segunda-feira, 11 de abril de 2016

Em um minuto apenas

Ela era uma mulher feliz como poucas, pensava.
Casada com um homem por quem se apaixonara nos verdes anos de sua adolescência, vivia como uma mulher realizada.
E um filho para completar sua felicidade. O que mais poderia desejar.
Ao despertar todas as manhãs, vivia o dia cantando.
Com alegria realizava todas as tarefas do lar, cuidava de seu filho, e esperava o marido.

Tudo caminhava muito bem, até um dia que descobriu que o homem que tanto amava estava lhe traindo. E não era algo recente. Este problema já existia há muito tempo. Apreensiva dirigiu-se ao marido e exigiu respeito.
Sua resposta foi de forma bruta e violenta. O homem encantador se transformou em um homem irracional e agressivo. E logo a agrediu.

Foi neste dia que ela viu que toda a segurança de seu casamento havia terminado. Era o máximo que podia suportar. Não poderia seguir convivendo com alguém que havia chegado a agressão física.
Então, numa manhã de muita tristeza, de muita angústia, decidiu e tomou uma decisão muito séria. Se mataria, terminaria com sua própria vida. Mas desejava vingança.
Por isso, tomou o filho de quatro anos em suas mãos e decidiu que o mataria também. Que o marido sofresse de arrependimento.

Seu destino era o farol, próximo de onde vivia. Conhecia aquele lugar e de onde o mar golpeava com violência no despenhadeiro. Ao atravessar as ruas de imenso movimento, pois trafegavam muitos carros, seu filho escapou-lhe das mãos e correu pelo meio dos automóveis. Ela se desesperou.

Estranho, levava o filho pelas mãos para atirá-lo no despenhadeiro para que morresse. Mas quando o viu correndo perigo, se abandonou de si mesma e correu ao seu encontro, pegando-lhe pelas mãos. Neste momento a criança se agachou e pegou um papel que o vento ali deixou.

Ela o tira de suas mãos e um título em letras grandes chama-lhe a atenção:
"UM MINUTO APENAS" Ela leu. "Em um minuto apenas, a tormenta passa, a dor passa, o ausente chega. 
O dinheiro chega, o amor parte, a vida continua."

Vai andando e lendo a página. Era uma página escrita por um sábio. Ela terminou de ler. Seu ímpeto passou. Em um minuto apenas.

Na vida, sempre podem aqueles que acreditam que podem

Podemos ver a vida como uma luta ou como uma oportunidade, tudo depende da abordagem, há aqueles que sentem que precisam lutar continuamente...