha, o trem nos pega. Se ficarmos desalinhados, certamente, teremos que lidar com as sequelas de uma consciência pesada. A intuição se faz presente até nos mínimos detalhes. Na simplicidade da vida e no acaso. São as nossas escolhas que nos levam à algum lugar. Por vezes, inclusive, são as erradas que nos levam aos destinos certos. Decisões são essenciais, faça-as.

Quando plantamos a semente do bem em uma horta vazia, colheremos amor no futuro. Para toda ação, uma reação. O positivismo faz com que o universo conspire a favor dos nossos desejos. O negativismo é múltiplo da descrença. Devemos sempre acreditar no poder das palavras, na demonstração através de gestos e atitudes. Quem muito fala, pouco faz. Ninguém muda por alguém, as pessoas se enxergam no espelho por vontade própria. O ser humano não é perfeito, devemos aprender a perdoar. Desculpas, sinceras, são aquelas que apagamos dos nossos corações. Todos merecem uma segunda chance, mas tratando-se de terceiras, recomece do zero. Não force a barra, cada um sabe dos seus limites pessoais. Apaixone-se, goste, ame, entregue-se, mas acima de qualquer emoção, saiba o momento certo de agir com a razão.

Pense antes de fazer, duas ou três vezes, quantas você julgar necessário. Não machuque ninguém gratuitamente. Pague o valor que você cobra, não tente sobressair no preço. Não tire vantagem da ignorância. Continue correndo atrás de diferentes conhecimentos. A inteligência é um forte poder de sedução. Não faça com os outros, o que não gostaria que fizessem com você. Não sinta vergonha de assumir suas mancadas ou deslizes, corrige-os enquanto há oportunidades para mudar isso. Deixe o seu melhor por onde passar, pode ser que seja a última visita para um dos lados. O fato é, que não sabemos absolutamente nada sobre o nosso amanhã, portanto, tenha em mente que não existe nada mais gratificante do que ser quem somos e, assim, recebermos o que merecemos de forma honesta.

Nem todas as relações serão recíprocas, saiba diferenciá-las. Não seja tanto, para alguém mediano. Não desgaste as suas expectativas com quem não sabe valorizar ou reconhecer. Perca a aposta, o seu tempo, dinheiro, a sua vontade, mas mantenha a esperança viva e as suas qualidades inabaláveis. Se não foi dessa vez, uma hora vai dar certo. Acredite no improvável, arrisque no escuro e acenda as luzes existentes no final do túnel. Descubra a bondade, caridade e compaixão com o próximo. Estenda as mãos aos necessitados, afinal, amanhã pode ser você que precise de um apoio.

Não ignore uma chateação, um machucado ou a ferida que ficou aberta de qualquer dor antiga. Decepcionar-se é normal, mas agir diferente é um desafio. Frustrações fazem com que amadurecemos mais rápido, saiba tirar um bom proveito de cada uma delas. Quebrar a cara nos torna mais seguros e corajosos. Perder nos oferece uma ânsia em querer ganhar. Errar nos incentiva a acertar. Para qualquer coisa na vida, existe um lado bom e ruim. O lado bom, devemos mantê-lo cada vez mais evidentes dentro de nós e com atitudes externas. O lado ruim, devemos sugá-lo ao máximo para transformá-lo em vivências e histórias. Pode ser que não sirva para nada, mas toda essa irrelevância, poderá ser completamente essencial ao seu caráter e personalidade.

Tudo só depende de você, de nós. Se cada um fizer a sua parte: na família, na amizade ou no amor, os sentimentos tendem a serem recíprocos. E, confie em mim, onde há reciprocidade habita-se a verdade. Sendo assim, o amor faz tudo dar certo. A responsabilidade está nessa mochila pesada e lotada que você carrega, diariamente, de um lado para o outro. Está na hora de jogar tudo em cima da cama, tirar o desnecessário e caminhar com o que realmente importa. Livre-se do que tanto faz, não guarde nada que possa vir acompanhado de rancor. Leveza é o segredo da paz interior. De nada adianta seguir com quantidade e não qualidade. Materiais não substituem sentimentos, portanto, opte sempre pelo que acelerar o seu coração. O frio na barriga, o arrepio na pele e a ansiedade, são fatores que colocam sentido em toda essa bagunça que nomeamos de paixão. Que saibamos organiza-la e, acima de qualquer contratempo, não troquemos o sorriso por lágrimas.

No final das contas, aceitamos o que achamos que merecemos ter. Não culpe ninguém por ser distraído. E, por favor, não se esqueça do amor próprio: cuidado para não estar se achando esperto demais e, na realidade, estar se passando por idiota. Ninguém vai se preocupar tanto com você, a ponto de não olhar-se para si.

Faça a sua parte, o resto chega até você por questão de merecimento. Aceite conselhos, ainda que prefira errar sozinho. Só não deixe a maré te levar para longe dos seus sonhos. Perceba que sempre existirá alguém para te salvar…

Tudo está sob o seu controle, seja responsável e tenha juízo.

Coragem é coisa de gente grande.

*Jéssica Pellegrini

Há quem não mova uma palha, enquanto outros movem o mundo para nos ver felizes

É bom demais entender que existem pessoas dispostas a darem um pouco de si, disponíveis para os gestos mais simples, mas que são gigantes de...